Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 31/7/2018
Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
Renato Alessandro dos Santos

+ de 3700 Acessos

Tarde de sábado. O Poeta da Vila no aparelho de som. Chego à página 253 - a última do capítulo 11 de Pra que mentir? Vadico, Noel Rosa e o samba, de Gonçalo Junior - ciente de três coisas: (1ª) não fosse por Noel Rosa, não sei se a biografia de Vadico viria parar nas minhas mãos. Oswaldo Gogliano foi músico, arranjador, compositor, e, com o século XX na metade do caminho, tornou-se reconhecido por seu talento e, principalmente, pelas doze canções que fez com Noel; (2ª) a alegria por Rosa, como mostra o título, depois de sua morte (aos 26!), continuar nos trend topics de Gonçalo, que não deixa de mencioná-lo sempre que a oportunidade aparece - algo de que nenhum leitor vai reclamar, mesmo que às vezes Vadico pareça o fantasma e Noel, aquela corrente, eternamente arrastada; (3ª) ao contrário de tudo que veio antes, o lamento pelo descuido com o texto, quando em muitas páginas há erros e mais erros, dos mais simples aos mais absurdos. A favor do autor é bom que se diga que suas linhas tortas não são (nem de longe) ruins; o problema são os outros mesmo, aqueles que ficaram com a responsabilidade de revisar, de limar as garatujas que, ao autor, escapam, mas que, a bons revisores e preparadores de texto, nunca, ou quase sempre nunca. Há erros grandes e pequenos nestas páginas e, provavelmente, em outras também: 26, 29, 34, 42, 44, 50, 60, 67, 80, 82, 90, 109, 133, 141, 161, 163, 185, 187, 219, 239, 245, 250, 278, 279, 291, 318, 334, 335, 336, 339 e 380.

É uma pena, e imagino a tristeza do biógrafo com o que deve ter estranhado tão logo pôde sentar-se para ler o que escreveu, em um daqueles momentos pelo qual todo autor espera; isto é, abrir uma cerveja ou servir-se de um xícara de café, após a peleja toda com o texto, enquanto se vai percorrendo o que fica, finalmente, impresso. Uma pena mesmo, porque o livro é de enorme beleza gráfica: páginas em várias tonalidades de cinza; iconografia constante; escolha de tipologias, de cores, como aquele insinuante amarelo da capa sobreposto ao preto e ao branco, e de outros detalhes que fazem a alegria de quem se interessa por livros não apenas bem escritos, mas bem feitos, tipograficamente falando.

O que houve então?

Imagino que nas mãos de um bom revisor de textos tal problema não teria ocorrido, e um editor que tivesse mergulhado na empreitada, sem pressa de emergir, também não teria sido ruim. Porém, mesmo com todos esses percalços, por iluminar a vida de Vadico, é inegável a importância deste livro de Gonçalo Junior - até porque todos esses problemas podem ser resolvidos na edição seguinte, corrigindo erros de concordância, de digitação, de coesão, de coerência, enfim, do que possa turvar a língua de Camões e de Criolo. Fora isso, ficam os acertos: a dedicada descida vertical da empresa, trabalho árduo por que passa todo pesquisador; o título – da célebre canção criada por Vadico e Noel; a arte final pontuada de nostalgia; o olhar atento ao microscópio, que apontado para o biografado vai ampliando sua importância na história da música brasileira.

Vadico escondeu, por anos, o coração fraco que, possivelmente, o impediu de alcançar consagração em escala mundial, quando, naquele que pode ter sido seu maior erro, recusou convite do amigo Vinicius de Moraes para cuidar da orquestração da peça Orfeu da Conceição (1956), musical criado pelo poetinha e que apresentou ninguém menos que Tom Jobim à jornada da bossa nova, que vinha se insinuando por ali. Por que Vadico recusara o convite? Muitos não souberam à época, mas o coração, esse comboio de cordas, é mesmo feito para ser partido ou para partir, acompanhado da vizinhança, quando é chegada a hora da ave-maria. Ainda não era dessa vez, mas sempre haverá um preço acre a ser pago por quem, do coração, se descuida.

Vadico e Noel, juntos, deixaram 12 músicas, como mencionado. Trabalho a quatro mãos; trabalho que legou obras-primas como “Feitiço da Vila”, “Conversa de botequim”, “Feitio de oração”, “Pra que mentir?”, dessas canções que alegram os ouvidos da gente. Referir-se a Noel como letrista parece pouco àquele que, se não fosse a música, vagamente teria sido médico; o mais provável é chamá-lo infalivelmente de poeta, tais eram as soluções espontâneas que encontrava para rimas, aliterações, assonâncias e trocadilhos que ficam pulando na imaginação de quem, ouvindo-o, se depara com elas. Morre o sambista e, do trabalho dos dois, restam apenas essas canções a enaltecer a memória de ambos: um marco a partir daqueles anos lendários em que nosso cancioneiro passou a ser saudado por gente como Pixinguinha, Geraldo Pereira, Assis Valente e tantos outros que, no choro ou no samba, deixaram músicas das mais expressivas.

A biografia, indo além de Noel, mostra como foi importante a contribuição de Vadico ao sucesso de Carmen Miranda nos EUA, onde ele morou por quase 14 anos e por muito tempo anexado à “pequena notável”, o que o levou aos Estúdios Disney e a trabalhos ao lado de Ary Barroso, com quem, por lá, também conviveu. De volta ao Brasil, viu que seu nome nem sempre era lembrado como coautor de Noel nos discos que as gravadoras iam lançando. Processou todas, reivindicando direitos autorais que, naquela época, não eram levados a sério e, por isso, encerravam valores irrisórios. Sua atitude, incessante, alavancou em muito a forma como as gravadoras passaram a lidar com a cessão autoral e a difusão das faixas, dali em diante mais bem amparadas por direitos que, hoje, são o pão e o vinho de autores e de compositores. No país, Vadico, depois de tantos anos fora, passou a ser referência entre os músicos e as pessoas que faziam acontecer a vida noturna das boates do Rio de Janeiro, especialmente o Rio de Janeiro regado a whisky, boleros e sambas-canção pré-bossa nova. Era uma época de ouro de nossa música, a despeito dos samboleros ou de outras faixas suspeitas em que o jazz e o samba fundiam-se sem muita identidade.

Gonçalo Junior segue à risca o ofício: pesquisa fontes esperadas (revistas, jornais da época etc.); dá crédito aos compositores após citar cada faixa; compara dados, certificando-se do que escreveu esse ou aquele biógrafo que, antes dele, trilhou a mesma estrada por onde trafegaram Vadico e Noel e, ao final de cada capítulo, geralmente, o autor antecipa o que virá pela frente, naquela que é uma forma eficaz para fisgar os leitores, feito folhetim:

Assim, aquele ano de alegrias, 1956, chegou ao fim. Vadico tinha motivos para acreditar que sua carreira continuaria em ascensão. Estava feliz e escondia de todos que trazia no peito um coração que mais parecia uma bomba-relógio. Para piorar, fumava e bebia muito. Mas parecia bem. Até se meter em um dos mais rumorosos, desgastantes e polêmicos episódios da história da MPB. Uma briga das mais turbulentas, em que ele estava absolutamente sozinho e exposto no meio do salão. Tudo isso aconteceria em 1957.

Não é de fazer qualquer um interessar-se em ler o que virá, para saber onde foi que Vadico se meteu? Foi o que fiz. Até aqui, era pouco mais que a metade da biografia. Restava pouco. Pelejei. Vieram as férias, e cheguei ao fim do livro. É essa outra metade que continua a resgatar a história de um sujeito honesto, decente, alcoólatra, notívago, zeloso de sua arte, amigo de todo mundo, salvo a briga com Almirante. Há o coração a bater desafinado, manco, sem harmonia, a bebida e o cigarro a servir feito um cantil a quem tem sede, a gravação de LPs valiosos hoje, porque raros e bem produzidos, como Festa dentro da noite(1959), volumes 1 e 2. O desfecho disso é, sem spoilers que tudo põem a perder, a morte, inevitável, que chega dentro de um táxi.

Todas essas informações são reunidas por Gonçalo Junior com bastante eficiência, mas, por conta da sucessão de erros que surgem, daninhas ervas entre os canteiros, vale a pena torcer pela segunda edição do livro, certamente revisada, ou por um impossível recall dessa primeira, algo que imagino impensável, financeiramente, a uma editora ainda em busca de se firmar no mercado.

A noite já caiu. Noel não toca mais. É sábado ainda. Hora de ver um filme ou de ir a algum lugar. Ou de não fazer nem uma coisa nem outra. Melhor é ficar com Vadico e Noel, com o samba e a esposa. Pra que mentir?

Nota do Autor:

Renato Alessandro dos Santos é editor do site tertuliaonline.com.br.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 31/7/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
03. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
04. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
05. K 466 de Renato Alessandro dos Santos


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. O massacre da primavera - 29/5/2018
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL PRÁTICO DO HORÓSCOPO CHINÊS
MINAMI KEIZI
TRAÇO
(1988)
R$ 15,00



MUITO ALÉM DO CORPO- A CONSTRUÇÃO NARRATIVA DA SAÚDE
FERNANDO LOLAS STEPKE
LOYOLA
(2006)
R$ 13,90



101 NOITES DE NATAL - UMA ANTOLOGIA LITERÁRIA
FERNANDO PESSOA E OUTROS
101 NOITES PROD.CULT.
(2001)
R$ 50,00



O NACIONALISMO NA ATUALIDADE BRASILEIRA
HELIO JAGUARIBE
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2013)
R$ 35,90



GAFE, NÃO É PECADO
CLAÚDIA MATARAZZO
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 4,00



BOLOFOFOS E FINIFINOS
FERNANDO SABINO
EDIOURO
(2004)
R$ 7,00



COMO FAZER APRESENTAÇÕES
TIN HINDLE
PUBLI FOLHA
(1998)
R$ 10,00



CONVERSAS COM GERDA ALEXANDER
VIOLETA HEMSY DE GAINZA
SUMMUS
(1997)
R$ 50,00



INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA EDUCACIONAL
RUY DE AYRES BELLO -2ª EDIÇÃO
BRASIL
(1964)
R$ 8,00



AS 100 TURMAS DA MEDICINA DA USP 3530
DIVERSOS
CASA DE SOLUÇÕES
(2012)
R$ 19,00





busca | avançada
60133 visitas/dia
1,1 milhão/mês