Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Por vocêw por mim no Vietnã de Ferreira Guller pela Sped
>>> Mussolini I Unleahed 1939-1941 de Mac Gregor Knor pela Cambridge (1986)
>>> Itajaí - Imagens e Memórias de Lindinalva Deóla da Silva pela Fundação Genèsio Miranda Li (1995)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Para gostar de Ler - Crônicas vol.1 de Carlos D. de Andrade, Fernando Sabino, Paulo M. Campos e Rubem Braga pela Ática (1999)
>>> Fendas Urbanas de Luiz Antonio de Queiroz pela Ofício das Palavras (2008)
>>> Quatro Mitos Brasileiros de Monica Stahel pela Martins Fontes (2003)
>>> Entretempo de Antonio Fantinato pela Topbooks (2008)
>>> A Casa de Babylônia: Estudo da Habitação Rural no Interior de São P... de Andrea Piccini pela Annablume (1996)
>>> Zupt...o Amigo do Peito de Stella Cobra Muraça pela Edicon (1997)
>>> Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias - Biologia de Escola da Juventude pela FDE
>>> Ciências humanas e suas tecnologias - Geografia de Escola da Juventude pela FDE
>>> A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi de Márcio Souza pela Marco Zero (1982)
>>> Beijos Engolidos de Jurandir Pinoti pela Ssua (2007)
>>> Rita Você-é-um-doce de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1993)
>>> Grandeur et Servitude Patton de Ladislas Farago pela Stock (1963)
>>> A Ponte para o Passado de Ivan Jaf pela Atual (1993)
>>> Amazônia de Alan Oliveira pela Saraiva (1999)
>>> Auto do Frade: poema para vozes de João Cabral de Melo Neto pela Nova Fronteira (1984)
>>> Armada América: Relatos Sobre a Inquietudo do Império de Fernando Monteiro pela Francis (2003)
>>> A História de Lalo de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2003)
>>> Açúcar Amargo de Luiz Puntel pela Ática (1994)
>>> Malika Oufkir Prisioneira do Rei de Malika Oufkir e Michele Fitoussi pela Companhia das letras (2000)
>>> A Vaca Voadora de Edy Lima pela Global (2002)
>>> A noite da grande magia branca de Simone Sauaressig pela Kuarup (1991)
>>> Sol-solaris de Heloisa Helena Troncarelli pela Edicon (1985)
>>> A Caminho... Apelo À Pesquisa N. 2 - Jan / Dez. 2004 de Diversos Autores pela Ceuclar (2004)
>>> Revista do Centro Universitário Claretiano - N. 3 - Jan / Dez. 2003 de Diversos Autores pela Ceuclar (2003)
>>> A sombra da Águia de Mark Hertsgaard pela Record (2003)
>>> Contos Como Eu Conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> O mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2002)
>>> Contos Escolhidos de I. L. Peretz pela Rampa (1950)
>>> Quero Ternura de Mãos Se Encontrando: de árabes e Judeus, de Branco... de Celso Barroso pela Independente (1978)
>>> Tem Carta pra Mim? de Fanny Abramovich pela Scipione (1994)
>>> Do arquivo e da memória: fatos, personagens e reflexões sobre o sio... de Samuel Malamud pela Bloch (1983)
>>> Qual é o Seu Preconceito Preferido? de Carlos Augusto M. F. da Silva pela Ateniense (1991)
>>> Serões de Dona Benta e História das Invenções de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
>>> A Câmara das Pedras Fendidas de J. W. Seixas Santos pela Conan (1994)
>>> A Mesa do Silêncio - Dedicatória e Autógrafo de Armindo Trevisan pela Lpm (1982)
>>> A Cidade Reinventa a Democracia de Ademar José Becker pela Corag (2000)
>>> Quem Nasceu para Cintilante Nunca Chega a Francesinha de Magali Moraes pela Sulina (2002)
>>> Auschwitz Altar do Capitalismo de Cultura Vozes pela Vozes (1995)
>>> Fronteira Inclemente de Brasil Dubal pela Iel (1976)
>>> A represa / Suburbana de Maria Helena Khüner e Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1980)
>>> O Folclore da Caixa: Contos de Antenor Pimenta Madeira e Outros pela Caixa (1984)
>>> Do Simbólico ao Virtual de Jorge Lúcio de Campos pela Perspectiva (1990)
>>> A Linguagem no Pensamento e na Ação de S. I. Hayakawa pela Pioneira (1963)
>>> As Alegres Comadres de Windsor e a Megera Domada de William Shakespeare pela Edições de Ouro (1966)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/4/2013
Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I
Gian Danton

+ de 4800 Acessos

Billy Wilder é um dos melhores diretores de todos os tempos. Sua inventividade e ousadia marcaram o cinema norte-americano. Além disso, algumas das cenas mais marcantes da sétima arte, como a de Marilyn segurando a saia levantada pelo vento, são criações suas.

Nascido em 22 de junho de 1906, na cidade de Sucha, que atualmente pertence à Polônia, mas na época era parte do império austro-húngaro, filho de pai e mãe judeus, Samuel Wilder iniciou seus estudos com a intenção inicial de formar-se advogado, ainda bem que não seguiu por ai, ou o mundo teria várias obras-primas cinematográficas a menos.

Decidiu-se pelo jornalismo, exerceu a profissão em Viena (capital austríaca) quando por alguns anos morou lá. Nesse período aconteceu um episódio interessante. Wilder foi encarregado de entrevistar ninguém menos que Sigmund Freud, na residência do pai da psicanálise. Wilder teria dito a Freud algo que o irritou, fazendo-o expulsá-lo de sua casa. O que ele disse? Sempre que perguntado Wilder respondia: "Esse segredo vou levar comigo para o túmulo". E levou.

Emigrou para Hollywood nos anos 30 e estreou na direção na América em 1939, com A Incrível Suzana. Ganhou o Oscar de melhor diretor em duas ocasiões por Farrapo Humano (1945) e Se Meu Apartamento Falasse (1960). Aposentou-se em 1981 e faleceu em 2002, em Los Angeles.

Separamos aqui algumas das características que fazem de Billy Wilder um dos mais importantes cineastas de todos os tempos:

Pacto de sangue

Corajoso - Para começar, Wilder se mostrou corajoso já em sua chegada aos Estados Unidos, nos anos 30, fugindo da perseguição nazista. Ele mal sabia falar inglês. Ao se apresentar no consulado, era apenas um jovem roteirista estrangeiro quase sem dinheiro e com documentação inadequada. O oficial que lhe atendeu leu seus documentos e fez apenas uma pergunta: "O que você faz?"; "Escrevo filmes", respondeu Wilder. Surpreendentemente, o oficial validou seu visto e, ao lhe entregar a documentação, acrescentou: "Faça bons filmes".

Seus filmes de estreia na América não mostram muito de sua coragem. Ele começa a mostrar a que veio em Pacto de Sangue (1944), um clássico do gênero noir que alia uma trama complexa, contada em flash back, à influência do expressionismo alemão, ao apostar em uma iluminação low key (fraca, o que torna a cena escura). O filme é corajoso por contar uma história cheia de assassinatos e erotismo em uma sociedade ainda conservadora, que não estava acostumada a ver violência na tela.

Também não poupou críticas à imprensa marrom (sensacionalista) e ao bastidores do próprio cinema. Em filmes como Montanha dos Sete Abutres (1951) e Crepúsculo dos Deuses (1950), o diretor mostra personagens aproveitadores, que não se importam com o mal que provocam para conseguir o que querem. Crepúsculo dos Deuses por sinal merece ser melhor analisado. Ao mostrar o personagem de William Holden, um roteirista medíocre que se aproveita e ao mesmo tempo é manipulado pela ex-estrela de cinema interpretada por Gloria Swanson, o diretor expõe como Hollywood pode ser cruel, como todos agem movidos por seus próprios interesses. Não por acaso, houve executivos que após verem o filme ficaram extremamente irritados com Wilder.

Além de corajoso, era também ético. Durante o período de caça às bruxas (que teve como resultado o exílio de vários gênios como Orson Welles e Charles Chaplin), no auge da Guerra Fria, mesmo diante da pressão do governo e da postura de vários colegas de profissão, recusou-se a delatar colegas investigados pelo FBI suspeitos de simpatizar com o comunismo.

Finalmente, este tópico ficaria incompleto se Quanto mais Quente Melhor (1959) não fosse mencionado. O filme, que hoje é considerado a melhor comédia da história, causou rebuliço na época de seu lançamento. Na história, os personagens de Jack Lemmon e Tony Curtis são obrigados a se disfarçarem de mulheres para fugir de mafiosos. Wilder faz muitas brincadeira implícitas que puristas e a Igreja Católica acharam um flerte com a homossexualidade. Mesmo que o filme pareça comportado para os padrões de hoje, Quanto mais Quente Melhor foi um dos que iniciou uma revolução sexual nos filmes que explodiria nas décadas de 60/70. A partir dali, o Código Hays (que disciplinava o uso da violência e sexo nos filmes de Hollywood) foi lentamente perdendo força até ser arquivado.

Sintaxe cinematográfica - A maior limitação de alguns filmes do Primeiro Cinema (1895-1915) era o de serem teatrais demais. À época, não havia códigos narrativos próprios para o cinema e, por conta disso, alguns filmes parecem hoje uma espécie de teatro filmado. Billy Wilder jamais se utilizou de técnicas não-cinematográficas em seus filmes. Sempre usando do artifício para mergulhar o espectador nas histórias, ele o fazia de tal modo que por momentos esquecemos até mesmo que aquilo é cinema.

Wilder era um diretor discreto. Não no sentido de sua vida pessoal, mas no sentido de o público não perceber a mão do diretor na película. Como ele também co-escrevia todos os roteiros de seus filmes, não permitia improvisações e seguia o roteiro à risca, ou seja, preferia enfatizar a história ao artifício que a conta.

Alguns exemplos em seus filmes explicam como ele conseguia ser genial sem ser extravagante. No vencedor do Oscar de melhor filme de 1960 Se meu Apartamento Falasse, em uma das cenas finais, Wilder utiliza apenas um dolly in (aproximar a câmera frontalmente) para demonstrar a solidão do personagem de Jack Lemmon. Em Farrapo Humano (1945) ele só precisa mostrar manchas de água feitas por um copo em um balcão para nos demostrar a dimensão do drama do protagonista alcoólatra.

Inovador - Por se tratar de um diretor da Hollywood clássica, muitos podem pensar que Wilder era conservador. Não é bem assim. Ele era conservador, sim, quando se tratava de movimentos de câmera, por exemplo, mas compensava isso criando cenas com composições extremamente inteligentes. Também não hesitava em utilizar novidades como a profundidade de campo em seus filmes logo após Orson Welles consagrá-la em Cidadão Kane. Este é apenas um caso de como o diretor se envolveu em tendências e não tinha medo de ser criticado ao inovar.

Mas suas maiores ousadias se encontravam mesmo nos roteiros. A metalinguagem presente em Crepúsculo dos Deuses, por exemplo, é extremamente criativa e inovadora por utilizar vários elementos da Hollywood real no filme (uma das cenas se passa em um set de filmagem real e os diretores e atores figurantes interpretavam a si mesmos, tal como o diretor C.B. De Mille e o ator Buster Keaton). Suas comédias com um humor ousado e irônico também são dignas de nota. Dispensava puritanismo e talvez tenha sido precursor da revolução no retrato do sexo no cinema que ocorreria anos mais tarde.

Texto escrito em parceria com Alexandre Magno Andrade. Parte 2 sendo produzida.


Gian Danton
Macapá, 8/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
02. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
03. A vida sem assento de Elisa Andrade Buzzo
04. Kindle, iPad ou Android? de Vicente Escudero
05. HQ: Estórias Gerais de Guga Schultze


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2013
01. E Benício criou a mulher... - 19/8/2013
02. Conservadores e progressistas - 29/7/2013
03. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte I - 8/4/2013
04. Procure saber: os novos donos da história - 21/10/2013
05. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos - 20/12/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




3° FESTIVAL DE CINEMA LATINO AMERICANO DE SP 2008
VÁRIOS
MEMORIAL
(2008)
R$ 5,00



O QUE A BIBLIA REALMENTE ENSINA ?
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
(2015)
R$ 6,00



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 15,00



DESENVOLVIMENTO E CRISE NO BRASIL - EDIÇÃO ESPECIAL
LUIZ CARLOS BRESSER PEREIRA (CAPA DURA)
BRASILIENSE
(1987)
R$ 26,82



TRAPAÇA
JAMES SIEGEL
RECORD
(2011)
R$ 18,00



VOCE PRECISA SER DETERMINADO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
R$ 8,00



ESAÚ E JACÓ
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 18,00



BOLETIM OFICIAL GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO
CLÁUDIO ROQUE BUONO FERREIRA
DO AUTOR
R$ 9,00



CONTOS BRASILEIROS - ANTOLOGIA ESCOLAR DE OURO
IVO BARBIERI MARIA MECLER KAMPELL

R$ 5,00



VIDA NAS CIDADES - EXPECTATIVAS URBANAS NO NOVO MUNDO
WITOLD RYBCZYNSKI
RECORD
(1996)
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês