Magia Verde | Vera Moreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/2/2001
Magia Verde
Vera Moreira

+ de 2900 Acessos

Por pouco a "fada verde" não amarga passagem meteórica nestes prados. De uma esvoaçada, aguçou a curiosidade de um bando resoluto em conferir sua magia antes que fosse tarde: liberada a importação em outubro e proibida a venda em dezembro, o Absinto rapidinho virou vedete do câmbio negro. Discussões pra lá, argumentos pra cá e os míseros 3º alcoólicos da discórdia evaporaram, o limite dos 54% de álcool permitidos por bebida no Brasil ficou comprovado e o líquido maldito voltou à lei no mês passado, para alegria do importador Lalo Zanini, que está vendendo à revelia. Comprei um Absinto em São Paulo (esperava que a garrafa fosse sofisticada, mas parece de vinagre), presente de aniversário para meu irmão, que é o médico típico: experimenta tudo, não tem medo de nada. Eu, confesso, não tenho coragem de chegar perto de um copinho dele, ou de um long drink, servido por cima de um torrão de açúcar em uma colher com furos pequenos, gelo picado e água gelada, como apreciavam os enfants terribles do século XIX: Picasso, Van Gogh, Degas, Toulouse-Lautrec, Verlaine, Rimbaud, Eça de Queiroz, Fernando Pessoa, Oscar Wilde... Fico ressabiada: e se eu "pirar"? Até o roqueiro e gourmet Marcelo Fromer, que também me parece ser dos corajosos, hesitou: "Nos encaramos. O Absinto parecia decidido, eu não. Olhei-o de volta, levei-o ao nariz e percebi seu perfume de anis".

Na sala de jantar da casa dos meus pais, tem uma reprodução do quadro impressionista de Degas (1876) - todos os artistas da época eram amantes da bebida esverdeada e a retrataram em telas e letras. Jamais tentaria falar sobre Degas - adoro arte mas não entendo nada (acho lindíssimo quem conhece) -, mas a mulher sentada em frente ao copinho até as bordas de Absinto sempre me intrigou. Os pés dela não se apóiam ao chão, estão suavemente abandonados, assim como os braços. Os ombros desistiram de sustentar o peito. O olhar é de esperanças perdidas, de uma aceitação singela ao que jamais virá a realizar. No entanto, depois que me inteirei (literariamente) do Absinto, fico pensando também que ela podia estar idiotizada. Na mesa ao lado jaz uma garrafa vazia - e o homem que a acompanha não está bebendo Absinto. De qualquer forma, se tivesse esvaziado a garrafa, o mais coerente é que não estivesse ainda ali sentada...

O Absinto é uma bebida preparada com folhas de pequena erva da família das compostas (flores unidas em capítulos, num receptáculo comum), dotada de propriedades amargas, que conjugada com outras ervas e com um teor alcoólico de 70 a 80%, se torna alucinógena, dada sua poderosa ação sobre o sistema nervoso central, causando delírios e em alguns casos seguidos por idiotia. A planta também é conhecida como losna e era muito valorizada pelos egípcios devido ao seu poder curativo. A Artemísia absinthium (em espanhol: ajenjo; em francês: absinthe; em italiano: assencio; em inglês: wormwood; em alemão: wermu) pode ser encontrada fresca e, apesar de seu gosto amargo, é usada no tempero de omeletes, saladas, assados e sopas ou ainda para perfumar o vermute e vinagres aromáticos.

As lendas e mitos sobre a "fada verde" se multiplicam há mais de um século. Está proibida em todo o mundo desde 1915, com exceção de Portugal, República Tcheca e agora Brasil, do nosso mercado foi banida em 1935. Depois da recente proibição e liberação por aqui, ganhou até um Clube do Absinto, em São Paulo. Muitos acreditam que tem poder afrodisíaco - mas aí a discussão vai longe: como diz a poeta Adélia Prado, erótica é a alma. Outros dizem que faz mal a saúde, mas isso é óbvio, qualquer coisa em excesso faz mal a saúde, até água, me garantiu um amigo médico (se você entupir alguém de água, pode matar). E o Absinto que chegou ao Brasil não é propriamente o Absinto criado pelo Dr. Pieere Ordinaire, em 1792, na Suíça, é um licor de Absinto, com 53,5º GL, amaciado, portanto.

Do que ouvi falar até agora, quem provou, gostou. Marcelo Fromer descreve: "... foi levá-lo à boca e deixar que escorresse goela abaixo, me dando um choque térmico e um estalo imediato em todos os sentidos". O publicitário Sérgio Augusto de Andrade diz que foi experimentando seu gosto que entendeu o espanto de Barnaby Conrad III, antigo editor da Horizon, ao provar seu primeiro Absinto. "O aroma não era perigoso ou degenerado ou depressivo como pode sugerir sua história. Não. Era como se alguém tivesse engarrafado o verão". É o que estão falando: que a bebida tem a cara do verão. Com o Carnaval pela frente, é possível que se torne também marca registrada da folia 2001 - só fique esperto pra não enfiar o pé na jaca...


Vera Moreira
Gramado, 19/2/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
04. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
05. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio


Mais Vera Moreira
Mais Acessadas de Vera Moreira em 2001
01. Para pecar, vá de manga - 16/10/2001
02. Pense no que vai engolir - 24/7/2001
03. Proibida ou não, é musa inspiradora - 11/9/2001
04. Magia Verde - 19/2/2001
05. Fome de ler - 31/5/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COM VINHO E SANGUE
JANET DAILEY
RECORD
(1995)
R$ 6,00



SOCIEDADE MIDIATIZADA
ORGANIZADOR DÊNIS DE MORAES
MAUAD X
(2008)
R$ 27,00



ELEGIAS DE BIERVILLE BILINGUE
CARLES RIBA
VISOR
(1982)
R$ 50,00
+ frete grátis



AMOR NUNCA É DEMAIS
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,00



PASCHOAL CARLOS MAGNO - CRÍTICA TEATRAL E OUTRAS HISTÓRIAS
MARTINHO DE CARVALHO E NORMA DUMAR
FUNARTE
(2006)
R$ 80,00



SOBRE AS FEITICEIRAS
JULES MICHELET
AFRODITE
(1974)
R$ 50,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00



ARMANDO A BARRACA
NICK FISHER
MELHORAMENTO
(2001)
R$ 15,00



DIÁLOGOS IMPOSSÍVEIS
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2012)
R$ 15,00



CLEOPATRA
BENOIST MECHIN
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 10,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês