De volta aos primórdios da imprensa no Brasil | Aline Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
Mais Recentes
>>> O pequeno Buda de Gordon McGill pela Círculo do Livro (1998)
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/1/2004
De volta aos primórdios da imprensa no Brasil
Aline Pereira

+ de 6400 Acessos

Pode-se dizer que o jornalismo brasileiro data de 1808 - ano em que a Família Real Portuguesa desembarcava pelas terras de sua possessão no Atlântico. Se no início do século XIX os primeiros jornais limitavam-se apenas a relatar os acontecimentos da Corte, duas décadas depois estarão envolvidos nos principais acontecimentos políticos da época, cito, por exemplo, a Revolução do Porto, em 1820. Esse foi ano em que os primeiros representantes da imprensa nacional ousaram estabelecer um debate político pelas ruas do Rio de Janeiro. Também foi o ano em que conquistaram a liberdade de imprensa. E essa liberdade foi fundamental para que os jornalistas tomassem parte na elite política do país.

Assim, gostaria de indicar alguns livros que são verdadeiros apanhados sobre a história do jornalismo brasileiro. O primeiro deles foi recém-lançado pela editora carioca DP&A em 2003; Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX, dos historiadores Marco Morel e Mariana Monteiro de Barros. Os autores apontam o nascimento da opinião pública brasileira, expressa pelos principais jornais do século XIX, observando a intercessão entre literatura e imagem (caricatura e fotojornalismo). O livro ainda traz um presente para leitores: extensa bibliografia comentada, assim como endereços de sites referentes ao assunto. Um deles é o do Rio de Janeiro Através dos Jornais.

Outra publicação que trata dos primórdios do jornalismo no Brasil é O nascimento da imprensa brasileira, editado em 2003 pela Jorge Zahar. Este livro é uma síntese de uma obra mais antiga, todavia excelente, publicada em 2000 pela Companhia das Letras: Insultos Impressos: a Guerra dos jornalistas na Independência. Ambos os trabalhos de Isabel Lustosa - pesquisadora da Casa de Rui Barbosa (RJ) - se estendem da chegada de D. João VI na América até a emancipação política brasileira sob a administração de D. Pedro I. Em 71 ou 497 páginas - fica a critério do leitor - a autora observa como durante os anos de 1821-1823, a imprensa fora um dos principais campos de batalha do processo de libertação política brasileira. Em lados opostos estavam os "liberais", que desejavam a permanência do príncipe regente e a convocação da Assembléia, e os "conservadores", que não renegavam o absolutismo.

José Bonifácio, Gonçalves Ledo, Hipólito José da Costa, Visconde de Cairu, Frei Caneca, Cipriano Barata, entre outros, foram importantes "políticos-jornalistas" desta primeira fase da imprensa brasileira. A participação na vida pública foi uma conquista de alguns desses homens, na medida em que eram os componentes de uma elite letrada, e, portanto, tinham condições de participar dos acontecimentos políticos através da exposição dos seus pensamentos.

Os periódicos, apesar de polêmicos e inflamados, traduziam a informação em uma linguagem acessível. Marcados pela tradição oral, apresentavam idéias de forma organizada, influenciando o público leitor a tomar posicionamento nos acontecimentos sociopolíticos da época.

Muitas vezes a linguagem desses impressos era vulgar. Os jornalistas travavam verdadeiros debates com os colegas das letras, embora também dialogassem com a própria Coroa. Os pequenos proprietários, negociantes e donos de escravos fugidos eram o público alvo. Como muitas publicações se posicionavam de forma contrária às atitudes da Corte, o uso de pseudônimos era recorrente para demarcar opinião sem encontrar maiores empecilhos. No entanto, esses pseudônimos não tornavam imperceptível o mentor de determinada coluna no jornal, pois a forma com que esses jornalistas escreviam poderia ser facilmente identificada, a partir do estilo da linguagem, das expressões utilizadas e do humor mais irônico, assim como da agressividade característica de cada um.

As informações impressas também chegavam aos ouvidos do povo, capaz de fazer sua própria interpretação política acerca de um fato. Mesmo não sabendo ler, homens comuns ouviam comentários sobre artigos, e/ou contavam com a cooperação de algum simpatizante alfabetizado para produzirem interpretações próprias sobre determinado acontecimento. A partir daí, as idéias do Brasil Império não estavam impedidas de circular. Pelo contrário, penetraram nas mais distintas camadas sociais e auxiliaram na construção da Independência política do país, influenciaram motins, revoltas e rebeliões, assim como determinaram outros importantes momentos da nossa História.

Para ir além












Aline Pereira
Rio de Janeiro, 21/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda de Ricardo de Mattos
02. Gatos em contos mínimos de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Aline Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DINASTIA
ROBERT S. ELEGANT
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 5,00



PRODUÇÃO GRÁFICA PARA DESIGNERS
ANDRÉ VILLAS-BOAS
2AB
(2010)
R$ 15,00



VIDA DE DROGA
WALCYR CARRASCO
ÁTICA
(2007)
R$ 11,99



O LORDE SUPREMO: A TRILOGIA DO MAGO NEGRO - LIVRO 3
BRUCE COOK
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 19,99



ESTADO, GOVERNO, SOCIEDADE - NOVA EDIÇÃO - 20ª EDIÇÃO
NORBERTO BOBBIO
PAZ E TERRA
(2017)
R$ 40,95



SUA RESPOSTA VALE UM BILHÃO
VIKAS SWARUP; PAULO HENRIQUES BRITTO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 9,90



A POÇAO DO TEMPO
CAIO LUIZ FERRARI MARTINS
E EDITORIAL
(2009)
R$ 12,00



ACOLHIMENTO - O PENSAR, O FAZER, O VIVER
CRISTINA ZAUHY
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
(2002)
R$ 5,00



SOBRE PORTUGAL DIÁLOGOS COM ALEXANDRE MANUEL
COSTA GOMES
A REGRA DO JOGO
(1979)
R$ 19,60



LORD JIM
TEODOR JOSEPH CONRAD KORZENIOVSKY (JOSEPH CONRAD)
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 8,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês