A Copa, o Mundo, é das mulheres | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/6/2019
A Copa, o Mundo, é das mulheres
Luís Fernando Amâncio

+ de 4800 Acessos

Começou, no dia 07 de junho, a Copa do Mundo Feminina de Futebol. A competição, que ocorre França, promete ser uma edição histórica para a modalidade. Nunca se teve uma cobertura tão ampla da mídia para o torneio, confirmando um momento especial para o esporte, com mais investimento e, consequentemente, melhor nível técnico.


Foto: reprodução/ Wikipedia

A princípio, eu diria que a realidade do futebol feminino é contraditória. Afinal, estamos falando do esporte mais popular do planeta. Seus principais torneios, como a Champions League e a Copa do Mundo, são acompanhados por bilhões de expectadores. As transferências de jogadores e salários chegam a valores astronômicos. Em contrapartida, a prática do futebol por mulheres tem peso de curiosidade. É mera nota de pé de página numa mídia que explora ao limite pormenores do jogo dos homens e a vida de seus astros.

Uma análise um pouco mais atenta, porém, demonstra que não há nada de contraditório na situação do futebol jogado por mulheres. Pelo contrário. O esporte é um dos exemplos mais cristalinos de como nossa sociedade patriarcal perpetua a desigualdade entre os gêneros. Aos homens, o protagonismo. Às mulheres, papel secundário. Se muito.

O esporte, em geral, é espaço de desigualdades. Tomemos os Estados Unidos como exemplo. O país, especialista em promover espetáculos, atualmente celebra as finais da NBA, sua principal liga profissional de basquete. O evento é acompanhado por todo o mundo, inclusive com transmissão em canal de televisão aberta no Brasil. O Superbowl, final do futebol americano, talvez seja o evento esportivo de maior audiência no planeta.

Mas, e a prática feminina destes esportes? A WNBA possui números modestos de audiência e apenas 12 equipes filiadas – 18 a menos do que a liga masculina. O futebol americano feminino, por sua vez, é representado pela Legends Football League, que antigamente se chamava Lingerie Football League. Sim, você não leu errado. Trata-se de um campeonato com mulheres jogando futebol americano usando roupas íntimas.

Chegamos a um ponto fundamental sobre o esporte praticado por mulheres: a exposição do corpo. Não quero dizer que a audiência no esporte feminino se dê exclusivamente pela exploração da imagem da figura feminina. Mas acredito que haja certo fetiche em como as mulheres são expostas em seus uniformes esportivos. Pense nos uniformes do voleibol de praia, ginástica artística, tênis... Lola Aronovich, do blogue Escreva Lola Escreva, dissertou sobre como os uniformes femininos precisam ser sensuais aqui e aqui.

Com o futebol feminino foi diferente. No Brasil, o esporte bretão foi considerado inadequado para mulheres, sendo proibido, por decreto, em 1941. A proibição perdurou até 1979, com o esporte sendo regulamentado apenas em 1983, quando competições internacionais e nacionais começaram a ser organizadas. A situação foi catastrófica para a modalidade. Afinal, foram quatro décadas em que as mulheres só puderam jogar clandestinamente. A situação corroborou com o pensamento arcaico de que o futebol não era para meninas. O projeto Museu do Impedimento, do Google, reúne relatos sobre este período.

Houve tentativas de colocar o futebol feminino no foco tornando suas atletas objetos do desejo masculino. É emblemática a capa de agosto de 1995 da Revista Placar, por anos a maior referência sobre futebol em mídia escrita, com modelos de costas, trajando uniformes minúsculos e a frase “as garotas batem um bolão”. Em 2001, o Campeonato Paulista, competição estadual mais tradicional no futebol feminino, tinha, em seu regulamento, o critério “beleza” no draft para a escolha dos elencos dos 12 participantes. O blogue Dibradoras conta bem essa história. A página, inclusive, é uma fonte importante de conteúdo sobre futebol feminino e merece o prestígio do clique.


Foto: Reprodução/ Mercado Livre

Hoje, parece, estamos presenciando uma virada nesse jogo. Cresce, com longo atraso e como resposta a críticas do movimento feminista, a consciência de que precisamos de mulheres protagonistas nos produtos culturais que consumimos. O futebol é um deles. Clubes tradicionais estão investindo em equipes femininas. Na Europa, sobretudo, já é uma realidade.

A América do Sul está atrasada nesse bonde da história. A Libertadores da América de Futebol Feminino, por exemplo, é disputada há alguns anos, mas de forma precária em algumas edições. Agora, com Commebol e CBF obrigando os clubes que disputam suas principais competições a manterem times femininos adultos e em categorias de base, a situação deve mudar.

No Brasil, muitos times tradicionais no masculino inauguraram ou retomaram seus times de mulheres. O São Paulo, por exemplo, que teve um time forte nos anos 1990, com jogadoras como Sissi e Kátia Cilene, reativou seu futebol feminino com um projeto estruturado. O clube contratou Cristiane, maior artilheira em Olimpíadas e autora de três gols na estreia do Brasil na Copa da França. Embora a jogadora, retornando de lesões, tenha atuado pouco pelo clube, ela foi parte importante da campanha de marketing no lançamento do uniforme do clube versão 2019.


Foto: Divulgação Adidas, Uniforme I SPFC

Porque, vejam bem, investir no futebol feminino não é só fazer o mínimo pela igualdade de gênero. É também pensar em negócios. Ao focar suas campanhas de marketing apenas nos homens, os clubes ignoram que pelo menos 50% da população é composta por mulheres. Dar às garotas a possibilidade de ter heroínas também no futebol pode auxiliar o crescimento das receitas dos clubes.

Pois, sim, o futebol feminino precisa ser sustentável. E, olha, ele pode ser. Estádios lotados na Europa, em Manaus e em Santos (em 2018, o maior público na Vila Belmiro foi em jogo das Sereias da Vila), por exemplo, demonstram que há potencial. Precisa, é claro, de mais atenção. Que os torcedores não se comovam com a modalidade apenas em épocas de grandes competições de seleções. E que os noticiários esportivos tirem ao menos dois minutos para mostrar os gols da rodada do Campeonato Brasileiro Feminino.

Porém, o aspecto financeiro não é o mais importante. Toda notícia sobre a modalidade é recepcionada por comentários misóginos a atacar o futebol feminino. O esporte é um incômodo para aqueles que não suportam um mundo onde as mulheres podem ser o que quiserem. Inclusive jogadoras de futebol. E só por ser uma pedra no sapato dessas pessoas, o futebol feminino já tem minha simpatia.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 14/6/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pastelão literário na terra do Nobel de Tais Laporta


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2019
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres - 14/6/2019
02. Lançamentos de literatura fantástica (1) - 1/3/2019
03. estar onde eu não estou - 1/2/2019
04. A cidade e o que se espera dela - 24/5/2019
05. 7 de Setembro - 13/9/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INCRÍVEL TESTAMENTO DE DOM AGAPITO
HÉLDER MOURA
CHIADO
(2012)
R$ 27,00



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



MAYA
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 12,00



PRODUÇÃO DE TEXTOS E USOS DA LINGUAGEM - CURSO DE REDAÇÃO
SAMIRA YOUSSEFF CAMPEDELLI E JESUS BARBOSA SOUZA
SARAIVA
(1999)
R$ 6,95



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 4,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1964
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1964)
R$ 7,00



A CRIANÇA ALUCINADA
RENÉ JEAN CLOT
PAZ E TERRA
(1989)
R$ 21,82



A ARANHA, A DOR DE CABEÇA E OUTRAS MALES QUE ASSOLAM O MUNDO
FERNANDA LOPES DE ALMEIDA
ÁTICA
(2005)
R$ 8,70



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



THE GREEN CITY INDEX: A SUMMARY OF THE GREEN CITY INDEX RESEARCH SERIE
SIEMENS AIG
SIEMENS
(2012)
R$ 25,82





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês