80 anos do Paul McCartney | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2 Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
Mais Recentes
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
>>> Educação na Prática Ano II Nº 3 de Rudolf Steiner pela Minuano (2011)
>>> A Cadeira do Dentista - para Gostar de Ler 15 de Carlos Eduardo Novaes pela Atica (2011)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Atica (1978)
COLUNAS

Sábado, 18/6/2022
80 anos do Paul McCartney
Julio Daio Borges
+ de 5300 Acessos

O primeiro beatle que eu descobri foi o John Lennon. Óbvio que já tinha ouvido muito Beatles por causa dos meus pais, que viveram a época. Mas conhecer as ideias, as opiniões e a versão de John, para a história toda, mudou a minha visão das coisas.

Foi um desses livros bem vagabundos de banca, literalmente O pensamento vivo de John Lennon, que juntava entrevistas dele, provavelmente sem pagar os direitos autorais - e que comprei com catorze anos e levei para ler nas férias, na Bolívia.

A visão crítica de John para os Beatles, como banda, para a sua geração, e os anos 60, me marcaram. As grandes entrevistas dele são, sobretudo, da fase em que estava com Yoko Ono, quando tentava virar a página dos Beatles (com extrema dificuldade, diga-se de passagem).

Depois que John morreu, Yoko tentou consolidar a visão do pacifista e sonhador de Imagine (1971) - de cuja letra ela, Yoko, recebeu créditos recentemente -, mas a verdade é que John sempre foi muito ácido e até cruel, basta ler qualquer biografia dele (eu li a de Philip Norman, recomendo).

Assim, minhão visão de Paul, durante muitos anos, foi aquela divulgada por John - que não era nada bonzinho e que diminuía o papel de Paul na banda sempre que podia (ainda que o próprio Paul fosse mais diplomático e procurasse não polemizar com John).

Minha visão começou a mudar quando alugei um CD - sim, isso existia: alugar CDs - de Paul na época em que era lançado: Tripping the Live Fantastic, de 1990, ano da primeira vinda de Paul ao Brasil - que misturava hits inevitáveis dos Beatles com a produção solo de Paul e dos Wings.

Então, penso que uma coisa que devemos a Paul - e *só* a Paul (e, não, aos demais) - foi ter-nos mantido em contato com os clássicos dos Beatles, em releituras que só ele poderia fazer: Got to get you into my life, Things we said today, Golden slumbers/ Carry that weight/ The end (presentes em Tripping... - entre outras, mais manjadas).

Enquanto nos brindava com pérolas de sua autoria: Jet, Band on the run, Ebony and Ivory, We got married, Maybe Im amazed, Coming up (entre outras, igualmente manjadas).

John, naturalmente, teria criticado a insistência de Paul em continuar executando números dos Beatles décadas depois, mas se não fosse por isso - se não fosse pela paciência de Paul em entoar Hey Jude anos a fio - eu, por exemplo, jamais teria visto o show de um beatle (algo que aconteceu em 1994, ainda com a Linda McCartney nos teclados).

Me comoveu, igualmente, as canções que ele dedicou a ela (Linda), depois de sua morte (1997) - embora, hoje, ache o respectivo disco triste, um pouco datado e quase nunca o escute.

Prefiro as coletâneas dos Wings, que, acredito, é a melhor fase dele pós-Beatles. Talvez porque continuasse na inércia criativa dos Beatles (os Wings são dos anos 70) e porque há um espírito de banda - onde Paul, apesar da sua genialidade, é só mais um membro...

E, sim, eu considero Paul McCartney um gênio. Me convenci quando li, há pouco tempo, seu livro de memórias: Many years from now, em co-autoria com Barry Miles. Na época do lançamento, em 1997, achei meio pretensioso, da parte dele, querer reescrever a história dos Beatles, dando o devido crédito a ideias que foram originalmente dele (Paul) e que terminaram associadas a John.

Mas hoje considero incontestável a liderança que Paul exerceu sobre a banda a partir de Sgt. Peppers (1967), que foi uma ideia dele, já que os Beatles estavam cansados de si mesmos, e de suas personas, até Let it be (1970), cujo documentário, atualmente no streaming Disney Plus, mostra que Paul era o único preocupado - arrastando a banda enquanto pôde (sim, eu sei que esse acento já caiu)...

Magical Mystery Tour (1967) também, conceitualmente, foi uma ideia dele, já que os Beatles não excursionavam mais e Paul imaginou um filme, ou especial de tevê, que compensasse a ausência dos palcos. Abbey Road (1970) é - sabemos hoje - um conjunto de sobras de Let it be, ainda que tenha saído antes. E o White Album (1968), uma colcha de retalhos (ainda que genial), onde cada beatle praticamente gravava sua parte - e que teve projeto gráfico dele, Paul, que era ligado às artes plásticas...

No documentário mais recente, de Peter Jackson, que é longo demais e um verdadeiro tour de force até para beatlemaníacos, é simbólica a cena, em um dia de manhã, onde Paul chega para John e pergunta: E aí? Você trouxe alguma coisa?, revelando sua preocupação, já que o grupo tinha um álbum - e um especial - contratado(s) e não havia produzido nada ainda...

Então, Paul arranca nada mais nada menos que Get back do seu baixo, enquanto desfila, ao piano, uma série de trechos de canções, que acabaria utilizando depois, seja nos Beatles seja em álbuns solo.

As usinas de canções eram John e Paul, seguidos, mais atrás, por George, principalmente nos últimos nos, e por um Ringo, mais preocupado em manter boas relações com os amigos (do que em entrar em competição com eles por hits)...

O que eu sei é que os Beatles, em conjunto e solo, forneceram a trilha sonora para nossas vidas - e, por mais que seu legado gere receitas infinitas, nunca vamos terminar de retribuir. Talvez seja uma definição de obra-prima: o que ela dá ao mundo, à humanidade, à civilização, é sempre mais do que o mundo, a humanidade, a civilização consegue retribuir...

Happy birthday, Paul!


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/6/2022

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Crise (de vergonha na cara?) de Adriana Baggio


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2022
01. Jô Soares (1938-2022) - 12/8/2022
02. 80 anos do Paul McCartney - 18/6/2022
03. As maravilhas do modo avião - 27/5/2022
04. Maradona, a série - 1/1/2022
05. A compra do Twitter por Elon Musk - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Didático Extensivo R1 Pediatria Volume 1
Carlos Eduardo Carlomagno, Lygia Lauand
Medcel
(2020)



Introdução ao Marketing de 6ª Geração - Datamarketing Behavior
Francisco Alberto Madia Souza
Makron Books
(1994)



O Papa e o Executivo
Andreas Widmer
Petra
(2017)



E Proibido Chorar
J M Simmel
Nova Fronteira
(1981)



Conversas Com Quem Gosta de Ensinar - Questões da Nossa Época 11
Rubem Alves
Cortez
(1993)



Menino De Engenho
José Lins Do Rego
José Olympio
(2005)



Billy Wilders Some Like It Hot
Alison Castle e Dan Auiler
Taschen
(2010)



Literatura Comentada
Graciliano Ramos
Abril
(1981)



X-men Fênix - Legado de Fogo (marvel Max Nº 1)
Ryan Kinnaird
Panini / Marvel Comics
(2004)



Uma Vida Que Vale a Pena
Bo Lozoff
Nova Era
(2003)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês