Guimarães Rosa: linguagem como invenção | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
Mais Recentes
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Quarta-feira, 12/4/2006
Guimarães Rosa: linguagem como invenção
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 11400 Acessos

Grande Sertão: veredas. Em lugar de alguma coisa, restam palavras. Não se pode pensar Guimarães Rosa de outra forma. Por isso, uma narrativa tradicional não lhe serve de nada, pois apenas o levaria às limitações do pensamento lógico, científico e da análise factual ou objetiva do mundo.

Imagine-se o início do Grande sertão: veredas escrito de forma normal: "Não foi nada, não. Os tiros que o senhor ouviu não foram de tiroteio. No quintal, lá embaixo, perto do córrego, distraio-me com tiro ao alvo, para me divertir. Faço isso todos os dias, porque gosto, já desde a minha infância. De lá me chamaram por causa de um bezerro; um bezerrinho branco que nasceu meio mutilado, com uns olhos que nem parecem olhos, e uma cabeça que parece de cão."

Agora, compare-se o original: "Nonada. Tiros que o senhor ouviu foram de briga de homem não. Deus esteja. Alvejei mira em árvore, no quintal, no baixo do córrego. Por meu acerto. Todo dia isso faço, gosto; desde mal em minha mocidade. Daí, vieram me chamar. Causa dum bezerro: um bezerro branco, erroso, olhos de nem ser - se viu -; e com máscara de cachorro."

Evitar a realidade ao máximo e investir na criação de uma linguagem que se basta a si mesma, eis o princípio da arte de Guimarães Rosa. Descrever, como apresentamos na versão normal do trecho do livro, uma criatura disforme com olhos revirados e cabeça de conformação anormal pode ainda ser concebida pela imaginação do leitor e mesmo admitida sem hesitação. Mas, um bezerro "com máscara de cachorro" e com olhos, cuja descrição é deliberadamente evitada ("de nem ver - se viu") já não se enquadra em um simples relato de fatos; caracteriza, isto sim, a precariedade do real sob a força da linguagem.

Óbvio: Guimarães Rosa insere-se numa tradição literária que não quer dar continuidade a uma técnica narrativa tradicional; o que lhe interessa é a idéia de invenção possibilitada pela destruição de formas semânticas e sintáticas tradicionais.

Em Notas sobre a literatura dizia T. W. Adorno: "Se o romance quiser continuar fiel à sua herança realista, e dizer o mundo como realmente é, deverá renunciar a um realismo que, na medida em que reproduz a fachada, contribui apenas para favorecer a sua função de produzir ilusões." Isto é correto, pois a moderna consciência literária tem a certeza de que os fenômenos da realidade não podem ser abarcados como um todo. E Guimarães Rosa está na mesma clave de James Joyce, que reconhece de forma inequívoca a essência inexoravelmente desconexa da vida, e percebe que o objetivo da literatura é rejeitar o mundo das aparências enganosas, a fim de contestar as tradicionais concepções da realidade. Para isso é necessário, antes de mais nada, idealizar uma linguagem inteiramente pessoal, oposta à linguagem concatenada de uma realidade enganosa. Considerações dessa natureza fizeram com que Guimarães Rosa criasse sua linguagem típica, forjando vocábulos inusitados, resultando num manancial imagético surpreendente.

O modelo de linguagem criado pelo autor de Grande sertão, com recursos expressivos adequados, contrapõe-se a toda e qualquer afirmação categórica, a toda e qualquer certeza estabelecida. A não ser, claro, a da possibilidade de uma linguagem inventiva, esta sim, o fato real que o interessa.

"O que falei foi exato? Foi. Mas teria sido? Agora, acho que nem não. (...) De mim, toda mentira aceito. O senhor não é igual? Nós todos. Mas eu fui sempre um fugidor. Ao que fugi até da precisão da fuga. (...) Possível o que é - possível o que foi. E - mesmo - possível o que não foi".

Novamente recorremos a T. W. Adorno que dizia que "inexiste obra de arte moderna de algum valor, que não se deleite com dissonâncias e desarticulações." E é o que Guimarães Rosa faz o tempo todo, fazendo da indeterminação o princípio de sua própria linguagem. Pois sabemos, desde Mallarmé, com seu desejo de escrever um livro sobre nada, que a linguagem se tornou uma coisa autônoma, vindo a ser cada vez mais independente do fato real. Melhor: ela é o fato real.

O uso do enfileiramento de partículas de orações através de amálgamas de vocábulos isolados, bem como por meio de justaposições de palavras provenientes de diversas línguas e regiões (elementos lingüísticos indígenas do tupi-guarani com o português) faz com que a riqueza da arte de Rosa derive das experiências no campo semântico e sintático que acabam por se constituir como uma reflexão sobre a própria insuficiência da nossa linguagem tradicional.

Antigamente o romancista procurava estabelecer, desde o início, uma impressão de realidade, multiplicando dados e datas, que pudessem contribuir para dar ao seu relato o caráter de "cópia" da realidade. No romance moderno o mundo desintegra-se, porque a linguagem também se desmorona do seu sentido habitual. A realidade é fingida, diferente da realidade fictícia.

A literatura de Rosa não pretende chegar a nenhuma observação segura, como não deseja oferecer pontos de referência definitivos ou seguros. Por isso, sua linguagem também não é segura. Na sua criação o autor conta com um estilo próprio, ao qual subordinará todos os demais aspectos. Este estilo, por sua vez, obedece às suas próprias leis, que lhe permitem filtrar de tal forma o idioma específico, que este, uma vez libertado das amarras convencionais, vem a tornar-se indício de algo totalmente diferente.

E como um mestre da linguagem como um fim em si mesma, para além da realidade objetiva, Guimarães Rosa dá um banho de invenção, de surpreendente invenção: "O espaço é tão calado, que ali passa o sussurro da meia-noite às nove horas." Aqui, numa frase, a destruição do tradicional conceito de tempo. O autor sabe que o tempo que divide nossas experiências em horas, não corresponde à realidade; o tempo constitui apenas uma ilusão ordenadora de nossa razão, uma imagem imposta, que de forma alguma equivale à nossa realidade psíquica.

A visão da vida e a visão da linguagem em Rosa se misturam. Pois para ele, "a vida é um mutirão de todos, por todos remexida e temperada", e forçosamente a linguagem que descreve essa vida tem de ser remexida e temperada.

Parafraseando o poeta Carlos Drummond de Andrade, em Guimarães Rosa, "Minas não há mais, o que há é apenas a linguagem."

Termino com uma pérola: "Lei é lei? Loas! Quem julga já morreu. Viver é muito perigoso, mesmo."


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 12/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OFICINAS PEDAGÓGICAS - A ARTE E A MAGIA DO FAZER NA ESCOLA-VOL. 1
MARLY S. MÜTSCHELE; JOSÉ G. FILHO
EDIÇÕES LOYOLA
(1992)
R$ 10,00



PEQUENO PRÍNCIPE, O
EQUIPE COQUETEL
COQUETEL - GRUPO EDIOURO
(2019)
R$ 15,88



MBA COMPACTO - GESTÃO DE PROJETOS
ERIC VERZUH
CAMPUS
(2000)
R$ 12,00



ALGUNS CONTOS & FABULAS: DAS MIL E UMA NOITES
PAULUS
PAULUS
(2000)
R$ 4,00



JANE FONDA
FRED LAWRENCE GUILES
FRANCISCO ALVES
(1983)
R$ 6,50



DISCURSOS, IDENTIDADES E LETRAMENTOS
MARIA APARECIDA RESENDE OTTONI/ MARIA CECÍLIA
ED. CORTEZ
(2014)
R$ 59,40



AS SENHORAS DO TEMPO
MARIA DA GRAÇA LORENZETTO
TEXTONOVO
(1998)
R$ 15,00



TUDO OU NADA
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(2006)
R$ 4,80



REVOLUÇÃO NO VALE ENCANTADO AUTOGRAFADO
WILSON DE LIMA BASTOS
KEMPF
R$ 10,00



ROBINHOOD
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês