A resistência é vermelha | Vera Moreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
Mais Recentes
>>> Comprometida de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2011)
>>> Como Contornar Situações Difíceis Em Sala de Aula de Jairo de Paula pela Jairo de Paula
>>> História das relações internacionais do Paraguai de Organizadores: Liliana M. Brezzo | Ricardo Scavone Yegros pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> A Filha de Mistral de Judith Krantz pela Circulo do Livro (1987)
>>> Facécias de Luis da Camara Cascudo; Rogério Borges pela Global (2006)
>>> Superegos - uma História de Amor, Preconceito e Interesses Escusos de Marcusvinicius pela Mundo Editorial (2013)
>>> O Jogo estratégico nas negociações MERCOSUL-União Europeia de Ricardo Guerra de Araújo pela Fundação Alexandre de Gusmão (2018)
>>> Conduzindo a Propria Carreira de Jose Renato Siqueira Junior pela Elsevier (2007)
>>> Tempo dos Anjos de Anne Rice; Alexandre Davila pela Rocco (2010)
>>> O Livro de Mórmon de Igreja de Jesus Cristo dos Santos pela Igreja de Jesus Cristo (2006)
>>> Pega Lá uma Chave de Fenda de Ruth Manus pela Benvira (2015)
>>> Toda Rua é Calçada Com Ouro de Kim Woo-choong pela Record (1997)
>>> Cronistas do Estadão de Moacir Amâncio Organizador e Editor pela Estadão
>>> Ser Protagonista. Matemática. 2 de Felipe Fugita pela Sm (2015)
>>> Trem Noturno para Lisboa de Pascal Mercier pela Record (2011)
>>> A Caverna do Medo de Emily Rodda pela Fundamento (2006)
>>> Aeroporto de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1970)
>>> Como Ser um Vendedor de Sucesso - 3 de Linda Richardson pela Sextante (2006)
>>> Crianças Em Ferias na Natureza de Yara J. Lo Turco pela Giostri (2013)
>>> Sonhos D Ouro de José de Alencar pela Edigraf
>>> Projeto História 21; História e Imagem de Vários Autores pela Educ (1997)
>>> As Novas relações sino-africanas: desenvolvimento e implicações para o Brasil de Gustavo Rocha de Menezes pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> História Capitalismo Transição de Hobsbawm e Parain e Vilar e Trevor-roper pela Eldorado (1975)
>>> Uma Vez Só é Pouco de Jacqueline Susan pela Círculo do Livro (1973)
>>> The Klone and I de Danielle Steel pela Ballantine Books (1999)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2001

Segunda-feira, 19/3/2001
A resistência é vermelha
Vera Moreira

+ de 5300 Acessos

A Festa de Babette só poderia ser um de meus filmes favoritos, mas nas inúmeras vezes que já o assisti em cinema e vídeo, sempre fiquei com uma nota nebulosa, uma sensação contida, como se fosse uma celebração que não acontece por inteiro. Chocolate veio lavar minha alma no que me incomodava em Babette e eu não entendia exatamente. A capa de capuz de Juliette Binoche é leve e vermelha e dá o tom de todo o filme, que é uma celebração completa da vitória do humanismo sobre o fel do preconceito. O meio é o chocolate, como o é a comida em A Festa de Babette, mas a capa de capuz preta e pesada de Stephane Audran dá o clima invernal do filme, que acaba oprimindo o grande banquete. O vermelho das capas de Vianne (Binoche) e sua filha, assim como todos os matizes da cor no belíssimo figurino de Vianne, enfrentam a sisudez da pequena vila francesa de Lansquenet em 1959. Babette habita uma vila dinamarquesa em 1871, mas não seria a diferença dos anos que determinaria um clima mais ou menos sombrio nas vilas européias, elas pouco mudavam em um século.

Acontece é que Lars Hallström teceu todo seu Chocolate em contrapontos com a obra de Gabriel Axel, até então a principal referência entre os filmes gastronômicos, digamos assim. Enquanto a cozinha de Babette é escura e apertada, a chocolataria de Vianne é colorida, espaçosa e decorada. Enquanto os moradores de Lansquenet espinafram Vianne na dualidade da tentação pelos seus chocolates, os velhos habitantes da vila de Babette mal se dão conta da falta de sabor de suas vidas. Enquanto a senhoria de Babette é recatada, pura e suave, a senhoria de Vianne é permissiva, inconseqüente e vivaz. Enquanto o banquete de Babette para os convivas de sua senhoria é fino e delicado, o almoço que Vianne oferece aos convidados da sua senhoria acontece ao ar livre e termina num animadíssimo baile às margens do rio. No final, enquanto Babette decide ficar na vila por julgar não ter para onde ir, Vianne decide ficar optando por abandonar sua vocação itinerante, conquistando a cidadela e o prefeito turrão. Dá uma festa sem precedentes e ainda recebe o amor do sensual Johnny Depp de volta. De qualquer forma, continuo gostando muito de A Festa de Babette com seu intimismo sombrio.

Chocolate é carregado de vida e um realismo fantástico que o coloca naquela categoria de filmes que ou você gosta ou não gosta, sem maiores explicações. E aí aparecem os paralelos, com o mesmo Johnny Depp de Don Juan de Marco, a cena aérea belíssima do vilarejo que faz lembrar de Edward Mãos de Tesoura e a intensidade dos sentimentos despertados pelo alimento de Como Água para Chocolate. Para costurar a trama, só mesmo o chocolate, uma substância carregada de significado e luxúria. Tanto que já no século dezoito foi batizado de Teobroma cacao (bebida dos deuses) pelo botânico sueco Linnaeus, imortalizando a crença Asteca e Maia de que a planta pertencia aos deuses. Sempre se atribuiu a descoberta do chocolate aos Astecas, mas lingüistas modernos conseguiram reconstruir o antigo vocabulário dos Olmecas - viveram há três mil anos, sendo uma das primeiras civilizações mesoamericanas - e descobriram que nele existia a palavra "cacao". No coração da América Central Equatorial onde habitavam era quente, úmido e sombrio: condições ideais para o cultivo do cacau. Assim, muitos historiadores hoje acreditam que tenham sido mesmo os Olmecas os primeiros a usufruírem os prazeres do chocolate, que inicialmente era uma bebida fermentada amarga, feita das sementes do cacau, mas muito exuberante, tida como afrodisíaca, usada por reis e nobres e oferecida em celebrações. A sensação de prazer despertada pelo chocolate é habilmente explorada por Hallström, com Juliette Binoche se ocupando em decifrar as preferências dos hesitantes franceses e conquistando-os um a um. Mas romanticamente demora a descobrir a de Depp, que só poderia ser chocolate quente, afinal Casanova achava que essa bebida era o "elixir do amor" e o imperador asteca Montezuma bebia canecas de chocolate antes de se retirar para o seu harém.

Chocolate concorre a cinco estatuetas do Oscar: melhor filme, melhor atriz, melhor atriz coadjuvante, (Judi Dench como Armand, a senhoria de Vianne), melhor roteiro adaptado (Robert Nelson Jacobs) e melhor trilha sonora (Rachel Postman). O vento norte sempre presente em Chocolate e Juliette Binoche com aquela efemeridade de seu rosto, me remeteu a Érico Veríssimo e suas encantadoras personagens femininas. "Sempre que me acontece alguma coisa importante, está ventando", costumava dizer Ana Terra, de O Tempo e o Vento. No conto-fantasia Sonata, o professor de piano a domicílio confessa: "(...) Não me parece possível retratar com palavras um rosto de mulher. O que importa não é seu formato, a cor dos olhos, o desenho da boca e do nariz ou o tom da pele. É antes uma certa qualidade interior que ilumina a face, animando-a e tornando-a distinta de todas as outras, e essa qualidade raramente ou nunca se deixa prender nem mesmo pela câmera fotográfica." Este é o resumo de Binoche em Chocolate, a força suave de uma personalidade livre como o vento, que durante duas horas se insinua para a câmera cinematográfica de Hallström, fazendo o espectador rir e chorar de prazer. É por isto que ela deveria ganhar o Oscar e que todas as mulheres um dia deveriam usar um sapato vermelho de salto alto.


Vera Moreira
Gramado, 19/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
03. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1) de Diogo Salles
04. A sombra de Saramago de Wellington Machado
05. A vitrola de Jaime Prado Gouvêa de Rafael Rodrigues


Mais Vera Moreira
Mais Acessadas de Vera Moreira em 2001
01. Para pecar, vá de manga - 16/10/2001
02. Pense no que vai engolir - 24/7/2001
03. A resistência é vermelha - 19/3/2001
04. Proibida ou não, é musa inspiradora - 11/9/2001
05. Fome de ler - 31/5/2001


Mais Especial Oscar 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Empreendedorismo
Marcelo Marinho Aidar
Thomson Pioneira
(2007)



O Senhor Fez Em Mim Maravilhas
Paulo Henriques
Palavra & Prece
(2005)



O Símbolo da Transformação na Missa:obra Completa
Carl Gustav Jung
Vozes
(2012)



Great Expectations, Level 6
Charles Dickens
‎ Pearson Education Esl
(2008)



Conecte Lidi Gramática Caderno de Revisão
Vários Autores
Saraiva
(2013)



Precatório, Trajetória e Desvirtuamento de um Instituto Necessidade
Bruno espineira lemos
Sergio antonio fabris editor
(2004)



A verdade de cada um
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2007)



Os pensadores - Nietzsche
Friedrich Nietzsche
Abril cultural
(1983)



Educar em Revista Número 53 Jul/Set
Daniele Soares Carneiro
Ufpr
(2014)



Meu Diário Rebelde
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(1500)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês