Palavras impressas | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/10/2007
Palavras impressas
Pilar Fazito

+ de 2800 Acessos



Tema atual e presente em toda roda de escritores, a necessidade de se publicar em papel em plena era digital é algo que ainda está longe de se esgotar. Tivemos aqui mesmo, no Digestivo Cultural, um especial que tratava do assunto e que gerou um debate acalorado. Tão acalorado que saiu por aí, batendo portas e embarafustando pela rede, em blogs e outros sites.

Na época, um sentimento me impelia a defender a publicação em papel. Mas era apenas uma intuição e discussões cartesianas não dão valor a isso. Nenhum argumento racional melhor do que o fato de o papel poupar a vista do leitor me passava pela cabeça e, por isso, eu fiquei espreitando aquela confusão toda, sem participar ativamente. Fiquei quieta no meu canto, só pensando na minha miopia e no meu astigmatismo, que dispararam desde que inventei de passar o dia trabalhando em frente à tela do computador. Mas, no fundo, eu sabia que existia alguma outra razão, própria ao ramo da literatura e não da saúde.

Encontrei essa razão há duas semanas, após ler Furor na Íris, de Marcus Nascimento. O escritor é mineiro e dá suas cambalhotas também como videoartista e roteirista. Furor na Íris é seu segundo livro e foi lançado este mês, em Belo Horizonte. Eu já havia lido seu primeiro livro, A palavra no espelho, igualmente publicado com auxílio de lei de incentivo, mas esperei o segundo para confirmar minha impressão inicial. E confirmei.

Marcus Nascimento leva para a literatura procedimentos próprios ao cinema, como o cuidado de uma pesquisa de campo completa e a consultoria de profissionais de diversas áreas. O resultado é um domínio vocabular impressionante, que transita entre medicina, botânica, decoração, direito e inúmeros campos do conhecimento com uma ironia fina e lúdica.

Além da semântica apurada, com excelentes jogos de palavras, a literatura de Marcus traz a inserção de fragmentos de outros gêneros textuais que dialogam com a narrativa principal.

Isso ocorre o tempo todo, como no caso do excelente conto de realismo fantástico "O doador de órgãos", não por acaso dividido em partes. Nele, o personagem principal é convencido a vender órgãos e partes do corpo, acreditando que os ganhos financeiros seriam capazes de lhe garantir uma vida mais confortável.

Box de informações, como os excertos da Constituição Federal e procedimentos médicos de doação de órgãos, entram em choque com a ironia do texto, tornando ainda mais tragicômica a situação do homem que perde córneas, rim, perna, braço etc. até resumir-se a uma cabeça que rola e vê tudo, literalmente, de cabeça para baixo.

Anúncios classificados, mapas astrais e menus de restaurante são outros exemplos de gêneros presentes na escrita desse autor. Somados ao esmero gráfico e visual, a literatura de Marcus Nascimento remete-nos, invariavelmente, à comparação com os Decálogos, do escritor Tião Nunes. Ambos são bons observadores das cenas cotidianas, mas o tom irônico de cada um é diferente: Tião Nunes é agressivo, ácido e sarcástico, enquanto Marcus Nascimento brinca com um aparente, eu disse aparente, alheamento.

A maior semelhança, entretanto, é que em ambos, a disposição gráfica, a fonte dos caracteres, as imagens e todo o conjunto visual não são apenas adornos para o texto, mas fazem parte do seu significado, ou seja, também o constituem.

A primeira vez que vi a importância desse recurso foi no conto "Palavras de amor" - um dos melhores já escritos em língua portuguesa -, de Nelson Coelho, presente em O inventor de Deus. Datado de 1972, o livro é bem raro e só é possível encontrar em sebos literários. Portanto, quem o encontrar, agarre-o.

O conto de Nelson Coelho retrata a realidade fantástica de um jovem apaixonado que morre de amor por não conseguir falar com a mulher amada. As palavras reprimidas vão se multiplicando nos bolsos e em casa, numa progressão geométrica, cada vez maiores e mais pesadas, até soterrá-lo.

Já vi o "Palavras de amor" na internet, numa formatação sem-graça, acadêmico-informativa, como a deste texto que escrevo. Não funciona. O conto perde o encanto e vira um amontoado de metáforas que qualquer um faz. Já a edição original traz um projeto gráfico rude, mas fascinante, com recortes e colagens de palavras e letras que não só ilustram a idéia do conto, mas interagem com ela. No início, trechos inteiros invadem as páginas; já no final, basta um "P" enorme para o leitor sentir o peso das palavras de amor.

O conto de Nelson Coelho, os Decálogos de Tião Nunes e os dois livros de Marcus Nascimento são daquele tipo de texto que nasce no papel e só sobrevive com a força que adquire nele.

É claro que os projetos gráficos poderiam parar nas telas de computador através de um PDF ou qualquer outro artifício de diagramação e formatação. Isso manteria a bricolagem presente nos livros desses autores, assim como a ótima frase invertida na página em "O doador de órgãos", quando a cabeça rola pelo chão.

Ainda assim, não é a mesma coisa. Há livros que são pensados horizontalmente e da esquerda para a direita. Nesses casos, o ato de virar uma página pode fazer parte da proposta narrativa tanto quanto a textura da página e o tato do leitor. Talvez venha daí a idéia de comunhão com o objeto livro, essa confidência e intimidade que leitores tecem em relação a determinados autores/narradores/personagens.

Chego à conclusão de que a necessidade de se publicar em papel é a mesma de se publicar na internet, ou a mesma de gravar um CD, fazer um curta-metragem, apresentar uma peça de teatro etc. É questão de suporte. E a necessidade se justifica quando ele deixa de ser apenas um suporte, integra um formato e passa a fazer parte do significado da obra.

Acredito que nem todo texto tem necessidade de ser publicado em papel. Mas há aqueles que não funcionariam em outro veículo. É para estes que devemos deixar reservado o lugar nas estantes.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 15/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês