Jô Soares (1938-2022) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Walter Burkert (1931-2015)
>>> Os quadrinhos e o castelo do Graal
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/8/2022
Jô Soares (1938-2022)
Julio Daio Borges
+ de 5600 Acessos

Quando soube da morte de Jô Soares, pensei em discorrrer sobre como me converti em seu inimigo público número um - ou, no mínimo, em seu principal detrator. (Parece exagero, mas ocorreu de fato.)

Só que - vendo as manifestações de pesar nas redes sociais - eu decidi ser mais construtivo, digamos assim, e discorrer sobre como o mesmo Jô Soares foi uma grande influência para mim, nos anos 90, com o Jô Onze e Meia, no SBT.

Quem assistiu ao Jô nos seus derradeiros anos, na TV Globo, guardou a impressão do humor mais escrachado, do tipo pastelão, dominante no Programa do Jô (2000-2016). Graças à pressão da audiência, e possivelmente da própria Globo, Jô Soares fazia mais sucesso explorando as idiossincrasias - ou literalmente tirando sarro - de cada entrevistado... do que tendo conversas minimamente produtivas e interessantes.

Fora que o padrão Globo de qualidade - o mesmo que leva à divulgação dos artistas e das atrações da própria Globo - foi progressivamente inibindo qualquer crítica, ou até ponto de vista mais controverso, principalmente em relação ao poder (político ou não), transformando o Jô Soares sem papas na língua do SBT no Gordo anódino, e finalmente sem graça, da Globo.

O Jô Onze e Meia (1988-1999) foi ao ar no SBT, sempre gosto de frisar, como uma homenagem, do próprio Jô Soares, aos grandes programas de entrevistas da tevê americana, cujo formato - uma espécie de revista de variedades, com pitadas de jornalismo sério e até editoriais - fez com que essas atrações, quando bem sucedidas, durassem décadas, convertendo seus apresentadores em ilustres presenças na vida nacional e no debate público. Mais ou menos como foi Jô Soares nos anos 90.

Nada exemplifica melhor a influência de Jô, sobre os destinos da nação, do que a sua campanha pelo impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, junto a Boris Casoy, na televisão. Jô Soares não derrubou o presidente sozinho, nem o Boris, mas, sem eles, Collor não teria caído tão rápido, ou talvez não tivesse caído. A artilharia do Jô daquele tempo - aplicada ao mandatário de turno - não teria deixado o Congresso tão engessado e nem a audiência tão dividida.

Nessa época, eu assistia ao Jô Onze e Meia diariamente. Estava na faculdade e obviamente não ficava até à meia-noite aguardando a entrada do Jô, mas eu gravava, todos os dias, ou simplesmente programava a gravação. Hoje, videocassete é uma palavra quase esquecida, mas não havia internet, vídeo on demand, nem streaming.

O que mais me impressionava, contudo, não era seu ativismo, historicamente importante, nem seu jornalismo, igualmente pertinente - e, sim, a sua cultura. Para começar que Jô Soares falava inglês, francês, espanhol, se virava em italiano e até se arriscava em alemão. Nos três primeiros, era fluente e conduzia suas entrevistas como um native speaker.

Paulo Francis dizia que, com seu inglês, Jô poderia, tranquilamente, montar um espetáculo na língua de Shakespeare e se aventurar em palcos nova-iorquinos. Mas Jô Soares, em todo seu cosmopolitismo, nunca abandonou a cultura brasileira - e essa postura foi, igualmente, objeto de minha admiração. Pense globalmente; aja localmente, profetizou Yoko Ono (o slogan da IBM veio depois).

Lembro de entrevistas inesquecíveis, como, por exemplo, a de Tom Jobim, em que ele reclamava da obrigação de ter de compor toda manhã (ele usava a palavra task, para exemplificar). Lembro de entrevistas marcantes como a de Caetano Veloso, ao lado de Gilberto Gil, no lançamento de Tropicália 2 (1993), em que Caetano perdia a paciência, as estribeiras e se exaltava contra um jornalista do New York Times. Se você fala português!, berrava.

Lembro até das entrevistas que Jô Soares não fez e que gostaria de ter feito. Com Dorival Caymmi, por exemplo, que, na sua proverbial preguiça de compositor bissexto, preferia não sair da Bahia (e nem da frente do ventilador). E lembro da entrevista, não realizada, com Senor Abravanel, o Silvio Santos, que Jô Soares mencionou ao receber dele - do patrão - o troféu Imprensa.

Provavelmente li o Chatô (1994), de Fernando Morais - um livro que me mostrou como o jornalismo poderia ser uma grande aventura - graças ao Jô Soares, que o mencionava frequentemente. A editora Companhia das Letras, aliás, era uma presença constante, sendo que contava poucos anos de vida. Jô Soares era um leitor, no melhor sentido do termo, e só por isso já se diferenciava da maioria dos apresentadores, entrevistadores e mesmo podcasters de hoje.

Tive a oportunidade de assistir a uma gravação do Jô Onze e Meia, que convidou os alunos da Poli para servirem de plateia, em 1994, ano em que o Ayrton Senna morreu e traumatizou o país. Fiquei impressionado que Jô gravava tudo - todas as quinze entrevistas da semana - em apenas dois dias. Era cansativo de assistir ao vivo, até para mim, que era fã, mas Jô conduzia com maestria e trocava de assunto sem fazer esforço.

Encontrei-o pessoalmente, no show do Quanta (1997), de Gilberto Gil, no então Palace - e aproveitei para perguntar quando sairia a entrevista com Rubem Fonseca, minha maior influência na literatura brasileira contemporânea. Eu sabia que Jô havia tentado e não tinha conseguido atrai-lo. É muito meu amigo, declarou, mas me disse que só vai me dar uma entrevista... na Alemanha! (país de predileção do grande contista).

Minha polêmica com Jô Soares teve menos a ver com ele, como pessoa, do que com ele, como autor. Foi na época em que comecei uma newsletter, logo depois de A Poli como Ela é... (1997), assinando J.D. Borges, e antes do Digestivo. Resolvi comentar, com desassombro e sem nenhum opinião preconcebida, seu romance O Homem que Matou Getúlio Vargas (1998).

O problema é que não era um bom livro, para dizer o mínimo. E eu não me conformava que o mesmo Jô Soares - que eu admirara tanto - pudesse ter escrito aquilo... Das duas, uma: ou escrevia muito mal e nunca deveria ter publicado; ou tinha um ghost writer péssimo e nunca deveria ter autorizado a publicacão. De qualquer modo, ficou ruim para ele e para seu editor (que tampouco deveria ter publicado).

O problema do Brasil é que as pessoas não leem - ou leem pouco, e acabam consagrando embustes. Mormente quando o autor é influente em sua área de atuação - e ninguém se atreve a contestá-lo. Ou seja: primeiro que ninguém lê; segundo que, quando lê, não tem base para saber se é bom; e, terceiro: mesmo quando acha ruim, não se anima a enfrentar o consenso. Até porque... Quem se importa?

Eu me importava. Eu era um franco atirador, tinha me formado na Poli/USP - uma façanha maior do que passar no vestibular da Poli -, era trainee do Itaú, ou já estava no ABN (não me recordo exatamente), namorava a mãe da Catarina, me correspondia com o Daniel Piza e nada poderia me abalar. Fora que eu não pleiteava uma posição na imprensa e nem sonhava em publicar na Companhia.

Meu texto poderia ter caído no vazio, mas o Observatório da Imprensa, de Alberto Dines, resolveu compartilhar - inclusive na sua versão impressa, que circulava por todas as embaixadas... Aconteceu que a BBC de Londres estava fazendo uma matéria sobre o Jô e um jornalista inglês - cujo nome não guardei - resolveu me entrevistar, porque eu era a única pessoa, no Brasil, que tinha coragem de criticar o Jô.

A entrevista foi em inglês e lembro que tivemos uma certa dificuldade para explicar que o Jô Soares era uma unanimidade. Unanimously acclaimed, por fim sugeriu o jornalista inglês. Nunca soube se foi ao ar... Hoje me parece mais uma tentativa de descobrir(em) se eu realmente existia, se eu não era um simples pseudônimo - ou um laranja -, fazendo declarações em nome de alguém (que não queria aparecer ou que preferia não se identificar).

Depois desse livro, Jô Soares lançou um último volume de ficção (se não me engano) e nunca mais se aventurou no gênero. Seus livros de memórias saíram em co-autoria com o Matinas Suzuki Jr., um jornalista experimentado. No auge do Digestivo Cultural, alguns Colunistas insistiam para que eu fosse ao Jô, conceder uma entrevista... Por mais que o Digestivo merecesse, eu nunca tive essa cara de pau...

Infelizmente, para o Brasil, depois do Jô Onze e Meia, Jô Soares decidiu ser menos combativo, seduzido pela estrutura da Globo, onde fazia mais sucesso com menos esforço. Não acredito que o programa do Pedro Bial tenha a mesma repercussão. Mas seguimos tão carentes de cultura - e de crítica - quando antes. Ou mais.

Jô Soares morreu... Vida longa ao Jô Onze e Meia no YouTube!

Para ir além
Leia também Quem tem medo do Jô Soares? e Anti-Jô Soares.


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/8/2022

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. O novo macarthismo de Gian Danton


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2022
01. Jô Soares (1938-2022) - 12/8/2022
02. 80 anos do Paul McCartney - 18/6/2022
03. As maravilhas do modo avião - 27/5/2022
04. Maradona, a série - 1/1/2022
05. A compra do Twitter por Elon Musk - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso Literatura Brasileira 111 Ais
Dalton Trevisan
L&pm Pocket
(2000)



Esta é uma História de Amor
Jessica Thompson
Novo Conceito
(2014)



Livro Religião Maçonaria Do Outro Lado da Luz
William Schnoebelen
Luz e Vida
(1997)



O governo Kubitschek
Maria Victoria de Mesquita Benevides
Paz e Terra
(1976)



De Repente
Barbara Delinsky
Bertrand Brasil
(2003)



A Conquista da Felicidade
Bertrand Russell
Nova Fronteira
(2015)



Steam Lifeboats
Nicholas Leach
Foxglove
(2023)



O Melhor do Cortella
Mario Sergio Cortella
Planeta
(2018)



Paulo e Estêvão Para Jovens Leitores
Adeilson Salles
Feb
(2012)



Afrodite - Romance de Costumes Antigos
Pierre Louys
Ediouro
(1991)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês