Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escola está acabando
>>> Co-opting creative revolution
>>> Gigantes de Tecnologia na Bolsa dos EUA
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Quem é o abutre
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O computador de antigamente
>>> Privacidade
>>> A nova Casa da MPB em São Paulo
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
Mais Recentes
>>> Revista hot--36--frances sarado. de Sisal pela Sisal
>>> Revista hot--22--picape corsa--opala x opala. de Sisal pela Sisal
>>> Revista carstereo tuning--70--maremoto de Crazy turkey pela Crazy turkey
>>> Carros antigos--02--40 modelos de Escala pela Escala
>>> Revista opala & cia--10--ss caravan--discreto street rod. de On line pela On line
>>> Revista transporte mundial--6--catalogo de onibus e microonibus 2005 de Motor press brasil pela Motor press brasil (2005)
>>> Office 2007 Excel 2007 Básico de Gilberto Carniatto dos Santos pela Senac (2008)
>>> Info Profissional EXCEL de Vários pela Abril (2021)
>>> Venda Mais Nº79 - 2000 GAY de Vários pela Quantum (2000)
>>> Você s/a Exame. As melhores empresas para você trabalhar (edição de 15 anos) de Vários pela Abril (2011)
>>> Nova escola Nº271/2014 (avaliação processual) de Vários pela Abril (2014)
>>> Carta Fundamental Nº44 Era uma vez de Vários pela Carta capital (2013)
>>> Brasil Almanaque Cultura Popular. (edição de aniversário) Nº144 de Vários pela Andreato (2011)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Pro Teste nº31/nov/2004 - nº34/Mar/2005 - nº22/Fev/2004 de Vários pela Proteste (2004)
>>> Pro Teste Nº129/2013 (Sabões em pó e líquido) de Vários pela Proteste (2013)
>>> Em busca do tempo perdido Vol 3. Dic Porto Fr-Pt-Pt-Fr c/ CD. O Escafandro e a Borboleta de Marcel Proust / Porto / Jean-Dominique Bauby pela Globo
>>> Pro Teste nº67/2008 - nº48/2006 de Vários pela Proteste (2008)
>>> Pro Teste nº122/mar/2013 - nº49/Jul/2006 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Pro Teste nº127 - nº123 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Password English Dictionary For Speakers of Portuguese de Martins Fontes pela Martins Fontes (1998)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record
>>> New Framework 4a de Richmond pela Richmond
>>> New Framework Student Book 2A de Rich pela Richmond
COLUNAS

Segunda-feira, 8/4/2013
Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I
Gian Danton

+ de 5600 Acessos

Billy Wilder é um dos melhores diretores de todos os tempos. Sua inventividade e ousadia marcaram o cinema norte-americano. Além disso, algumas das cenas mais marcantes da sétima arte, como a de Marilyn segurando a saia levantada pelo vento, são criações suas.

Nascido em 22 de junho de 1906, na cidade de Sucha, que atualmente pertence à Polônia, mas na época era parte do império austro-húngaro, filho de pai e mãe judeus, Samuel Wilder iniciou seus estudos com a intenção inicial de formar-se advogado, ainda bem que não seguiu por ai, ou o mundo teria várias obras-primas cinematográficas a menos.

Decidiu-se pelo jornalismo, exerceu a profissão em Viena (capital austríaca) quando por alguns anos morou lá. Nesse período aconteceu um episódio interessante. Wilder foi encarregado de entrevistar ninguém menos que Sigmund Freud, na residência do pai da psicanálise. Wilder teria dito a Freud algo que o irritou, fazendo-o expulsá-lo de sua casa. O que ele disse? Sempre que perguntado Wilder respondia: "Esse segredo vou levar comigo para o túmulo". E levou.

Emigrou para Hollywood nos anos 30 e estreou na direção na América em 1939, com A Incrível Suzana. Ganhou o Oscar de melhor diretor em duas ocasiões por Farrapo Humano (1945) e Se Meu Apartamento Falasse (1960). Aposentou-se em 1981 e faleceu em 2002, em Los Angeles.

Separamos aqui algumas das características que fazem de Billy Wilder um dos mais importantes cineastas de todos os tempos:

Pacto de sangue

Corajoso - Para começar, Wilder se mostrou corajoso já em sua chegada aos Estados Unidos, nos anos 30, fugindo da perseguição nazista. Ele mal sabia falar inglês. Ao se apresentar no consulado, era apenas um jovem roteirista estrangeiro quase sem dinheiro e com documentação inadequada. O oficial que lhe atendeu leu seus documentos e fez apenas uma pergunta: "O que você faz?"; "Escrevo filmes", respondeu Wilder. Surpreendentemente, o oficial validou seu visto e, ao lhe entregar a documentação, acrescentou: "Faça bons filmes".

Seus filmes de estreia na América não mostram muito de sua coragem. Ele começa a mostrar a que veio em Pacto de Sangue (1944), um clássico do gênero noir que alia uma trama complexa, contada em flash back, à influência do expressionismo alemão, ao apostar em uma iluminação low key (fraca, o que torna a cena escura). O filme é corajoso por contar uma história cheia de assassinatos e erotismo em uma sociedade ainda conservadora, que não estava acostumada a ver violência na tela.

Também não poupou críticas à imprensa marrom (sensacionalista) e ao bastidores do próprio cinema. Em filmes como Montanha dos Sete Abutres (1951) e Crepúsculo dos Deuses (1950), o diretor mostra personagens aproveitadores, que não se importam com o mal que provocam para conseguir o que querem. Crepúsculo dos Deuses por sinal merece ser melhor analisado. Ao mostrar o personagem de William Holden, um roteirista medíocre que se aproveita e ao mesmo tempo é manipulado pela ex-estrela de cinema interpretada por Gloria Swanson, o diretor expõe como Hollywood pode ser cruel, como todos agem movidos por seus próprios interesses. Não por acaso, houve executivos que após verem o filme ficaram extremamente irritados com Wilder.

Além de corajoso, era também ético. Durante o período de caça às bruxas (que teve como resultado o exílio de vários gênios como Orson Welles e Charles Chaplin), no auge da Guerra Fria, mesmo diante da pressão do governo e da postura de vários colegas de profissão, recusou-se a delatar colegas investigados pelo FBI suspeitos de simpatizar com o comunismo.

Finalmente, este tópico ficaria incompleto se Quanto mais Quente Melhor (1959) não fosse mencionado. O filme, que hoje é considerado a melhor comédia da história, causou rebuliço na época de seu lançamento. Na história, os personagens de Jack Lemmon e Tony Curtis são obrigados a se disfarçarem de mulheres para fugir de mafiosos. Wilder faz muitas brincadeira implícitas que puristas e a Igreja Católica acharam um flerte com a homossexualidade. Mesmo que o filme pareça comportado para os padrões de hoje, Quanto mais Quente Melhor foi um dos que iniciou uma revolução sexual nos filmes que explodiria nas décadas de 60/70. A partir dali, o Código Hays (que disciplinava o uso da violência e sexo nos filmes de Hollywood) foi lentamente perdendo força até ser arquivado.

Sintaxe cinematográfica - A maior limitação de alguns filmes do Primeiro Cinema (1895-1915) era o de serem teatrais demais. À época, não havia códigos narrativos próprios para o cinema e, por conta disso, alguns filmes parecem hoje uma espécie de teatro filmado. Billy Wilder jamais se utilizou de técnicas não-cinematográficas em seus filmes. Sempre usando do artifício para mergulhar o espectador nas histórias, ele o fazia de tal modo que por momentos esquecemos até mesmo que aquilo é cinema.

Wilder era um diretor discreto. Não no sentido de sua vida pessoal, mas no sentido de o público não perceber a mão do diretor na película. Como ele também co-escrevia todos os roteiros de seus filmes, não permitia improvisações e seguia o roteiro à risca, ou seja, preferia enfatizar a história ao artifício que a conta.

Alguns exemplos em seus filmes explicam como ele conseguia ser genial sem ser extravagante. No vencedor do Oscar de melhor filme de 1960 Se meu Apartamento Falasse, em uma das cenas finais, Wilder utiliza apenas um dolly in (aproximar a câmera frontalmente) para demonstrar a solidão do personagem de Jack Lemmon. Em Farrapo Humano (1945) ele só precisa mostrar manchas de água feitas por um copo em um balcão para nos demostrar a dimensão do drama do protagonista alcoólatra.

Inovador - Por se tratar de um diretor da Hollywood clássica, muitos podem pensar que Wilder era conservador. Não é bem assim. Ele era conservador, sim, quando se tratava de movimentos de câmera, por exemplo, mas compensava isso criando cenas com composições extremamente inteligentes. Também não hesitava em utilizar novidades como a profundidade de campo em seus filmes logo após Orson Welles consagrá-la em Cidadão Kane. Este é apenas um caso de como o diretor se envolveu em tendências e não tinha medo de ser criticado ao inovar.

Mas suas maiores ousadias se encontravam mesmo nos roteiros. A metalinguagem presente em Crepúsculo dos Deuses, por exemplo, é extremamente criativa e inovadora por utilizar vários elementos da Hollywood real no filme (uma das cenas se passa em um set de filmagem real e os diretores e atores figurantes interpretavam a si mesmos, tal como o diretor C.B. De Mille e o ator Buster Keaton). Suas comédias com um humor ousado e irônico também são dignas de nota. Dispensava puritanismo e talvez tenha sido precursor da revolução no retrato do sexo no cinema que ocorreria anos mais tarde.

Texto escrito em parceria com Alexandre Magno Andrade. Parte 2 sendo produzida.


Gian Danton
Goiânia, 8/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. História da leitura (II): o códice medieval de Marcelo Spalding
02. A poética anárquica de Paulo Leminski de Jardel Dias Cavalcanti
03. 10 livros de jornalismo de Tais Laporta
04. Mapa da sala de aula de Ana Elisa Ribeiro
05. Desonra, por J.M. Coetzee de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2013
01. E Benício criou a mulher... - 19/8/2013
02. Conservadores e progressistas - 29/7/2013
03. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I - 8/4/2013
04. Procure saber: os novos donos da história - 21/10/2013
05. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos - 20/12/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Problemas Filosóficos de La Matematica Moderna
Bernard Haussman
Nuevos Esquemas
(1968)
R$ 35,82



Turma da Mônica Coleção Histórica Mônica Nº 38
Maurício de Souza
Panini Comics
(2013)
R$ 12,00



As Origens da Família de Jesus
João Baptista do Valle
João Baptista do Valle
(2005)
R$ 30,00



A Divina Melodia
Bhagwan Shree Rajneesh
Cultrix
(1993)
R$ 48,00



As Pupilas do Senhor Reitor - Tomo 1
Júlio Diniz
Minha
R$ 5,00



Emílio ou Da Educação
J.J.Rousseau
Martins Fontes
(2004)
R$ 65,00



Esquinas Da Vida
Dionisio Rulli Soares
Best Seller
(1990)
R$ 13,00



Projeto Delicatta IV Poesia
Varios Autores
Delicatta
(2011)
R$ 9,30



O Dinossauro Que Fazia Au-au
Pedro Bandeira; Com Suplemento
Moderna
(1994)
R$ 20,00



Praia de Manhattan
Jennifer Egan
Intrínseca
(2018)
R$ 35,00





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês