Proibida ou não, é musa inspiradora | Vera Moreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
59473 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Feriado, dia 20 :: Toni Garrido e Evandro Mesquita fazem show de graça na Laura Alvim em Ipanema
>>> Cadê a Criança que tava aqui? reestreia dia 5 de fevereiro no Alfa
>>> ENDURO A PÉ - CIRCUITO DE LAZER NO CENTRO
>>> Show 'Ana Cañas Canta Belchior' chega ao Teatro Bradesco em São Paulo
>>> SESI apresenta Filó Machado 60 Anos de Música no aniversário de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meta-universo
>>> Pécora, Piza e Figueiredo
>>> As veias iluminadas da baleia cinza
>>> Um monstro que ri
>>> Um monstro que ri
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Edward Snowden: a privacidade na era cibernética
>>> A Nouvelle Vague e Godard
>>> Livros que aproximam
Mais Recentes
>>> 31 Profissão Solteira de Claudia Aldana pela Primavera (2004)
>>> Disciplina A Trilha do Sucesso de Carlos Rosa pela Interciencia (2008)
>>> No Clarão das águas de Jorge Fernandes dos Santos pela Paulus (2004)
>>> As Grandes Sacadas da Vida de Arão Henrique Xavier pela Ministério Prospere (2007)
>>> Fama de Tilly Bagshawe pela Record (2013)
>>> A Ciência do Pranayama: o Controle da Respiração na Prática da Yoga de Swami Sivananda pela Pensamento (1993)
>>> Anjos e demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Vathek -Dois prólogos de Jorge Luis Borges de William Thomas Beckford pela L&PM Pocket (1997)
>>> A Cura pela Consciência de Claudia Bernhardt de Souza Pacheco pela Proton (1994)
>>> A profecia Dark (Vol. 2) de Anthony E. Zuiker pela Record (2011)
>>> Planeta Nº 273 de Vários Autores pela Três (1995)
>>> Para Que o Amor Aconteça de Ceci Akamatsu pela Verus (2011)
>>> A Mulher Na Janela de A J Finn pela Arqueiro (2019)
>>> Amor para um Escocês de Sarah Maclean pela Gutenberg (2017)
>>> Planeta Nº 272 de Vários Autores pela Três (1995)
>>> Novos Olhares de Zeca Camargo Org pela Globo (2007)
>>> Planeta Nº 271 de Vários Autores pela Três (1995)
>>> Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir de Sarah Maclean pela Arqueiro (2017)
>>> A Ladeira da Saudade de Ganymédes José pela Moderna (1983)
>>> Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Mônica nº51 de Mauricio de Sousa pela Panini Comics
>>> Planeta Nº 285 de Vários Autores pela Três (1996)
>>> Um Curso de Cálculo Volume 2 de Hamilton Luiz Guidorizzi pela Ltc (1986)
>>> O Cão dos Baskerville- Coleção Clássicos Zahar de Doyler pela Zahar (2013)
>>> Planeta Nº 284 de Vários Autores pela Três (1996)
COLUNAS

Terça-feira, 11/9/2001
Proibida ou não, é musa inspiradora
Vera Moreira

+ de 5000 Acessos

A banana está na moda. Chefs europeus deixam a criatividade voar alto para transformar essa fruta comum, mas de infinitos recursos, em receitas sofisticadas que encantam os gourmets em seus restaurantes finos – algo que a culinária tailandesa, por exemplo, desde longa data já descobriu, assim como também a indiana, cubana e africana. A mídia, mais sensível às tendências gastronômicas da Europa, detectou agora este momento de glória da musa paradisíaca ou musa sapientum (nomes botânicos) e dedicou-lhe páginas e páginas em jornais e revistas. Lendo algumas dessas matérias, descobri que, para muita gente, a banana é a fruta proibida do paraíso, o que desbancaria do tradicional posto a maçã. Pra mim foi novidade absoluta, nunca ouvira essa tese. Fui atrás, claro, curiosa em descobrir a origem de tal afirmação.

Vamos começar pela referência em latim, afinal, acredito haver motivo para respeitar a nomenclatura atribuída por Lineu às plantas. Jane Grigson, em “O Livro das Frutas”, explica que Musa vem da palavra árabe mouz, banana, derivada do sânscrito moka, ou da cidade do café na Arábia do Sul. Lineu provavelmente tomou o termo Sapientum de Plínio, conhecedor de Alexandre e de bananas, embora nunca tivesse visto uma. Escreveu que os sábios da Índia – sapientes indorum – delas se alimentavam: “A folha é como asa de pássaros (...) A fruta cresce diretamente do tronco e é deliciosa por sua doçura”. Paradisíaca é uma outra referência aos árabes, que afirmavam ser a bananeira a Árvore do Paraíso, ou seja, a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Os europeus – incluindo Plínio – no início chamavam a banana de figo: figue d’Adam, figue du Paradis para os franceses, antes que eles adotassem o termo banane, fico d’Adamo na Itália. Bebendo nas fontes da história, Lineu denominou a banana Musa Paradisíaca, contribuindo para reforçar a versão corrente no século XVIII de fruta proibida.

No Livro do Gênesis, a princípio, Adão é inocente e ignorante, uma lousa sem nada escrito. Então, a astuta serpente dá a Eva duas escolhas: o pecado e o discernimento ou a falta de ambos. Depois da mordida libertadora na maçã, Jeová expulsa suas duas pessoas, agora propriamente humanas, do Éden sempiterno para a inclemente planície mesopotâmica. Ao contrário de Abraão, Adão e Eva não são nômades, mas agricultores. A subseqüente formação da raça faz parte do resultado da queda, do conhecimento da árvore do bem e do mal. Assim – de acordo com John Romer em “Testamento, Os Textos Sagrados Através da História” – é solucionado o enigma que sempre tem de estar presente na narrativa das primeiras famílias, como acontece com Abraão e Sara, mostrando-o como o menor dos males quando se tem de enfrentar a necessidade da procriação. Um rabino, que escreveu há quinhentos anos um comentário sobre o Livro do Gênesis, sugere que a extraordinária fecundidade de Sara, mulher de Abraão, foi por causa da ingestão de uma mandrágora, planta cujas flores púrpuras amadureciam em frutos mágicos todo outono e cujas raízes cresciam como um cacho de pênis. As mandrágoras carregavam a fertilidade dentro de si. Quando uma mandrágora era arrancada da terra, dizia-se que o grito da planta fazia as pessoas enlouquecerem.

A bananeira não é da família das mandrágoras – estas pertencem às solanáceas, como o tomateiro, o pimentão, etc -, mas é curioso que o seu fruto também cresça como um cacho de pênis. E mais, há uma tradição que diz que a bananeira, ao brotar o cacho, iniciado pelo mangará, geme como mulher no parto... Seria, então, por uma semelhança com a mandrágora na associação de fecundidade, que a banana ganhou a versão de fruto proibido? Sabe lá e chego a conclusão de que não há conclusão a chegar, porque o mundo do Livro do Gênesis, o mundo de Abraão, é um mundo de crença, conforme diz Romer, “um mundo sem conhecimento nem ética fora da fé”. A maçã continua sendo a referência no Jardim do Éden.

Assim, proibida ou não pra quem ainda quiser viajar na maionese, ops, na banana, a verdade é que ela é musa inspiradora de delícias sem fim, quanto a isso não há discussão. Crua ou madura, amassada, cozida, assada, frita, transformada em prato doce ou salgado, suco, aperitivo, vitamina ou sorvete, até como remédio já foi indicada. E a folha da bananeira é altamente útil, nela envolvemos os acaçás e os abarás da Bahia para serem cozidos e os peixes para assar ou grelhar. No Mato Grosso, faz-se uma sopa com bananas verdes. No Norte e no Nordeste, assim como na África e na América Central, por vezes, substitui o pão e a batata. E qual a criança já não se deliciou com uma banana bem desmanchada com o garfo, coberta de aveia, açúcar e canela? Eu acho que as lembranças gustativas da infância são as mais poderosas, não cedem lugar à receita sofisticada de qualquer espécie, só dividem lugar. Minha mãe fazia para nosso lanche uma torradinha com banana no forno que era uma delícia: coloca-se sobre uma fatia de pão, queijo prato, banana cortada em fatias no sentido longitudinal e polvilha-se com açúcar e canela em pó. Huummm, posso sentir o cheiro...

Apesar de ser uma de nossas frutas mais populares, não se origina na América e sim na Ásia e na África. É engraçado, porque em geral se faz uma idéia da bananeira como uma planta nativa de nossas florestas tropicais, mas nem mesmo os índios a conheciam. Os nambiquaras da Serra do Norte, Mato Grosso, já tinham lindos roçados de mandioca e milho, ornavam sua cerâmica, fabricavam bebidas fermentadas e, em 1912, tinham até cães de estimação, mas ainda desconheciam a banana. Luis da Camara Cascudo diz na “História da Alimentação no Brasil” que ela é hóspede desde o século XVI, e foi tomando lentamente a posse da casa. O que só nos trouxe benefício, para a economia e a população, tem grande volume de exportação e ajuda no sustento de nossa larga parcela carente da sociedade (uma composição poderosa e saborosa com arroz e feijão), pelo fácil cultivo, preço acessível e uma fantástica gama de propriedades nutricionais: vitaminas A, B, C, e E, sais minerais (especialmente potássio), fibras e carbohidratos em grande quantidade. Que o diga nossa estrela do tênis Guga e sua indefectível banana nos intervalos dos jogos. Fruta de vencedor, yes, nós temos banana!

Compota de ...
Pêssego. Deveria ser de Banana, dado o tema da coluna, eu sei... Mas quero oferecer esta receita ao Sérgio Faria, que me citou no seu Catarro Verde, me deixando muito lisonjeada. Não é exatamente a compota que carrego nas mãos, Sérgio; é melhor! Aí vai: coloque os pêssegos inteiros para cozinhar com uma garrafa de vinho branco, açúcar, dois paus de canela, quatro cravos-da-índia e casca de limão em fatias finas. Coe esta calda e acrescente a ela um pouco de Amaretto. Sirva o pêssego com um pouco da calda e uma bola de creme de chantilly.


Vera Moreira
Gramado, 11/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fim dos jornais, não do jornalismo de Marta Barcellos


Mais Vera Moreira
Mais Acessadas de Vera Moreira em 2001
01. Para pecar, vá de manga - 16/10/2001
02. Pense no que vai engolir - 24/7/2001
03. Proibida ou não, é musa inspiradora - 11/9/2001
04. A resistência é vermelha - 19/3/2001
05. Fome de ler - 31/5/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Apostila Lista Produtos Arno Até 2008 Ata. (assis. Técnica)
Groupe Seb
Seb
(2008)
+ frete grátis



A Escada de Jacó
Carlos A. Baccelli
Leepp
(2004)



Princeton University Off the Record
Alison S. Fraser / Outros
College Prowler, Incorporated
(2006)



Marketing Pessoal
Dorene Ciletti
Cengage Learning
(2011)



Jung - Vida e obra
Nise Da Silveira
Paz e terra
(2001)



Oração de Amorização - a Cura do Coração - 86ª Ed.
Pe. Alírio J. Pedrine
Loyola
(2000)



Como se preparar para o exame de ordem Constitucional 9
Adriana Pedro de Alemeida e outros
Metodo
(2013)



Os Doze Trabalhos de Hércules II Histórias Diversas N 15
Monteiro Lobato
Circulo do Livro



Deus Encaixotado
Cássio Davila
Pensamento
(2000)



The Diamond
George G. Blakey
Paddington Press
(1977)





busca | avançada
59473 visitas/dia
1,9 milhão/mês