Inferno em digestão | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/10/2018
Inferno em digestão
Renato Alessandro dos Santos

+ de 7700 Acessos



Olhando para trás, lá se vão décadas e décadas. Terra sonâmbula, romance de Mia Couto, tem o mesmo número de anos que sinaliza o fim da guerra civil de Moçambique, em 1992. Vida difícil a dos moçambicanos. Não bastasse a independência tardia (1975), encerrando a fase de guerra colonial, o país entrou em outra batalha, interna, a guerra civil que, de 1976 a 1992, deixou o chão e a vida esburacados. A primeira foi uma luta necessária e amplamente mortífera, que assinalou um período em que um tardio império decadente não mais estenderia suas mãos para pilhar e para fazer sofrer aqueles que, no além-mar, viram-se enredados numa máquina lusitana que havia perdido a sincronia com a máquina do mundo.

Duro é compreender que, finda a luta pela independência, de 1965 a 1975, contra aqueles que vieram com a língua de fora, começaria outra batalha contra aqueles que, do lado de dentro, não se compreendiam nação una, surdos que estavam à diversidade de línguas, que, demarcando territórios, expuseram a cizânia e a ferida que indicavam que o ódio e a intolerância ainda tinham muito a dizer a Moçambique.

E a literatura, o que tinha ela a falar sobre tudo isso?

Uma boa resposta está em Terra sonâmbula. “Nele”, afirma a professora Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco, “as estórias entrançadas constituem-se como uma rede poética que dá a resposta da literatura à crise político-social por que passa Moçambique”. Política e literatura, de mãos dadas e levantadas do chão.



Primeiro, repleta de sinais de uma guerra recente, a estrada por onde passam dois personagens que levam o leitor travessia adentro. Os sinais: carros incendiados e retorcidos; pessoas mortas e carcomidas a servir de pasto a aves de rapina. Sem comida, sem futuro, sem sonhos. A terra está sonâmbula.

Depois, esses personagens que, no romance, fazem a diferença e indicam o desenrolar do enredo. Dois. Um velho e um menino: Tuahir e Muidinga. Duas gerações a abrir a estrada para seguir adiante. A tradição e o porvir. O menino perdeu voz, dignidade, esperança, mas o velho ajuda-o a reencontrá-las, e partem, até porque, a não ser manter-se em movimento, não há outra coisa a fazer. Caminham os dois e, de repente, veem um machimbombo abandonado, uma espécie de micro-ônibus que servirá como uma âncora aos dois: âncora para regressar, âncora temporária a amortecer as agruras da estrada.

Mas o que é aquilo ali?

Ali, está o que restou de um homem e, anexado a ele, uma mala. É preciso enterrar o corpo, e eles assim o fazem; é preciso ver o que há dentro daquela velha mala, e, ao abri-la, o que o menino encontra são onze cadernos escritos por Kindzu, terceiro personagem que, fugitivo também, será uma espécie de bálsamo para a travessia de Tuahir e Muidinga, porque nesses apontamentos os dois encontrarão o sonho que parece inexistir na terra sonâmbula.



E vai assim, um livro dentro do outro, em abismo. Muidinga descobre que sabe ler, algo que julgava perdido, e levantando a voz narra para Tuahir, cego para as miçangas das letras, a biografia misteriosa de Kindzu, cuja vida também é marcada pelo movimento pícaro da estrada e pelas investigações oníricas que engendra.

Kindzu é filho de um pescador, o velho Taímo. O pai não compreende que o filho tem de ir embora de sua terra, e o menino não entende o porquê da ojeriza do patriarca. Conflito de gerações ― conflito marcado por duas visões contrastantes: o filho acredita que a resposta está lá fora, enquanto o pai não o perdoa por fugir e escapar de onde nascera. Eis o sal da terra. Kindzu parte, bem como o pai, que resolve ir para o além-mar que separa o mundo dos vivos e dos mortos. Longe de casa, o rapaz espera encontrar os naparamas, guerreiros que estão mais para lá do que pra cá, isto é, que têm lá seu quinhão no mundo dos mortos e, por isso, representam a tradição de heróis que podem recuperar a grandeza da terra para seu povo. Parte Kindzu, e seu pai vez ou outra surge para lhe iluminar ou apagar o caminho, pois o velho ― no mundo dos mortos ― ainda não o perdoou.

Estrada afora, o passado do país é reacendido pela voz do filho, que estrada adentro reencontra ancestrais capazes de resgatar o fio da memória tão severamente obliterada pela assimilação lusitana, isto é, pela borracha que os portugueses esforçaram-se em usar a fim de apagar a memória popular. Assim, emergem estórias capazes de ilustrar a cisão entre o mundo real e o mundo dos sonhos, espelhada pela narração em primeira pessoa de Kindzu e contrastada pela onisciência do narrador, que apresenta a realidade em ruínas, em carcaças, em destroços que povoam a estrada de Muidinga e de Tuahir.

É essa voz de Kindzu que resgata o saber africano dos anciãos, bem como a identidade perdida durante o processo de colonização português. Em seus cadernos, a prosa poética resgata os laços do passado, trazendo ao encontro do leitor a memória do tempo perdido, que passa a ecoar na vida do velho e do menino, cruzando fantasia e realidade: o canto do galo mimético e independente de Vinticinco de Junho, ou Junho ou Junhito; a perseguição de Nhamataca por rios, à espera de vê-los brotar da terra; as velhas em transe, que em busca de gafanhotos parecem ecoar um canto ranzinza de cigarras; o velho português Romão Pinto e sua esposa, a africana Virgínia, personagens que carregam no próprio nome o fardo da colonização; a mulher que em busca do filho ocupa a carcaça de um velho navio ancorado, repleto de mantimentos que apodrecem, à revelia de uma população faminta... Algumas dessas estórias são costuradas por Kindzu, enquanto do outro lado do espelho os dois personagens servem-se delas como aqueles que, na oração, encontram força para escapulir de uma vida rasteira e seca.

Nesse diálogo entre o passado e o presente, entre o imaginário e a realidade, Terra sonâmbula encontra, por meio da literatura, o caminho por onde os moçambicanos têm de seguir, estrada afora, vida adentro, como um metrônomo que regressa ao passado para, no presente, seguir como o rio que, a despeito das margens que o oprimem, vai engolindo tudo pela frente.

Renato Alessandro dos Santos, 46, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (Engenho e arte), seu mais recente livro. A ilustração é de Helton Souto. Este texto que lê aqui faz parte da obra, que pode ser adquirida pelo e-mail do autor ([email protected]).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 17/10/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Era uma vez uma verdade de Ram Rajagopal


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
02. O massacre da primavera - 29/5/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magia da Comunicação
Dr. Lair Ribeiro
Leitura
(2002)



Você e a Eternidade
Lobsang Rampa
Record
(1965)



Farsantes & Fantasmas
Antonio Carlos Olivieri
Record
(2012)



O Pergaminho de Masada
Paul Block & Robert Vaughan
Novo Conceito
(2007)



Memorial de Maria Moura
Rachel de Queiroz
Mediafashion
(2008)



Daughters of Castle Deverill
Santa Montefiore
Simon & Schuster
(2016)



Ecos do Nada - Autografado
Izabel Fabiano Salles
Atena
(1963)



Descartes: Obras Escolhidas - 1ª Edição
J. Guinsburg (org.)
Perspectiva
(2010)



Psicologia Aplicada á Administração
Maria Aparecida Ferreira de Aguiar
Consultoria
(1992)



Gestão Estratégica
Martius Rodriguez
Campus
(2005)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês