Referências | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Quem vale a pena seguir

Quarta-feira, 20/5/2009
Referências
Luiz Rebinski Junior

+ de 2800 Acessos

Ao contrário de comentadores turrões e mal-humorados, dificilmente me chateio com o cenário cultural ― literatura, música, artes plásticas, teatro, jornalismo e cinema. Sempre acho que há muita coisa boa sendo produzida e que o que falta é tempo para ver, ouvir, assistir e ler tudo de importante que rola por aí. Claro, sempre se pode discutir se um determinado período foi ou não mais prolífico do que outro, mas o fato é que a roda não para de girar. Se nas décadas de 1930/40 tínhamos Salvador Dalí, nos anos 1970/80 apareceu Warhol; hoje, quem reina é Damien Hirst. Em comum, todos foram acusados de picaretagem artística, de transformar a arte em um grande negócio. Além disso, os três artistas escreveram sua rubrica na história da arte moderna, independente do gosto ou opinião da crítica. Bem, este é só um exemplo do poder de reciclagem da arte e do homem.

Tenho urticárias quando ex-hippies de pouco cabelo começam com aquele papo de que os anos 60/70 eram tudo de bom. E devem ter sido mesmo, mas a horrível década de 80 produziu coisas lindas também. Então, essa de ficar glorificando períodos, comigo não cola. Isso é só para dizer que as minhas influências não passam pelo filtro do preconceito. Quem gosta de música deve conhecer pelo menos um daqueles caras tapados que acham que só aquilo que eles escutavam quando eram adolescentes é bacana. Bandas novas, tudo lixo. Nada agrada, é tudo muito comercial etc. etc. Em geral, esses tipos já estão entrando na casa dos 30 e sua coleção de CDs ― CDs, sim, porque é óbvio que eles não baixam música! ―, parou no quinto ou sexto disco do Iron Maiden ou do Rush. São pessoas que não se reciclam e ficam para trás, aí dizem que não gostam disso ou daquilo só para enganar, não dizer que desconhecem.

Então, abaixo listo um punhadinho de gente, de diferentes estirpes, que admiro e que já fizeram ou ainda fazem minha cabeça:

Fiódor Dostoiévski: Esse é Deus! Dos anos 1990 em diante, os leitores brasileiros foram salvos pelas novas edições que saíram das obras de Dostoiévski, vertidas diretamente do russo. As traduções mais antigas eram sempre feitas ou de versões do francês ou do inglês, o que deixava o texto do mestre russo em frangalhos, pois nos chegava a tradução da tradução. Então ficou mais fácil entender a genialidade de obras como Memórias do subsolo, O idiota, Os irmãos Karamazov e Crime e castigo, este último o meu preferido. Para falar pouco do livro, ele é um agregador de gêneros literários: é história de amor, romance policial e psicológico, retrato político de uma época, história social de um povo etc. Não há como ficar indiferente à desgraça que acomete o jovem Raskólnikov. Assim como acontece com o protagonista depois do crime a que se refere o título do romance, você nunca mais vai ser o mesmo depois desse livro.

Dalton Trevisan: Não há uma linha de Dalton Trevisan que seja descartável. Tudo que escreveu é relevante. Escreve pouco, é verdade, mas essa talvez seja a chave de seu êxito literário. Dalton Trevisan é o criador de uma forma de escrita da qual é o grande mestre. Para os desavisados, escreve sempre o mesmo livro há 50 anos; para quem vai fundo em sua obra, ele faz as vezes de construtor, que monta e remonta novas histórias sempre com a mesma matéria-prima. Cronista de uma cidade que só existe em seus contos, Dalton construiu uma obra calcada nas pequenas desgraças e tragédias do dia a dia. O inferno conjugal de Dalton Trevisan se faz com embriaguez, farra, traição e pederastia. Esses elementos estarão em toda a sua obra, lembrando ao leitor que as pequenas tragédias são atemporais e permanentes.

Rubem Fonseca: A turma de Rubem Fonseca chegou à literatura para falar não mais do Brasil profundo, do sertão e das misérias de nossos rincões mais obscuros. Em nossa tardia revolução industrial, a favela tomou o lugar do sertão na literatura nacional. Rubem Fonseca calcou sua literatura na trinca sexo-violência-miséria e, com livros como O Cobradror, fez de sua escrita um modelo para novos escritores, que o imitaram à exaustão. Mesmo não sendo lá muito bajulado pela crítica, Rubem Fonseca é daqueles poucos escritores que não têm leitores, mas sim fãs. Eu me incluo nesta categoria.

Ruy Castro: O mineiro mais carioca do atual jornalismo nacional conseguiu o que nove entre dez jornalistas com veleidades literárias deseja: largar a redação e escrever livros. Ainda que esteja bastante ativo na imprensa, Ruy Castro se dedica a projetos pessoais, vasculhando a vida de ídolos como Garrincha e Carmen Miranda. A biografia de Nelson Rodrigues é um verdadeiro clássico, tão boa quanto qualquer texto do nosso maior dramaturgo. O livro é daqueles que pedem mais de uma leitura, além de ser um título de referência não só para jornalistas. Ruy Castro também escreveu livros fantásticos sobre ícones da cultura norte-americana (Saudades do século XX), além de obras-primas do jornalismo literário (Carnaval no fogo). Em suma, um autor essencial.

Sérgio Augusto: Quem se interessa por jornalismo cultural não pode deixar de ler Sérgio Augusto. Lado B é uma amostra importante da erudição e sensibilidade de um jornalista que ainda resiste à era da desvalorização do trabalho jornalístico. Veterano na imprensa, Sérgio Augusto ainda se mostra relevante e atual nas páginas do "Caderno 2", onde exibe semanalmente seu conhecimento enciclopédico de cinema, literatura, artes plásticas e jornalismo.

Mais!: Esse foi paixão à primeira vista. O caderno dominical da Folha de São Paulo é, para mim, leitura obrigatória. Posso estar com uma ressaca desgraçada no domingo, mas não deixo de comprar a Folha, só por causa do "Mais!". Um dos preceitos do bom jornalismo é surpreender o leitor. Isso o "Mais!" faz com frequência. Arena de debate sobre questões importantes da literatura, sociologia, História e cultura em geral, o caderno mostra por que os jornais ainda são relevantes.

Tim Maia: O cara mais rock da música brasileira, Tim Maia escreveu algumas das canções mais bonitas de nossa MPB. Flertando com o brega, com a black music americana e até com o nosso baião, Tim foi um artista único. Seu disco de estréia é algo sensacional; já o seu tão comentado Racional é uma obra-prima sonora com letras descartáveis. A biografia escrita por Nelson Motta jogou luz sobre a figura contraditória, mas única, de Tim Maia.

Marcel Duchamp: O artista francês ensinou a muita gente o que é arte com seu radicalismo estético. Depois de seus readymades, com sua estranha Fontaine encabeçando a lista, a arte ficou menos burocrática e sisuda. A sua avaliação crítica das condições em que a arte foi criada e comercializada estabeleceu uma tendência que hoje continua atual ― haja vista a maneira como Warhol e seus seguidores se relacionaram com a indústria e o mundo da arte. Mesmo com essa característica libertária, suas obras ainda continuam a embaralhar mentes.

John Fante: Tudo que um adolescente precisa para se apaixonar pela literatura. Com Fante a literatura se transforma em um passeio agradável e sem hora para terminar. As desventuras de Arturo Bandini não são apenas cômicas, mas melancólicas e, em alguns momentos, dramáticas. A porra-louquice do aspirante a escritor é tão cativante que deu origem a um personagem ainda mais porra-louca: Henry Chinaski, o irmão mais novo, bêbado e escrachado do autor de "O cachorrinho riu".

Neil Young: O vovô Neil é um cara fodástico! Discografia quilométrica, talento idem. É difícil apontar um disco meia-boca entre os mais de 40 que já gravou. Mas certamente Everybody knows this is nowhere (1969), Harvest (1972) e Zuma (1975) são discos para se ter na prateleira. O velhinho sabe como ninguém mesclar, em um mesmo álbum, baladas doces com rocks rasgados de arrepiar costeletas. Um clássico.

Woody Allen: Não dá para deixar de fora o "Senhor Referência" em uma lista de referências. O judeuzinho nova-iorquino sabe como ninguém fazer uma citação inteligente sem ser cabotino. Suas versões não-oficiais de Crime e castigo (Crimes e pecados e Match point) são bárbaras. Assim como Almodóvar e Hitchcok, não dá para parar de assistir depois do primeiro filme.

Nelson Rodrigues: Para fechar a listinha, vá lá, um gênio tupiniquim. Nelson Rodrigues, além de ser nosso maior dramaturgo, é o nosso grande cronista esportivo, o que não é pouco em um país apinhado de gente que fala de futebol. A sua genialidade é tamanha, que é até mesmo difícil estragar suas peças. Álbum de família, uma das minhas preferidas, é a síntese de seu teatro: incesto, traição, amor, ódio e crônica social. Junto com Dalton e Guimarães Rosa, é um dos mais inventivos escritores de nossa história literária.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
04. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
05. Nós o Povo de Marilia Mota Silva


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Quem vale a pena seguir
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BUSQUE E DESTRUA
SCOTT CLELAND - IRA BRODSKY
MATRIX
(2012)
R$ 15,00



ATLAS GEOGRÁFICO ESCOLAR - 2ª EDIÇÃO - PARA ENTENDER O MUNDO EM QUE ..
COMPANHIA EDITORA NACIONAL
NACIONAL
(2011)
R$ 54,00



POEIRA PELOS CAMINHOS: BRINCADEIRAS DE ONTEM E DE HOJE
MARCIA CHAVES-GAMBOA E SIVIA SANCHES GAMBOA (
Q GRAFICA
(2011)
R$ 20,00



FUNÇÃO DA ARQUITETURA MODERNA
NÃO IDENTIFICADO
SALVAT
(1979)
R$ 12,00



O NEGOCIADOR
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2009)
R$ 23,24



MANUAL DE SIDERURGIA E MINERAIS METÁLICOS DO BRASIL
HONORINO CARNEIRO DE QUEIROZ
LIVRARIA H. ANTUNES
(1942)
R$ 15,00



ATLAS DA HISTÓRIA DO MUNDO AGORA
GEOFFREY BARRACLOUGH
AGORA
(2000)
R$ 4,30



CRIAÇÃO E FORMAÇÃO: FENOMENOLOGIA DE UMA OFICINA
CHRISTINA M. B. CUPERTINO
VILLIPRESS
(2001)
R$ 50,00



DIREITO DO TRABALHO - TEORIA GERAL E SEGURANÇA E SAÚDE
CÉSAR REINALDO OFFA BASILE
SARAIVA
(2011)
R$ 19,00



IMAGINAR A PAZ
ELIE WIESEL (PREFÁCIO)
UNESCO; PAULUS
(2006)
R$ 17,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês