Uma defesa de Juno | Giovana Breitschaft | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/11/2008
Uma defesa de Juno
Giovana Breitschaft
+ de 9100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Juno é um filme sobre gravidez na adolescência, certo? Errado! Olhe mais de perto e você verá que Juno é, na verdade, um filme sobre relacionamentos. E um belo filme.

Em torno da gravidez indesejada da adolescente Juno, se desenrolam três histórias com uma questão em comum: o que faz um relacionamento dar certo?

A primeira história é justamente a de Juno. A personagem principal é uma adolescente nada convencional. Ela não é uma líder de torcida bonitona e esnobe e tampouco é uma CDF no pior estilo "Betty, a feia". Ela toca guitarra, gosta de filmes de terror, tem um telefone no quarto em formato de hambúrguer (para falar hoooras com as amigas) e é, também, por que não, muito bonita. Como ela própria deixa muito claro em dois momentos do filme:

"Eu não sei que tipo de garota eu sou."

Imagino que seja um alívio para 90% dos adolescentes ver personagens que sintam a mesma angústia diária que eles, a angústia de não saber quem se é. A pressão para se encaixar em um rótulo, que existe durante toda a nossa vida mas é ainda mais intensa nessa fase, vem de todos os lados. E algo dentro de nós resiste, dizendo: "puxa... eu gosto de ler mas eu também gosto de esportes e eu também sou vaidosa... e agora, qual tribo vai me aceitar?..." O próprio conceito de tribo é dissolvido na perspicácia do filme. A melhor amiga de Juno, por exemplo, é uma líder de torcida linda e formosa que, em vez de namorar os atletas mais populares do colégio, tem uma quedinha por professores intelectuais. Nada mais atual.

Bem, essa garota nada convencional provavelmente escolheria como alvo de suas paixões alguém alternativo como ela, certo? Nada disso! Uma pessoa como Juno jamais seria assim tão previsível. Quem faz o coração da jovem roqueira bater mais forte não é nenhum Kurt Kobain mirim, mas sim o tímido e certinho Paulie Bleeker, um magricela que gosta de correr usando roupas de ginástica à la anos 80. Bom filho, bom atleta e bom estudante, ninguém descreve melhor Paulie Bleeker do que a canção que o apresenta no filme, "A well respected man", do The Kinks, desenterrada direto dos anos 60 para compor a fantástica trilha sonora do filme.

Juno e Bleeker se gostam, mas ainda têm muito o que aprender (e ensinar!) sobre o amor. Ela engravida logo na primeira transa dos dois e, após algumas "reflexões profundas" com sua melhor amiga, resolve levar a gestação adiante e entregar o bebê para a adoção. É aqui que entra a segunda lição sobre relacionamentos do filme. Juno encontra num anúncio de jornal o casal perfeito para adotar seu bebê: uma executiva bem sucedida e um compositor de músicas para comerciais, lindos e apaixonados, vivendo numa bela casa e levando uma vida perfeita exceto pela ausência de filhos. Eles tentaram engravidar por cinco anos, mas não conseguiram. Juno é o milagre que eles estavam esperando. Tudo é acertado, então, para a adoção.

Aos poucos, porém, a vida perfeita do casal começa a revelar suas trincas. Vanessa, a esposa, é mostrada como uma mulher perfeccionista e controladora, mas do pior tipo, aquele tipo com voz doce e jeitinho meigo que sabe transformar a vida de um homem num inferno. Mark, o marido, por sua vez, é o cara descolado e moderninho, que tem uma profissão alternativa, trabalha em casa e sonha com a reunião de sua antiga banda de rock, mas vive sufocado pela esposa. Nitidamente os dois não estão em sintonia. Mas como neste filme não há espaço para clichês, a narrativa mostrará que não há vilões e mocinhos, mas apenas pessoas normais, tropeçando e levantando, errando e acertando na busca incansável da felicidade.

A terceira história talvez nem possa ser considerada uma história, pois não tem começo, meio e fim. A vida do pai de Juno e sua esposa parece apenas um complemento, um pano de fundo para as outras duas histórias, mas as lições tiradas dali alçam a atuação daqueles personagens à condição de história. Os pais de Juno são divorciados e ela vive com o pai e a madrasta. Juntos esses dois tiveram uma nova filhinha, que tem então cinco anos. O pai é um especialista em sistemas de aquecimento e ar-condicionado. A madrasta possui um salão de beleza. Não são pobres nem iletrados, mas evidentemente o grau de glamour em torno desses dois é próximo de zero. Como uma família dessas vai lidar com uma gravidez indesejada? Bem, esta é mais uma das agradáveis surpresas deste filme que joga todos os clichês pela janela. Nada de sermões moralistas, escândalos inúteis ou brigas para saber quem é o culpado. Pai e madrasta se entendem muitíssimo bem e encaram a situação se não com naturalidade, o que já seria exagero, com maturidade. O que está feito está feito e resta então lidar com as conseqüências. A cumplicidade do casal "de segunda viagem" é mais um nó na bem montada teia que se desenrola diante de nossos olhos, mostrando como o "amor escreve certo por linhas tortas".

Desta família também não convencional ― se é que se pode dizer que segundos ou terceiros casamentos são a exceção nos dias de hoje ― emerge uma relação entre pai e filha de dar orgulho a qualquer psicólogo que trabalhe com aconselhamento familiar. É sabido e notório que a melhor maneira de lidar com os filhos é na base da confiança. Vigilância excessiva, superproteção, castigos, privação da liberdade, tudo isso pode evitar que os filhos façam burradas por algum tempo, mas se eles tiverem que fazer burradas, eles vão fazer de qualquer jeito, não importa se as forças armadas dos EUA estiverem atrás deles. Só a confiança pode garantir acesso ao que se passa na cabeça e nos planos dos filhos. Fácil falar, difícil fazer, mas pelo menos um bom exemplo pode ser visto aqui. Mesmo após fazer uma das maiores burradas que uma adolescente pode fazer, ou seja, engravidar, o pai não retira a liberdade dela. Juno continua a levar sua vida da mesma maneira que levava antes, saindo com o carro, indo e vindo como bem entende. O pai sabe a filha que tem e a filha sabe o pai que tem. A recompensa que ele ganha por esse voto de confiança não poderia ser maior. A filha conversa com ele sobre o amor, discute com ele se é possível duas pessoas ficarem juntas por uma vida inteira e quais as condições para isso. Quantos pais já tiveram a honra de ter uma conversa desse tipo com seus filhos?

Diablo Cody, a roteirista revelação, parece ter o dom para captar nas linhas de um roteiro a essência das pessoas comuns, com tudo de incomum que essas pessoas têm. O roteiro possui alguns exageros, sim, provavelmente frutos da rebeldia incontida de Diablo, que já trabalhou até como stripper. Mas todos os elementos ― desde as ótimas atuações até a produção cuidadosa em cada detalhe, passando pela trilha sonora deliciosamente esquisita ― se somam para compor o resultado final: um filme encantador na mesma medida em que é despretensioso.

Na cena final, Juno e Paulie Bleeker aparecem ao violão tocando e cantando I don't see what anyone can see in anyone else but you, uma canção com uns três acordes no máximo e que mesmo assim eles conseguem desafinar. Nada mais amador, nada mais perfeito. A receita do relacionamento duradouro, afinal, parece ser essa, exatamente como o pai de Juno descreve para ela a certa altura: "encontre alguém que goste de você exatamente pelo que você é, de bom humor, mau humor, feio, bonito, não importa, a pessoa certa sempre vai te achar a última bolacha do pacote". Impossível não terminar o filme com um sorriso no rosto.

Nota do Editor
Giovana Breitschaft mantém o blog Eu escrevo, tu escreves, ele escreve...


Giovana Breitschaft
São Paulo, 3/11/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Liberdade! de Elisa Andrade Buzzo
02. Em defesa da Crítica de Andréa Trompczynski


Mais Giovana Breitschaft
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/11/2008
18h16min
Gostei do texto! Principalmente porque revela grande prazer em ter assistido ao filme. Eu, que não tinha tido vontade de vê-lo a partir das resenhas tradicionais, agora quero assiti-lo!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
14/11/2008
16h00min
Excelente resenha! Você não focou na belíssima atuação dos atores, coisa que se nota em todas as outras resenhas, apenas captou a essência do filme, o que fez toda a diferença! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rachel]
18/11/2008
02h20min
Muito bem! Você conseguiu expressar com palavras justamente o que o filme mostra de maneira tão encantadora. Um belo problema que algumas pessoas costumam "pairar na superficie". Não entendem do que realmente se trata a coisa toda... Parabens!
[Leia outros Comentários de Carolina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Ensino de Idiomas Cambridge Primary English Learners Book 4
Sally Burt and Debbie Ridgard
Cambridge University Press
(2015)



Livro O fim da procrastinação Como parar de adiar o que precisa ser feito
Petr Ludwig
Sextante
(2020)



Casos do prof. Pável: Reflexões de vida
Edson Pável Bastos
Instituto Maria
(1987)



Gestão do Conhecimento - PLT 245
Hirotaka Takeuchi Ikujiro
Bookman
(2014)



Horta Completa em espaços Pequenos
Horta Completa em espaços Pequenos
Publifolha
(2017)



A Menina que não sabia ler
John Harding
Leya
(2010)



Terapia Financeira
Reinaldo Domingos
Dsop
(2012)



Livro Pedagogia A Matemática na Escola Primária uma Observação do Cotidiano
Maria Lucia Fraga
Epu
(1988)



Citologia Básica
Junqueira & Carneiro
Guanabara Koogan
(1973)



Estilhaços
Marcelo Backes
Record
(2006)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês