A pintura intempestiva de Egas Francisco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
>>> Artista ucraniana expõe pela 1a vez no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jabá é sempre jabá
>>> Guimarães Rosa: um baiano de sangue
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
>>> O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Sobre a vida no campo
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Unidade na multiplicidade
Mais Recentes
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 10 de Pontes de Miranda pela BookSeller (2000)
>>> Tratado de Direito Privado - Tomo 22 de Pontes pela BookSeller (2003)
>>> Didático de Enfermagem Teoria e Prática - Volume I de José Jardes da Gama - Sandra Maria da Penha pela Eureka (2017)
>>> Geografia 7º Ano - Espaço e Vivência - Livro do Aluno de Levon Boligian e Outros pela Atual (2016)
>>> The Adventures of Tom Sawayer de Mark Twain pela Sterling (2010)
>>> Ataque do Comando P. Q de Moacyr Scliar pela Ática (2006)
>>> Uma Aventura no Mundo de Tarsila de Mércia M Leitão - Neide Duarte pela Do Brasil (1999)
>>> Educando Filhos Responsáveis de Elizabeth M Ellis pela Ática (1997)
>>> Celebridade de Chris Rojek pela Racco (2008)
>>> O Pagador de Promessas de Dias Gomes pela Ediouro (2006)
>>> Tudo é Poesia - Livro II - 2ª Edição de Ray Lima pela Queima - Bucha (2005)
>>> Os Escravos de Castro Alves pela Cedic
>>> Geografia - Volume Único - Vereda Digital - Livro do Aluno de Bacic Silva Lozano pela Moderna (2012)
>>> Nuevo Listo Parte a - Livro do Aluno de Roberta Amendola pela Santillana (2012)
>>> Jornadas - Português - 6º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> Jornadas - Português - 9º Ano - Livro do Aluno de Dileta Delmanto - Laiz B de Carvalho pela Saraiva (2016)
>>> E Agora, Mãe? - 3ª Edição de Isabel Vieira pela Moderna (2018)
>>> É de Morte! de Flávia Savary pela Ftd (2014)
>>> Os Três Mosqueteiros Em Cordel de Klévisson Viana pela Leya (2011)
>>> História 360º - Livro do Aluno de Alfredo Boulos Júnior pela Ftd (2017)
>>> Hyperlink - 2 Edition de Albina Escobar pela Pearson (2014)
>>> Access - Volume 1 - Livro do Aluno de Luiz Otávio Barros pela Richomond (2016)
>>> Davi e a Árvore da Riqueza de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> O Patinho Feio de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2005)
>>> Os Animais do Mundinho de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2007)
>>> Um Mundinho de Paz de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2012)
>>> João e o Pé de Feijão de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2006)
>>> A Riqueza Está Em Toda Parte de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2015)
>>> Dinheiro Nasce Em Árvore? de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> Uma Escada Chamada Vida: Coleção Crescer e Enriquecer de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2018)
>>> A Magia do Lixo - 3ª Edição de Jonar Brasileiro - Kátia Rocha pela Humanidades Educação (2016)
>>> De Olho na Amazônia - 2ª Edição de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Dcl (2011)
>>> A Receita da Prosperidade de Angélica Rodrigues Santos - Rogério Olegário pela Humanidades Educação (2017)
>>> Projeto Teláris - História 9º Ano - Livro do Aluno de Gislane Azevedo - Reinaldo Seriacopi pela Ática (2015)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer: um Guia para Toda a Vida de Mara e Outros pela Sextante (2006)
>>> Conexões: George Washington a Compadre Washington de Super Interessante pela Abril (2016)
>>> Super 30 Anos: as Revoluções das Três Últimas Décadas de Abril pela Abril (2017)
>>> Acontecem Há Mais de Cem Anos de Elto Koltz pela Prazer de Ler (2011)
>>> A Bússola e a Balança: por um Mundo Mais Justo de Maria Lúcia de Arruda Aranha pela Moderna (2001)
>>> Sistemas Digitais: Fundamentos e Aplicações - 9ª Edição de Floyd pela Bookman (2007)
>>> Contos de Exemplo de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2014)
>>> Globalização: o Que é Isso, Afinal? 2ª Edição de Cristina Strazzacappa - Valdir Montanari pela Moderna (2006)
>>> Educando Filhos Responsáveis de Elizabeth M Ellis pela Ática (1997)
>>> Noilde Ramalho: uma História de Amor à Educação de Daladier Pessoa Cunha Lima pela Liga de Ensino do Rn (2004)
>>> O Homem Que Se Achava Napo Leão: por uma História Política da Loucura de Laure Murat pela Três Estrelas (2009)
>>> Brincadeiras do Tempo da Vovozinha de Maria das Graças Brandão Soares pela Gracinha (2012)
>>> Almanaque Anos 70: Lembranças e Curiosidades de uma Década Muito Doida de Ana Maria Bahiana pela Ediouro (2006)
>>> V - Ray: para Google Sketchup 8 de Glauber Cavassani pela Érica (2012)
>>> Estudo Dirigido - Autocad 2008 - 2ª Edição de Claudia Campos Lima pela Érica (2008)
>>> Curso Prático de Redação - Escreva Bem Em Todos as Situações de Janaina Azevedo Corral pela Universo dos Livros (2010)
COLUNAS

Terça-feira, 1/10/2013
A pintura intempestiva de Egas Francisco
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5800 Acessos

Na provincianíssima cidade de Campinas, localizada no interior do Estado de São Paulo, vive um grande pintor: Egas Francisco. Isolado (e exilado) do grand monde da arte, ele diariamente cumpre seu ritual de criar obras inacreditáveis. Sobre seu trabalho já escreveram os críticos J. Toledo, Mario Schemberg, Alberto Beuttenmüller, dentre outros. Participou de exposições no Museu de Arte Moderna de São Paulo (Masp) em 1975, da Bienal de Udine, Itália, em 1988, tendo feito exposições na Europa, em importantes cidades como Sttutgard, Milão, Frankfurt, Amsterdan.

Dois fatores tiveram influência na falta de um devido reconhecimento de sua obra: o período de sua maturidade plena enquanto pintor, anos 60 e 70, era a época do discurso sobre a morte da pintura, da valorização da arte conceitual e sensorial, das performances e instalações. Uma época que praticamente condenava a pintura de viés "expressionista" em nome de uma arte conceitual (no mínimo). E o segundo fator, o isolamento do artista numa cidade onde um movimento forte de artes plásticas praticamente não existe (embora existam bons pintores na cidade). Junto a isso, a preguiça dos críticos, curadores, instituições museológicas e até galerias, muitas vezes tomados mais por modismos comerciais do que pela valorização da qualidade artística (nem sempre com valor de mercado). No entanto, Egas Francisco é e ficará, sem sombra de dúvida, como um dos grandes pintores do Brasil. Suas telas possuem a força, o temperamento, a surpresa, a amplitude emocional e poética necessárias para que suas criações sejam únicas em identidade formal e simbólica.

Frutos de um impressionante domínio da pintura e de uma psique convulsionada, os temas ao qual o artista se entrega são criados sempre de forma arrebatadora, imaginativa e tecnicamente impecável.

Cada tela branca chama-o a universos desconhecidos que vão se desdobrando e vindo à vida a cada pincelada. Egas é mais do que tudo um artista inspirado. Se fizesse arte para satisfazer o gosto do público sentiria que estaria se traindo, renegando o jogo dos sentimentos desconhecidos que o invadem a cada criação.

Sua busca é pela forma que se cria através da ativação de extensos campos de ressonância emocional. Pense-se, por exemplo, num tema caro ao artista, o erotismo, que é ao mesmo tempo foco de desejo, luxúria, prazer, mas também de frustração, conflito interno, desdém, humor e ironia.

Dentro de suas telas as formas encerram cargas emotivas em potencial: pinceladas que se cruzam, manchas que se avolumam, cores que contrastam podem evocar lembranças, desejos eróticos, a presença da morte ou da solidão. Como diz o próprio artista, "visitar meu atelier é passar pelo paraíso, pelo purgatório e pelo inferno". Nesse sentido, o extenso vocabulário de temas que encontramos em sua obra é bastante significativo.

Para além do tema, as formas e cores agem nas suas telas muitas vezes como recursos metafóricos e alegóricos. Cores e formas são transposições evocativas de lembranças perdidas, de pesadelos, de estranhas mutações psíquicas e corporais, de formas inimagináveis, dotadas de grande poder de penetração no observador.

Na sua pintura, a metáfora visual é significativa em si mesma, como fato pictórico puro. Egas, fiel aos valores pictóricos, emprega seu repertório de temas para organizar sua imaginação em termos visuais, amparado na própria materialidade da pintura: cores são acionadas tanto em consonância como em dissonância, em movimentação brusca ou parada, como blocos que sustentam o conjunto ou que dispersam os sentidos esperados; pinceladas criam ampla movimentação nas figuras, desfigurando-as muitas vezes, distorcendo os espaços, criando novas perspectivas aéreas. O objetivo é esclarecido pelo próprio artista, que diz: "Muitas vezes eu procuro fazer com que o observador se desloque e se sinta mal".

Produzidas por amplos gestos, cada pincelada torna-se uma caligrafia de uma sensibilidade complexa, criada a partir da interação ao mesmo tempo formal e subjetiva. Seu objetivo é atrair o espectador para o ato da criação, mostrando na desordem dos elementos uma coerência de energias que se avolumam na tela criando várias articulações de sentidos.

Suas formas, apesar de poderem começar com um simples rabisco ou marca inconsciente, são acionadas por intuições conscientes nas quais a experiência prática cotidiana do enfrentamento da tela tem grande participação. As suas telas são produzidas sem premeditações, mas, nem por isso, sem a pressão fiel e inflexível de um sentimento de precisão que traz em si a experiência de muitos anos de prática da pintura.

É o que comenta o artista ao ser indagado sobre seu processo de criação:

JARDEL: O quadro nasce como resultado de um controle e um descontrole ao mesmo tempo?

EGAS: A arte é onde seus nervos afloram. O ato de pintar, compor, de gestar alguma coisa, é um ato que envolve uma paixão muito grande. Você está inteiramente exposto naquilo que você faz, pois você está correndo todos os riscos e está consciente também de que você está correndo esse risco. Ao mesmo tempo em que existe a sua intuição, que ela inicia algum processo, a sua razão acompanha e controla dentro de uma pseudorazão, não é a razão propriamente dita. Não é a razão dos homens. É uma outra razão. Porque você está vivendo alguma coisa tão intensamente, você está dentro daquilo que você está vivendo...

JARDEL: E aí você não consegue pensar de fora?

EGAS: É. Você não consegue, pois está pensando de dentro do que você está vivendo. Na obra vão ficar impregnados todos os seus nervos, tudo o que é seu vai ficar ali. Se esta obra não resultar forte, então ela não significa nada.


Egas é um artista que não perdeu o contato com o significado do gesto humano. Por isso, não subordina nunca sua pintura à teoria, como fizeram muitos artistas, como os construtivistas, os neoplasticistas, os minimalistas e os teóricos da arte conceitual. Da mesma forma que a natureza humana é inconstante, variando em suas fantasias, desejos, sentimentos, paixões, não cabendo em camisas de força lógicas para explicá-las ou guiá-las, a sua obra também se mostra hostil às formas pré-concebidas, buscando, ao contrário, justamente os desacertos da forma, as contradições do movimento, os contrastes subjetivos entre cor e luz.

O significado da potência vigorosa da sua arte pode ser encontrado nas formas vivas, como pedaços de carnes vibrantes de cor e movimento, que se concretizam nas suas telas. Dissolvendo as formas e os contornos das figuras, pinceladas sugerem uma espécie de erotismo vital contendo tanto passagens de calor (quando o vermelho contamina as formas que jorram incontroláveis ao seu lado), como de frio vibrante (quando o branco se aloja sobre formas em constante tensão). Uma profusão de pinceladas desconcertantes, retorcidas, opticamente vibrantes, não raro entrecortadas, revela uma técnica magistral de uso da cor, que cria uma realidade visual impactante aos olhos do espectador. Suas obras caracterizam-se, por isso mesmo, pela cor forte e não naturalista e pelas pinceladas intensas.

Sua busca pela forma é o resultado de uma retidão de propósito que reflete uma extraordinária clareza de pensamento e de sentimento em relação à sua dedicação quase mística à pintura. Segundo palavras do próprio artista: "Eu acho que se a forma falha, falhou tudo, não tem mais chance, porque na pintura não se vive sem forma."

Na sua pintura, a interação dos elementos é dada num grande fluxo de encontros ou cruzamentos visuais, quando contornos internos e externos são fragmentados por golpes e contragolpes provindos dos gestos do pintor. A tenacidade da perícia do gesto executado rapidamente, quase instantaneamente, é extraordinária. Através dessa disposição se produz claridades luminosas e vivacidades que não poderiam ser atingidas em composições mais meditadas.

Para o artista, a forma da pintura deve ser, como numa composição musical, guiada pelo ritmo: "O equilíbrio é importante sim, mas o ritmo é mais importante, eu acho que não existe arte sem ritmo, nenhuma, nem a arte de falar. Nós estamos falando aqui, mas se nós perdermos o ritmo não vai ter graça nem sentido. Então, na pintura se eu perder o ritmo, eu dancei".

O interesse pelo movimento sempre foi uma constante no trabalho de Egas: "Eu sempre desenhei desde criança, e eu sempre tive a audácia e o atrevimento de querer surpreender o flagrante, de querer pegar uma figura em movimento, de perseguir uma pessoa, ir atrás de uma pessoa andando para desenhar o andar dela, não ela, o andar dela. Um ciclista, por exemplo, não a bicicleta dele, mas o movimento da bicicleta, não o cavalo como ele se apresenta anatomicamente... o cavalo correndo, o trote do cavalo".

A pintura é para Egas como uma concentração de energia que se apodera do artista e se transmuta para as telas. Sentimentos que brotam de tensões quase insuportáveis, transformadas em visões admiráveis nas suas telas, elevam sua arte à grandeza da pintura de outros tempos. A influência de Van Gogh, nesse sentido, é clara e revelada pelo próprio pintor: "Quem mais me marcou foi Vincent Van Gogh, sem eu nunca o copiar. Marcou na expressão, no conteúdo e na tragédia".

Diferente da pintura de um artista como El Greco, que faz as formas ascenderem de maneira suave, do natural ao sobrenatural, Egas produz uma tensão sem equivalente entre estes dois mundos antinômicos. Esta forma de apresentar essa crise entre matéria e espírito está presente em várias telas do artista.

Através de gestos expressivos, que traduzem visões essenciais para a linguagem dinâmica da cor, o artista deixa de lado as ambições restritas ao objeto da arte mimética e, embalado pelo poder expressivo genuíno, ingressa numa dimensão mais elevada da criação. Afinal, não é através desse ato ontológico radical que a subjetividade libera-se das influências corrompidas do pensamento racional, dando acesso ao cerne da criatividade originária?

O que o interessa é jamais se tornar ilustrativo. Sua pintura não é fonte de informação ou de narrativas coerentes. Cada centímetro da tela recebe os golpes que fazem introduzir em cada mínimo detalhe o maior e mais profundo conteúdo expressivo. Aqui a expressão não é levada para fora, mas para dentro do recipiente que é a obra de arte. Por isso, ao se observar a pintura de Egas, deve-se desdobrar a forma e estar atento a cada pequeno detalhe, esses códigos de intensidade que carregam exorbitantes cargas energéticas.

O procedimento de Egas não nos é estranho. Vários artistas procuram nas formas exteriores o seu conteúdo interior. Um músico como Debussy, por exemplo, criava impressões espirituais ao transformar em imagens alguns timbres de suas formas musicais. Toda a movimentação das suas pinceladas tenta encontrar uma correspondência na invenção de uma linguagem pictórica que concretize seu conceito de necessidade interior. E se toda arte tem um conteúdo interior, a forma é a manifestação exterior deste conteúdo.

Podemos também encontrar na sua atitude ecos da celebração dionisíaca de Nietzsche, que exaltava a energia transbordante da vontade livre. Isso se traduz na definição do gesto expressivo como um transbordamento de um impulso espiritual próprio ao artista. A forma da arte, seu estilo, é resultado desta tensão.

A relação entre sua pintura e o expressionismo é visível, mas o próprio artista define essa relação nos seguintes termos: "O expressionista faz um trabalho que sempre inclui naquilo que ele faz alguns signos relacionados com o destino do homem: nascer, viver, morrer. Isso existe. E acho que isso é que me liga a todos os expressionistas".

A pintura de Egas, consequentemente, pode produzir no espectador algo próximo a um delírio, onde realidade e ficção se misturam, onde consciente e inconsciente se cruzam, numa espécie de cópula pictural frenética.

Sua obra é o resultado de uma necessidade interior imperativa: querer pintar. "Eu faço pintura procurando satisfazer uma necessidade interior interna muito forte, que é movida por uma ansiedade muito grande."

Um trecho do poema "Estúdio sem vento", de Régis de Morais, talvez nos fale mais diretamente o que a pintura de Egas pode ser:

Benvindos ao meu reino de sol e espantos.
De passarinhos mortos, mulheres loucas e
iluminadas crianças. Entrem.
E me perdoem se aqui o eterno é efêmero
E o efêmero se constrói definitivo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENGLISH RESULT UPPER-INTERMEDIATE MULTIPACK A
MARK HANCOCK / ANNIE MCDONALD / JOE MCKENNA
OXFORD
(2011)
R$ 9,30



O DESENCANTAMENTO DO MUNDO
PIERRE BOURDIEU
PERSPECTIVA
(1979)
R$ 20,00
+ frete grátis



FIM DE MILÊNIO. UMA HISTÓRIA DOS CALENDÁRIOS, PROFECIAS E CATÁSTROFES CÓSMICAS
BERTÍLIA LEITE E OTHON WINTER
J. ZAHAR
(1999)
R$ 10,00



MARIA NA RELIGIOSIDADE POPULAR - 1ª EDIÇÃO
NILZA MARIA BOTELHO MEGALE (AUTOGRAFADO)
AVE-MARIA
(2007)
R$ 18,00



FUNDAMENTOS DOUTRINÁRIOS DE UMBANDA
RUBENS SARACENI
MADRAS
(2013)
R$ 30,00



OS REINOS DAS ONDINAS E DOS SILFOS - NO MUNDO DOS ELEMENTAIS - VIAGENS
VASARIAH
VASARIAH
(2003)
R$ 170,00



GUIA DA SEXUALIDADE - REEDIÇÃO AMPLIADA E ILUSTRADA
GUIA DA SEXUALIDADE - REEDIÇÃO AMPLIADA E ILUSTRAD
DO AUTOR
(2008)
R$ 4,00



SUJO! CORRUPÇÃO NO BRASIL
JULIO EMILIO BRAZ
FTD
(1994)
R$ 5,00



A PAIXÃO DE JESUS - EVANGELHO DE NICODEMOS (ATOS DE PILATOS) - DESCIDA DE CRISTO AOS INFERNOS - DECLARAÇÃO DE JOSÉ DE ARIMATÉIA
LINCOLN RAMOS
VOZES
(1991)
R$ 20,00



SONETOS
LUÍS DE CAMÕES
MARTIN CLARET
(2017)
R$ 29,13





busca | avançada
28797 visitas/dia
1,0 milhão/mês