Inferno em digestão | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
Mais Recentes
>>> Livro - Sigma de Saudade de Stamátios Zannis Philippoussis pela São Paulo (2004)
>>> Angola e Brasil Nas Rotas do Atlântico Sul de Selma Pantoja pela Bertrand Brasil (1999)
>>> Festa de criança - para gostar de ler junior de Luis Fernando Verissimo e caulos pela Atica (2022)
>>> Livro - A Construção da Verdade Autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Humanitas (2001)
>>> Livro - Programa de Transição - para a Revolução Socialista de Leon Trotsky pela Antidoto (1978)
>>> Box Hush, Hush: Sussurro- 4 volumes de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2010)
>>> Fidélio - Col. Folha Grandes Óperas Vol. 2 de Beethoven (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - Eles Não São Anjos Como Eu - Coleção Veredas de Marcia Kupstas pela Moderna (2004)
>>> Eugene Onegin - 08 - Coleção folha grandes óperas de P. I. Tchaikovky (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> La Bohème - Col. Folha Grandes Óperas 6 de Giacomo Puccini (Autor) pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> Livro - O Cortiço de Aluísio de Azevedo pela Círculo do Livro
>>> Livro - A Obra-Prima de Cada Autor - Manifesto do Partido Comunista de Max e Engels pela Martin Claret (2004)
>>> Livro - Os Pensadores - Nietzsche de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1999)
>>> Livro - Judeus sem Dinheiro de Michael Gold, Mário Molina pela Record (1958)
>>> Pão diário vol.22 - Paisagem: Uma meditação para cada dia do ano: Volume 22 de Não informado pela Publicações Pão Diário (2018)
>>> Jesus de Nazaré de Normann J. Bull pela Paulinas (1984)
>>> Livro - Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> Livro - A Vênus de Quinze Anos - Flossiê - Série Sexo de Guilherme da Silva Braga; Charles Swinburne pela Hedra (2014)
>>> The Ridiculous Race: 26,000 Miles, 2 Guides, 1 Globe, No Airplanes de Steve Hely; Vali chandrassekavan pela Holt Paperbacks; (2008)
>>> Livro - O Pequeno Príncipe - Com Aquarelas do Autor de Antoine de Saint-exupéry pela Agir (1991)
>>> Tudo bem ser diferente de Todd Parr (Autor) pela Panda Books (2013)
>>> Livro - Salmos: Mistérios Revelados de Moacyr Martins pela Empório do Livro (1998)
>>> Livro - Holocausto: o Massacre de 6 Milhões de Ben Abrahan pela Confederação Israelita do Brasil (1976)
>>> Livro - Os Três Monges de Luis Carlos Carneiro pela Lake (1997)
>>> Livro - Passo a Passo - Francês de Charles Berlitz pela Wmf Martins Fontes (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/10/2018
Inferno em digestão
Renato Alessandro dos Santos

+ de 8100 Acessos



Olhando para trás, lá se vão décadas e décadas. Terra sonâmbula, romance de Mia Couto, tem o mesmo número de anos que sinaliza o fim da guerra civil de Moçambique, em 1992. Vida difícil a dos moçambicanos. Não bastasse a independência tardia (1975), encerrando a fase de guerra colonial, o país entrou em outra batalha, interna, a guerra civil que, de 1976 a 1992, deixou o chão e a vida esburacados. A primeira foi uma luta necessária e amplamente mortífera, que assinalou um período em que um tardio império decadente não mais estenderia suas mãos para pilhar e para fazer sofrer aqueles que, no além-mar, viram-se enredados numa máquina lusitana que havia perdido a sincronia com a máquina do mundo.

Duro é compreender que, finda a luta pela independência, de 1965 a 1975, contra aqueles que vieram com a língua de fora, começaria outra batalha contra aqueles que, do lado de dentro, não se compreendiam nação una, surdos que estavam à diversidade de línguas, que, demarcando territórios, expuseram a cizânia e a ferida que indicavam que o ódio e a intolerância ainda tinham muito a dizer a Moçambique.

E a literatura, o que tinha ela a falar sobre tudo isso?

Uma boa resposta está em Terra sonâmbula. “Nele”, afirma a professora Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco, “as estórias entrançadas constituem-se como uma rede poética que dá a resposta da literatura à crise político-social por que passa Moçambique”. Política e literatura, de mãos dadas e levantadas do chão.



Primeiro, repleta de sinais de uma guerra recente, a estrada por onde passam dois personagens que levam o leitor travessia adentro. Os sinais: carros incendiados e retorcidos; pessoas mortas e carcomidas a servir de pasto a aves de rapina. Sem comida, sem futuro, sem sonhos. A terra está sonâmbula.

Depois, esses personagens que, no romance, fazem a diferença e indicam o desenrolar do enredo. Dois. Um velho e um menino: Tuahir e Muidinga. Duas gerações a abrir a estrada para seguir adiante. A tradição e o porvir. O menino perdeu voz, dignidade, esperança, mas o velho ajuda-o a reencontrá-las, e partem, até porque, a não ser manter-se em movimento, não há outra coisa a fazer. Caminham os dois e, de repente, veem um machimbombo abandonado, uma espécie de micro-ônibus que servirá como uma âncora aos dois: âncora para regressar, âncora temporária a amortecer as agruras da estrada.

Mas o que é aquilo ali?

Ali, está o que restou de um homem e, anexado a ele, uma mala. É preciso enterrar o corpo, e eles assim o fazem; é preciso ver o que há dentro daquela velha mala, e, ao abri-la, o que o menino encontra são onze cadernos escritos por Kindzu, terceiro personagem que, fugitivo também, será uma espécie de bálsamo para a travessia de Tuahir e Muidinga, porque nesses apontamentos os dois encontrarão o sonho que parece inexistir na terra sonâmbula.



E vai assim, um livro dentro do outro, em abismo. Muidinga descobre que sabe ler, algo que julgava perdido, e levantando a voz narra para Tuahir, cego para as miçangas das letras, a biografia misteriosa de Kindzu, cuja vida também é marcada pelo movimento pícaro da estrada e pelas investigações oníricas que engendra.

Kindzu é filho de um pescador, o velho Taímo. O pai não compreende que o filho tem de ir embora de sua terra, e o menino não entende o porquê da ojeriza do patriarca. Conflito de gerações ― conflito marcado por duas visões contrastantes: o filho acredita que a resposta está lá fora, enquanto o pai não o perdoa por fugir e escapar de onde nascera. Eis o sal da terra. Kindzu parte, bem como o pai, que resolve ir para o além-mar que separa o mundo dos vivos e dos mortos. Longe de casa, o rapaz espera encontrar os naparamas, guerreiros que estão mais para lá do que pra cá, isto é, que têm lá seu quinhão no mundo dos mortos e, por isso, representam a tradição de heróis que podem recuperar a grandeza da terra para seu povo. Parte Kindzu, e seu pai vez ou outra surge para lhe iluminar ou apagar o caminho, pois o velho ― no mundo dos mortos ― ainda não o perdoou.

Estrada afora, o passado do país é reacendido pela voz do filho, que estrada adentro reencontra ancestrais capazes de resgatar o fio da memória tão severamente obliterada pela assimilação lusitana, isto é, pela borracha que os portugueses esforçaram-se em usar a fim de apagar a memória popular. Assim, emergem estórias capazes de ilustrar a cisão entre o mundo real e o mundo dos sonhos, espelhada pela narração em primeira pessoa de Kindzu e contrastada pela onisciência do narrador, que apresenta a realidade em ruínas, em carcaças, em destroços que povoam a estrada de Muidinga e de Tuahir.

É essa voz de Kindzu que resgata o saber africano dos anciãos, bem como a identidade perdida durante o processo de colonização português. Em seus cadernos, a prosa poética resgata os laços do passado, trazendo ao encontro do leitor a memória do tempo perdido, que passa a ecoar na vida do velho e do menino, cruzando fantasia e realidade: o canto do galo mimético e independente de Vinticinco de Junho, ou Junho ou Junhito; a perseguição de Nhamataca por rios, à espera de vê-los brotar da terra; as velhas em transe, que em busca de gafanhotos parecem ecoar um canto ranzinza de cigarras; o velho português Romão Pinto e sua esposa, a africana Virgínia, personagens que carregam no próprio nome o fardo da colonização; a mulher que em busca do filho ocupa a carcaça de um velho navio ancorado, repleto de mantimentos que apodrecem, à revelia de uma população faminta... Algumas dessas estórias são costuradas por Kindzu, enquanto do outro lado do espelho os dois personagens servem-se delas como aqueles que, na oração, encontram força para escapulir de uma vida rasteira e seca.

Nesse diálogo entre o passado e o presente, entre o imaginário e a realidade, Terra sonâmbula encontra, por meio da literatura, o caminho por onde os moçambicanos têm de seguir, estrada afora, vida adentro, como um metrônomo que regressa ao passado para, no presente, seguir como o rio que, a despeito das margens que o oprimem, vai engolindo tudo pela frente.

Renato Alessandro dos Santos, 46, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (Engenho e arte), seu mais recente livro. A ilustração é de Helton Souto. Este texto que lê aqui faz parte da obra, que pode ser adquirida pelo e-mail do autor ([email protected]).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 17/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palavra de Honra de Daniel Bushatsky
02. História dos Estados Unidos de Rafael Rodrigues
03. Erik Satie de Nemo Nox
04. Sinais de Vulgaridade - Parte II de Alexandre Soares Silva
05. Moderno antes do Modernismo de Sergio Amaral Silva


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
02. O massacre da primavera - 29/5/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Molecagem 2ªedição (1988)
Luiz Claudio Cardoso
Scipione
(1988)



Trade Marks e Symbols - 2 Volumes
Yasaburo Kuwayama
Vnr
(1973)



A Bíblia um Diário de Leitura
Luiz Paulo Horta
zahar
(2011)



O Livro Egípcio dos Mortos
E. A. Wallis Budge
Pensamento
(1993)



O Caminho para a Distância
Vinicius de Moraes
cia das letras
(2008)



Capitães do Brasil: A Saga dos Primeiros Colonizadores
Eduardo Bueno
objetiva
(1999)



O Aprendizado da Alegria
Virgínia Cavalcanti
objetiva
(1990)



Os Números Governam Sua Vida
Kaiser Fung
Dvs
(2011)



Que Serei?
Cecília Bueno dos Reis Amoroso
Melhoramentos
(1970)



Stress e Qualidade de Vida no Trabalho - Stress Social - Enfrentamento
Ana Maria Rossi, Pamela L. Perrewe, James A. Meurs
Atlas
(2011)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês