Sobre cafés e livros | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/6/2005
Sobre cafés e livros
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O que você quer quando vai a uma livraria? Se estivéssemos conversando face a face, você provavelmente me olharia com sarcasmo e faria um gesto acusatório: óbvio que quero um livro. Mas isso não é mais tão óbvio assim. Aliás, dificilmente o óbvio ulula bem embaixo do nosso nariz. Em Belo Horizonte, e em vários outros lugares, você pode ir a uma livraria sem ter a menor vontade de comprar ou de ver um livro. Aliás, é provável que você demore a perceber que está dentro de uma livraria.

É que a moda dos cafés, que já é bem longeva, nos brindou com imensas lojas cheias de badulaques das mais diversas categorias, inclusive, se me lembro bem, livros. Essas "livrarias" fazem concorrer entre si, nas vitrines, CDs de música, CDs virgens, DVDs da Disney e os filmes de Cronenberg, artigos de papelaria, bolsas e mochilas, livros de literatura, auto-ajuda, técnicos, relógios exóticos, quadros de ferro e ímãs, almofadas de pelúcia, bonecos de RPG e um cardápio de cafés e vinhos.

Tenho uma vontade macabra de ver alguém bêbado na livraria, mas sempre que reparo as mesas ao redor as pessoas estão sintonizadamente tomando cafés e capuccinos, cada qual com seus cheiros deliciosos. Também essas livrarias oferecem todo tipo de cigarro e cigarrilha. Faz parte da cena o cliente chegar, sentar-se à mesa, pedir uma bebida quente, um cigarro cheiroso e olhar o nada com ar de divagação.

Também entram na livraria consumidores que perguntam por carrinhos de coleção, filmes, borrachas, fichários e trufas. Não me surpreendem, mas parecem surpreender o vendedor, quando ele não lhes pode responder a contento sobre um livro de autor contemporâneo.

O que é que eu fui fazer na livraria? Eu estava procurando um livro. Certa obra técnica que infesta as referências bibliográficas dos textos que leio e então achei que eu também deveria lê-la. Como era desses códices que a gente tem vontade de rabiscar, anotar, comentar e marcar, resolvi ter o livro, bonito, impresso, original. Não encontrei em lugar nenhum, mas o que importa é o percurso desta minha busca.

Passei por duas livrarias dessas enormes, com escadarias, segundo andar, rede de lojas por toda a cidade. Também passei por duas livrarias médias, dessas que têm tradição e são cercadas de lendas urbanas. As outras quatro eram livrarias cult, dessas que servem cafés e bolos. Pedi um capuccino e até fiquei um tempo ouvindo a moça que cantava ao vivo num palco de canto. Mas então me lembrei de que tinha uma meta: procurar um livro, e fui em busca dele. Mexi e remexi em todas as prateleiras, mapeei a loja, fui nas estantes que ficavam sob a placa da categoria em que eu imaginava encontrar meu livrinho. Observei, me aproximei, espirrei a poeira dos livros guardados, chamei o vendedor, pedi informação à menina do caixa e saí de lá com as mãos abanando. Nada de livro, nada de encontrar um clássico da literatura da minha área de estudo. Fiquei frustrada. Tanta coisa pra vender, tanto objeto pra distrair o leitor e logo meu livro não estava ali.

Impressionante a limpeza do balcão, a voz da cantora, a estante de periódicos, o uniforme dos garçons, a agilidade do caixa, o cheirinho do café. Mas o vendedor não sabia me informar sobre livros e as estantes estavam empoeiradas e em completa desorganização. Era impossível inferir, sem ajuda urgentíssima, o critério de disposição daquelas obras todas. No meio dos dicionários de línguas, estava o dicionário de palavrões do Glauco Mattoso. No meio dos livros de botânica estava o Raízes do Brasil, do Sérgio Buarque. O livro que eu procurava devia estar em algum lugar daquele universo indistinto. Talvez na prateleira da cozinha, junto com as colheres de pau.

O que eu procuro quando vou a uma livraria? Em geral, procuro por um livro. Também posso chegar à loja procurando por um tema, sem ter a idéia exata de que livro levar. Quando é assim, sinto a necessidade de encontrar ajuda numa espécie de consultor. Não um vendedor treinado para me dizer "bom dia", mas alguém que saiba sobre o objeto que vende. Daí que faço as perguntas e ele deve me responder com alguma dose de precisão, além da simpatia. Também pode ser que ele me dê uma sugestão, o que será delicioso. E se a sugestão for bem-sucedida, serei fiel à livraria.

Mas parece que, nesta cidade, as livrarias já não têm mais a missão de vender livros. Têm tantas outras que esta se confunde com o pó do capuccino industrializado. Estão lá garçons que vendem livros e cantoras que interpretam poetas que não se encontram mais nas prateleiras. A menina do caixa nunca lê as capas das obras que vende. Atrás dela está pendurado um painel com uma cena do Dom Quixote. Ela pensa que é o esboço de um desenho animado Disney. E então eu sei que não encontrarei o livro que eu quero porque ele deve estar perdido na desordem da loja. Não poderei contar com o vendedor porque ele também não sabe do que estou falando. E não poderei fazer outra coisa ali que não seja degustar um café e ler sobre vinhos chilenos com nomes interessantes.

Mas eu não fui à livraria com a intenção de conhecer vinhos andinos. Nem cheguei lá pensando em paquerar. Também não queria ouvir música ao vivo. Nem tinha dinheiro para pagar o couvert artístico. Não imaginava que seria atendida por um garçom e não queria que o vendedor ficasse constrangido em me dizer que nunca ouvira falar daquele livro antes. Eu queria uma obra que infesta as referências dos meus pares. E onde será que eles a encontraram?

Depois de percorrer a cidade em busca do meu livro e não encontrar, entrei na Internet e achei. Pedi, paguei frete e o terei em casa sem pedir ao garçom e sem sentir cheiro de café. Não há nada de mal em tomar capuccino na livraria. O que deve estar fora do lugar é a ênfase. Se eu entrasse numa cafeteria e perguntasse por um livro, talvez o garçom se desse conta de que eu é que estava no lugar errado.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O experimento de J. K. Rowling de Marta Barcellos
02. A indigência do rock e a volta dos dinossauros de Diogo Salles
03. Gleiser, o cientista pop de Tais Laporta
04. Obrigada, daktaris de Adriana Carvalho
05. É apenas rock and roll, mas eu gosto de Tatiana Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/6/2005
06h42min
O seu texto me fez pensar (e não foi a primeira vez que me ocorreu a idéia) que as livrarias deviam ter um profissional tipo um consultor - alguém que o cliente/comprador de livros/leitor visitante pudesse procurar para informar-se sobre determinado livro, autor, editora, ou tendências de literatura contemporânea... ambicioso? utópico? É, acho que sim, mas eu bem que gostaria. Também me lembrei daquela famosa cena de "Mensagem para você" em que o atendente da megastore não sabe nada sobre a escritora que a leitora procura, e é Meg Ryan (dona da pequena livraria que fechou) quem sabe o que responder...
[Leia outros Comentários de Carla]
15/6/2005
10h21min
Talvez a consultoria seja a diferença básica entre as livrarias e bibliotecas. Mas como seu desejo era comprar o livro, e não realizar um empréstimo... De qualquer forma, em média, as livrarias poderiam aprender mais com as bibliotecas (sobre organização) e as bibliotecas com as livrarias (sobre atendimento).
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
18/6/2005
23h31min
Essa sua bronca é minha também, Ana Elisa. E o pior é que no meu caso, que atuo justamente na aréa de shopping centers, sei da verdadeira "ênfase" que é dada pelos donos das livrarias. O fato é que quase ninguém tem hoje coragem de instalar em um shopping ou mesmo na rua uma livraria do jeito que deveria ser (acho que nem os shoppings aceitariam, pois não haveria "mercado"). Não existem mais aqueles proprietários que sabiam quase todos os títulos de cor. São tantos temas hoje em dia, tantos títulos - os úteis e os nem tanto, as contas para pagar, a pressão pelo faturamento... Dói sentir que isto não tem volta, principalmente por um fato muito triste: as pessoas, diferente de você, estão indo à livraria para... passear! Lá, nem têm idéia do tamanho de sua ignorância. Algumas podem até se constranger em saber de tanto conhecimento e de tanta coisa linda escrita que não se terá oportunidade de desfrutar...
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
21/6/2005
21h41min
Fica claro para nós que algumas (antes) livrarias, (agora, lojas de departamentos) "diversificaram" para sobreviver à selvageria do capitalismo e, então, não acabarem engolidas. Os atendentes nos olham com cara de espanto e ficam meio perdidos quando perguntamos a eles sobre tal livro. É porque são vendedores, simplesmente. Querem é vender. Ao invés disso, poderiam mostrar outras obras daquele autor, outros autores de mesmo estilo, livros daquele ano... sei lá! Parece que não há nem treinamento adequado para o atendimento, nem interesse deles próprios em estudar mais sobre o produto que vendem. Também, né, o que menos se vê pela loja são livros!
[Leia outros Comentários de ju]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UFO VISITATION: PREPARING FOR THE TWENTY-FIRST CENTURY
ALAN WATTS
BLANDFORD PR
(1996)
R$ 50,00



NOVA CHANCE PARA A VIDA
FRANCISCO ROBERTO DE CARVALHO
BOA NOVA
(2015)
R$ 10,00



A FLECHA DE DEUS
CHINUA ACHEBE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 48,50
+ frete grátis



A PAIXÃO DO PODER
ARELO SEDERBERG
RECORD
(1980)
R$ 8,00



VEJA CONTRATADO
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
R$ 7,00



OS MENINOS DA NAVE FAZDECONTA
MERY WEISS
MODERNA
(1982)
R$ 8,00



100 DICAS INFALÍVEIS PARA EMAGRECER E SE MANTER EM FORMA
FRED A. STUTMAN
SEXTANTE
(2010)
R$ 10,00



O FACEBOOK COMO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM
ADRIANA ALVES NOVAIS SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



100 PETITES EXPÉRIENCES EN PSYCHOLOGIE DU CONSOMMATEUR : POUR MIEUX CO
NICOLAS GUÉGUEN
DUNOD
(2005)
R$ 30,00



VOCABULÁRIO NOTURNO (1942-1945)
JACQUES DO PRADO BRANDÃO
IMPRENSA OFICIAL
(1947)
R$ 200,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês