O massacre da primavera | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 29/5/2018
O massacre da primavera
Renato Alessandro dos Santos

+ de 7700 Acessos

A rinha aconteceu no Théâtre des Champs Élysées, à noite, em Paris. “A estreia resultou no mais famoso escândalo da história da música”, diz Harold C. Schonberg, em A vida dos grandes compositores (2010). “Praticamente ninguém no público estava preparado para tamanha dissonância e ferocidade, tamanha complexidade e estranheza rítmica”. Durante a execução de A sagração da primavera, do camaleão Igor Stravinsky, a orquestra — superdimensionada nas madeiras e nos metais — parecia estar se apresentando a um grupo de irlandeses em um pub. A plateia xingava e gritava, rebelando-se contra a música e a dança, enquanto perdigotos davam piruetas antes de se esborrachar no chão. Era 29 de maio de 1913.

O público — esperando por mais um balé a deslizar no macio azul do mar — não estava preparado para o maremoto e a tempestade de A sagração da primavera e, claro, sentiu-se ofendido com o que viu e ouviu. E o pogo alastrou-se, dividindo os que apoiavam e os que vaiavam tanto a música descomunal como a arte cênica desconjuntada que Vaslav Nijinsky criou. Nunca é demais lembrar que o coreógrafo russo acertou ao dar à Sagração a mesma dose de ousadia que ela recebeu de Stravinsky. “Logo que o fagote terminou sua frase no registro mais alto, na abertura do balé, as risadas estouraram”, diz Schonberg. “Em seguida vieram os assobios e os apupos”.

Já reparou nos títulos que Stravinsky criou para A sagração? “A adoração da Terra”, “Dança das adolescentes”, “Jogo do rapto”, “Círculos místicos das adolescentes”, “Ação ritual dos ancestrais”, “Dança do sacrifício” e por aí vai. De onde vêm esses temas? Enquanto escrevia a música para o balé O pássaro de fogo, Stravinsky teve uma ideia: “eu sonhava com uma cena de um ritual pagão em que uma virgem escolhida para um sacrifício dançava até a morte.” Mas os parisienses não quiseram saber de nada disso.



O barulho era tanto que os bailarinos não conseguiam ouvir a música, corajosamente executada até o fim pelos músicos, atentos à partitura e aos ritmos infernais que tiravam dos instrumentos. Stravinsky escreveu mais tarde que, inconformado com a reação da plateia, levantou-se e foi para os bastidores, onde ficou atrás de Nijinsky, “segurando a cauda de seu fraque”, enquanto em cima de uma cadeira o coreógrafo gritava “os números da contagem da dança para seus bailarinos como se fosse um timoneiro”. As luzes da creche foram acesas e apagadas, sem resultado algum. “A condessa de Pourtalès levantou-se em sua frisa, brandindo seu leque e gritou: 'Esta é a primeira vez em setenta anos que alguém se atreve a fazer pouco de mim'”, conta Schonberg.

Pausa. Vamos iluminar a condessa.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro.

É engraçado pensar que, história afora, a condessa de Pourtalès hoje é mais lembrada não pela tradição de seus laços sanguíneos, ou por seu retrato pintado por Renoir, mas por não ter conseguido ficar em silêncio num momento em que seu coração palpitou mais forte. “Que sejam expulsas as putas setentonas!” — gritou Florent Schimitt, sem elegância alguma, do alto das galerias do teatro, comenta Eduardo Rincón em texto sobre A sagração da primavera. Não parece um ipê amarelo, observado por duas pessoas? Florent o acha lindo, mas condessa de Pourtalès lamenta o entulho que as flores deixarão. Passe a salada, por favor.

Não dá para não lembrar que houve a época em que a música de Beethoven pareceu agressiva ao público, com aquela ousadia, aquelas piruetas que parecem exigir uns dedinhos a mais dos músicos. "[Le sacre du printemps] significou para a primeira metade do século XX o que a Nona de Beethoven e Tristan significaram para o século anterior", diz Schonberg em seu livro. Mas a reação do público à coreografia e ao balé de Stravinsky, em termos comparativos, impressiona pela selvageria.

Já pensou estar ali, naquela noite de espírito transgressor por toda parte?

É sempre uma pena não termos um Delorean para nos levar lá, mas é possível assistir a dois DVDs que resgatam o espírito de A Sagração da Primavera: o primeiro é a recriação do que foi a pancadaria em Paris, como mostra o bom filme Coco Chanel e Igor Stravinsky (2009); o segundo é Stravinsky and the ballets russes (BelAir Classiques, 2009), DVD-tributo que recria as montagens de O pássaro de fogo e de A sagração da primavera,da forma mais fiel possível às apresentações de 1910 e de 1913, mas sem a algaravia da arquibancada. A gravação também não foi no Théâtre des Champs Élysées e, sim, no teatro Mariinsky, em São Petersburgo, em 2008, e traz os mesmos figurinos e cenários do espetáculo original. “Havia somente os testemunhos de críticos, público, músicos e outros envolvidos com aquela conturbada noite de 29 de maio de 1913”, escreveu João Marcos Coelho no jornal O Estado de S. Paulo. “Assistir a Sagração hoje tal como subiu ao palco (…) nos ajuda bastante a compreender o espanto e a intolerância da crítica e do público parisiense em 1913”. O grifo é nosso.

Só há uma palavra para descrever o que é Stravinsky and the ballets russes: sublime.

Nota do Autor:

Renato Alessandro dos Santos é editor do site tertuliaonline.com.br, onde este texto, originalmente, foi publicado em 2 de junho de 2013.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 29/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois de Ana Elisa Ribeiro
02. Escrever para não morrer de Andréa Trompczynski


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TEMPLARIOS - IRMÃOS EM CAVALARIA
FREDERICK SMYTH
MADRAS
(1991)
R$ 29,00



A TÉCNICA DA REDAÇÃO JURÍDICA OU A ARTE DE CONVENCER
VICENTE DE PAULO SARAIVA
CONSULEX
(2002)
R$ 14,00



BOM-CRIOULO
ADOLFO CAMINHA
ÁTICA
(1999)
R$ 20,00



PENSAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO Á BASE DE CARNE E A PAZ MUNDIAL I - 1ª ED.
SEICHO-NO-IE
SEICHO-NO-IE
(2014)
R$ 10,99



MÃE E MESTRA
MARIA PIA GIUDICI
MONTE ESTORIL
(1964)
R$ 6,90



O CÉU É UM ESPELHO LÁ LONGE
GUILHERME FIGUEIREDO
ATUAL
(1988)
R$ 10,00



O DESENVOLVIMENTO DOS POVOS - CARTA ENCÍCLICA POPULORUM PROGRESSIO
PAULO VI
VOZES
(1968)
R$ 5,00



PRETÉRITO IMPERFEITO
AFONSO FELIX DE SOUSA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 7,90



ROBINSON CRUSOÉ
DEFOE, DANIEL
GARNIER - ITATIAIA
(2007)
R$ 15,00



PARA EMERGIR NASCEMOS &ESTUDOS EM REMEMORAÇÃO DE JORGE DE SENA
FRANCISCO COTA FAGUNDES E PAULA GÂNDARA
SALAMANDRA
(2000)
R$ 61,41





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês