A pintura intempestiva de Egas Francisco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> Ciências Naturais - Aprendendo o Cotidiano 6 de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (2009)
>>> Matemática 6 - Projeto Araribá de Juliana Matsubara Barroso pela Moderna (2007)
>>> A Cidade Inteira Dorme e Outros Contos de Ray Bradbury pela Biblioteca Azul (2019)
>>> Contos Universais - Para Gostar de Ler 11 de Vários pela Ática (2003)
>>> Agatha Christie O Incidente da Bola do Cachorro de John Curran pela Leya (2010)
>>> The 39 Clues - Uma Nota Errada de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> David Copperfield de Charles Dickens pela Macmilan Readers (2008)
>>> Hamlet Adaptado Série Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> Os Miseráveis adaptado por Walcyr Carrasco de Victor Hugo, Walcyr Carrasco pela FTD (2002)
>>> O Corcunda de Notre-Dame adaptação Série Reencontro de Victor Hugo, Jiro Takahashi pela Scipione (1997)
>>> Romeu e Julieta Adaptado Reencontro de William Shakespeare, Leonardo Chianca pela Scipione (2001)
>>> La Nausée de Jean Paul Sartre pela Éditions Gallimard, (1972)
>>> La Guerra de Guerrillas de Ernesto Che Guevara pela Ocean Sur (2006)
>>> La Emancipación de la Mujer en la URSS de Solomín pela Ediciones Europa-América, (1936)
>>> Juca Mulato de Menotti Del Pcchia pela Cprculo do Livro (1976)
>>> Inferno de Dan Brown pela Doubledays Books (2013)
>>> I Am a Strange Loop de Douglas Hoftstadter pela Basic Books, (2008)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Ática (1996)
>>> História do Rei Degolado nas Caatingas do Sertão Ao Sol da Onça Caetana de Ariano Suassuna pela José Olympio (1977)
>>> Grundrisse Manuscritos econômicos de 1857-1858 - esboços da crítica da economia política de Karl Marx pela Boitempo (2011)
>>> Great Expectations de Charles Dickens pela BBC Books (2011)
>>> 1808 de Laurentino gomes pela Planeta (2007)
>>> Coisas da Casa de Zélia Maria Guerra Simões pela Karmim (1990)
>>> A Marca De Uma Lágrima de Pero Bandeira pela Moderna (1994)
>>> Teoria Z Como as Empresas podem enfrentar o desafio Japonês de William Ouchi pela Fundo Educativo Brasileiro (1982)
>>> Hesse Obstinação de Hermann Hesse pela Record (1971)
>>> Bilionários Por Acaso de Ben Mezrich pela Intríseca (2009)
>>> Melhores Filhos Melhores Pais de Pe. Zezinho, scj pela Universo dos Livros (2012)
>>> O Amor Humilde de Pe. Zezinho, scj pela Paulinas (2003)
>>> Pais e filhos Companheiros de viagem de Roberto Shinyashiki pela Gente (1992)
>>> Reiniciados de Teri Terry pela Farol literário (2019)
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Os Melhores contos de Natal de Charles Dickens-Jack London- Nathaniel Hawthorne- O. Henry pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Sete Vozes Falam (Sem uso) de Catharose de Petri pela Rosa Cruz Áurea/ Sp. (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 1/10/2013
A pintura intempestiva de Egas Francisco
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6100 Acessos

Na provincianíssima cidade de Campinas, localizada no interior do Estado de São Paulo, vive um grande pintor: Egas Francisco. Isolado (e exilado) do grand monde da arte, ele diariamente cumpre seu ritual de criar obras inacreditáveis. Sobre seu trabalho já escreveram os críticos J. Toledo, Mario Schemberg, Alberto Beuttenmüller, dentre outros. Participou de exposições no Museu de Arte Moderna de São Paulo (Masp) em 1975, da Bienal de Udine, Itália, em 1988, tendo feito exposições na Europa, em importantes cidades como Sttutgard, Milão, Frankfurt, Amsterdan.

Dois fatores tiveram influência na falta de um devido reconhecimento de sua obra: o período de sua maturidade plena enquanto pintor, anos 60 e 70, era a época do discurso sobre a morte da pintura, da valorização da arte conceitual e sensorial, das performances e instalações. Uma época que praticamente condenava a pintura de viés "expressionista" em nome de uma arte conceitual (no mínimo). E o segundo fator, o isolamento do artista numa cidade onde um movimento forte de artes plásticas praticamente não existe (embora existam bons pintores na cidade). Junto a isso, a preguiça dos críticos, curadores, instituições museológicas e até galerias, muitas vezes tomados mais por modismos comerciais do que pela valorização da qualidade artística (nem sempre com valor de mercado). No entanto, Egas Francisco é e ficará, sem sombra de dúvida, como um dos grandes pintores do Brasil. Suas telas possuem a força, o temperamento, a surpresa, a amplitude emocional e poética necessárias para que suas criações sejam únicas em identidade formal e simbólica.

Frutos de um impressionante domínio da pintura e de uma psique convulsionada, os temas ao qual o artista se entrega são criados sempre de forma arrebatadora, imaginativa e tecnicamente impecável.

Cada tela branca chama-o a universos desconhecidos que vão se desdobrando e vindo à vida a cada pincelada. Egas é mais do que tudo um artista inspirado. Se fizesse arte para satisfazer o gosto do público sentiria que estaria se traindo, renegando o jogo dos sentimentos desconhecidos que o invadem a cada criação.

Sua busca é pela forma que se cria através da ativação de extensos campos de ressonância emocional. Pense-se, por exemplo, num tema caro ao artista, o erotismo, que é ao mesmo tempo foco de desejo, luxúria, prazer, mas também de frustração, conflito interno, desdém, humor e ironia.

Dentro de suas telas as formas encerram cargas emotivas em potencial: pinceladas que se cruzam, manchas que se avolumam, cores que contrastam podem evocar lembranças, desejos eróticos, a presença da morte ou da solidão. Como diz o próprio artista, "visitar meu atelier é passar pelo paraíso, pelo purgatório e pelo inferno". Nesse sentido, o extenso vocabulário de temas que encontramos em sua obra é bastante significativo.

Para além do tema, as formas e cores agem nas suas telas muitas vezes como recursos metafóricos e alegóricos. Cores e formas são transposições evocativas de lembranças perdidas, de pesadelos, de estranhas mutações psíquicas e corporais, de formas inimagináveis, dotadas de grande poder de penetração no observador.

Na sua pintura, a metáfora visual é significativa em si mesma, como fato pictórico puro. Egas, fiel aos valores pictóricos, emprega seu repertório de temas para organizar sua imaginação em termos visuais, amparado na própria materialidade da pintura: cores são acionadas tanto em consonância como em dissonância, em movimentação brusca ou parada, como blocos que sustentam o conjunto ou que dispersam os sentidos esperados; pinceladas criam ampla movimentação nas figuras, desfigurando-as muitas vezes, distorcendo os espaços, criando novas perspectivas aéreas. O objetivo é esclarecido pelo próprio artista, que diz: "Muitas vezes eu procuro fazer com que o observador se desloque e se sinta mal".

Produzidas por amplos gestos, cada pincelada torna-se uma caligrafia de uma sensibilidade complexa, criada a partir da interação ao mesmo tempo formal e subjetiva. Seu objetivo é atrair o espectador para o ato da criação, mostrando na desordem dos elementos uma coerência de energias que se avolumam na tela criando várias articulações de sentidos.

Suas formas, apesar de poderem começar com um simples rabisco ou marca inconsciente, são acionadas por intuições conscientes nas quais a experiência prática cotidiana do enfrentamento da tela tem grande participação. As suas telas são produzidas sem premeditações, mas, nem por isso, sem a pressão fiel e inflexível de um sentimento de precisão que traz em si a experiência de muitos anos de prática da pintura.

É o que comenta o artista ao ser indagado sobre seu processo de criação:

JARDEL: O quadro nasce como resultado de um controle e um descontrole ao mesmo tempo?

EGAS: A arte é onde seus nervos afloram. O ato de pintar, compor, de gestar alguma coisa, é um ato que envolve uma paixão muito grande. Você está inteiramente exposto naquilo que você faz, pois você está correndo todos os riscos e está consciente também de que você está correndo esse risco. Ao mesmo tempo em que existe a sua intuição, que ela inicia algum processo, a sua razão acompanha e controla dentro de uma pseudorazão, não é a razão propriamente dita. Não é a razão dos homens. É uma outra razão. Porque você está vivendo alguma coisa tão intensamente, você está dentro daquilo que você está vivendo...

JARDEL: E aí você não consegue pensar de fora?

EGAS: É. Você não consegue, pois está pensando de dentro do que você está vivendo. Na obra vão ficar impregnados todos os seus nervos, tudo o que é seu vai ficar ali. Se esta obra não resultar forte, então ela não significa nada.


Egas é um artista que não perdeu o contato com o significado do gesto humano. Por isso, não subordina nunca sua pintura à teoria, como fizeram muitos artistas, como os construtivistas, os neoplasticistas, os minimalistas e os teóricos da arte conceitual. Da mesma forma que a natureza humana é inconstante, variando em suas fantasias, desejos, sentimentos, paixões, não cabendo em camisas de força lógicas para explicá-las ou guiá-las, a sua obra também se mostra hostil às formas pré-concebidas, buscando, ao contrário, justamente os desacertos da forma, as contradições do movimento, os contrastes subjetivos entre cor e luz.

O significado da potência vigorosa da sua arte pode ser encontrado nas formas vivas, como pedaços de carnes vibrantes de cor e movimento, que se concretizam nas suas telas. Dissolvendo as formas e os contornos das figuras, pinceladas sugerem uma espécie de erotismo vital contendo tanto passagens de calor (quando o vermelho contamina as formas que jorram incontroláveis ao seu lado), como de frio vibrante (quando o branco se aloja sobre formas em constante tensão). Uma profusão de pinceladas desconcertantes, retorcidas, opticamente vibrantes, não raro entrecortadas, revela uma técnica magistral de uso da cor, que cria uma realidade visual impactante aos olhos do espectador. Suas obras caracterizam-se, por isso mesmo, pela cor forte e não naturalista e pelas pinceladas intensas.

Sua busca pela forma é o resultado de uma retidão de propósito que reflete uma extraordinária clareza de pensamento e de sentimento em relação à sua dedicação quase mística à pintura. Segundo palavras do próprio artista: "Eu acho que se a forma falha, falhou tudo, não tem mais chance, porque na pintura não se vive sem forma."

Na sua pintura, a interação dos elementos é dada num grande fluxo de encontros ou cruzamentos visuais, quando contornos internos e externos são fragmentados por golpes e contragolpes provindos dos gestos do pintor. A tenacidade da perícia do gesto executado rapidamente, quase instantaneamente, é extraordinária. Através dessa disposição se produz claridades luminosas e vivacidades que não poderiam ser atingidas em composições mais meditadas.

Para o artista, a forma da pintura deve ser, como numa composição musical, guiada pelo ritmo: "O equilíbrio é importante sim, mas o ritmo é mais importante, eu acho que não existe arte sem ritmo, nenhuma, nem a arte de falar. Nós estamos falando aqui, mas se nós perdermos o ritmo não vai ter graça nem sentido. Então, na pintura se eu perder o ritmo, eu dancei".

O interesse pelo movimento sempre foi uma constante no trabalho de Egas: "Eu sempre desenhei desde criança, e eu sempre tive a audácia e o atrevimento de querer surpreender o flagrante, de querer pegar uma figura em movimento, de perseguir uma pessoa, ir atrás de uma pessoa andando para desenhar o andar dela, não ela, o andar dela. Um ciclista, por exemplo, não a bicicleta dele, mas o movimento da bicicleta, não o cavalo como ele se apresenta anatomicamente... o cavalo correndo, o trote do cavalo".

A pintura é para Egas como uma concentração de energia que se apodera do artista e se transmuta para as telas. Sentimentos que brotam de tensões quase insuportáveis, transformadas em visões admiráveis nas suas telas, elevam sua arte à grandeza da pintura de outros tempos. A influência de Van Gogh, nesse sentido, é clara e revelada pelo próprio pintor: "Quem mais me marcou foi Vincent Van Gogh, sem eu nunca o copiar. Marcou na expressão, no conteúdo e na tragédia".

Diferente da pintura de um artista como El Greco, que faz as formas ascenderem de maneira suave, do natural ao sobrenatural, Egas produz uma tensão sem equivalente entre estes dois mundos antinômicos. Esta forma de apresentar essa crise entre matéria e espírito está presente em várias telas do artista.

Através de gestos expressivos, que traduzem visões essenciais para a linguagem dinâmica da cor, o artista deixa de lado as ambições restritas ao objeto da arte mimética e, embalado pelo poder expressivo genuíno, ingressa numa dimensão mais elevada da criação. Afinal, não é através desse ato ontológico radical que a subjetividade libera-se das influências corrompidas do pensamento racional, dando acesso ao cerne da criatividade originária?

O que o interessa é jamais se tornar ilustrativo. Sua pintura não é fonte de informação ou de narrativas coerentes. Cada centímetro da tela recebe os golpes que fazem introduzir em cada mínimo detalhe o maior e mais profundo conteúdo expressivo. Aqui a expressão não é levada para fora, mas para dentro do recipiente que é a obra de arte. Por isso, ao se observar a pintura de Egas, deve-se desdobrar a forma e estar atento a cada pequeno detalhe, esses códigos de intensidade que carregam exorbitantes cargas energéticas.

O procedimento de Egas não nos é estranho. Vários artistas procuram nas formas exteriores o seu conteúdo interior. Um músico como Debussy, por exemplo, criava impressões espirituais ao transformar em imagens alguns timbres de suas formas musicais. Toda a movimentação das suas pinceladas tenta encontrar uma correspondência na invenção de uma linguagem pictórica que concretize seu conceito de necessidade interior. E se toda arte tem um conteúdo interior, a forma é a manifestação exterior deste conteúdo.

Podemos também encontrar na sua atitude ecos da celebração dionisíaca de Nietzsche, que exaltava a energia transbordante da vontade livre. Isso se traduz na definição do gesto expressivo como um transbordamento de um impulso espiritual próprio ao artista. A forma da arte, seu estilo, é resultado desta tensão.

A relação entre sua pintura e o expressionismo é visível, mas o próprio artista define essa relação nos seguintes termos: "O expressionista faz um trabalho que sempre inclui naquilo que ele faz alguns signos relacionados com o destino do homem: nascer, viver, morrer. Isso existe. E acho que isso é que me liga a todos os expressionistas".

A pintura de Egas, consequentemente, pode produzir no espectador algo próximo a um delírio, onde realidade e ficção se misturam, onde consciente e inconsciente se cruzam, numa espécie de cópula pictural frenética.

Sua obra é o resultado de uma necessidade interior imperativa: querer pintar. "Eu faço pintura procurando satisfazer uma necessidade interior interna muito forte, que é movida por uma ansiedade muito grande."

Um trecho do poema "Estúdio sem vento", de Régis de Morais, talvez nos fale mais diretamente o que a pintura de Egas pode ser:

Benvindos ao meu reino de sol e espantos.
De passarinhos mortos, mulheres loucas e
iluminadas crianças. Entrem.
E me perdoem se aqui o eterno é efêmero
E o efêmero se constrói definitivo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
05. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GÉNESIS DE LOS DEPORTES (4979)
JEAN LE FLOCHMOAN
LABOR
R$ 16,00



DEMONIOS FAMILIARES A REALIDADE DO MUNDO ESPIRITUAL E AS ARMAS PARA A
S V MILTON
AD SANTOS
R$ 18,90



VESTIDO EM CHAMAS
OCIMAR VERSOLATO
ALEPH
(2018)
R$ 20,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
L&PM
(2014)
R$ 15,00



WISH CASA MAIO
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PLANTAS MEDICINAIS
FRANÇÕIS BALMÉ
HEMUS
(1978)
R$ 35,00



DICIONÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA ENFERMAGEM 2005/2006
OBRA COLETIVA (4489)
EPUB
(2004)
R$ 20,00



BIOLOGIA 2
ARMÊNIO UZUNIAN E ERNESTO BIRNER
HARBRA
(2002)
R$ 8,00



JUDY MOODY SALVA O MUNDO!
MEGAN MACDONALD
SALAMANDRA
(2005)
R$ 15,00



MAR TERRITORIAL
CELSO DE ALBUQUERQUE MELLO
LIVRARIA FREITAS BASTOS
(1965)
R$ 19,28





busca | avançada
23612 visitas/dia
922 mil/mês