Palácio dos sabores 4/5 | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Fenomenologia e Direito de Aquiles Côrtes Guimarães -( Coordenador) pela Lumen Juris (2005)
>>> Bate - Papo Com o Além de Zibia Gasparetto pelo Espírito Silveira Sampaio pela Espaço Vida e Consciência (1994)
>>> Certain Girls de Jennifer Weiner pela Simon and Schuster (2008)
>>> Mountaing Fears de Stuart Woods pela Penguin Uk (2009)
>>> Danielle Steel de Granny Dan pela Dell (2009)
>>> Thirty Ways of Looking at Hillary: Women Writers Reflect on the Candidate and What Her Campaign Meant de Susan Morrison pela Harper Perennial (2008)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela O globo
>>> Iracema de Jose de Alencar pela Folha
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/11/2009
Palácio dos sabores 4/5
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Gilles discutia com Coralie o menu do dia seguinte. "Nada se perde, tudo se transforma" também poderia ser uma máxima da culinária francesa, já que os croissants artesanais do café da manhã se transformariam em prato principal, bastava acrescentar presunto, queijo, molho bechamel e uma generosa salade verte. Mas ele era "le chef" e preparava absolutamente tudo o que havia à venda no bistrot, dos pratos à sobremesa, dos chocolates até as frutas cristalizadas.

Coralie era a cabeça administrativa e propagandística do Palais de Saveurs. Fazia o tête-à-tête com os clientes: servindo-os, repetindo incansavelmente os ingredientes das tortas salgadas da vitrine, embrulhando os pedaços à emporter, agendando as encomendas; zelava pelas flores nas mesas, pelo guardanapo bem dobrado e enchia de elogios a comida do marido, "hum, c'est bon!" (hum, é bom), "c'est tout fait maison" (tudo é artesanal). Ela tinha uma excelente memória, sabendo de cor as preferências dos habitués ― desde o suco de pêssego que eu pedira em minha primeira visita ao restaurante, que sempre voltava a oferecer, até minha sobremesa predileta, o delicioso fondant au chocolat (tipo de bolo de chocolate) embebido em creme inglês.

Gilles era as mãos habilidosas, modeladoras da síntese gastronômica francesa ao unir acessibilidade, agilidade (não espere tanto assim dela) e flexibilidade aos iniciantes em apreciar esta arte e mesmo aos apressadinhos da hora do almoço. E, por outro lado, o pequeno restaurante mantinha os rígidos pilares elementares: a preocupação com a apresentação dos pratos, a escolha de ingredientes frescos e de qualidade, os pequenos rituais, a variedade na mesa como inimiga do tédio. Aliás, os franceses geralmente não repetem os mesmos pratos com frequência, antes se atêm aos pequenos prazeres das mudanças de estação, da espera pelos ingredientes frescos. Com um pouco de relutância aceitei o fato de que Gilles só faria torta de morango no verão. Queria comer sempre a sobremesa, sentir o sabor inigualável da fruta naturalmente doce no leito de creme (às vezes ele o fazia com pistache moído e, embora eu preferisse a outra receita, era divertido encontrar os morangos imersos naquele delicado creme verde claro). Mas a afobação não é um valor desejável para as "regras do estômago" (a gastronomia!). Como uma ciência, é necessário esperar pelos ingredientes e momento exatos para obter os melhores resultados, buscando a perfeição. De que serviria comer uma torta com morangos insípidos (longe de sua potencialidade de sabor) quando na plenitude do verão europeu podemos degustá-los naturalmente doces e tenros e ainda desfrutar de uma prazerosa espera por eles?

Já a torta de limão meringuée era uma das sobremesas mais disputadas do restaurante. Da rua já se podia adivinhá-la pelos pináculos levemente queimados da cobertura branca de merengue. Sua leveza e doçura compactuava com o azedinho do creme sem açúcar à base de limão. Quando percebia num jantar que a torta acabaria logo, pedia para Coralie separar uma fatia generosa, que ela deixava reservada em um canto da vitrine (para minha vergonha diante dos clientes que perguntavam por aquele pedaço). Embora eu tivesse minhas sobremesas preferidas, Gilles preparava diariamente uma incrível variedade de cores e formatos de pâtisseries e realmente ficava difícil escolher entre a torta "choco-orange", aquela recheada com uma bela e substancial mousse de framboesa ou sobremesas mais sazonais, como a torta de uva, ainda que estivéssemos numa cidade, por excelência, vinícula.

Os doces franceses revolucionaram minha própria ideia de "doce". Eles podem ser feitos sem um grão de açúcar, aproveitando o que as próprias frutas oferecem, ou ao menos com muito menos do que se costuma usar no Brasil, onde a oferta do produto é grande. Nada daqueles sacos de cinco quilos nos supermercados, apenas embalagens de 500 gramas ou, o mais comum, pequenos torrões para imergir nas bebidas quentes. Ainda assim, os doces são deliciosos e você pode sentir o sabor autêntico dos cremes e recheios, não somente o açúcar. Até mesmo uma torta de ruibarbo parece apetitosa pela bonita apresentação do legume furta-cor na massa. É claro que você sentirá diferença na quantidade de açúcar quando experimentar uma éclair au chocolat (bomba de chocolate): faltará alguma coisa na primeira mordida afoita, porque a cobertura é meio amarga, até o creme de chocolate dissolver-se na boca, lentamente.

Os franceses adoram chocolate, sobretudo os amargos. Até mesmo nas mousses industrializadas é preciso ler bem o rótulo e procurar pelo au lait se não quiser ter uma surpresa e se deparar com o amargor do chocolat noir. O fato é que a preferência pende para o noir, por uma questão de qualidade e quantidade de cacau, geralmente expressa nas embalagens. Apesar da grande variedade de chocolates suíços, italianos e franceses nos supermercados, a coqueluche são as tradicionais chocolateries. Bordeaux tem diversas casas centenárias como a Cadiot-Badie, fundada em 1826, e a Saunion, cujas vitrines ficam repletas de peixes de chocolates na Páscoa, uma fila de consumidores contornando a rua. Mas para quem teve o paladar aguçado desde cedo por muito açúcar e gordura, experimentar o chocolate europeu, tão elogiado, pode ser uma franca decepção.

Nota do Editor
Leia também "Palácio dos sabores 1/5", "Palácio dos sabores 2/5" e "Palácio dos sabores 3/5".


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palhaço de Daniel Bushatsky
02. Realeza de Daniel Bushatsky
03. Um Oscar para Christopher Nolan de Rafael Rodrigues
04. A aura da música de Luiz Rebinski Junior
05. Gênio bom é gênio morto de Marta Barcellos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/11/2009
17h49min
Não sei se concordo... Depois que experimentei chocolate meio-amargo, o chocolate doce das Américas me dói nos dentes. E nem por isso quero ser acusado de francófilo!
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Última Testemunha
Joel Goldman
Landscape
(2004)



Radar , o Cãozinho
Laé de Souza
Eco Arte
(2009)



Mapeamento comportamental - volume 2
Rafael Zandoná, Jaques Grinberg
Literare Books International
(2019)



O Grupo Westbank (uma novela sobre o casamento em grupo)
Henry Sackerman
Mundo Musical
(1973)
+ frete grátis



39 Lei 8.112/90 Regimento Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União
José Antônio Severino
Máaxxima
(2003)



Direito Penal Parte Geral Arts 1 a 120
Fernando José da Costa
Atlas
(2007)



Livro - Futebol 10
Dorling Kindersley
Arx
(2010)



Primeiras e últimas páginas
Vladimir Jankélévitch
Papirus
(1995)



Dinheiro fácil
Clark Howard
Best Seller
(1988)



Em Águas Limpas
Luiz Carlos Canheo
Voz Regional
(2012)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês