Da arte de descobrir | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/9/2006
Da arte de descobrir
Jonas Lopes

+ de 4600 Acessos

Em sua coletânea de ensaios Por que ler os clássicos, Italo Calvino enumera uma série de proposições que, em sua opinião, fazem de um livro eterno. Há, entre as razões citadas pelo autor italiano, algumas óbvias. Clássicos são aqueles que estão sempre sendo relidos, e não lidos; a cada releitura, rendem novas descobertas e interpretações; a fama de muitos deles precede a leitura; legam personagens tão marcantes que se tornam parte do cotidiano e do nosso vocabulário cotidiano - os Quixotes, Kariêninas e Bovaries.

Uma proposição de Calvino chama a atenção: "Dizem-se clássicos aqueles livros que constituem uma riqueza para quem os tenha lido e amado; mas constituem uma riqueza não menor para quem se reserva a sorte de lê-los pela primeira vez nas melhores condições para apreciá-los". Ou seja, não só de Hamlets, Metamorfoses e Casmurros nós vivemos. Muitas vezes um livro passa despercebido em seu lançamento, para ter sua genialidade reconhecida por meia dúzia de felizes e só mais tarde ser redescoberta e reavaliada. Para um bom leitor, descobertas dessas são tão prazerosas quanto adentrar um clássico renomado.

Acabam de sair no Brasil duas obras assim. Ferdydurke, do polonês Witold Gombrowicz (Companhia das Letras, 2006, 352 págs., tradução de Tomasz Barcinski), foi originalmente lançado em 1938 e é considerado um tesouro perdido do modernismo europeu. E pela coleção Prosa do Observatório, da editora CosacNaify, sai a coletânea de contos O Cavalo Perdido e outras histórias (2006, 227 págs., tradução de Davi Arrigucci Jr.), do uruguaio Felisberto Hernández. Ambos chegam avalizados por grandes nomes: entre os admiradores de Ferdydurke, estão Milan Kundera, John Updike e Ernesto Sabato; Hernández tem como fãs os ilustres Julio Cortázar e Juan José Saer, fora Calvino. Não dá para entender como livros tão bons nunca tinham sido editados no país.

Modernismo imaturo

Witold Gombrowicz (1904-1969) deixou a Polônia pouco antes da Segunda Guerra e passou 24 anos vivendo em Buenos Aires (detestava Borges, aliás). Ferdydurke, seu segundo livro e primeiro romance, é da estirpe satírica de Voltaire, Swift e Sterne - o crítico Daniel Piza arrisca a classificação "Brás Cubas polonês". A hilaridade começa já no título, que não significa nada. Susan Sontag, no prefácio, afirma que mais adequado seria o título do primeiro trabalho de Gombrowicz, Memórias de um tempo de imaturidade. O que faria mesmo todo o sentido, pois a imaturidade é a questão central do romance.

Józio é um escritor que acorda convertido em um adolescente de dezessete anos. Surge um professor excêntrico que o seqüestra e o leva a um colégio, onde é submetido à "bumbumanização", ou seja, tratar um adulto como se fosse uma criança. Na escola Józio assiste a embates entre as turmas de alunos: aqueles que falam palavrões e sobre sexo e querem ser adultos versus os inteligentes que assumem a sua adolescência, sob o risco de serem moralmente massacrados pelos primeiros. Conhece um aluno blasé que ignora os dois grupos e assume uma posição independente; ele é um "moderno".

Após uma disputada guerra de caretas, Józio é levado pelo professor à casa de uma família que o hospedará e ali continuará o seu processo de apequenamento/bumbumanização. Apaixona-se pela adolescente da casa, Zuta, outra "moderna", "fruto desta nova geração do pós-guerra, dos esportes e das bandas de jazz". Como se fosse o mais ávido dos pré-adolescentes, Józio utiliza-se de artimanhas para tentar conquistar Zuta e provar a ela que ele também é um moderno. A própria mãe da garota imita a filha para soar descolada e jovem.

Ferydurke não é, como se pode pensar, um elogio à imaturidade. Também não prega a maturidade. Tanto um quanto outro são massacrados por Gombrowicz. O autor satiriza a estranha necessidade que temos de nos moldarmos de acordo com as necessidades, ou, pior, de acordo com as conveniências ou convenções. Somos todos Zeligs, o sensacional personagem de Woody Allen. Enquanto a mãe de Zuta e o professor de Józio representam os neo-Dorian Grays aterrorizados pela idéia de envelhecer, a jovem é um destes eternos Peter Pans, para quem "a juventude representava o único, aceitável e cabal período da vida humana".

A crítica é ainda mais mordaz na terceira parte do livro, em que Józio e seu amigo Mietus visitam a mansão de uma família aristocrática. O grande sonho de Mietus é conhecer um legítimo camponês e viver como ele, "comer pão preto, montar cavalos em pêlo, caminhando pelos prados". Na mansão ele encontra em um criado essa figura que procura, e passa a adorá-lo e imitá-lo. É a velha adesão das classes altas ao proletariado, a condescendência incoerente, a ideologia sem fundamento, o altruísmo hipócrita que vêm direcionando a esquerda ao longo dos séculos.

Com a trama de Józio, Gombrowicz intercala dois contos independentes - que seguem a linha da fábula satírico-filosófica sobre imaturidade - e dois respectivos prefácios. Em um deles, "Prefácio a 'Filidor forrado de criança'", estende o debate de Ferdydurke até a arte. Critica os escritores que se colocam acima das pessoas comuns, em uma posição de maturidade. Ao invés de se preocuparem em estudar e desenvolver a própria obra, os "meio-Shakespeares" ou "um quarto de Chopins" chafurdam na pose e na falta de talento. Querem, mais do que ser artistas, estar artistas. O autor polonês ensaia ainda uma pertinente defesa do escritor secundário - aqueles que não pretendem ser o novo Joyce ou o novo Guimarães. Assim ficaríamos livres dos pseudogênios e eles parariam de perder tempo criando obras medíocres, "impondo-a aos outros e consolando-se com êxitos pobres e secundários (...) tentando persuadir a si próprios - e a outros - a produzir mais e mais disfarces para sua própria incapacidade".

Witold Gombrowicz prega a honestidade de pensamento para que o homem "se salve de sua rigidez exterior e consiga conciliar a ordem com a desordem, a forma com a falta de forma, o direito com a anarquia, a maturidade com a eterna e sagrada imaturidade". Afinal, nada mais patético que os eternos adolescentes. Ao mesmo tempo, um pouco de bumbum não faz mal a ninguém.

Um proustiano às avessas

A literatura nunca foi a atividade principal de Feliberto Hernández (1902-1964): ganhava a vida dando concertos de piano em buracos no interior do Uruguai. Em seus contos escritos em primeira pessoa, os narradores são sempre pianistas ou escritores - difícil, portanto, não buscar neles elementos autobiográficos. Como observa Cortázar, jogar a literatura de Hernández no balaio fantástico latino-americano é arriscado, senão equivocado. O enfoque está mais nas esquinas e cantos cegos do inconsciente - a inevitável carga onírica resvala no surrealismo; daí tacharem de fantástica a obra do uruguaio. Nada aqui lembra as cidades exóticas e coloridas de outros autores latinos. As narrativas são fragmentárias, indecisas, em tons menores.

O conto que dá nome a O Cavalo Perdido lembra Proust pela investigação dos efeitos do tempo e das armadilhas da memória. Um homem relembra suas aulas de piano em criança, a paixão opaca pela professora, a relação com os móveis de casa dela. O fluxo memorioso fora motivado uma noite qualquer, após inaugurar-se nele "uma função sem anúncio prévio". Surge no quarto um sósia do narrador, que nada mais é do que ele próprio criança, o pequeno aspirante a pianista.

As aventuras de Hernández pelos labirintos da memória são mais pessimistas que a de Proust, entretanto. Enquanto o francês transformava detalhes ínfimos do passado em motivos épicos e redentores, o narrador de "Cavalo Perdido" sofre ao confrontar-se com suas recordações. Sua antiga inocência deu lugar ao cinismo, "um sorriso de prestamista". Ele já não é alguém cujo sorriso tarda a se cansar ou se deformar. Agora, pune-se ao falhar no piano. Há remorso, nostalgia: "os encantos do menino foram maiores que os do homem, e porque a vida encantava mais ao menino que ao homem".

Os solitários personagens se entregam a expedientes bizarros, e por eles deixam-se carregar. Um vendedor de meias descobre a fórmula do sucesso forçando o choro na frente de clientes. Uma viúva mantém a casa inundada, pois acha que deve cultivar suas recordações "em qualquer água do mundo". Por que eles fazem isso? Em "Ninguém acendia as luzes", uma moça pergunta ao autor/narrador por que a personagem de seu conto se suicida. "Seria preciso perguntar para ela", ele responde. "E o senhor não poderia fazer isso?", retruca a garota. "Seria tão impossível quanto perguntar alguma coisa à imagem de um sonho".

Como os sonhos, que costumam desaparecer quando acordamos, para então se alojarem na memória, as pequenas sonatas que são as narrativas de Felisberto Hernández transitam entre a consciência a inconsciência do leitor. Quando vêm, contudo, seus acordes introspectivos não nos deixam assim tão facilmente.

Para ir além











Jonas Lopes
Florianópolis, 28/9/2006


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
03. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OSCAR SCHMIDT
ODIR CUNHA
BEST SELLER
(1996)
R$ 4,89



VIOLAÇÃO - COLEÇÃO VAMPIRO - Nº 350
LIONEL WHITE
LIVROS DO BRASIL
R$ 10,57



NÓS OS JOVENS - PELO ESPÍRITO ROSÂNGELA
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT
(1998)
R$ 4,90



MATEMÁTICA - CIÊNCIA E APLICAÇÕES - 3
GELSON IEZZI-OSVALDO DOLCE E OUTROS
ATUAL
(2001)
R$ 31,59



UM DESPERTAR PLANETÁRIO
KATHY NEWBURN
PENSAMENTO
(2011)
R$ 18,90



A ALTERNATIVA DO DIABO
FREDERICK FORSYTH
ALTAYA
(1997)
R$ 4,00



PASSAGEM DO CABO
MARIA ONDINA BRAGA
CAMINHO
(1994)
R$ 19,97



OBRIGADO QUERIDO AMIGO - 7164
PAM BROWN / EMMA DAVIS
HELEN EXLEY
(2007)
R$ 10,00



INOVAÇÕES NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL
J. J. CALMON DE PASSOS (2ª EDIÇÃO)
FORENSE
(1995)
R$ 26,28



NEM SÓ DE CAVIAR VIVE O HOMEM
J. M. SIMMEL
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,11





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês