80 anos do Paul McCartney | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Teoria da Pena e Execução penal - Uma Introdução Crítica de Massimo Pavarino; André Giamberardino pela Lumen Juris (2011)
>>> O Homem Perante o Infinito de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Manual de Heráldica Portuguesa de Armando de Mattos pela Livraria Fernando Machado
>>> Pitágoras e o Tema do Número de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1960)
>>> Ontologia e Cosmologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Filosofia Concreta dos Valores de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Amazonas: águas, pássaros, seres e milagres de Thiago de Mello pela Salamandra (1998)
>>> A Bíblia e a Homeopatia de Carlos R. D. Brunini e Ezequiel P. Viriato pela Robe (2003)
>>> Princípios de Biologia do Desenvolvimento de Lewis Wolpert / Rosa Beddington / outros pela Artmed (2000)
>>> Nova Floresta - 5 Volumes de Padre Manuel Bernardes pela Lello e Irmão
>>> Amizade e Estética da Existência em Foucault de Francisco ortega pela Graal (1999)
>>> Were Going on a Bear Hunt de Michael Rosen; Helen Oxembury pela ‎ Walker Books Ltd (2015)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Aleph (2014)
>>> Reflexões Shakespearianas de Barbara Heliodora pela Lacerda (2004)
>>> A Era do Vazio - ensaio sobre o individualismo contemporâneo de Gilles Lipovetsky pela Relógio d'água (2022)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Aleph (2009)
>>> O Seminário de Jacques Lacan pela Zahar (2022)
>>> Psicologia e Alquimia de C. G. Jung pela Vozes (1991)
>>> Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos - A Vida de Philip K. Dick de Emmanuel Carrere pela Aleph (2016)
>>> Guia Prático de Terapêutica Externa de José Maria Campos pela Cultrix / Pensamento (1998)
COLUNAS

Sábado, 18/6/2022
80 anos do Paul McCartney
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos

O primeiro beatle que eu descobri foi o John Lennon. Óbvio que já tinha ouvido muito Beatles por causa dos meus pais, que viveram a época. Mas conhecer as ideias, as opiniões e a versão de John, para a história toda, mudou a minha visão das coisas.

Foi um desses livros bem vagabundos de banca, literalmente “O pensamento vivo de John Lennon”, que juntava entrevistas dele, provavelmente sem pagar os direitos autorais - e que comprei com catorze anos e levei para ler nas férias, na Bolívia.

A visão crítica de John para os Beatles, como banda, para a sua geração, e os anos 60, me marcaram. As grandes entrevistas dele são, sobretudo, da fase em que estava com Yoko Ono, quando tentava virar a página dos Beatles (com extrema dificuldade, diga-se de passagem).

Depois que John morreu, Yoko tentou consolidar a visão do pacifista e “sonhador” de “Imagine” (1971) - de cuja letra ela, Yoko, recebeu créditos recentemente -, mas a verdade é que John sempre foi muito ácido e até cruel, basta ler qualquer biografia dele (eu li a de Philip Norman, recomendo).

Assim, minhão visão de Paul, durante muitos anos, foi aquela divulgada por John - que não era nada bonzinho e que diminuía o papel de Paul na banda sempre que podia (ainda que o próprio Paul fosse mais diplomático e procurasse não polemizar com John).

Minha visão começou a mudar quando alugei um CD - sim, isso existia: “alugar CDs” - de Paul na época em que era lançado: “Tripping the Live Fantastic”, de 1990, ano da primeira vinda de Paul ao Brasil - que misturava hits inevitáveis dos Beatles com a produção solo de Paul e dos Wings.

Então, penso que uma coisa que devemos a Paul - e *só* a Paul (e, não, aos demais) - foi ter-nos mantido em contato com os clássicos dos Beatles, em releituras que só ele poderia fazer: “Got to get you into my life”, “Things we said today”, “Golden slumbers/ Carry that weight/ The end” (presentes em “Tripping...” - entre outras, mais manjadas).

Enquanto nos brindava com pérolas de sua autoria: “Jet”, “Band on the run”, “Ebony and Ivory”, “We got married”, “Maybe I’m amazed”, “Coming up” (entre outras, igualmente manjadas).

John, naturalmente, teria criticado a insistência de Paul em continuar executando números dos Beatles décadas depois, mas se não fosse por isso - se não fosse pela paciência de Paul em entoar “Hey Jude” anos a fio - eu, por exemplo, jamais teria visto o show de um beatle (algo que aconteceu em 1994, ainda com a Linda McCartney nos teclados).

Me comoveu, igualmente, as canções que ele dedicou a ela (Linda), depois de sua morte (1997) - embora, hoje, ache o respectivo disco triste, um pouco datado e quase nunca o escute.

Prefiro as coletâneas dos Wings, que, acredito, é a melhor fase dele pós-Beatles. Talvez porque continuasse na “inércia criativa” dos Beatles (os Wings são dos anos 70) e porque há um “espírito de banda” - onde Paul, apesar da sua genialidade, é “só mais um membro”...

E, sim, eu considero Paul McCartney um gênio. Me convenci quando li, há pouco tempo, seu livro de memórias: “Many years from now”, em co-autoria com Barry Miles. Na época do lançamento, em 1997, achei meio pretensioso, da parte dele, querer “reescrever” a história dos Beatles, dando o devido crédito a ideias que foram originalmente dele (Paul) e que terminaram associadas a John.

Mas hoje considero incontestável a liderança que Paul exerceu sobre a banda a partir de “Sgt. Peppers” (1967), que foi uma ideia dele, já que os Beatles estavam cansados de si mesmos, e de suas personas, até “Let it be” (1970), cujo documentário, atualmente no streaming Disney Plus, mostra que Paul era o único “preocupado” - arrastando a banda enquanto pôde (sim, eu sei que esse acento já caiu)...

“Magical Mystery Tour” (1967) também, conceitualmente, foi uma ideia dele, já que os Beatles não excursionavam mais e Paul imaginou um filme, ou especial de tevê, que compensasse a ausência dos palcos. “Abbey Road” (1970) é - sabemos hoje - um conjunto de “sobras” de “Let it be”, ainda que tenha saído antes. E o “White Album” (1968), uma colcha de retalhos (ainda que genial), onde cada beatle praticamente gravava sua parte - e que teve projeto gráfico dele, Paul, que era ligado às artes plásticas...

No documentário mais recente, de Peter Jackson, que é longo demais e um verdadeiro “tour de force” até para beatlemaníacos, é simbólica a cena, em um dia de manhã, onde Paul chega para John e pergunta: “E aí? Você trouxe alguma coisa?”, revelando sua preocupação, já que o grupo tinha um álbum - e um especial - contratado(s) e não havia produzido nada ainda...

Então, Paul arranca nada mais nada menos que “Get back” do seu baixo, enquanto desfila, ao piano, uma série de trechos de canções, que acabaria utilizando depois, seja nos Beatles seja em álbuns solo.

As “usinas” de canções eram John e Paul, seguidos, mais atrás, por George, principalmente nos últimos nos, e por um Ringo, mais preocupado em manter boas relações com os amigos (do que em entrar em competição com eles por hits)...

O que eu sei é que os Beatles, em conjunto e solo, forneceram a trilha sonora para nossas vidas - e, por mais que seu legado gere receitas infinitas, nunca vamos terminar de “retribuir”. Talvez seja uma definição de obra-prima: o que ela dá ao mundo, à humanidade, à civilização, é sempre mais do que o mundo, a humanidade, a civilização consegue retribuir...

Happy birthday, Paul!


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/6/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vai lavar uma pia de louça que passa de Adriana Baggio


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2022
01. 80 anos do Paul McCartney - 18/6/2022
02. Jô Soares (1938-2022) - 12/8/2022
03. Maradona, a série - 1/1/2022
04. As maravilhas do modo avião - 27/5/2022
05. A compra do Twitter por Elon Musk - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lamore in Vasca Pocket Love
Vários Autores
Andrea Grampa
(2007)



Arquivo Aberto: Diário de um Sobrevivente
José Carlos Bittencourt
Ghemini
(2010)



Caminhos da Eterna Rússia
Tite de Lamare
expressao e cultura
(1997)



Hansel and Gretel
Maureen Spurgeon
Brown Watson
(1990)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Futebol Fama Decadencia e Vitoria
Marco Antonio F. Lima Curió
Biblioteca Nacional



Farmacoterapia para o Medico Cirurgião-dentista
Antonio Carlos Neder
Santos
(2004)



Escola dos Sabores
Erica Bauermeister
Sextante
(2010)



O que Vale a Pena... 2
Neenah Ellis
alegro
(2003)



Lições da Paciencia
Izaias Claro
Mythos Books
(2010)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês