Referências | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Quarta-feira, 20/5/2009
Referências
Luiz Rebinski Junior

+ de 2700 Acessos

Ao contrário de comentadores turrões e mal-humorados, dificilmente me chateio com o cenário cultural ― literatura, música, artes plásticas, teatro, jornalismo e cinema. Sempre acho que há muita coisa boa sendo produzida e que o que falta é tempo para ver, ouvir, assistir e ler tudo de importante que rola por aí. Claro, sempre se pode discutir se um determinado período foi ou não mais prolífico do que outro, mas o fato é que a roda não para de girar. Se nas décadas de 1930/40 tínhamos Salvador Dalí, nos anos 1970/80 apareceu Warhol; hoje, quem reina é Damien Hirst. Em comum, todos foram acusados de picaretagem artística, de transformar a arte em um grande negócio. Além disso, os três artistas escreveram sua rubrica na história da arte moderna, independente do gosto ou opinião da crítica. Bem, este é só um exemplo do poder de reciclagem da arte e do homem.

Tenho urticárias quando ex-hippies de pouco cabelo começam com aquele papo de que os anos 60/70 eram tudo de bom. E devem ter sido mesmo, mas a horrível década de 80 produziu coisas lindas também. Então, essa de ficar glorificando períodos, comigo não cola. Isso é só para dizer que as minhas influências não passam pelo filtro do preconceito. Quem gosta de música deve conhecer pelo menos um daqueles caras tapados que acham que só aquilo que eles escutavam quando eram adolescentes é bacana. Bandas novas, tudo lixo. Nada agrada, é tudo muito comercial etc. etc. Em geral, esses tipos já estão entrando na casa dos 30 e sua coleção de CDs ― CDs, sim, porque é óbvio que eles não baixam música! ―, parou no quinto ou sexto disco do Iron Maiden ou do Rush. São pessoas que não se reciclam e ficam para trás, aí dizem que não gostam disso ou daquilo só para enganar, não dizer que desconhecem.

Então, abaixo listo um punhadinho de gente, de diferentes estirpes, que admiro e que já fizeram ou ainda fazem minha cabeça:

Fiódor Dostoiévski: Esse é Deus! Dos anos 1990 em diante, os leitores brasileiros foram salvos pelas novas edições que saíram das obras de Dostoiévski, vertidas diretamente do russo. As traduções mais antigas eram sempre feitas ou de versões do francês ou do inglês, o que deixava o texto do mestre russo em frangalhos, pois nos chegava a tradução da tradução. Então ficou mais fácil entender a genialidade de obras como Memórias do subsolo, O idiota, Os irmãos Karamazov e Crime e castigo, este último o meu preferido. Para falar pouco do livro, ele é um agregador de gêneros literários: é história de amor, romance policial e psicológico, retrato político de uma época, história social de um povo etc. Não há como ficar indiferente à desgraça que acomete o jovem Raskólnikov. Assim como acontece com o protagonista depois do crime a que se refere o título do romance, você nunca mais vai ser o mesmo depois desse livro.

Dalton Trevisan: Não há uma linha de Dalton Trevisan que seja descartável. Tudo que escreveu é relevante. Escreve pouco, é verdade, mas essa talvez seja a chave de seu êxito literário. Dalton Trevisan é o criador de uma forma de escrita da qual é o grande mestre. Para os desavisados, escreve sempre o mesmo livro há 50 anos; para quem vai fundo em sua obra, ele faz as vezes de construtor, que monta e remonta novas histórias sempre com a mesma matéria-prima. Cronista de uma cidade que só existe em seus contos, Dalton construiu uma obra calcada nas pequenas desgraças e tragédias do dia a dia. O inferno conjugal de Dalton Trevisan se faz com embriaguez, farra, traição e pederastia. Esses elementos estarão em toda a sua obra, lembrando ao leitor que as pequenas tragédias são atemporais e permanentes.

Rubem Fonseca: A turma de Rubem Fonseca chegou à literatura para falar não mais do Brasil profundo, do sertão e das misérias de nossos rincões mais obscuros. Em nossa tardia revolução industrial, a favela tomou o lugar do sertão na literatura nacional. Rubem Fonseca calcou sua literatura na trinca sexo-violência-miséria e, com livros como O Cobradror, fez de sua escrita um modelo para novos escritores, que o imitaram à exaustão. Mesmo não sendo lá muito bajulado pela crítica, Rubem Fonseca é daqueles poucos escritores que não têm leitores, mas sim fãs. Eu me incluo nesta categoria.

Ruy Castro: O mineiro mais carioca do atual jornalismo nacional conseguiu o que nove entre dez jornalistas com veleidades literárias deseja: largar a redação e escrever livros. Ainda que esteja bastante ativo na imprensa, Ruy Castro se dedica a projetos pessoais, vasculhando a vida de ídolos como Garrincha e Carmen Miranda. A biografia de Nelson Rodrigues é um verdadeiro clássico, tão boa quanto qualquer texto do nosso maior dramaturgo. O livro é daqueles que pedem mais de uma leitura, além de ser um título de referência não só para jornalistas. Ruy Castro também escreveu livros fantásticos sobre ícones da cultura norte-americana (Saudades do século XX), além de obras-primas do jornalismo literário (Carnaval no fogo). Em suma, um autor essencial.

Sérgio Augusto: Quem se interessa por jornalismo cultural não pode deixar de ler Sérgio Augusto. Lado B é uma amostra importante da erudição e sensibilidade de um jornalista que ainda resiste à era da desvalorização do trabalho jornalístico. Veterano na imprensa, Sérgio Augusto ainda se mostra relevante e atual nas páginas do "Caderno 2", onde exibe semanalmente seu conhecimento enciclopédico de cinema, literatura, artes plásticas e jornalismo.

Mais!: Esse foi paixão à primeira vista. O caderno dominical da Folha de São Paulo é, para mim, leitura obrigatória. Posso estar com uma ressaca desgraçada no domingo, mas não deixo de comprar a Folha, só por causa do "Mais!". Um dos preceitos do bom jornalismo é surpreender o leitor. Isso o "Mais!" faz com frequência. Arena de debate sobre questões importantes da literatura, sociologia, História e cultura em geral, o caderno mostra por que os jornais ainda são relevantes.

Tim Maia: O cara mais rock da música brasileira, Tim Maia escreveu algumas das canções mais bonitas de nossa MPB. Flertando com o brega, com a black music americana e até com o nosso baião, Tim foi um artista único. Seu disco de estréia é algo sensacional; já o seu tão comentado Racional é uma obra-prima sonora com letras descartáveis. A biografia escrita por Nelson Motta jogou luz sobre a figura contraditória, mas única, de Tim Maia.

Marcel Duchamp: O artista francês ensinou a muita gente o que é arte com seu radicalismo estético. Depois de seus readymades, com sua estranha Fontaine encabeçando a lista, a arte ficou menos burocrática e sisuda. A sua avaliação crítica das condições em que a arte foi criada e comercializada estabeleceu uma tendência que hoje continua atual ― haja vista a maneira como Warhol e seus seguidores se relacionaram com a indústria e o mundo da arte. Mesmo com essa característica libertária, suas obras ainda continuam a embaralhar mentes.

John Fante: Tudo que um adolescente precisa para se apaixonar pela literatura. Com Fante a literatura se transforma em um passeio agradável e sem hora para terminar. As desventuras de Arturo Bandini não são apenas cômicas, mas melancólicas e, em alguns momentos, dramáticas. A porra-louquice do aspirante a escritor é tão cativante que deu origem a um personagem ainda mais porra-louca: Henry Chinaski, o irmão mais novo, bêbado e escrachado do autor de "O cachorrinho riu".

Neil Young: O vovô Neil é um cara fodástico! Discografia quilométrica, talento idem. É difícil apontar um disco meia-boca entre os mais de 40 que já gravou. Mas certamente Everybody knows this is nowhere (1969), Harvest (1972) e Zuma (1975) são discos para se ter na prateleira. O velhinho sabe como ninguém mesclar, em um mesmo álbum, baladas doces com rocks rasgados de arrepiar costeletas. Um clássico.

Woody Allen: Não dá para deixar de fora o "Senhor Referência" em uma lista de referências. O judeuzinho nova-iorquino sabe como ninguém fazer uma citação inteligente sem ser cabotino. Suas versões não-oficiais de Crime e castigo (Crimes e pecados e Match point) são bárbaras. Assim como Almodóvar e Hitchcok, não dá para parar de assistir depois do primeiro filme.

Nelson Rodrigues: Para fechar a listinha, vá lá, um gênio tupiniquim. Nelson Rodrigues, além de ser nosso maior dramaturgo, é o nosso grande cronista esportivo, o que não é pouco em um país apinhado de gente que fala de futebol. A sua genialidade é tamanha, que é até mesmo difícil estragar suas peças. Álbum de família, uma das minhas preferidas, é a síntese de seu teatro: incesto, traição, amor, ódio e crônica social. Junto com Dalton e Guimarães Rosa, é um dos mais inventivos escritores de nossa história literária.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
04. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
05. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU ESTOU OK VOCÊ ESTA OK - AS RELAÇÕES DO BEM-ESTAR PESSOAL
DR THOMAS A HARRIS
ARTENOVA
(1973)
R$ 35,10
+ frete grátis



ANDY
GEOFFREY DUTTON
EDITIONS FLEUVE NOIR
(1970)
R$ 10,00



TEMPO DE ESPERANÇA
MARK FINLEY
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2010)
R$ 8,00



ARTES MÁGICAS 1 - SORCERY AS MONTANHAS SHAMUTANTI
STEVE JACKSON
MARQUES SARAIVA
(1983)
R$ 44,50



CRÔNICAS ESCOLHIDAS - FOLHA DE S. PAULO
LIMA BARRETO
ATICA
(1995)
R$ 5,00



CORRUPÇÃO - MEMÓRIAS DE UM CABRA DA PESTE
JOSÉ DANIEL DE ALENCAR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DIAMOND BROTHERS 1 A FANTÁSTICA ENCRENCA DO CHOCOLATE
ANTHONY HOROWITZ
FUNDAMENTO
(2014)
R$ 19,90



OBTENÇÃO DE ÓXIDOS BASEADOS EM NI E CO PARA OXIDAÇÃO PARCIAL DO METANO
ANA PAULA DA SILVA PERES UND DULCE M. A. MELO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



NOÇÕES BÁSICAS DE IMPORTAÇÃO 6ª EDIÇÃO
JOÃO DOS SANTOS BIZELLI E RICARDO BARBOSA
ADUANEIRAS
(1997)
R$ 6,00



DICIONÁRIO BIOGRÁFICO VOLUME 2
EDIT ABRIL
ABRIL
(1972)
R$ 4,99





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês