7 de Setembro | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Senac São Paulo abre as portas para atividades voltadas ao protagonismo juvenil
>>> Ribeirão Preto recebe o Teatro Portátil no Dia das Crianças
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dentro da Baleia
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
Mais Recentes
>>> Os Enamoramentos de Javier Marías pela Companhia das Letras (2015)
>>> Tex Almanaque do Faroeste Nº 1 de Bonelli pela Globo (1996)
>>> Persépolis - Completo de Marjane Satrapi pela Quadrinhos Na Cia (2018)
>>> Até Que a Morte os Separe de Nero Blanc pela Ediouro (2005)
>>> Getúlio 1882-1930: Dos Anos de Formação à Conquista do Poder de Lira Neto pela Companhia das Letras (2012)
>>> A Rainha Ginga de José Eduardo Agualusa pela Quetzal (2014)
>>> Escritos - Campo Freudiano no Brasil de Jacques Lacan pela Jorge Zahar (1998)
>>> Star Wars: A Trilogia - Special Edition de George Lucas pela DarkSide (2014)
>>> Squid: The Definitive Guide de Duane Wessels pela O"Reilly (2004)
>>> Tex e os Aventureiros Nº 3 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> O Ritual de Bordeaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2008)
>>> Genetic Algorithms in Search, Optimization and Machine Learning de David E. Goldberg pela Addison Wesley (1997)
>>> 1822 - Edição Juvenil Ilustrada de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2011)
>>> Nem Sempre é Assim de Shunryu Suzuki pela Religare (2003)
>>> O Mundo Emocionante do Romance Policial de Paulo M. E Albuquerque pela Francisco Alves (1979)
>>> Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia de Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson pela Artmed (2017)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2020)
>>> Public-Key Cryptography de Arto Salomaa pela Springer-Verlag (1996)
>>> Rainha do Inverno de Boris Akunin pela Objetiva (2003)
>>> A Travessia de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Coleção 70º Aniversário da 2ª Guerra Mundial - 30 Volumes de Abril Coleções pela Abril Coleções (2009)
>>> Desvendando Margaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2007)
>>> Bio-Inspired Credit Risk Analysis: Computational Intelligence with Support Vector Machines de Lean Yu; Shouyang Wang; Kin Keung Lai; Ligang Zhou pela Springer-Verlag (2010)
>>> A VIda é Cheia de Curvas de Eugenio Mussak pela Abril (2014)
>>> Action Coaching de David L. Dotlich pela Jossey Bass (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/9/2019
7 de Setembro
Luís Fernando Amâncio

+ de 90000 Acessos

No colégio em que eu estudei, estar na quinta série, atual sexto ano, era ter um compromisso cívico: participar do desfile de 07 de Setembro. Para nós, crianças de 10, 11 anos, era uma responsabilidade que recebíamos com indignação. Afinal, era feriado e tínhamos que vestir uniforme e ir para a escola. Não era um bom negócio. Alguns colegas, mais fáceis de se agradar, se davam por satisfeitos com o pão com presunto e queijo que recebíamos antes de ir para o centro.

No fundo, todavia, estávamos felizes com o feriado inusitado. Funcionava quase como um ritual de passagem, uma afirmação de que entrávamos na adolescência. Dava aquele orgulho de estar crescendo, que décadas depois viraria o desespero de estar envelhecendo.

Havia vantagens práticas. Uma semana antes do Dia da Independência, éramos liberados do último horário de aula para treinar o desfile. Estudantes de todas as turmas das primeiras séries colegial eram cuidadosamente distribuídos em filas, por ordem de tamanho, no campo de futebol da escola. Professores nos passavam noções básicas de marcha: o passo, os comandos (sentido!, direita volver!, esquerda volver!, meia volta volver!), o ritmo…

A fanfarra do colégio participava dos ensaios, alternando marchas militares com melodias tocadas no xilofone. Estou falando do final dos anos 1990, então o “Tema da Vitória” era quase obrigatório em qualquer manifestação patriótica. Na frente da fanfarra, iam as balizas, que eram, basicamente, as meninas bonitas da escola vestidas de paquitas e fazendo coreografias com varetas.

Após a semana de ensaios, chegava o grande dia. Ficávamos ali, reclamando pela demora, por não chegar logo a hora de desfilarmos. Sem perceber, estávamos nos divertindo. Um bando de adolescentes reunidos sempre arrumam o que fazer. Horas depois, cumpríamos a complexa tarefa de marchar pela principal avenida da cidade, com uma pequena multidão se espremendo nas calçadas para nos prestigiar.

Por fim, encontrávamos nossos familiares, que nos acompanhavam naquele rito de passagem. Aí, poderíamos esperar o desfile da escola de algum primo ou vizinho e, se estivéssemos realmente engajados no ato cívico, aguardaríamos o desfile dos militares. Minha família não era dessas, a fome apertava e retornávamos para casa.

Mesmo sendo uma criança nascida após a Ditadura Militar, recebi outras doutrinações patrióticas ao longo da formação escolar. Periodicamente, tínhamos que ouvir e fingir cantar o Hino Nacional. Inclusive, havia sempre a polêmica: bater palma depois do hino era desrespeito? Nunca houve consenso. Verde e amarelo, mesmo, a gente só vestia na época da Copa do Mundo. Só a pátria em chuteiras nos comovia.

Eram tempos sem o espectro da Escola Sem Partido. Ou seja, os professores de história podiam ensinar o que diziam os especialistas: que nossa formação como pátria ocorrera a partir da exploração da natureza por uma elite econômica, do genocídio indígena e da escravidão africana.

Também não havia a “ideologia de gênero”, essa lenda urbana que tanto amedronta os “cidadãos de bem”. Sexualidade era tratada em termos estritamente biológicos. Ou seja, víamos ilustrações no livro didático das transformações que explodiam por nossos poros. Enquanto isso, os meninos homossexuais eram isolados pelos colegas como leprosos de décadas atrás. Já os garotos que se vangloriavam por “passar a mão” nas namoradas eram um exemplo a ser seguido. Se fosse sem consentimento, era um gesto de coragem ainda mais valorizado.

São lembranças de mais de 20 anos, um passado envelhecido. O patriotismo em 2019 se tornou pauta eleitoral e os desfiles de 07 de setembro serviram, como nunca, de palanque. Houve governador desfilando em tanque de guerra, primeira-dama de vestido amarelo, criança no carro com o presidente...

Tudo isso enquanto a Amazônia queima em incêndios criminosos que beneficiam o avanço do agronegócio e do garimpo ilegal. Em Brasília, temos uma seleção de ministros lunáticos, defendendo os piores negacionismos da moda. Nessa onda, a censura avança sobre conteúdos que abordam temas de sexualidade, em polêmicas que explodiram justamente durante o feriado.

Ou seja, com o patriotismo sendo usado como cortina de fumaça para tanta coisa ruim, me resta a constatação de que aquele pão com presunto e queijo foi a melhor coisa que um desfile do Dia da Independência já me rendeu.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 13/9/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas de Marcelo Spalding
02. Era uma vez... de Rafael Fernandes


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2019
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres - 14/6/2019
03. Lançamentos de literatura fantástica (1) - 1/3/2019
04. O Vosso Reino - 15/11/2019
05. estar onde eu não estou - 1/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cristianismo - Fraude Ou Fato Histórico?
Josh Mcdowell
Candela
(1999)



Abelhas e Mel - Criação - Extração
Nelson Mello da Lima
Ediouro



No Verão, a Primavera
Lucília J de Almeida Prado
Melhoramentos
(1980)



O Mundo Mágico de Harry Potter
David Colbert
sextante
(2001)



Bandeirismo: Dominacão e Violência
Julio Jose? Chiavenato
Moderna
(1991)



Aristóteles para Todos
Mortimer J. Adler
Realizações
(2010)



Livro - Sequestrado
Robert L. Stevenson
Nova Alexandria
(1996)



Meu Nome não é Johnny
Guilherme Fiuza
record
(2004)



Alma Paulista
Arnaldo Antunes
Abooks



O Livro Vermelho do Sexo sem Vergonha
Rose Villela
Novo Século
(2019)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês