7 de Setembro | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim das coisas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Oiti
>>> Uma certa inocência
>>> A TV é uma droga
>>> Arroz com rapa
>>> No TV
>>> A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
>>> São Francisco Xavier I
>>> O Código de Defesa do Consumidor e Maradona
Mais Recentes
>>> Problemas de Escrituração - Estande do Contador de Carlos de Carvalho pela Lisa (1966)
>>> Práticas Inovadoras Na Formação De Professores de Marli André pela Papirus (2016)
>>> Rhetorical Criticism: Exploration & Practice de Sonja K.Foss pela Waveland Pr Inc (1995)
>>> Corta-Braços de Arivaldo Matos pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (1998)
>>> Uma Breve Historia Do Tempo - Literatura de Stephen Hawkingin pela Intrinseca (2015)
>>> HQ Flecha Ligeira magazine de Rge pela Rge
>>> A Preparação Do Ator de Constantin Stanislavski pela Civilização Brasileira (2015)
>>> Voce Mudou A Minha Vida de Abdel Sellou pela Record (2012)
>>> Coração... É Emoção de Elias Knobel pela Atheneu Rio (2010)
>>> Tratado Elementar de Contabilidade - Estante do Contador de Carlos de Carvalho pela Lisa (1966)
>>> Vanessa E Virginia de Susan Sellers pela Novo Seculo (2012)
>>> Por Que Estudar Literatura? de Vicente Jouve pela Parabola (2012)
>>> Oa Espantos - Cronicas - Literatura de Tercia Montenegro pela Democrito (2012)
>>> Engolido Pelas Labaredas de David Sedaris pela Companhia Das Letras (2009)
>>> Escola Participativa: O Trabalho Do Gestor Escolar de Robert pela Vozes (2012)
>>> Patrimônio : Práticas e Reflexões ,Volume 1 de Jurema de Sousa Machado pela Iphan (2007)
>>> Indo Longe Demais de Tina Seskis pela Record (2014)
>>> A Arte De Ouvir O Coraçao de Jan-Philipp Sendker pela Paralela (2013)
>>> Semantica E Discurso de Michel Pecheux pela Unicamp (1997)
>>> Corce De Gelo E Estrelas - Livro 4 - Ficção - Literatura de Sarah J.Maas pela Galera (2018)
>>> Avaliação E Projeto No Design De Interfaces de Jose Guilherme Santa Rosa pela 2Ab (2010)
>>> Curso de Massagem Oriental a Linguagem do Tato de Armando S. B. Austregésilo pela Ediouro (1988)
>>> Anne Of Avonlea de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2020)
>>> Doce Inimiga Minha de Marcela Serrano pela Alfaguara (2014)
>>> Gutano - As Vidas do Cigano Rodrigo - Romance Espirita - Espirita de Osmar Barbosa pela Book Man (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/9/2019
7 de Setembro
Luís Fernando Amâncio
+ de 90600 Acessos

No colégio em que eu estudei, estar na quinta série, atual sexto ano, era ter um compromisso cívico: participar do desfile de 07 de Setembro. Para nós, crianças de 10, 11 anos, era uma responsabilidade que recebíamos com indignação. Afinal, era feriado e tínhamos que vestir uniforme e ir para a escola. Não era um bom negócio. Alguns colegas, mais fáceis de se agradar, se davam por satisfeitos com o pão com presunto e queijo que recebíamos antes de ir para o centro.

No fundo, todavia, estávamos felizes com o feriado inusitado. Funcionava quase como um ritual de passagem, uma afirmação de que entrávamos na adolescência. Dava aquele orgulho de estar crescendo, que décadas depois viraria o desespero de estar envelhecendo.

Havia vantagens práticas. Uma semana antes do Dia da Independência, éramos liberados do último horário de aula para treinar o desfile. Estudantes de todas as turmas das primeiras séries colegial eram cuidadosamente distribuídos em filas, por ordem de tamanho, no campo de futebol da escola. Professores nos passavam noções básicas de marcha: o passo, os comandos (sentido!, direita volver!, esquerda volver!, meia volta volver!), o ritmo…

A fanfarra do colégio participava dos ensaios, alternando marchas militares com melodias tocadas no xilofone. Estou falando do final dos anos 1990, então o “Tema da Vitória” era quase obrigatório em qualquer manifestação patriótica. Na frente da fanfarra, iam as balizas, que eram, basicamente, as meninas bonitas da escola vestidas de paquitas e fazendo coreografias com varetas.

Após a semana de ensaios, chegava o grande dia. Ficávamos ali, reclamando pela demora, por não chegar logo a hora de desfilarmos. Sem perceber, estávamos nos divertindo. Um bando de adolescentes reunidos sempre arrumam o que fazer. Horas depois, cumpríamos a complexa tarefa de marchar pela principal avenida da cidade, com uma pequena multidão se espremendo nas calçadas para nos prestigiar.

Por fim, encontrávamos nossos familiares, que nos acompanhavam naquele rito de passagem. Aí, poderíamos esperar o desfile da escola de algum primo ou vizinho e, se estivéssemos realmente engajados no ato cívico, aguardaríamos o desfile dos militares. Minha família não era dessas, a fome apertava e retornávamos para casa.

Mesmo sendo uma criança nascida após a Ditadura Militar, recebi outras doutrinações patrióticas ao longo da formação escolar. Periodicamente, tínhamos que ouvir e fingir cantar o Hino Nacional. Inclusive, havia sempre a polêmica: bater palma depois do hino era desrespeito? Nunca houve consenso. Verde e amarelo, mesmo, a gente só vestia na época da Copa do Mundo. Só a pátria em chuteiras nos comovia.

Eram tempos sem o espectro da Escola Sem Partido. Ou seja, os professores de história podiam ensinar o que diziam os especialistas: que nossa formação como pátria ocorrera a partir da exploração da natureza por uma elite econômica, do genocídio indígena e da escravidão africana.

Também não havia a “ideologia de gênero”, essa lenda urbana que tanto amedronta os “cidadãos de bem”. Sexualidade era tratada em termos estritamente biológicos. Ou seja, víamos ilustrações no livro didático das transformações que explodiam por nossos poros. Enquanto isso, os meninos homossexuais eram isolados pelos colegas como leprosos de décadas atrás. Já os garotos que se vangloriavam por “passar a mão” nas namoradas eram um exemplo a ser seguido. Se fosse sem consentimento, era um gesto de coragem ainda mais valorizado.

São lembranças de mais de 20 anos, um passado envelhecido. O patriotismo em 2019 se tornou pauta eleitoral e os desfiles de 07 de setembro serviram, como nunca, de palanque. Houve governador desfilando em tanque de guerra, primeira-dama de vestido amarelo, criança no carro com o presidente...

Tudo isso enquanto a Amazônia queima em incêndios criminosos que beneficiam o avanço do agronegócio e do garimpo ilegal. Em Brasília, temos uma seleção de ministros lunáticos, defendendo os piores negacionismos da moda. Nessa onda, a censura avança sobre conteúdos que abordam temas de sexualidade, em polêmicas que explodiram justamente durante o feriado.

Ou seja, com o patriotismo sendo usado como cortina de fumaça para tanta coisa ruim, me resta a constatação de que aquele pão com presunto e queijo foi a melhor coisa que um desfile do Dia da Independência já me rendeu.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 13/9/2019

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Woody Allen de Maurício Dias


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2019
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres - 14/6/2019
03. Lançamentos de literatura fantástica (1) - 1/3/2019
04. O Vosso Reino - 15/11/2019
05. estar onde eu não estou - 1/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pergunte ao Max
Max Gehringer
Globo
(2007)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira Adultérios Coleção Pocket 647
Woody Allen
L&pm Pocket
(2010)



Adeus Volodia
Simone Signoret
Guanabara
(1985)



Recursos Humanos: Principios e tendências
Francisco José Masset Lacombe
Saraiva
(2011)



O Melhor do Design no Litoral Paulista
Club Design Litoral Paulista
Club Design Litoral Paulista
(2017)



Manual Inútil da Televisão (lacrado)
Paulo Henrique Amorim
Hedra
(2016)



Ética fortalecimento de vínculas
Manoela Ferrari
Consultor
(2019)



Vampiros Do Rio Douro 1 e 2
André Vianco
Novo Seculo
(2023)



Olga - A Vida de Olga Benario Prestes
Fernando Morais
Pergaminho
(1991)



Um Gnomo na Minha Horta
Wilson Rocha
Ática
(1993)





busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês