O Ouro do Brasil | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> Return of Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics
>>> Arte e Medicina: Interfaces de uma Profissão de André Mota (org.) pela Usp (2010)
>>> A Viagem de Théo de Catherine Clément; Eduardo Brandão pela Companhia das Letras (2002)
>>> Lágrimas Negras de Nieves Hidalgo pela Esencia (2014)
>>> Cobras Criadas de Luiz Maklouf Carvalho pela Senac Sp (2001)
>>> A Ilha Prometida - a História de Nova York de Anka Muhlstein pela Companhia das Letras (1991)
>>> La Ciencia En una Sociedad Libre de Paul Feyerabend pela Siglo Veintiuno Editores (1982)
>>> Moderna Plus - Biologia - V. 02 de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Senhora - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1998)
>>> Hospital: Fui Bem Atendido!!! a Vez do Brasil de Victor Mirshawka pela Makron Books (1994)
>>> Alvenaria Burguesa de Carlos A. C. Lemos pela Nobel (1985)
>>> Mathematics - Unlimited de Vários pela Harcourt (1991)
>>> Vinte anos depois Vol III de Alexandre Dumas pela Fittipaldi (1957)
>>> Desonrada de Mukhtar Mai; Marie Thérèse Cuny pela Best Seller (2007)
>>> Ulisses de James Joyce / Antonio Houaiss - Tradução pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Destruição e Equilibrio de Sergio de Almeida Rodrigues pela Atual
>>> Saque - a Seda Líquida de Antonio Campis pela Senac (2012)
>>> Para Viver Juntos - Ciencias 9º Ano - Ensino Fundamental ii de Bezerra; Lia Monguilhott pela Sm Didáticos (2014)
>>> Lei das Sociedades por Ações de Vários Autores pela Atlas (2003)
>>> Do Que os Homens Gostam de Dra. Laura Schlessnger pela Sextante (2005)
>>> O Caso Debray - um Crime Monstruoso de Jean-paul Sartre pela Edições Dorell (1968)
>>> Tudo Vai Dar Certo de Cesar Romão pela Academia de Intelige (2008)
>>> 2 Vols. os Donos do Poder de Raymundo Faoro pela Globo (1977)
>>> Kindness Counts de Jan Berenstain; Stan Berenstain; pela Zondervan Usa (2010)
>>> Morte de um Dissidente de Vários Autores pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/9/2014
O Ouro do Brasil
Marilia Mota Silva

+ de 5800 Acessos

Há muitos e muitos anos, cinquenta, pra ser exata, num país bem parecido com o que temos agora, aconteceu uma história que se examinarmos hoje, parece um conto de fadas. Mas muita gente acredita que foi conto do vigário.

Os Diários Associados, que eram a Globo da época, fizeram uma campanha, pedindo ao povo que desse qualquer pecinha de ouro, que por acaso tivessem, pra ajudar o Brasil que estava em crise, quebrado.

E o povo acorreu em massa!

Esse é o conto de fadas: um povo confiante, tomado de amor cívico, pronto a ajudar seu país.

Em 1964, quando os militares assumiram o poder, com o apoio dos principais estados e de boa parte da população, encontraram os cofres vazios, o dólar disparando e a inflação sem controle, o que tornava miserável a vida dos que viviam de salário, ou seja, quase todo mundo. Isso explica, provavelmente, o apoio ao golpe. E a adesão espontânea à campanha.

Postos de coleta surgiram em todo canto, na minha rua, inclusive, no interior de Minas. Os arrecadadores, voluntários ali da cidade, traziam uma sacola, provavelmente cedida pela igreja, porque eram iguais às usadas para recolher contribuições durante a missa. E o povo ia chegando, vinha gente de longe, era uma festa cívica.

Obturação de dente extraído, havia muitas; alianças, relógios, medalhas, crucifixos, o que fosse dourado servia, que ali não havia especialista para comprovar a pureza ou autenticidade do metal, nem era o caso, que a cavalo dado não se olham os dentes. Algumas pessoas deram cheque, dinheiro. Tudo pro saco! Sem recibo, sem qualquer comprovante ou registro.

Em troca da doação, a pessoa recebia um anel de metal com a inscrição: Dei ouro para o bem do Brasil. Por muito tempo, não havia quem não ostentasse com orgulho esse anelzinho.

Não sei se aquele Brasil existe ainda. Somos mais informados, mais céticos, mais sofisticados? É discutível.

O amor pelo país, esse persiste. A vontade que dê certo, a disposição para fazer o que for possível, desde que se saiba o que, continua. Vejo aqui na comunidade brasileira (Washington, Virginia, Maryland), esse amor que não tem nada de ufanismo, de nacionalismo fóbico. É, sim, um amor imenso, de família.

Mas aqui entra o resto da história, ou não entra porque faltam dados e sobram perguntas.

O Cruzeiro, a revista mais importante, também dos Diários Associados, menciona a entrega de 400 quilos de ouro; arrecadado nos primeiros dias, só no Estado de São Paulo.
E o resto? Onde o ouro foi parar? Serviu para alguma coisa?

A iniciativa da campanha partiu apenas de Assis Chateaubriand, dono do império de comunicação, na época, ou teria havido um entendimento entre o governo e ele. Quem do governo?

Castelo Branco, o general-presidente, nunca fez referência ao assunto, nunca agradeceu ao povo o gesto de confiança e generosidade.

Como ninguém foi informado, acredita-se que a campanha foi mais um conto do vigário. Mas há quem diga que o ouro está nos cofres do Banco Central; que não foi possível (ou não valeria a pena) transformá-lo em lingotes, devido à diversidade de origens e densidade.

Não consegui confirmar a informação mas, se é verdade, seria o caso de exibir essas peças no museu? Seria um tributo à generosidade, à fé do povo brasileiro, um bálsamo para nossa auto-estima - e bem que merecemos.

Conto do vigário, ou não, o que me fascina nesse episódio é o povo que somos. Não sei quantas mil vezes fomos enganados, quantos blefes, quantos planos fracassados, quantos congelamentos eleitoreiros, quantas entressafras, desabastecimento, caça de boi no pasto, confiscos, impostos, simples incompetência, quanta mentira, quanto descaso! Mas continuamos acreditando. Lutando, contribuindo sempre que podemos. Lembram-se dos fiscais do Sarney? O empenho, a paixão com que as pessoas vigiavam, tentando segurar a maldita inflação no grito, no braço?

Hoje virou moda acusar o povo pela corrupção endêmica e todos os problemas do país. Todo o espectro ideológico encontra nesse ponto seu lugar comum.

Responsabilizar o povo que detém apenas o escasso poder do voto é acusar a vítima. É escarnecer da vítima. É manobra diversionista, é covardia.

Precisamos atribuir e cobrar responsabilidade de quem tem o poder, de quem tem meios e obrigação de fazer acontecer; seria o primeiro passo para construir o país que queremos.


Marilia Mota Silva
Washington, 17/9/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
03. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
04. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
05. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Liberdade Emocional
Judith Orloff
Rocco
(2011)



Valentine - Princess (capa Dura,
Meg Cabot
Harper Collins
(2006)



A Galinha Preta -
Martina Schlossmacher
Martins Fontes
(2000)



A Irmã da Lua - as Sete Irmãs - Livro 5
Lucinda Riley
Arqueiro
(2018)



Estrutura da Notícia - 2ª Edição
Nilson Lage
Ática
(1987)



Adorável Impostora
Roxane St. Claire
Harlequin Books
(2007)



Zapp! the Lightning of Empowerment
William C. Byham Jeff Cox
Ballantine Books
(1992)



Redes de Computadores das Lans Mans e Wans às Redes Atm
Luiz Fernando Gomes Soares - Guido Lemos - Sérgio
Campus
(1995)



As Uvas da Raiva
Sergio Bermudas
Nova Fronteira
(2002)



Dez Anos da Comissão de Direitos Humanos
Maria Luíza Marcílio
Universidade de São Paulo
(2007)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês