Conservadores e progressistas | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/7/2013
Conservadores e progressistas
Gian Danton
+ de 7500 Acessos

Há uma famosa charge do cartunista norte-americano Gary Larson na qual dois homens das cavernas observam jovens passando com arco e flecha e comentam, inconformados: "Olhe só para isso! Bons tempos aqueles em que os homens carregavam um tacape e tinham o cérebro do tamanho de uma castanha". A charge representa bem o embate entre conservadores e progressistas, que existe desde que o mundo é mundo.

Progressistas são aquelas pessoas, geralmente jovens, inconformadas com as maneira como as coisas são e que querem realizar mudanças, fazer coisas diferentes, de maneira diferente e, no rastro, mudar o mundo.

Exemplo disso são um grupo do século XIX, criado a partir das ideias do Conde Cláudio Henrique de Saint Simon (1760-1825), os samsionistas. Influenciados pelo iluminismo, eles sonhavam mudar o mundo através da ciência e da tecnologia. Essa doutrina ajudou a criar a crença na importância social da ciência e da técnica e influenciou poderosamente o desenvolvimento industrial. Até mesmo a construção do Canal de Suez se deve aos samsionistas.

O escritor francês Júlio Verne era praticamente um porta-voz do samsionismo. Em sua obra ele mostrava um mundo em que maravilhas eram possíveis graças à ciência, uma sociedade diferente e utópica, em que existiam aviões, submarinos e se podia dar a volta ao mundo em apenas 80 dias.

Capitão Nemo, o protagonista do mais famoso livro de Verne, 20 mil léguas submarinas, era um revolucionário que se exila no fundo do mar por não suportar a guerra e a opressão. Nemo sempre se coloca a favor dos oprimidos e chega a financiar os gregos em sua luta contra o domínio turco.

Aqui, uma explicação necessária. A luta da Grécia pela liberdade foi uma das causas que conquistaram os liberais do século XIX. O poeta Lord Byron chegou a ir lutar a favor dos gregos. Delacroix, o mesmo que viria a pintar o quadro A liberdade guiando o povo, símbolo de todas as revoltas, fez um quadro denunciando o massacre de Chios, em que turcos dizimaram uma vila grega que nem mesmo havia se levantado contra eles, matando 20 mil pessoas. Uma das cenas mais chocantes é do bebê que tenta mamar no peito da mãe morta.

Outra inquietação social visível na obra de Verne é a abolição dos escravos. Em diversos livros, mas especialmente em Um capitão de quinze anos, ele mostra a escravidão como uma chaga que deveria ser eliminada da sociedade.

O fim da escravidão foi outra causa que colocou em lados opostos conservadores e progressistas. Figuras libertárias, como o jornalista e cartunista Ângelo Agostini, empreenderam uma luta árdua contra os escravocratas, que achavam que o fim da escravidão seria uma ameaça à sociedade e à família tradicional.

Aliás, foi no seio dessas mesmas famílias tradicionais que surgiram jovens abolicionistas, muitos dos quais financiavam e davam suporte para a fuga dos escravos.

Outro exemplo: o visionário Steve Jobs, criador da Apple. Jobs mudou tudo, praticamente criando o mundo em que vivemos. Sua proposta de computador pessoal permitiu que milhões de pessoas no mundo inteiro tivessem acesso à era da informação. No final dos anos 1990 os celulares estavam se tornando cada vez menores. Alguns eram pouco maiores que uma caneta. Então Jobs bolou o iPhone, um celular repleto de recursos, inaugurando a era dos smartphones. Depois criou os tablets, que já vendem mais que os notebooks e permitem às pessoas acessarem informações a qualquer momento. "Aqui é o lugar dos malucos, rebeldes e desajustados. São as pessoas loucas o suficiente para pensar que podem mudar o mundo que realmente o fazem", diz Jobs, na sua recente cinebiografia.

Jobs achava que mudanças tecnológicas estavam diretamente relacionadas a mudanças sociais. Influenciado pelos hippies e pela contracultura, ele acreditava que o acesso à tecnologia permitiria uma melhor participação política por parte da população, dando voz a grupos que normalmente não tinham voz.

O famoso comercial da Apple, exibido uma única vez, em 31 de dezembro de 1983, no Super Bowl, exemplifica esse aspecto político da tecnologia. Numa clara referência ao livro 1984, de George Orwell, e os dois minutos de ódio em que a população era doutrinada, vemos dezenas de pessoas sentadas passivamente. Todas vestem o mesmo uniforme e são todas iguais. À frente delas, em uma tela, uma figura autoritária, referência ao Big Brother do romance de Orwell, diz: "Hoje celebramos o primeiro glorioso aniversário da diretiva de purificação da informação. Nós criamos, pela primeira vez na história, um jardim de pura ideologia, onde cada trabalhador poderá florescer longe das pestes que causam pensamentos contraditórios. A unificação de pensamento é uma arma mais potente do que qualquer frota ou exército da terra. Somos um povo único, com um desejo único, uma resolução, uma causa! Nossos inimigos falarão até a morte e nós os enterraremos em suas próprias confusões". No final, o narrador contropõe: "Em 24 de janeiro de 1984 a Apple lançará o Macintosh. Então você verá por que 1984 não será como 1984". Ou seja: para Jobs era a tecnologia de informação o que evitaria que o mundo se tornasse um regime totalitário.

Como Jobs imaginava, as tecnologias foram apropriadas pelas novas gerações como forma de mobilização política. Jovens utilizam computadores pessoais, tablets e smartphones para marcarem protestos, seja no mundo árabe ou no Brasil. Protestos com muitas vozes, em que a multidão de pessoas com cartazes diferentes, com reivindicações diferentes, lembra o fluxo de uma rede social.

São o sonho de Jobs.

Juventude, progresso social e tecnológico sempre andaram de mãos dadas. E geralmente são eles que triunfam sobre os conservadores. Ainda bem, ou ainda viveríamos em cavernas e andaríamos por aí carregando clavas.


Gian Danton
Macapá, 29/7/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Discos eruditos fundamentais de Jardel Dias Cavalcanti
02. Passado e Liberdade de Evandro Ferreira


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2013
01. E Benício criou a mulher... - 19/8/2013
02. Conservadores e progressistas - 29/7/2013
03. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I - 8/4/2013
04. Procure saber: os novos donos da história - 21/10/2013
05. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos - 20/12/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedro Almodovar E A Feminilidade
Ana Lucilia Rodrigues
Escuta
(2008)



Livro Religião Cumes e Planícies Os Amigos de Jesus Volume III
Josefa Rosalia Luque Alvarez
Pensamento
(2000)



Livro Ensino de Idiomas Great Expectations
Charles Dickens
Macmillan Readers
(2005)



Livro Infanto Juvenis Eu, Super
Eric Peleias
Edição do Autor
(2014)



O Segredo de Chimneys
Agatha Christie
Círculo do Livro



La Crisis de La Educacion Occidental
Christopher Dawson
Emecé
(1963)



Eu Alberto Cacciola Confesso: o Escândalo do Banco Marka
Alberto Caciola
Record
(2001)



The Darkness Collected Editions
Garth Ennis / Marc Silvestri / Outros
Top Cow
(1997)



Os Anjos e a Sincronia Cósmica - Rituais dos Signos
Lucy Costa
Berkana
(1997)



O Que é Uma Mulher?
A.L. Thomas Diderot
Nova Fronteira
(1991)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês