Maffesoli, Redes Sociais e o Mundo Reencantado | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/5/2013
Maffesoli, Redes Sociais e o Mundo Reencantado
Guilherme Mendes Pereira

+ de 6300 Acessos

Michel Maffesoli, sociólogo francês, pupilo de Gilbert Durand, atualmente professor da Universidade Paris Descartes, é um dos pensadores expoentes do que muitos convencionaram como pós-modernidade, conceito guarda-chuva que tenta abranger nossa sociedade contemporânea, suas práticas, produções culturais e relações sociais.

Figura despojada e ao mesmo tempo formal, de olhar brando e também firme, - destaque para a gravata-borboleta e as meias coloridas - Maffesoli nos proporcionou momentos de animada e entusiasmante companhia em um seminário ministrado por ele na Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, entre os dias 21 e 23 de novembro de 2012.

Divertida surpresa, além da oportunidade de travar contato com ideias articuladas cara-a-cara pelo pensador aclamado mundialmente foi, em dado momento, presenciá-lo corrigindo o tradutor, (sim, ele compreende bem até demais o nosso português): - [...] colegas não. Amigos! (ele referia-se ao público presente no seminário). E foi essa espontaneidade (quase Facebookiana) calorosa e fraternal que permeou sua fala densa e plural, recheada de uma manancial de conceitos e ideias, durante todo o evento.

Tento nos poucos parágrafos seguintes trazer algumas das inúmeras ideias apresentadas por esse mais novo e simpático amigo do Facebook. Destaco em particular os conceitos que tentam iluminar o nosso presente cibermediado e a vida cotidiana conduzida através das redes.

As teses de Maffesoli, grosso modo, partem da tentativa de compreender as comunidades (que ele chama de tribos) e seus imaginários e práticas cotidianas, entendidos como elos (cimento social) que alicerçam e sustentam a vida nas sociedades contemporâneas.

Para entendermos algo precisamos desvelar seus paradoxos e estruturas ao longo do tempo. Assim, a todo momento, Maffesoli nos expôs a dicotomia modernidade versus pós-modernidade. A modernidade com seu monoteísmo de valores, fundada na tradição perene, nas verdades absolutas, na ciência, nas grandes narrativas, na utopia do progresso e na ideia da salvação futura do espírito individual versus a pós-modernidade, barroca, difusa, fragmentada, descrente e caótica, que dá lugar ao politeísmo de valores, as ambiguidades, conflitos e incertezas dos sujeitos.

O conceito politeísmo de valores tenta sinalizar que não acreditamos mais na salvação através do trabalho, por intermédio de uma divindade onisciente e onipotente ou até mesmo pelo auxílio de um super-herói filho da modernidade. Perdidos, confusos e inseguros, nós, agora pós-modernos, parecemos retornar aos anseios e instintos arcaicos mais intuitivos. O futuro é incerto, o ideal de progresso e as grandes ideologias foram descortinadas. O importante agora é o estar junto. É o viver o presente com seus próximos da forma mais prazerosa possível. Aos olhos de Maffesoli, a aparente superficialidade do estar junto começa a ser complexificada e revalorada.

Nesse momento pós-moderno germinam sujeitos duplos, ambíguos, que se expressam através da teatralidade do dia-a-dia, do sentimento trágico da existência. Nas redes sociais da internet, por exemplo, como nos mostrou Maffesoli, insurgem outras formas de estar junto, de copertencer e de se relacionar, baseadas não mais no contrato social, mas agora no que o pensador chama de o pacto emocional.

É a chamada horizontalidade pós-moderna (a lei dos irmãos ou imanação) maximizada pela evolução tecnológica que substitui a verticalidade moderna (a lei do pai), que durante muito tempo estratificou e institucionalizou ideologicamente a sociedade em fatias estanques, seguras. Através da lei dos irmãos, os sentidos agora são construídos e experenciados no momento presente, e, através de uma maximização do sensorial e das relações sociais, tudo passa a ter sentido. É o momento da viralidade nos meios de comunicação social digitais. Aliás, a metáfora do vírus revela um contraponto interessante a assepsia e sanidade obstinadamente galgadas na modernidade, como nos indicou Maffesoli. Na net se propaga a figura do fractal, do fragmentado, do barroco, e os indivíduos passam a buscar a realização através do online na vivência de pequenas utopias intersticiais. Pequenas utopias que preenchem os vazios, conectam pedaços de nossas vivências e nos ligam ao outro.

O pensador ilustrou a pós-modernidade através da figura de Dionísio, ambígua, errante, aventureira, em busca do gozo na vivência despreocupada do presente. É a imagem da criança eterna, que carece de apoio do elemento maternal. Sinaliza o regresso às entranhas, ao sensível, ao sensorial. Sintonizada com as cadências do devir. O ser humano é percebido em seu âmago, além do cérebro racionalizador, com seu corpo sensual pleno de ritmos e sentidos. Essa imagem se contrapõe a Apolíneo ou Prometeu, representante da época moderna, um adulto centrado em si, coerente, trabalhador e procriador, que influenciou a racionalização da vida social no esquema da linha de montagem, baseada no trabalho e no contrato social.

O sujeito pós-moderno, hedonista e narcisista, que se importa com o gozo presente acima de tudo, valoriza e usufrui do seu corpo, da sexualidade e suas ambivalências. Mas esse narcisismo, conforme destacou Maffesoli não se constitui a partir do mergulho no reflexo de si, e sim na imersão na profusão do ambiente aquífero que conforma esse reflexo. No narcisismo das redes online importa a comunhão com o outro através do mergulho nas redes informacionais que acomodam realidades. Busca-se maneiras alternativas de se viver. Na net, florescem ímpetos de generosidade e solidariedade em prol do estar junto. Compartilhar, colaborar, cooperar são as ideias da vez que demostram essa outra forma de fruição do sujeito que se dá através do (e pelo) outro. Só há eu, mundo e coisas sob o olhar e elaboração do outro, insistiu Maffesoli.

Para o sociólogo, existe uma agitação entre paradigmas diversos, numa espécie de processo que tende ao equilíbrio: a supremacia de um tende a estimular a sobreposição de outro. Assim, no embate modernidade versus pós-modernidade os arcaísmos parecem retornar neste segundo momento.

Assim sendo, por exemplo, com o avanço da técnica no ocidente, o desenvolvimento científico e a racionalização totalitária das coisas e da vida, aconteceu uma espécie de desencantamento do mundo. Mas com a tecnologia pós-moderna, que uniu o logos a techné, parece acontecer o contrário: o reencantamento do mundo. A maior expressão atual disso, a internet, revela como seu principal propósito hoje o estabelecimento de laços, o gozo real, o lúdico do momento.

Só se pode captar o real a partir do seu avesso: o irreal, advertiu Maffesoli. O irreal advém do imaginário. O irreal, o imaginário, o lírico e o onírico renascem sob a alcunha do realismo mágico. Realismo esse potencializado pelas tecnologias cibernéticas. A pandemia da comunicação digital viral pós-moderna traz consigo outras formas de solidariedade e o pacto emocional das tribos pós-modernas. Pacto através do qual a razão e o humano, o intelecto e o afeto voltam a se inter-relacionar. E aí se acontece outro renascimento, juvenil, sobre o qual temos ainda muito o que apreender e compreender.

Após três dias de muitas conversas e apreensão de ideias, Maffesoli se foi, deixando saudades em seus mais novos amigos. Mas continuamos mantendo contato pelo Facebook.

Para ir além:
MAFFESOLI, Michel. O conhecimento comum. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

MAFFESOLI, Michel. O tempo retorna: formas elementares do pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.


Guilherme Mendes Pereira
Pelotas, 24/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O santo relutante de Gian Danton
02. Namoro de portão de Verônica Mambrini
03. Michael Moore e o grande mentecapto de Lucas Rodrigues Pires
04. Três Homens Baixos de Rennata Airoldi
05. Sobre a leitura na tela de jornais e revistas de Vicente Tardin


Mais Guilherme Mendes Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ÁLBUM DAS GAROTAS
LYNDA MADARAS AREA MADARAS
MARCO ZERO
(1993)
R$ 12,00



LEIS COMPLEMENTARES
MARIA ALESSANDRA BRASILEIRO DE OLIVEIRA
LETRA LEGAL
(2004)
R$ 9,00



INSIDE GIRL - PROBLEMAS NO PARAÍSO 3
J. MINTER
ID
(2012)
R$ 12,00



O AMANTE DE LADY CHATTERLEY
D. H. LAWRENCE
EDIOURO
(1985)
R$ 12,00



D. MARIA AUGUSTA RUI BARBOSA (DOIS DEPOIMENTOS)
MEC
MEC
R$ 23,28



SEKRETOJ DE LA MARESTAĵOJ
PETAR GIUNIO
KROATIA ESPERANTO-SERVO
(1960)
R$ 28,00



CARTAS CHILENAS
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
MARTIN CLARET
(2007)
R$ 16,00



HISTÓRIA DA MORTE NO OCIDENTE
PHILIPPE ARIÈS
SARAIVA
(2012)
R$ 70,00



A NOITE MAIS DENSA 6 DC
DC
PANINI
(2010)
R$ 5,00



ASSOCIATIVISMO DOCENTE E CONSTRUÇÃO DEMOCRÁTICA - BRASIL- PORTUGAL: 1950-1980
LIBANIA XAVIER
EDUERJ - FAPERJ
(2013)
R$ 25,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês