Palavras impressas | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
Mais Recentes
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/10/2007
Palavras impressas
Pilar Fazito
+ de 3600 Acessos



Tema atual e presente em toda roda de escritores, a necessidade de se publicar em papel em plena era digital é algo que ainda está longe de se esgotar. Tivemos aqui mesmo, no Digestivo Cultural, um especial que tratava do assunto e que gerou um debate acalorado. Tão acalorado que saiu por aí, batendo portas e embarafustando pela rede, em blogs e outros sites.

Na época, um sentimento me impelia a defender a publicação em papel. Mas era apenas uma intuição e discussões cartesianas não dão valor a isso. Nenhum argumento racional melhor do que o fato de o papel poupar a vista do leitor me passava pela cabeça e, por isso, eu fiquei espreitando aquela confusão toda, sem participar ativamente. Fiquei quieta no meu canto, só pensando na minha miopia e no meu astigmatismo, que dispararam desde que inventei de passar o dia trabalhando em frente à tela do computador. Mas, no fundo, eu sabia que existia alguma outra razão, própria ao ramo da literatura e não da saúde.

Encontrei essa razão há duas semanas, após ler Furor na Íris, de Marcus Nascimento. O escritor é mineiro e dá suas cambalhotas também como videoartista e roteirista. Furor na Íris é seu segundo livro e foi lançado este mês, em Belo Horizonte. Eu já havia lido seu primeiro livro, A palavra no espelho, igualmente publicado com auxílio de lei de incentivo, mas esperei o segundo para confirmar minha impressão inicial. E confirmei.

Marcus Nascimento leva para a literatura procedimentos próprios ao cinema, como o cuidado de uma pesquisa de campo completa e a consultoria de profissionais de diversas áreas. O resultado é um domínio vocabular impressionante, que transita entre medicina, botânica, decoração, direito e inúmeros campos do conhecimento com uma ironia fina e lúdica.

Além da semântica apurada, com excelentes jogos de palavras, a literatura de Marcus traz a inserção de fragmentos de outros gêneros textuais que dialogam com a narrativa principal.

Isso ocorre o tempo todo, como no caso do excelente conto de realismo fantástico "O doador de órgãos", não por acaso dividido em partes. Nele, o personagem principal é convencido a vender órgãos e partes do corpo, acreditando que os ganhos financeiros seriam capazes de lhe garantir uma vida mais confortável.

Box de informações, como os excertos da Constituição Federal e procedimentos médicos de doação de órgãos, entram em choque com a ironia do texto, tornando ainda mais tragicômica a situação do homem que perde córneas, rim, perna, braço etc. até resumir-se a uma cabeça que rola e vê tudo, literalmente, de cabeça para baixo.

Anúncios classificados, mapas astrais e menus de restaurante são outros exemplos de gêneros presentes na escrita desse autor. Somados ao esmero gráfico e visual, a literatura de Marcus Nascimento remete-nos, invariavelmente, à comparação com os Decálogos, do escritor Tião Nunes. Ambos são bons observadores das cenas cotidianas, mas o tom irônico de cada um é diferente: Tião Nunes é agressivo, ácido e sarcástico, enquanto Marcus Nascimento brinca com um aparente, eu disse aparente, alheamento.

A maior semelhança, entretanto, é que em ambos, a disposição gráfica, a fonte dos caracteres, as imagens e todo o conjunto visual não são apenas adornos para o texto, mas fazem parte do seu significado, ou seja, também o constituem.

A primeira vez que vi a importância desse recurso foi no conto "Palavras de amor" - um dos melhores já escritos em língua portuguesa -, de Nelson Coelho, presente em O inventor de Deus. Datado de 1972, o livro é bem raro e só é possível encontrar em sebos literários. Portanto, quem o encontrar, agarre-o.

O conto de Nelson Coelho retrata a realidade fantástica de um jovem apaixonado que morre de amor por não conseguir falar com a mulher amada. As palavras reprimidas vão se multiplicando nos bolsos e em casa, numa progressão geométrica, cada vez maiores e mais pesadas, até soterrá-lo.

Já vi o "Palavras de amor" na internet, numa formatação sem-graça, acadêmico-informativa, como a deste texto que escrevo. Não funciona. O conto perde o encanto e vira um amontoado de metáforas que qualquer um faz. Já a edição original traz um projeto gráfico rude, mas fascinante, com recortes e colagens de palavras e letras que não só ilustram a idéia do conto, mas interagem com ela. No início, trechos inteiros invadem as páginas; já no final, basta um "P" enorme para o leitor sentir o peso das palavras de amor.

O conto de Nelson Coelho, os Decálogos de Tião Nunes e os dois livros de Marcus Nascimento são daquele tipo de texto que nasce no papel e só sobrevive com a força que adquire nele.

É claro que os projetos gráficos poderiam parar nas telas de computador através de um PDF ou qualquer outro artifício de diagramação e formatação. Isso manteria a bricolagem presente nos livros desses autores, assim como a ótima frase invertida na página em "O doador de órgãos", quando a cabeça rola pelo chão.

Ainda assim, não é a mesma coisa. Há livros que são pensados horizontalmente e da esquerda para a direita. Nesses casos, o ato de virar uma página pode fazer parte da proposta narrativa tanto quanto a textura da página e o tato do leitor. Talvez venha daí a idéia de comunhão com o objeto livro, essa confidência e intimidade que leitores tecem em relação a determinados autores/narradores/personagens.

Chego à conclusão de que a necessidade de se publicar em papel é a mesma de se publicar na internet, ou a mesma de gravar um CD, fazer um curta-metragem, apresentar uma peça de teatro etc. É questão de suporte. E a necessidade se justifica quando ele deixa de ser apenas um suporte, integra um formato e passa a fazer parte do significado da obra.

Acredito que nem todo texto tem necessidade de ser publicado em papel. Mas há aqueles que não funcionariam em outro veículo. É para estes que devemos deixar reservado o lugar nas estantes.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 15/10/2007

Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2007
01. Ferreira Gullar em dose única - 29/10/2007
02. Auto-ajuda e auto-engano - 30/7/2007
03. Literatura, cinema e adaptações - 23/5/2007
04. Curso superior de auto-ajuda empresarial - 10/9/2007
05. Revisitar-se ou não, eis a questão - 9/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Automóveis de São Paulo
Varios Autores
Imprensa Oficial de São Paulo
(2002)



Dicionário Histórico-Biográfico da Propaganda no Brasil
Coords. Alzira Alves de Abreu, Christiane Jalles de Paula
Fgv
(2007)



Livro Literatura Estrangeira O Contrato Social e Outros Escritos
Rousseau
Clássicos Cultrix



Deus e a cabana 362
Roger E. Olson
Thomas Nelson Brasil
(2009)



Cem Gramas de Buda (lacrado)
Eduardo Alves da Costa
Sesi-sp
(2015)



Dk Eyewitness Travel Guide: Berlin
Dk Publishing
Dk Eyewitness Travel
(2013)



Palavras de Fogo
Bhagwan Shree Rajneesh
Ground
(1983)



A Sagrada Família
Marx e Engels
Moraes
(1987)



Furacão Elis (3ª Edição)
Regina Lico Echeverria
Fisicalbook
(2002)



Walt Disney World Resort e Orlando - Guia Visual
Diversos autores
Publifolha
(2007)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês