Defensores da Amazônia | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
>>> Sarau do Vale participa do projeto de 10 anos do Grupo Rosas Periféricas
>>> Cia Linhas Aéreas serve aperitivo para a temporada presencial de 2022
>>> Rosas Periféricas apresenta Labirinto Selvático e Ladeira das Crianças em novembro
>>> SESI-SP apresenta Filó Machado 60 Anos de Música em teatros de São Paulo e Piracicaba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Um piano pela estrada
>>> The Good Wife visita Private Practice
Mais Recentes
>>> Venda Mais - Os 14 mitos do Marketing - Ano 6 - Nº77 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Por que as empresas quebram? - Ano 6 - Nº80 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Você pode realizar seus sonhos - Ano 6 - Nº 75 de Vários pela Quantum (2021)
>>> Venda Mais - Porque você é do jeito que é - Ano 6 - Nº 78 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Edição aniversário - 7 anos - Vendendo mais e melhor de Vários pela Quantum (2001)
>>> Venda Mais - Negociando para ganhar - Ano 6 Nº 81 de Vários pela Quantum (2000)
>>> Venda Mais - Venda Mais! Venda para nichos de Mercado de Vários pela Quantum (2001)
>>> Torto arado de Itamar Vieira Junior pela Todavia (2020)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham; Lourdes Sette pela Harper Collins (2017)
>>> O Profeta de Gibran Khalil Gibran pela Acigi
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Duna 1 - Edição Especial de Neil Gaiman; Frank Herbert; Maria Do Carmo Zanini pela Aleph (2017)
>>> Quando o Amor Triunfa de Giseti Marques pela Boa Nova (2016)
>>> Baía da Esperança de Jojo Moyes pela Intrinseca (2016)
>>> Milena de Denise Corrêa de Macedo pelo espírito Milena pela Eme (2019)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J.W.Rochester Vera Kryzhanovskaia pela Eme (2018)
>>> Técnicas de Venda - Vendas X Produção de Vários pela Quantum (2000)
>>> O Livro da Verdadeira Cruz de Caravaca de Naasson Vieira Peixoto pela Eco
>>> Música, Ídolos e Poder: do Vinil ao Download de Andre Midani pela Nova Fronteira (2008)
>>> La Grande Aventure de La Criminologie de Jurgen Thorwaldo pela Albin Michel (1967)
>>> Português no Ginásio - Gramática e Antologia para 3ª Série de Raul Moreira Lêllis pela Companhia Nacional (1960)
>>> Tipos e Aspectos do Brasil de Sem Autor pela Ibge (1966)
>>> Historia Gráfica del Arte de Joseph Gauthier pela Victor Leru (1944)
>>> Garibaldi una Grande Vita in Breve de Denis Mack Smith pela Lerici (1959)
>>> Arte de Ensinar e Arte de Aprender de Varios pela Fundação Getúlio Vargas (1974)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/2/2014
Defensores da Amazônia
Marilia Mota Silva

+ de 6900 Acessos

A revista National Geographic de janeiro traz na capa o rosto pintado de um menino índio e o título: "Guardiões da Amazônia".

São vinte e seis páginas dedicadas ao assunto. Dezesseis trazem cenas da vida na floresta, belas paisagens, corpos pintados, cocares magníficos, mapa da reserva, canoas de alumínio, índio fazendo compras em supermercado.

Coragem caiapó, diz o título da matéria. "A tribo da Amazônia venceu fazendeiros, garimpeiros e, famosamente, parou a construção de uma represa. Agora, com seu jeito de viver ameaçado, seus líderes precisam lutar de novo".

Chip Brown, jornalista da National Geographic, conta que fez a última etapa da viagem num monomotor Cessna e trouxe tabaco, anzóis e cerca de dez quilos de missangas tchecas de presente para seus anfitriões. Tabaco e pedrinhas de vidro, reafirmando a tradição, embora os caiapós usem celular e computador.

A equipe foi recebida por Barbara Zimmerman, diretora do Fundo de Defesa Ambiental Canadense-Americano, que trabalha com os caiapós há mais de vinte anos.

A reserva dos caiapós é uma das maiores expansões de floresta tropical protegida no mundo. Diz o artigo: "É do tamanho do estado de Kentucky, e nela habitam 9 mil índios, a maioria dos quais não sabe ler ou escrever e ainda segue uma economia de subsistência. Ainda assim, eles adotaram recursos e tecnologia moderna com grande facilidade: tem barcos a motor, computadores, páginas no facebook, armas de fogo, mas 'sem comprometer a essência de sua cultura'".

Graças ao especialista em caiapós, Terence Turner, da Universidade de Cornell, os caiapós usam video-câmeras para registrar seus rituais e cerimônias e suas interações com o governo brasileiro. E como na reserva há painéis de energia solar, antenas de satélite e alguns aparelhos de televisão, os índios assistem a seus próprios rituais e a novelas brasileiras. Difícil imaginar um meio mais eficaz e lastimável de aprender sobre a "cultura brasileira".

Voltando ao artigo: "Os caiapós fizeram acordos com empresas de mineração e madeireiras, dando-lhes concessão para exploração de ouro e mogno em sua reserva, mas se arrependeram, e isso diminuiu bastante".

Chip Brown reflete, a certa altura: "Uma das mais ricas ironias da Amazônia é que os 'civilizados', que passaram cinco séculos evangelizando, explorando e exterminando os aborígenes, agora se voltem para eles, para salvar o ecossistema, reconhecido como critico para a saúde do planeta - para defender áreas essenciais da terra não desenvolvida contra o insaciável apetite do mundo desenvolvido".

De fato, ironia não falta nessa história. Os caiapós são um povo inteligente, saudável, independente, dono de vastíssimo território, e que sempre soube se defender muito bem! Então o que fazem funcionários de governos, ONGs, antropólogos estrangeiros, estabelecidos em suas terras? Estão lá para defendê-los, para proteger o meio-ambiente?

The Lexus and The Olive Tree, livro de Thomas Friedman que fala de globalização, publicado em 2000, dá uma pista (pg. 36). Glenn Prickett, vice-presidente do grupo ambientalista de Conservação Internacional conta de sua visita a aldeia caiapó para inspecionar o progresso da estação de pesquisa biológica que eles mantêm lá:

"Os caiapós defendem um grande pedaço intacto da Amazônia, por séculos, na pura força. Agora eles estão aprendendo a proteger suas terras através de alianças com cientistas internacionais, conservacionistas, e homens de negócios socialmente conscientes. Sua vila tem uma pequena rua principal com uma loja da Conservação Internacional e uma filial da Body Shop, ecoconscientes fabricantes de sabão".

Essa marca vende uma infinidade de produtos, perfumes, cosméticos, uma vasta linha de produtos da Amazônia.

Imaginem a Natura, o Boticário, pesquisadores brasileiros, laboratórios ou universidades brasileiras, instalados em território americano, nos desertos do oeste ricos em urânio, no Grand Canyon, nos pântanos da Flórida. Se nem no setor bancário há reciprocidade! No Brasil, o Citibank, por exemplo, oferece todos os serviços, conta-corrente, poupança, fundos de investimentos, financiamentos. Nos EUA não há agência de banco brasileiro que preste esses serviços; não há nada equivalente.

Continuando com Friedman: "O pessoal do grupo de conservação se reuniu com os líderes da tribo na 'casa dos homens'. Eles notaram que os índios estavam atentos à televisão, mudando de canal a toda hora, entre um jogo de futebol e um canal de negócios que dava a cotação do ouro no mercado mundial. Os caiapós cobravam dos garimpeiros que trabalhavam na reserva de acordo com a cotação internacional. E usavam o lucro para proteger seu estilo de vida no meio da floresta tropical".

Um paradoxo e tanto! Garimpagem, mercúrio, destruição do meio ambiente, televisão, dinheiro, lucro: que estilo de vida é esse que estariam protegendo?

O artigo da National Geographic suscita muitas perguntas, nem uma delas tem resposta fácil.

As reservas dão ao índio o direito de viver como prefere: na floresta e da floresta; para proteger a floresta; fora da sociedade baseada em dinheiro; fora da sociedade de consumo. Ou dentro, desde que mantenham suas tradições? Quais seus compromissos?

Belo Monte: que tipo de desenvolvimento queremos, a que preço, quem paga, quem se beneficia, há alternativas, qual o custo-benefício?

Países mergulhados na produção industrial e no consumismo, usando gás, óleo e carvão como fontes de energia - cabe a eles dizer o que o Brasil pode ou não fazer em termos ambientais?

Tribos estariam se relacionando com nações estrangeiras como se fossem um país? Nossa constituição não permite; só existe uma nação, o Brasil.

Qual a reciprocidade que o Brasil recebe quando permite que pesquisadores de empresas e universidades estrangeiras -sempre implacáveis em questões de patentes e royalties - se estabeleçam em suas reservas, explorando a selva e os conhecimentos dos índios, sob o manto do ambientalismo?

O que me espanta é que uma etnia com esse número relativamente modesto de membros, os caiapós tenham conquistado uma área do tamanho de uma Islândia, enquanto a área do Parque do Xingu, dividida entre uma variedade grande de etnias, é bem menor", disse a escritora Vera Moll, que estuda os índios Guarani, há alguns anos, e está em fase de conclusão de seu livro sobre eles, seu sétimo romance. Estranho também que quem esteja ali para receber o autor da reportagem seja a senhora Barbara Zimmerman, representante de uma entidade canadense-americana.

Considerando que eles sabem de nós mais do que nós mesmos, como as denúncias recentes comprovam, essa campanha toda em defesa da Amazônia gera dúvidas e desconfiança.


Marilia Mota Silva
Washington, 19/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quatro autores e um sentimento do mundo de Marilia Mota Silva
02. Nunca mais do que a reportagem de Adriana Carvalho


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia Facil para Entender a Biblia
Larry Richards
Thomas Nelson
(2013)



Comentários à Lei de Mobilidade Urbana - 2ª Ed.
Geraldo Spagno Guimarães
Fórum
(2019)



Dialogos I e II
Platao
Edipro
(2007)



Hora de Alimentar Serpentes
Marina Colasanti
Global
(2013)



Danem-se os Normais
João Estrella de Bettecourt
Casa da Palavra
(2014)



Ana Terra
Erico Veríssimo
Globo Antigo
(1990)



Viva Como Voce Quer Viver
Eduardo Shinyashiki
Gente
(2004)



Fronteiras da Ciência e da Fé
Dr. Roque Marcos Savioli
Gaiva
(2006)



Denário do Sonho
Marguerite Yourcenar
Nova Fronteira
(1982)



Pimbinha
Pedro Bloch
Moderna





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês