Recortes da paisagem: a fotografia de Rei Santos | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/12/2008
Recortes da paisagem: a fotografia de Rei Santos
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos

"Talvez ele ame o edifício apenas à distância e nunca de perto; talvez ele ame apenas criá-lo, e não viver nele." (Dostoiévski)

A arte moderna esfacelou a realidade quebrando o espelho que buscava refleti-la para mostrar que, se existe a possibilidade de alguma forma de composição, que esta seja montada com os cacos que sobraram do espelho destruído. Exemplos desse tipo de arte se encontram nas obras de Picasso (Guernica), Stravinsky (A sagração da primavera), James Joyce (Finnegans Wake), Man Ray (foto-montagens), Gertrude Stein (romances cubistas), Eisenstein (O encouraçado Potenkin), para ficar apenas com alguns nobres exemplos.

A famosa frase de Marx "Tudo o que é sólido desmancha no ar" se tornou pedra de toque para se entender a modernidade. A idéia da totalidade tornou-se conceitualmente inviável e com ela também qualquer tentativa de construção metafísica a partir da investigação do "real".

O que há de mais radial do que pôr em xeque aquilo que funda a própria existência da linguagem da arte, isto é, o mecanismo analógico de vinculação entre imagem e realidade?

Entre artista e realidade circunstancial interpõe-se a partir das experiências modernistas a própria estrutura da linguagem, sendo esta a única forma de realidade que importa ao criador.

A obra de Rei Santos, uma coleção de fotos que ele chama de Recortes da paisagem, talvez nos faça pensar no tipo de imagem que um artista pode ainda fazer da cidade a partir de uma experiência artística moderna.

A palavra "Recortes" funciona como "cortar", no sentido mesmo de separar uma parte do todo através de incisões; no caso da fotografia, de enquadramento de partes. E é partindo dessa noção que o artista constrói um espaço em que a linguagem não oferece transparência imediata: o significado das fotos talvez resida justamente no obscurecimento das relações entre imagem e referentes circunstanciais.

Rei tem um olhar particularmente fértil quando se trata de cortar pedaços da cidade e encontrar nestes cortes um grau máximo de relações possíveis. Relações formais, diga-se de passagem. São linhas que se encontram com volumes, são cores que se interligam a desenhos espaço-geométricos e são luzes que dialogam com todas as possibilidades formais de objetos ou estruturas arquitetônicas.

A importância atribuída às relações concretas mensuráveis que existem entre os objetos aparentemente distanciados e estranhos uns aos outros, o saber que as linhas não definem apenas o limite das superfícies contínuas, mas que a interseção dos planos se prolonga e projeta no vazio, dando-lhe forma, constitui, decerto, o princípio dessa fotografia.

O motivo inicial das fotografias de Rei Santos é a cidade. Mas apenas inicialmente. A transfiguração fotográfica, definida pelas escolhas dos cortes, anula qualquer idéia de retrato da cidade. Não há dúvida nesse sentido: se existe uma arquitetura nestas fotos é a arquitetura das formas relacionadas entre si, numa busca de um equilíbrio bem diferente e indiferente ao desequilíbrio da própria cidade.

A ausência conquistada da cidade pela linguagem é sua presença exilada na forma da geometria. A cidade se perdeu (desapareceu da obra), mas foi conquistada pela cidadania da arte, tornando-se, através dos recortes, forma pura.

Segundo Paulo César Boni, "se engana quem pensa que ele é apenas mais um 'fotógrafo de prédios'. Rei é um misto de ciência e poesia. Para seu lado ciência, busca embasamento teórico em estudiosos de cidades, como Gordon Cullen, Italo Calvino, Kevin Lynch e Nelson Brissac Peixoto, e em fotógrafos da paisagem urbana, como Cristiano Mascaro, Eugène Atget, José Yalenti e Paulo Pires. Para o lado poesia, faz flâneurs pela cidade, olhando para o alto, para os lados, para frente e para trás, num exercício constante de novos olhares. A sisudez da pesquisa e a leveza do flâneur contribuíram, respectivamente, para a seriedade e a criatividade de seu trabalho: 'Confesso que, quando comecei a desviar o meu olhar fora do eixo visual comum (horizontal/vertical), deparei-me com um mundo riquíssimo de formas e perspectivas incontempláveis ao modo cartesiano de ver'.".

Ficamos imaginando como o fotógrafo andarilho percorre a cidade em busca de uma coisa quase que invisível aos olhos dos passantes distraídos. Só ele, o artista, como um flâneur, livre do tempo do trabalho, no ócio criativo de sua contemplação, passeia os olhos sobre os detalhes mínimos que configuram geometrias insuspeitadas, percebidas através das relações entre ferro, cimento, cor, linhas e luz.

Só seu olhar corre vertiginoso como a própria geometria que observa. E o registro desta espacialidade virtual é, enfim, revelada para o espectador pelas lentes de sua seletiva câmera. Da tranqüilidade de uma linha reta que se firma sobre um muro ao desvario de sinais de trânsito que dialogam com um céu profundo cortado por fios elétricos, da abertura de janelas até as cores de paredes que modulam composições geométricas de rara beleza, de jogos de cores captados em paredes que mais parecem telas de Mondrian, de sínteses minimalistas e traços singelos de estruturas de ferro... de tais elementos se compõem as fotos que são possibilidades de encontros entre espectador e imagens registradas/recolhidas pela sensibilidade de Rei Santos.

Na contracorrente de uma arte desnorteada, assimétrica, angustiada, como a dos primeiros modernistas, Rei Santos elabora uma utopia da forma equilibrada, harmônica, único lugar onde a cidade pode ser ainda percebida como possibilidade de segurança.

A cidade moderna é um grande labirinto e "o que denominamos caminho dentro dessa cidade não passa de vacilação" (Kafka). Contra essa cidade, Rei Santos estabelece outra, virtualmente organizada, segundo regras de relações possíveis entre formas e objetos, cidade ancorada na linguagem da arte, lugar máximo da experiência universal.

Para ir além
Rei Santos mantém uma exposição virtual de Recortes da paisagem no seu Orkut. Vale a pena conferir.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
02. Para entender os protestos e o momento histórico de Julio Daio Borges
03. Digite seu nome no Google de Ana Elisa Ribeiro
04. Dos livros que li de Marcelo Maroldi
05. Talvez... de André Pires


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TEMPO DO DESCANSO
RODRIGO MONTOYA
MARCO ZERO
(1998)
R$ 12,00



STANDARD DESK DICTIONARY
FUNK & WAGNALLS
LIPPINCOTT & CROWELL
(1980)
R$ 22,00



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MELHORAMENTOS
R$ 5,00



DIÁRIOS DO VAMPIRO - ALMAS SOMBRIAS
L.J. SMITH
GALERA
(2011)
R$ 10,00



1591 - A SANTA INQUISIÇÃO NA BAHIA E OUTRAS HISTÓRIAS
NÉLSON DE ARAUJO
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 24,15
+ frete grátis



O FIM DO MUNDO
CAMILLE FLAMMARION
FEB
(1991)
R$ 16,56



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 42 Nª 4
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1953)
R$ 11,05



CAMINHOS DA RECONSTRUÇÃO
ANTONIO DIAS LEITE
PIONEIRA
(1984)
R$ 12,00



FLAUTISTA DO REI
ANIBAL TEIXEIRA
CLIO
(2013)
R$ 8,90



ROLLING STONES UNDER THEIR THUMB
BILL GERMAN
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 16,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês