7 de Setembro | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
Mais Recentes
>>> Guia do Estressado de Rosana Ferrão pela Aeroplano
>>> A Arte da Guerra de James Clavel pela Record (2002)
>>> Poesia na Varanda de Sonia Junqueira; Flavio Fargas pela Autêntica (2012)
>>> A Falta Que Ela Me Faz de Fernando Sabino pela Record
>>> Quem Manda na Minha Boca Sou Eu! de Ruth Rocha pela Ática (2007)
>>> Propósito - a Coragem de Ser Quem Samos de Sri Prem Baba pela Sextante (2016)
>>> O Inglês; Tal Qual Se Fala no Presente sem Auxílio de Professor de M. Oliveira Malta pela Cia. Brasil (1960)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> Administração Estratégica 2 Edição de Varios pela Pearson (2005)
>>> O Vaqueano de Apolinário Porto Alegre pela Três (1973)
>>> A Casa Iluminada de Alessandro Thomé pela Benvira (2012)
>>> Medicina Alternativa de a a Z - 6ª Edição de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Companhia das Letras (1993)
>>> O Amanha Começa Hoje de Alf Lohne; Charlote F. Lessa; Eduardo Olszewski pela Cpb Didaticos (2013)
>>> 21 Days to the Perfect Dog de Karen Wild pela Hamlyn (2014)
>>> Ligados. Com Ciencias - 3º Ano de Maira Rosa Carnevalle pela Saraiva Didáticos (2015)
>>> Depois Que Vim a Saber... de Elifas Alves pela Teatro Espírita (1983)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Instalações Elétricas de Hélio Crede pela Ltc (1986)
>>> Mensagens do Vento de Aldo Saettone pela Clio (2008)
>>> O Gerente Que Veio do Céu de Floriano Serra pela Gente (2000)
>>> Gramática Texto Análise e Construção de Sentido Caderno de Estudo de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> O Sentido da Vida na Catequese de Isabel Cristina a Siqueira pela Paulus (2014)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2005)
>>> Flores de Kalocsa de Vários Autores pela GyÖrgyi (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/9/2019
7 de Setembro
Luís Fernando Amâncio

+ de 88700 Acessos

No colégio em que eu estudei, estar na quinta série, atual sexto ano, era ter um compromisso cívico: participar do desfile de 07 de Setembro. Para nós, crianças de 10, 11 anos, era uma responsabilidade que recebíamos com indignação. Afinal, era feriado e tínhamos que vestir uniforme e ir para a escola. Não era um bom negócio. Alguns colegas, mais fáceis de se agradar, se davam por satisfeitos com o pão com presunto e queijo que recebíamos antes de ir para o centro.

No fundo, todavia, estávamos felizes com o feriado inusitado. Funcionava quase como um ritual de passagem, uma afirmação de que entrávamos na adolescência. Dava aquele orgulho de estar crescendo, que décadas depois viraria o desespero de estar envelhecendo.

Havia vantagens práticas. Uma semana antes do Dia da Independência, éramos liberados do último horário de aula para treinar o desfile. Estudantes de todas as turmas das primeiras séries colegial eram cuidadosamente distribuídos em filas, por ordem de tamanho, no campo de futebol da escola. Professores nos passavam noções básicas de marcha: o passo, os comandos (sentido!, direita volver!, esquerda volver!, meia volta volver!), o ritmo…

A fanfarra do colégio participava dos ensaios, alternando marchas militares com melodias tocadas no xilofone. Estou falando do final dos anos 1990, então o “Tema da Vitória” era quase obrigatório em qualquer manifestação patriótica. Na frente da fanfarra, iam as balizas, que eram, basicamente, as meninas bonitas da escola vestidas de paquitas e fazendo coreografias com varetas.

Após a semana de ensaios, chegava o grande dia. Ficávamos ali, reclamando pela demora, por não chegar logo a hora de desfilarmos. Sem perceber, estávamos nos divertindo. Um bando de adolescentes reunidos sempre arrumam o que fazer. Horas depois, cumpríamos a complexa tarefa de marchar pela principal avenida da cidade, com uma pequena multidão se espremendo nas calçadas para nos prestigiar.

Por fim, encontrávamos nossos familiares, que nos acompanhavam naquele rito de passagem. Aí, poderíamos esperar o desfile da escola de algum primo ou vizinho e, se estivéssemos realmente engajados no ato cívico, aguardaríamos o desfile dos militares. Minha família não era dessas, a fome apertava e retornávamos para casa.

Mesmo sendo uma criança nascida após a Ditadura Militar, recebi outras doutrinações patrióticas ao longo da formação escolar. Periodicamente, tínhamos que ouvir e fingir cantar o Hino Nacional. Inclusive, havia sempre a polêmica: bater palma depois do hino era desrespeito? Nunca houve consenso. Verde e amarelo, mesmo, a gente só vestia na época da Copa do Mundo. Só a pátria em chuteiras nos comovia.

Eram tempos sem o espectro da Escola Sem Partido. Ou seja, os professores de história podiam ensinar o que diziam os especialistas: que nossa formação como pátria ocorrera a partir da exploração da natureza por uma elite econômica, do genocídio indígena e da escravidão africana.

Também não havia a “ideologia de gênero”, essa lenda urbana que tanto amedronta os “cidadãos de bem”. Sexualidade era tratada em termos estritamente biológicos. Ou seja, víamos ilustrações no livro didático das transformações que explodiam por nossos poros. Enquanto isso, os meninos homossexuais eram isolados pelos colegas como leprosos de décadas atrás. Já os garotos que se vangloriavam por “passar a mão” nas namoradas eram um exemplo a ser seguido. Se fosse sem consentimento, era um gesto de coragem ainda mais valorizado.

São lembranças de mais de 20 anos, um passado envelhecido. O patriotismo em 2019 se tornou pauta eleitoral e os desfiles de 07 de setembro serviram, como nunca, de palanque. Houve governador desfilando em tanque de guerra, primeira-dama de vestido amarelo, criança no carro com o presidente...

Tudo isso enquanto a Amazônia queima em incêndios criminosos que beneficiam o avanço do agronegócio e do garimpo ilegal. Em Brasília, temos uma seleção de ministros lunáticos, defendendo os piores negacionismos da moda. Nessa onda, a censura avança sobre conteúdos que abordam temas de sexualidade, em polêmicas que explodiram justamente durante o feriado.

Ou seja, com o patriotismo sendo usado como cortina de fumaça para tanta coisa ruim, me resta a constatação de que aquele pão com presunto e queijo foi a melhor coisa que um desfile do Dia da Independência já me rendeu.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 13/9/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pastelão literário na terra do Nobel de Tais Laporta


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2019
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. A Copa, o Mundo, é das mulheres - 14/6/2019
03. Lançamentos de literatura fantástica (1) - 1/3/2019
04. O Vosso Reino - 15/11/2019
05. estar onde eu não estou - 1/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Vestido Perigoso
Julia Holden
Arx
(2007)



Guerreiros de Roma - Rei dos Reis - Vol 2
Harry Sidebottom
Record
(2016)



Talassoterapia Em Casa
Angelika Eder
Pensamento
(2010)



Resumo da Doutrina Cristã
Pe. Oswaldo Baldan
Franciscana
(1973)



El Alma y las Formas y La Teoría de La Novela
Georg Lukács
Grijalbo
(1975)



Como Fazer Inimigos e Alienar Pessoas
Toby Young
Record
(2004)



Paço Imperial - roteiro para visita histórica
Diversos colaboradores
Revista do Patrimônio histórico
(1995)



Friends Forever
Friends Forever (pvt) Ltd
Call & Service Center



El Bosque de Espadas
Eric Lustbader
Atlantida
(1994)



Os últimos lagídios
Helaine Coutinho Sabbadini
Boa Nova
(2006)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês