11/9: o chão onde os pés tocaram não existe mais | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 11/9: Dez Anos Depois

Terça-feira, 20/9/2011
11/9: o chão onde os pés tocaram não existe mais
Wellington Machado

+ de 3100 Acessos

1999, dois anos antes.
Ele atravessou a rua com a mão seca e fria, olhou para cima forçando ao máximo a elasticidade de seu pescoço aquecido por um cachecol xadrez: era a única maneira de enxergar o topo da Torre Sul. Entrou no imenso saguão do prédio, foi até a bilheteria, pagou 12 dólares para subir até o topo e tomou o elevador, que era maior do que seu quarto. À medida que ia subindo, seu ouvido sofria uma pressão tal qual o de um mergulhador. Subiu um terço do edifício, desceu, tomou outro elevador, desceu, e mais um outro até chegar ao 107º andar (era assim que funcionava o sistema de elevadores do edifício).

Percorreu os quatro lados do Top of the world, como era chamado o mirante da Torre Sul, de onde se podia avistar o Central Park, o Brooklyn, Nova Jersey e, obviamente, a Torre Norte. Foi a primeira vez que ele viu um helicóptero de cima, voando sobre os edifícios "nanicos". Havia por toda a extensão do andar uma espécie de cadeira rente ao chão, com um declive para colocar os pés, onde ele podia encostar a cabeça no vidro e apreciar os minúsculos carros lá embaixo. A sensação que se tinha era a de poder colocar a cabeça do lado de fora do prédio, a 541 metros de altura.

Apesar de toda a segurança e do vidro espesso, ele, tenso, segurou firme com a mão suada o cano que dividia as cadeiras. Tinha a consciência de que sofria de vertigem, mas sentia uma certa atração - na verdade uma curiosidade - pela alturas. Atração esta que o levou a subir pela escada rolante e chegar ao topo da Torre Sul, sentir o vento, pisar o chão mais alto da cidade. Notou que havia uma forte proteção para que as pessoas não se aproximassem da beirada, inclusive com cerca eletrificada, a fim de evitar suicídios - era praticamente impossível isso acontecer dali.

O que mais o impressionou não foi a vista da cidade, mas a proximidade com a "torre irmã" ali ao lado. Como se não bastasse a altura vertiginosa, a Torre Norte sustentava ainda uma monumental antena com uma luz vermelha na ponta. Não pôde acreditar como o francês Philippe Petit fez o trajeto de uma torre a outra, caminhando sobre um cabo de aço em 1974, ano da inauguração do World Trade Center.

A façanha de Petit foi brilhantemente retratada no documentário O equilibrista (2008), que mescla uma dramatização recente com imagens da época, e mostra como toda a operação fora planejada: o treinamento realizado meses antes, os dribles na segurança, a colocação do equipamento. O francês realizou a travessia com relativa facilidade, apesar do vento forte. Via prazer naquilo e fez até uma troça com os policiais que o aguardavam do outro lado para prendê-lo. Petit foi e voltou várias vezes; e se deu ao luxo até de deitar no cabo de aço.

Segurando o cachecol xadrez, que insistia em se lançar lá de cima com a força do vento, ele se imaginou no lugar do equilibrista. Só de pensar por alguns segundos nessa possibilidade, sua respiração ficou ofegante e sua mão transpirou ainda mais. O chão em que pisava era mais seguro naquele momento do que uma rocha mineral lá embaixo. Como seria desabar lá de cima? Quanto tempo levaria para chegar ao chão? O que passaria pela sua mente nos eternos segundos de uma queda livre? Naquela noite ele sonharia com a queda.

Ele não podia imaginar que a foto de Richard Drew (um homem despencando de uma das torres) sintetizaria, dali a alguns anos, o ataque às torres - ou o dia em que o homem perdeu o chão. Mas haveria uma outra queda emblemática, ignorada pela imprensa: a de um outro homem que, para não ter noção da altura e da proximidade da morte, amarrou uma camisa branca na cabeça e pulou. Mas, como se seu drama ainda fosse pouco, o vento arrancou-lhe a camisa e ele viu o solo duro se aproximar cada vez mais.

Em Homem em queda, o escritor americano Don DeLillo faz um retrato da vida em Nova York após aquela foto. O homem em questão é um performer, que faz exibições em vários pontos da cidade, protegido por um cinto de segurança que o ampara nos saltos. Ele representa a paranoia, a memória renitente de uma cidade perdida, ainda grogue e incrédula no que ocorrera. O medo e a insegurança são retratados nas figuras de três crianças que se reúnem diariamente em um aparamento, no Edifício Godzilla, para olharem pasmadas para o céu. Elas temem a chegada de novos aviões, enviados por um tal "Bill Lawton".

Keith, o pai de uma das crianças, representa a desorientação pós-ataque. Divorciado de Lianne, ao invés de ir para casa naquele 11/9, ele segue inadvertidamente para o apartamento dela, onde chega todo esfarrapado e empoeirado. Os dois acabam se reconciliando na tentativa de superarem o trauma juntos.

Pessoas andando rapidamente, assustando-se com um simples estouro de uma bexiga nas ruas e desconfiando de qualquer envelope solto na calçada. Pessoas carregando máscaras nas bolsas. Muitas perderam a memória, outras não superaram a perda do filho. Além do trauma psicológico, Nova York perdeu o status de capital mundial da arte e abrigo de artistas de vanguarda - Berlim seria o novo destino. Woody Allen foi filmar na Europa. Nada desse cenário ele poderia imaginar do alto da Torre Sul, com o seu cachecol xadrez esvoaçante.

Ele tomou o elevador, que era maior do que seu quarto, para descer o primeiro terço da torre. Talvez tivesse passado pelo personagem da foto de Richard Drew, possivelmente um trabalhador de algum escritório da torre. Tomou o outro elevador para descer o segundo terço. Poderia igualmente ter se encontrado com o homem que cobriria a cabeça com a camisa para saltar, dali a alguns anos, sendo "punido" pelo vento que lhe arrancaria a "máscara". Depois ele desceu a terceira parte da torre, quem sabe com algum futuro sobrevivente do atentado.

A porta do elevador se abriu para o imenso saguão da Torre Sul em 1999 (dois anos antes), onde havia uma fila de pessoas para comprar o ingresso para o topo a 12 dólares. Havia várias câmeras pelos cantos e inúmeros seguranças obesos de uniforme azul marinho. Podia-se ver os raios do sol pelas frestas envidraçadas. Caminhei até uma outra saída que dava acesso ao vão entre as duas torres: um grande pátio com belos jardins.

Calculei o exato ponto em que poderia, esticando o pescoço ao máximo, até a nuca tocar as costas, avistar o cume das duas torres. Minha mão estava seca e fria. Tentei imaginar o maluco do equilibrista caminhando de uma ponta a outra no cabo de aço. Não havia sob meus pés nenhuma camada espessa de pó - nem na minha roupa. Não havia milhares de papéis (currículos, promissórias, cheques, memorandos) sendo levados pelo vento. Não havia fogo, fumaça tóxica nos meus pulmões ou sirenes nas ruas. Talvez eu estivesse pisando exatamente no local onde o "homem em queda" se espatifaria. Ou onde cairia o homem-da-camisa-arrancada-pelo-impiedoso-vento.

O que se via naquele imenso vão eram pessoas carregando sacolas. Executivos apressados, jovens comendo sanduíche ou ouvindo música. Don DeLillo não imaginava ainda seu próprio performer, Woody Allen rascunhava seu próximo filme na cidade, os museus estavam cheios e as bexigas não assustavam ninguém. Não havia máscaras nem estilhaços de vidro. Em 1999, dois anos antes, eu não tinha ideia de quem seria "Bill Lawton". Ajeitei meu cachecol xadrez e saí andando pelas ruas, com a mão seca e fria.

Para ir além:





Wellington Machado
Belo Horizonte, 20/9/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 de Rafael Fernandes
02. Estereótipos do Twitter (e do Foursquare) de Fernanda Prates
03. Governo retrógrado, caranguejo ou ximbica? de Valdemir Martins
04. Leitor bebum começou com um gole de Ana Elisa Ribeiro


Mais Wellington Machado

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'WM' AND colunas.ano = 2011 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Wellington Machado em 2011
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 - 4/1/2011
02. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011
03. O palhaço, de Selton Mello - 15/11/2011
04. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira - 19/7/2011
05. Steve Jobs e a individualidade criativa - 18/10/2011


Mais Especial 11/9: Dez Anos Depois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA NOVA ACRÓPOLE N. 61 OS PERIGOS DO SÉCULO XXI OS SONHOS MENS...
DIVERSOS AUTORES
NOVA ACRÓPOLE PORTUGAL
(1995)
R$ 9,06



DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL
VÁRIOS AUTORES
PEARSON EDUCATION
(2009)
R$ 5,00



PETITE FLORE CONTENANT LES PLANTES LES PLUS COMMUNES
GASTON BONNIER
GÉNÉRALE DE LENSEIGNEMENT
R$ 41,46



E AGORA, MÃE? - COL. VEREDAS - 1ª ED.
ISABEL VIEIRA
MODERNA
(1991)
R$ 7,00



THE MURDER BOOK
JONATHAN KELLERMAN
BALLANTINE BOOKS
(2002)
R$ 20,00



TRAZENDO O PODER DO CLIENTE PARA DENTRO DA SUA EMPRESA
KARL ALBRECHT
PIONEIRA
(1993)
R$ 5,00



RESUMO DE DIREITO ADMINISTRATIVO VOL 7 - COL. RESUMO DOS MAXIMILIANOS
MAXIMILIANUS CLÁUDIO AMÉRICO FÜHRER
MALHEIROS
(2014)
R$ 30,00



A MULHER QUE ESCREVEU A BÍBLIA
MOACYR SCLIAR
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 14,00



A GENÉTICA
EZRA MA
ÁRVORE DA VIDA
(2017)
R$ 17,00



PROGRAMAS DE SAÚDE SEGUNDO GRAU
JOSÉ LUIZ VASCONCELLOS E FERNANDO GEWANDSZNAJDER
ATICA
(1986)
R$ 6,90





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês