A resistência é vermelha | Vera Moreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> Psicometria Genética (lacrado) de Sara Pain pela Casa do Psicologo (1995)
>>> Solidão de John T. Cacioppo, William Patrick pela Record (2011)
>>> Coaching de Relacionamentos a Dois (lacrado) de Ritah Oliveira pela Qualitymark (2017)
>>> Mitos e Realidades da Qualidade no Brasil de Marco A. Oliveira pela Nobel (1994)
>>> História Global Ensino Médio Volume Único de Gilberto Cotrim pela Saraiva (2016)
>>> Olhos de Madeira de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (2001)
>>> A Formação da Professora Alfabetizadora - 6ª Ed. de Regina Leite Garcia pela Cortez (1998)
>>> Cinema Brasileiro no Século 21 de Franthiesco Ballerini pela Summus (2012)
>>> Microsoft Project 2007 Gestão e Desenvolvimento de Projetos de Maurício Moreira pela Erica (2009)
>>> O Dinheiro do Diabo (novo) de Pedro Ángel Palou pela Benvirá (2012)
>>> Fernando Pessoa - Homoerotismo Psicanálise Sublimação (lacrado) de Durval Checchinato pela Companhia de Freud (2012)
>>> Linhas de Fuga (lacrado) de Susana Scramim, Marcos Siscar, Alberto Pucheu pela Iluminuras (2016)
>>> Brandscendência - o Espirito das Marcas (lacrado) de Mario Ernesto René Schweriner pela Saraiva (2010)
>>> Fernando Pessoa - Resposta à Decadência (lacrado) de Haquira Osakabe pela Iluminuras (2013)
>>> A Practical Way to English 2 de Joseph Troster pela Não Encontrada (1982)
>>> Ética Concorrencial (lacrado) de Oscar Pilagallo pela Campus / Elsevier (2014)
>>> Viagem à Palestina - Prisão a Céu Aberto de Adriana Mabilia pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Made in Japan: Akio Morita e a Sony de Edwin M. Reingold e Mitsuko Shimomura pela Cultura (1986)
>>> Nunca é Tarde Demais de Amy Cohen pela Best Seller (2009)
>>> O Sujeito Não Envelhece - Psicanálise e Velhice de Ângela Mucida pela Autêntica (2007)
>>> Contabilidade Introdutória de Sérgio de Iudícibus pela Atlas (1994)
>>> Perdidos por Aí (lacrado) de Adi Alsaid pela Verus (2015)
>>> The Picture in the Attic de Richard Macandrew / Cathy Lawday pela Cengage Learning (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Minna - Coleção Premio Nobel de Literatura de Karl Gjellerup pela Delta (1963)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2001

Segunda-feira, 19/3/2001
A resistência é vermelha
Vera Moreira

+ de 3300 Acessos

A Festa de Babette só poderia ser um de meus filmes favoritos, mas nas inúmeras vezes que já o assisti em cinema e vídeo, sempre fiquei com uma nota nebulosa, uma sensação contida, como se fosse uma celebração que não acontece por inteiro. Chocolate veio lavar minha alma no que me incomodava em Babette e eu não entendia exatamente. A capa de capuz de Juliette Binoche é leve e vermelha e dá o tom de todo o filme, que é uma celebração completa da vitória do humanismo sobre o fel do preconceito. O meio é o chocolate, como o é a comida em A Festa de Babette, mas a capa de capuz preta e pesada de Stephane Audran dá o clima invernal do filme, que acaba oprimindo o grande banquete. O vermelho das capas de Vianne (Binoche) e sua filha, assim como todos os matizes da cor no belíssimo figurino de Vianne, enfrentam a sisudez da pequena vila francesa de Lansquenet em 1959. Babette habita uma vila dinamarquesa em 1871, mas não seria a diferença dos anos que determinaria um clima mais ou menos sombrio nas vilas européias, elas pouco mudavam em um século.

Acontece é que Lars Hallström teceu todo seu Chocolate em contrapontos com a obra de Gabriel Axel, até então a principal referência entre os filmes gastronômicos, digamos assim. Enquanto a cozinha de Babette é escura e apertada, a chocolataria de Vianne é colorida, espaçosa e decorada. Enquanto os moradores de Lansquenet espinafram Vianne na dualidade da tentação pelos seus chocolates, os velhos habitantes da vila de Babette mal se dão conta da falta de sabor de suas vidas. Enquanto a senhoria de Babette é recatada, pura e suave, a senhoria de Vianne é permissiva, inconseqüente e vivaz. Enquanto o banquete de Babette para os convivas de sua senhoria é fino e delicado, o almoço que Vianne oferece aos convidados da sua senhoria acontece ao ar livre e termina num animadíssimo baile às margens do rio. No final, enquanto Babette decide ficar na vila por julgar não ter para onde ir, Vianne decide ficar optando por abandonar sua vocação itinerante, conquistando a cidadela e o prefeito turrão. Dá uma festa sem precedentes e ainda recebe o amor do sensual Johnny Depp de volta. De qualquer forma, continuo gostando muito de A Festa de Babette com seu intimismo sombrio.

Chocolate é carregado de vida e um realismo fantástico que o coloca naquela categoria de filmes que ou você gosta ou não gosta, sem maiores explicações. E aí aparecem os paralelos, com o mesmo Johnny Depp de Don Juan de Marco, a cena aérea belíssima do vilarejo que faz lembrar de Edward Mãos de Tesoura e a intensidade dos sentimentos despertados pelo alimento de Como Água para Chocolate. Para costurar a trama, só mesmo o chocolate, uma substância carregada de significado e luxúria. Tanto que já no século dezoito foi batizado de Teobroma cacao (bebida dos deuses) pelo botânico sueco Linnaeus, imortalizando a crença Asteca e Maia de que a planta pertencia aos deuses. Sempre se atribuiu a descoberta do chocolate aos Astecas, mas lingüistas modernos conseguiram reconstruir o antigo vocabulário dos Olmecas - viveram há três mil anos, sendo uma das primeiras civilizações mesoamericanas - e descobriram que nele existia a palavra "cacao". No coração da América Central Equatorial onde habitavam era quente, úmido e sombrio: condições ideais para o cultivo do cacau. Assim, muitos historiadores hoje acreditam que tenham sido mesmo os Olmecas os primeiros a usufruírem os prazeres do chocolate, que inicialmente era uma bebida fermentada amarga, feita das sementes do cacau, mas muito exuberante, tida como afrodisíaca, usada por reis e nobres e oferecida em celebrações. A sensação de prazer despertada pelo chocolate é habilmente explorada por Hallström, com Juliette Binoche se ocupando em decifrar as preferências dos hesitantes franceses e conquistando-os um a um. Mas romanticamente demora a descobrir a de Depp, que só poderia ser chocolate quente, afinal Casanova achava que essa bebida era o "elixir do amor" e o imperador asteca Montezuma bebia canecas de chocolate antes de se retirar para o seu harém.

Chocolate concorre a cinco estatuetas do Oscar: melhor filme, melhor atriz, melhor atriz coadjuvante, (Judi Dench como Armand, a senhoria de Vianne), melhor roteiro adaptado (Robert Nelson Jacobs) e melhor trilha sonora (Rachel Postman). O vento norte sempre presente em Chocolate e Juliette Binoche com aquela efemeridade de seu rosto, me remeteu a Érico Veríssimo e suas encantadoras personagens femininas. "Sempre que me acontece alguma coisa importante, está ventando", costumava dizer Ana Terra, de O Tempo e o Vento. No conto-fantasia Sonata, o professor de piano a domicílio confessa: "(...) Não me parece possível retratar com palavras um rosto de mulher. O que importa não é seu formato, a cor dos olhos, o desenho da boca e do nariz ou o tom da pele. É antes uma certa qualidade interior que ilumina a face, animando-a e tornando-a distinta de todas as outras, e essa qualidade raramente ou nunca se deixa prender nem mesmo pela câmera fotográfica." Este é o resumo de Binoche em Chocolate, a força suave de uma personalidade livre como o vento, que durante duas horas se insinua para a câmera cinematográfica de Hallström, fazendo o espectador rir e chorar de prazer. É por isto que ela deveria ganhar o Oscar e que todas as mulheres um dia deveriam usar um sapato vermelho de salto alto.


Vera Moreira
Gramado, 19/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bonjour, tristesse de Adriana Baggio


Mais Vera Moreira
Mais Acessadas de Vera Moreira em 2001
01. Para pecar, vá de manga - 16/10/2001
02. Pense no que vai engolir - 24/7/2001
03. Proibida ou não, é musa inspiradora - 11/9/2001
04. Fome de ler - 31/5/2001
05. A morte do respeito - 26/6/2001


Mais Especial Oscar 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sujeitos e objetos do sucesso: antropologia do Brasil emergente
Diana Nogueira de Oliveira Lima
Garamond- Faperj
(2008)



O Clima Pós Copenhague Vol 18 N 4
Política Externa
Revista Política Externa
(2010)



Sessão de Terapia
Jaqueline Vargas
Arqueiro
(2013)



Silveira Bueno Minidicionario da Lingua Portuguesa - Revisado
Francisco da Silveira Bueno
Ftd
(2000)



Niquito o Cão Jardineiro
Dill Ferreira
Apedzinha
(2013)



Camilo Castelo Branco Literatura Comentada
Maria Aparecida Santilli
Abril



Homens-Caranguejo
Sérgio Carvalho
Local Foto
(2013)
+ frete grátis



é Agora... Ou Nunca
Marian Keyes
Bertrand Brasil
(2013)



Conhecendo o Cérebro
Luciano Mecacci
Nobel
(1987)



Depois do Escorpião uma História de Amor Sexo e Traição
Samantha Moraes
Seoman
(2006)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês