Uma defesa de Juno | Giovana Breitschaft | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/11/2008
Uma defesa de Juno
Giovana Breitschaft

+ de 6200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Juno é um filme sobre gravidez na adolescência, certo? Errado! Olhe mais de perto e você verá que Juno é, na verdade, um filme sobre relacionamentos. E um belo filme.

Em torno da gravidez indesejada da adolescente Juno, se desenrolam três histórias com uma questão em comum: o que faz um relacionamento dar certo?

A primeira história é justamente a de Juno. A personagem principal é uma adolescente nada convencional. Ela não é uma líder de torcida bonitona e esnobe e tampouco é uma CDF no pior estilo "Betty, a feia". Ela toca guitarra, gosta de filmes de terror, tem um telefone no quarto em formato de hambúrguer (para falar hoooras com as amigas) e é, também, por que não, muito bonita. Como ela própria deixa muito claro em dois momentos do filme:

"Eu não sei que tipo de garota eu sou."

Imagino que seja um alívio para 90% dos adolescentes ver personagens que sintam a mesma angústia diária que eles, a angústia de não saber quem se é. A pressão para se encaixar em um rótulo, que existe durante toda a nossa vida mas é ainda mais intensa nessa fase, vem de todos os lados. E algo dentro de nós resiste, dizendo: "puxa... eu gosto de ler mas eu também gosto de esportes e eu também sou vaidosa... e agora, qual tribo vai me aceitar?..." O próprio conceito de tribo é dissolvido na perspicácia do filme. A melhor amiga de Juno, por exemplo, é uma líder de torcida linda e formosa que, em vez de namorar os atletas mais populares do colégio, tem uma quedinha por professores intelectuais. Nada mais atual.

Bem, essa garota nada convencional provavelmente escolheria como alvo de suas paixões alguém alternativo como ela, certo? Nada disso! Uma pessoa como Juno jamais seria assim tão previsível. Quem faz o coração da jovem roqueira bater mais forte não é nenhum Kurt Kobain mirim, mas sim o tímido e certinho Paulie Bleeker, um magricela que gosta de correr usando roupas de ginástica à la anos 80. Bom filho, bom atleta e bom estudante, ninguém descreve melhor Paulie Bleeker do que a canção que o apresenta no filme, "A well respected man", do The Kinks, desenterrada direto dos anos 60 para compor a fantástica trilha sonora do filme.

Juno e Bleeker se gostam, mas ainda têm muito o que aprender (e ensinar!) sobre o amor. Ela engravida logo na primeira transa dos dois e, após algumas "reflexões profundas" com sua melhor amiga, resolve levar a gestação adiante e entregar o bebê para a adoção. É aqui que entra a segunda lição sobre relacionamentos do filme. Juno encontra num anúncio de jornal o casal perfeito para adotar seu bebê: uma executiva bem sucedida e um compositor de músicas para comerciais, lindos e apaixonados, vivendo numa bela casa e levando uma vida perfeita exceto pela ausência de filhos. Eles tentaram engravidar por cinco anos, mas não conseguiram. Juno é o milagre que eles estavam esperando. Tudo é acertado, então, para a adoção.

Aos poucos, porém, a vida perfeita do casal começa a revelar suas trincas. Vanessa, a esposa, é mostrada como uma mulher perfeccionista e controladora, mas do pior tipo, aquele tipo com voz doce e jeitinho meigo que sabe transformar a vida de um homem num inferno. Mark, o marido, por sua vez, é o cara descolado e moderninho, que tem uma profissão alternativa, trabalha em casa e sonha com a reunião de sua antiga banda de rock, mas vive sufocado pela esposa. Nitidamente os dois não estão em sintonia. Mas como neste filme não há espaço para clichês, a narrativa mostrará que não há vilões e mocinhos, mas apenas pessoas normais, tropeçando e levantando, errando e acertando na busca incansável da felicidade.

A terceira história talvez nem possa ser considerada uma história, pois não tem começo, meio e fim. A vida do pai de Juno e sua esposa parece apenas um complemento, um pano de fundo para as outras duas histórias, mas as lições tiradas dali alçam a atuação daqueles personagens à condição de história. Os pais de Juno são divorciados e ela vive com o pai e a madrasta. Juntos esses dois tiveram uma nova filhinha, que tem então cinco anos. O pai é um especialista em sistemas de aquecimento e ar-condicionado. A madrasta possui um salão de beleza. Não são pobres nem iletrados, mas evidentemente o grau de glamour em torno desses dois é próximo de zero. Como uma família dessas vai lidar com uma gravidez indesejada? Bem, esta é mais uma das agradáveis surpresas deste filme que joga todos os clichês pela janela. Nada de sermões moralistas, escândalos inúteis ou brigas para saber quem é o culpado. Pai e madrasta se entendem muitíssimo bem e encaram a situação se não com naturalidade, o que já seria exagero, com maturidade. O que está feito está feito e resta então lidar com as conseqüências. A cumplicidade do casal "de segunda viagem" é mais um nó na bem montada teia que se desenrola diante de nossos olhos, mostrando como o "amor escreve certo por linhas tortas".

Desta família também não convencional ― se é que se pode dizer que segundos ou terceiros casamentos são a exceção nos dias de hoje ― emerge uma relação entre pai e filha de dar orgulho a qualquer psicólogo que trabalhe com aconselhamento familiar. É sabido e notório que a melhor maneira de lidar com os filhos é na base da confiança. Vigilância excessiva, superproteção, castigos, privação da liberdade, tudo isso pode evitar que os filhos façam burradas por algum tempo, mas se eles tiverem que fazer burradas, eles vão fazer de qualquer jeito, não importa se as forças armadas dos EUA estiverem atrás deles. Só a confiança pode garantir acesso ao que se passa na cabeça e nos planos dos filhos. Fácil falar, difícil fazer, mas pelo menos um bom exemplo pode ser visto aqui. Mesmo após fazer uma das maiores burradas que uma adolescente pode fazer, ou seja, engravidar, o pai não retira a liberdade dela. Juno continua a levar sua vida da mesma maneira que levava antes, saindo com o carro, indo e vindo como bem entende. O pai sabe a filha que tem e a filha sabe o pai que tem. A recompensa que ele ganha por esse voto de confiança não poderia ser maior. A filha conversa com ele sobre o amor, discute com ele se é possível duas pessoas ficarem juntas por uma vida inteira e quais as condições para isso. Quantos pais já tiveram a honra de ter uma conversa desse tipo com seus filhos?

Diablo Cody, a roteirista revelação, parece ter o dom para captar nas linhas de um roteiro a essência das pessoas comuns, com tudo de incomum que essas pessoas têm. O roteiro possui alguns exageros, sim, provavelmente frutos da rebeldia incontida de Diablo, que já trabalhou até como stripper. Mas todos os elementos ― desde as ótimas atuações até a produção cuidadosa em cada detalhe, passando pela trilha sonora deliciosamente esquisita ― se somam para compor o resultado final: um filme encantador na mesma medida em que é despretensioso.

Na cena final, Juno e Paulie Bleeker aparecem ao violão tocando e cantando I don't see what anyone can see in anyone else but you, uma canção com uns três acordes no máximo e que mesmo assim eles conseguem desafinar. Nada mais amador, nada mais perfeito. A receita do relacionamento duradouro, afinal, parece ser essa, exatamente como o pai de Juno descreve para ela a certa altura: "encontre alguém que goste de você exatamente pelo que você é, de bom humor, mau humor, feio, bonito, não importa, a pessoa certa sempre vai te achar a última bolacha do pacote". Impossível não terminar o filme com um sorriso no rosto.

Nota do Editor
Giovana Breitschaft mantém o blog Eu escrevo, tu escreves, ele escreve...


Giovana Breitschaft
São Paulo, 3/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
02. Rubem Braga e eu de Rafael Lima
03. I do not want this de Daniela Castilho
04. Votos Úteis de Lisandro Gaertner
05. Quadrinhos em 2004 de Rafael Lima


Mais Giovana Breitschaft
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/11/2008
18h16min
Gostei do texto! Principalmente porque revela grande prazer em ter assistido ao filme. Eu, que não tinha tido vontade de vê-lo a partir das resenhas tradicionais, agora quero assiti-lo!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
14/11/2008
16h00min
Excelente resenha! Você não focou na belíssima atuação dos atores, coisa que se nota em todas as outras resenhas, apenas captou a essência do filme, o que fez toda a diferença! Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rachel]
18/11/2008
02h20min
Muito bem! Você conseguiu expressar com palavras justamente o que o filme mostra de maneira tão encantadora. Um belo problema que algumas pessoas costumam "pairar na superficie". Não entendem do que realmente se trata a coisa toda... Parabens!
[Leia outros Comentários de Carolina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INCRÍVEL TESTAMENTO DE DOM AGAPITO
HÉLDER MOURA
CHIADO
(2012)
R$ 27,00



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



MAYA
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 12,00



PRODUÇÃO DE TEXTOS E USOS DA LINGUAGEM - CURSO DE REDAÇÃO
SAMIRA YOUSSEFF CAMPEDELLI E JESUS BARBOSA SOUZA
SARAIVA
(1999)
R$ 6,95



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 4,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1964
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1964)
R$ 7,00



A CRIANÇA ALUCINADA
RENÉ JEAN CLOT
PAZ E TERRA
(1989)
R$ 21,82



A ARANHA, A DOR DE CABEÇA E OUTRAS MALES QUE ASSOLAM O MUNDO
FERNANDA LOPES DE ALMEIDA
ÁTICA
(2005)
R$ 8,70



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



THE GREEN CITY INDEX: A SUMMARY OF THE GREEN CITY INDEX RESEARCH SERIE
SIEMENS AIG
SIEMENS
(2012)
R$ 25,82





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês