Palavras impressas | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Desfazendo alguns mitos sobre 64
>>> Uma homenagem a Maysa
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Bonjour Tristesse de Françoise Sagan pela Distribooks (2010)
>>> Épico de Conor Kostick pela Galera Record (2007)
>>> La comunidad ilusoria de Marc Augé pela Gedisa (2012)
>>> O Rei do Inverno de Bernard Cornwell pela Record (2002)
>>> Na sala com Danuza de Danuza Leão pela Siciliano
>>> Por uma pedagogia da pergunta de Paulo Freire e Antonio Faundez pela Paz e terra
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1991)
>>> Ensaio sobre o entendimento humano de Caetano Galindo pela Biblioteca Paraná
>>> Dicionário de Ideias e Afins de Hermínio Sargentim pela Ibep
>>> Vidas Secas (edição comemorativa) de Graciliano Ramos pela Record (2018)
>>> Religious Rock 'n' Roll de Jimmy Swaggart pela Jimmy Swaggart
>>> Macunaíma - O herói sem nenhum caráter de Mário de Andrade pela Folha
>>> A Batalha do Rio da Prata de Eugen Millington Drake pela Flamboyant (1968)
>>> Richard Wagner e Tannhauser em Paris de Charles Baudelaire pela Edusp
>>> Terminologia de Mercado de Roberto Lobo pela Fauna (1969)
>>> O que é lugar de fala? de Djamila Ribeiro pela Letramento (2017)
>>> Neuropsicologia e Aprendizagem de Maria Gabriela Ramos Ferreira pela Intersaberes
>>> Violência do rosto de Emmanuel Lévinas pela Loyola (2014)
>>> O Sobrevivente do Pacífico de Georges Blond pela Flamboyant (1965)
>>> Loucura... e O incesto de Mário de Sá-Carneiro pela Lacerda
>>> A guerra do fim do mundo de Mario Vargas Llosa pela Alfaguara (2008)
>>> Graça Infinita de David Foster Wallace pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Círculo do Livro
>>> O Jogo da Amarelinha de Julio Cortázar pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austen pela Nova cultural
COLUNAS

Segunda-feira, 15/10/2007
Palavras impressas
Pilar Fazito

+ de 3000 Acessos



Tema atual e presente em toda roda de escritores, a necessidade de se publicar em papel em plena era digital é algo que ainda está longe de se esgotar. Tivemos aqui mesmo, no Digestivo Cultural, um especial que tratava do assunto e que gerou um debate acalorado. Tão acalorado que saiu por aí, batendo portas e embarafustando pela rede, em blogs e outros sites.

Na época, um sentimento me impelia a defender a publicação em papel. Mas era apenas uma intuição e discussões cartesianas não dão valor a isso. Nenhum argumento racional melhor do que o fato de o papel poupar a vista do leitor me passava pela cabeça e, por isso, eu fiquei espreitando aquela confusão toda, sem participar ativamente. Fiquei quieta no meu canto, só pensando na minha miopia e no meu astigmatismo, que dispararam desde que inventei de passar o dia trabalhando em frente à tela do computador. Mas, no fundo, eu sabia que existia alguma outra razão, própria ao ramo da literatura e não da saúde.

Encontrei essa razão há duas semanas, após ler Furor na Íris, de Marcus Nascimento. O escritor é mineiro e dá suas cambalhotas também como videoartista e roteirista. Furor na Íris é seu segundo livro e foi lançado este mês, em Belo Horizonte. Eu já havia lido seu primeiro livro, A palavra no espelho, igualmente publicado com auxílio de lei de incentivo, mas esperei o segundo para confirmar minha impressão inicial. E confirmei.

Marcus Nascimento leva para a literatura procedimentos próprios ao cinema, como o cuidado de uma pesquisa de campo completa e a consultoria de profissionais de diversas áreas. O resultado é um domínio vocabular impressionante, que transita entre medicina, botânica, decoração, direito e inúmeros campos do conhecimento com uma ironia fina e lúdica.

Além da semântica apurada, com excelentes jogos de palavras, a literatura de Marcus traz a inserção de fragmentos de outros gêneros textuais que dialogam com a narrativa principal.

Isso ocorre o tempo todo, como no caso do excelente conto de realismo fantástico "O doador de órgãos", não por acaso dividido em partes. Nele, o personagem principal é convencido a vender órgãos e partes do corpo, acreditando que os ganhos financeiros seriam capazes de lhe garantir uma vida mais confortável.

Box de informações, como os excertos da Constituição Federal e procedimentos médicos de doação de órgãos, entram em choque com a ironia do texto, tornando ainda mais tragicômica a situação do homem que perde córneas, rim, perna, braço etc. até resumir-se a uma cabeça que rola e vê tudo, literalmente, de cabeça para baixo.

Anúncios classificados, mapas astrais e menus de restaurante são outros exemplos de gêneros presentes na escrita desse autor. Somados ao esmero gráfico e visual, a literatura de Marcus Nascimento remete-nos, invariavelmente, à comparação com os Decálogos, do escritor Tião Nunes. Ambos são bons observadores das cenas cotidianas, mas o tom irônico de cada um é diferente: Tião Nunes é agressivo, ácido e sarcástico, enquanto Marcus Nascimento brinca com um aparente, eu disse aparente, alheamento.

A maior semelhança, entretanto, é que em ambos, a disposição gráfica, a fonte dos caracteres, as imagens e todo o conjunto visual não são apenas adornos para o texto, mas fazem parte do seu significado, ou seja, também o constituem.

A primeira vez que vi a importância desse recurso foi no conto "Palavras de amor" - um dos melhores já escritos em língua portuguesa -, de Nelson Coelho, presente em O inventor de Deus. Datado de 1972, o livro é bem raro e só é possível encontrar em sebos literários. Portanto, quem o encontrar, agarre-o.

O conto de Nelson Coelho retrata a realidade fantástica de um jovem apaixonado que morre de amor por não conseguir falar com a mulher amada. As palavras reprimidas vão se multiplicando nos bolsos e em casa, numa progressão geométrica, cada vez maiores e mais pesadas, até soterrá-lo.

Já vi o "Palavras de amor" na internet, numa formatação sem-graça, acadêmico-informativa, como a deste texto que escrevo. Não funciona. O conto perde o encanto e vira um amontoado de metáforas que qualquer um faz. Já a edição original traz um projeto gráfico rude, mas fascinante, com recortes e colagens de palavras e letras que não só ilustram a idéia do conto, mas interagem com ela. No início, trechos inteiros invadem as páginas; já no final, basta um "P" enorme para o leitor sentir o peso das palavras de amor.

O conto de Nelson Coelho, os Decálogos de Tião Nunes e os dois livros de Marcus Nascimento são daquele tipo de texto que nasce no papel e só sobrevive com a força que adquire nele.

É claro que os projetos gráficos poderiam parar nas telas de computador através de um PDF ou qualquer outro artifício de diagramação e formatação. Isso manteria a bricolagem presente nos livros desses autores, assim como a ótima frase invertida na página em "O doador de órgãos", quando a cabeça rola pelo chão.

Ainda assim, não é a mesma coisa. Há livros que são pensados horizontalmente e da esquerda para a direita. Nesses casos, o ato de virar uma página pode fazer parte da proposta narrativa tanto quanto a textura da página e o tato do leitor. Talvez venha daí a idéia de comunhão com o objeto livro, essa confidência e intimidade que leitores tecem em relação a determinados autores/narradores/personagens.

Chego à conclusão de que a necessidade de se publicar em papel é a mesma de se publicar na internet, ou a mesma de gravar um CD, fazer um curta-metragem, apresentar uma peça de teatro etc. É questão de suporte. E a necessidade se justifica quando ele deixa de ser apenas um suporte, integra um formato e passa a fazer parte do significado da obra.

Acredito que nem todo texto tem necessidade de ser publicado em papel. Mas há aqueles que não funcionariam em outro veículo. É para estes que devemos deixar reservado o lugar nas estantes.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 15/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Puta, um romance bom prá cacete de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Youtube, o mega-saldão de verão - 19/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Física do Cristianismo - 1ªedição
Frank J. Tipler
Cultrix
(2010)
R$ 46,95



A Última Guerra Européia
John Lukacs
Nova Fronteira
(1980)
R$ 12,00



A Morte da Luz
George R. R. Martin
Leya Casa da Palavra
(2012)
R$ 15,00



Orbitografia - Contribuição ao Estudo da Semiologia Orbitária
Roberto Abucham
Edição do Autor
(1971)
R$ 25,68



My Gal Sunday
Mary Higgins Clark
Simon & Schuster
(1996)
R$ 15,00



Manual Prático de Procedimentos
Vários Autores
Yendis
(2013)
R$ 14,56



P 105 -a Frota -fantasma
Perry Rhodan
Edoiuro
(1978)
R$ 4,81



Lord Edgware Dies
Agatha Christie
Harper
(2007)
R$ 15,90



Uq Holder! - Vol. 2
Ken Akamatsu
Jbc
(2016)
R$ 15,00



The Pelican Book of English Prose Vol 2
Raymond Williams
S/n
R$ 5,00





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês