Renato Russo: arte e vida | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Próxima Live do Grupontapé será realizada com o ator e diretor teatral do Grupo Galpão de Belo Horiz
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feeling lucky today?
>>> Sou, de Marcelo Camelo
>>> 17 de Setembro #digestivo10anos
>>> Valsa para Bruno Stein
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Graaande Michael Jackson
>>> Sacumé?
>>> BizarroBlog by Dan Piraro
>>> Melhor que o JB
>>> Como se faz um best-seller
Mais Recentes
>>> O Sentido da Vida - de Bradley Trevor Greive - Trad. Luis Fernando Verissimo pela Sextante (2002)
>>> Curso Básico de Astrologia 3 Volumes de Marion D. March e Joan Mcevers pela Pensamento (1989)
>>> Movimento Estudantil e Consciência Social de J. A. Guilhon Albuquerque pela Paz e Terra (1977)
>>> Macário de Álvares de Azevedo pela Francisco Alves (1987)
>>> Terra das Mulheres de Charlotte Perkins Gilman pela Rosa dos Tempos (2018)
>>> Dener - O Luxo de Dener Pamplona de Abreu pela Laudes (1972)
>>> Contos de cães e maus lobos de Valter Hugo Mãe pela Biblioteca Azul (2018)
>>> Cancer de André Barbault pela Seuil (1989)
>>> Só os animais salvam de Ceridwen Dovey pela Darkside (2017)
>>> José de Alencar de Israel de Souza Lima pela Abl (2010)
>>> Mude o país, discuta a política de Pedrinho Guareschi, Áurea Tomatis Petersen e Elizabt Kieling Pedroso pela Fetee-Sul (1998)
>>> Ultra Carnem de Cesar Bravo pela Darkside (2016)
>>> Kamasutra de Vatsyayana pela Ediouro (1997)
>>> A instituição e as instituições - estudos psicanaliticos de R. Kaës , Bleger, Enriquez, Roussillon,vidal pela Casa do psicologo (1991)
>>> A ridícula ideia de nunca mais te ver de Rosa Montero pela Todavia (2019)
>>> Orientação vocacional - a estrategia clinica de Rodolfo bohoslavsky pela Martins fontes (1996)
>>> Deficiencia e propensoes do ser humano de Carlos brenardo gonzales pacotche pela Logosofica (2012)
>>> A criança adotiva e suas famílias de Nazir Hamad pela Companhia de freud (2002)
>>> Desenvolvimento clínico de Melanie klein de Donald meltzer pela Escuta (1990)
>>> O perigo alemão e a repressão policial no Estado Novo de Priscila Ferreira Perazzo pela Imprensa Oficial SP (1999)
>>> Andarilhos de Maurício Melo Júnior pela Bagaço (2007)
>>> Classic Rock Magazine 277 August 2020 de 100 Gratest Songs pela TeamRock (2020)
>>> Classic Rock Magazine 275 June 2020 de Blues Explosion! pela TeamRock (2020)
>>> Guia dos Remédios de Dr. Darcy Roberto Lima pela Brasil S.A (1988)
>>> O homem desenraizado de Tzvetan Todorov pela Record (1999)
>>> Para além do Pórtico de Marcos Vinicius Vilaça pela Consultor (2019)
>>> Classic Rock Magazine 272 March 2020 de The Black Crowes pela TeamRock (2020)
>>> A Luta de Classes no Brasil e o PCB - vol. 1 de Dinarco Reis pela Novos Rumos
>>> Tempestade na proa de Gabriel Nascente pela Grafset (2006)
>>> Operário do Livro de Leonídio Balbino pela Ler (2009)
>>> Versos; Vibrações - Autregésilo de Athayde de Júlia Cortines pela Abl (2010)
>>> Classic Rock Magazine 273 April 2020 de Ac/Dc pela TeamRock (2020)
>>> Rosário de Lembranças de Lita Passos pela Vento Leste (2011)
>>> Estudios Del Trabajo n. 36 de Vários pela Aset (2008)
>>> Nós e os outros. A reflexão francesa sobre a diversidade humana 1 de Tzvetan Todorov pela Jorge Zahar (1993)
>>> Rejeite a preocupação e viva em paz de Silas Malafaia pela Central (2009)
>>> Classic Rock Magazine 274 May 2020 de Rush pela TeamRock (2020)
>>> Expírito: Multiversos de Ruben Mejia pela Escrituras (1995)
>>> Fragmentos y despojos de Harold Alvarado Tenorio pela Arquitrave (2002)
>>> Classic Rock Magazine 276 July 2020 de The Beatles pela TeamRock (2020)
>>> Jugar con la palabra de Juan Cameron pela Lom (2003)
>>> Jazz: das raízes ao pós-bop de Augusto Pellegrini pela Códex (2004)
>>> Más allá de mis manos de Stefaan van den Bremt; Marco Antonio Campos pela Colibri (2006)
>>> Estudios del Trabajo n. 20 de Vários pela Aset (2000)
>>> Malidrânia. Relatos de Adriano Espínola pela Topbooks (2009)
>>> A Realidade Oculta de Brian Greene pela Companhia das Letras (2012)
>>> Sonetos de Jorge Tufic pela Ufc (2000)
>>> A linha Extrema de Majela Colares pela Calliban (1999)
>>> Mais Esperto que o Diabo de Napoleon Hill pela Cdg (2015)
>>> Os Deuses Malditos de Delermando Vieira pela Ucg (2018)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quarta-feira, 26/7/2006
Renato Russo: arte e vida
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Os assassinos estão livres, nós não estamos"
Renato Russo em "O Teatro dos Vampiros"

Para os verdadeiros artistas não existe uma separação entre arte e vida. Essa separação esquizofrênica só existe para os acadêmicos, que se acostumaram a pensar apenas com a cabeça e não com as vísceras. E se vamos falar em Renato Russo, o que interessa são as entranhas e não o raquítico cérebro.

Existe uma tradição dentro do rock de uma espécie de artista maldito, semelhante à mesma tradição que existe na literatura com nomes como o de Rimbaud, Verlaine, Lautreamont e Oscar Wilde. No caso do rock, a tradição é marcada pelo abuso de álcool, cocaína, alucinógenos e sexo (às vezes com o tempero do homossexualismo declarado e/ou transformismo encenado). Esta tradição existe também na filosofia, na música, na pintura, no teatro e no cinema como foram os casos de Nietzsche, Charlie Parker, Van Gogh, Antonin Artaud, Bukowski, Kerouac, Pasolini (para citar apenas alguns). Se eu fosse falar do jazz, mencionaria Charlie Parker e Billie Holliday apenas para não esquecer deste estilo também grandioso nas suas pulsões incontroláveis. Sem esses casos, com certeza a arte e o pensamento seriam apenas um exercício masturbatório e ralo de intelectuais acadêmicos.

No caso do rock, que também necessita do fertilizante da loucura e da vida intensa (existe diferença?), temos os nomes de Jim Morrison, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Cazuza, Cássia Eller, dentre outros tantos não menos importantes. São figuras que levaram a arte mais a sério que a própria vida. Merecem o pedestal por isso, além de outras virtudes que comentaremos em seguida. Para ser mais preciso, e é bom ser preciso neste momento, não separaram a arte da vida e fizeram da própria vida uma obra de arte. Conectando criação e existência, compuseram para nós, simples mortais, músicas que brotavam de seus sentimentos mais profundos, como uma espécie de extensão física de seu próprio interior em efervescência.

Vamos nos deter agora no caso específico de Renato Russo. Quando olhamos ou ouvimos o som do Legião Urbana é evidente que o que nos atrai imediatamente é a presença de Renato Russo, como quando ouvimos o The Doors e não conseguimos sentir senão a presença peremptória de Jim Morrison. O mesmo ocorre quando ouvimos o Barão Vermelho e só pensamos em Cazuza. Não se trata de desprezar os outros músicos que, por sua vez, sustentam de alguma forma a presença dessas figuras à frente do palco. A questão é que estes nomes citados, e o Renato Russo é um deles, conseguem acumular em si mesmos uma força poética e uma presença sedutora que acabam por silenciar os outros componentes da banda. E não é apenas pelo fato de que eles são os cantores que isso acontece, se não nem lembraríamos do nome de Jimmy Page, do Led Zepellin, para ficar com apenas um exemplo. Não, o caso é mais complexo e diz respeito à própria força presencial dessas figuras, à sua capacidade de terem uma dimensão artística que supera a presença dos outros membros, de trazerem em si todas as tensões existenciais que o público recebe como uma bomba sobre suas vidas.

Um show começa. Renato Russo está diante do microfone, empunha-o como se fosse uma arma. A arte é perigosa. Numa república de conformados, então, mais ainda. Olha para o público com uma certa timidez. Mas não é isso, é a alma melancólica de poeta perigoso ameaçando nossas seguranças compradas com cartão de crédito que se impõe. Angústia, dor, solidão, ódio, descrença, crítica à estupidez política tupiniquim. Sua voz expressa o calor de um caldeirão incendiado pelo brilho e horror da vida, tudo ao mesmo tempo. "Parece cocaína, mas é só tristeza".

Para Renato Russo a arte e o álcool substituem a gilete que sangraria o pulso ou o coquetel molotov (tão necessário, às vezes) que poderia levá-lo à prisão. Necessidades de quem conhece as perversidades da vida e se sente incomodado com elas. Por isso, empunhar o microfone é coisa séria, angústia primitiva, fruto de uma necessidade vital de estar dentro do rock e da vida como o rock e a vida estão dentro dele. Tornar-se músico é responder a essa vibração de uma forma efetiva. É também querer ter um instrumento de contaminação para todos que passarem por perto.

Concentram-se na sua voz a ira política, numa crítica feroz ao nosso otimismo forjado pelos poderosos: "Nas favelas, no senado, sujeira por todo lado... e todos acreditam no futuro da nação... que país é este?", e a dor do amor: "A tempestade que chega é da cor dos seus olhos". E também há ainda a doçura melancólica: "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã" ou "sempre precisei de um pouco de atenção... esse é o nosso mundo". Quem não se rende?

O público de Renato Russo é fiel, ligado a ele por uma intensidade sentimental-artística juvenil, rebelde, inconsolável, selvagem. Quando Renato pergunta: "Que país é esse?". A resposta é imediata e certeira: "É a merda do Brasil".

Sim, resposta certeira; ou alguém consegue ser otimista num país em que negros são abatidos como vermes por forças repressivas que os transformam em marginais apenas por causa de sua cor, onde crianças crescem ao lado de esgotos a céu aberto, onde mães deitam lágrimas sobre filhos que dormem chorando sem um mísero copo de leite para matar sua fome noturna, onde doentes morrem em filas de espera que mais lembram campos de concentração nazista, onde o projeto educacional do governo não é mais que uma fraude ou piada, onde os políticos são apenas uma ameaça aos bens públicos?

O tipo de voz que sempre precisamos é como a de Renato Russo, dolorida, sincera, feroz, crítica, amarga, melancólica, descrente, arrasante, cristalizada pelo pó da dor e perfumada pelo álcool do amor, soltando a fumaça da poesia como um xamã que revela o teatro de sombras que é a nossa existência: grandiosa e medíocre, fugaz e brilhante - ao mesmo tempo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A proposta libertária de Gian Danton
02. USP: 75 anos de histórias várias de Elisa Andrade Buzzo
03. Dê-me liberdade e dê-me morte de Eduardo Mineo
04. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum de Marcelo Spalding
05. Contato com o freguês de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
01h49min
Seria Renato Russo uma reencarnação de Nostradamus? "Os assassinos estão livres, nós não estamos”. Tem verdade mais atual e verdadeira do que essa?
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
26/7/2006
19h32min
se o poeta é a antena da raça, Russo acabou desvendando uma fatia de nossa tragédia tupiniquim.
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROBLEMAS DEPOIS DO SIM
SPARTACO LUCARINI
CIDADE NOVA
R$ 12,00



PAIN AND ITS CLINICAL MANAGENT VOL. 52 Nª 1 THE MEDICAL CLINICS OF ...
JAMES E. ECKENHOFF
W B SAUNDERS
(1968)
R$ 17,00



FUNDAMENTOS TEÓRICOS E PRÁTICA EDUCATIVA DAS CIÊNCIAS HUMANAS
DANIELA DOS SANTOS SOUZA E OUTROS
IESDE
(2008)
R$ 7,90



THE WRITERS SELECT THEIR OWN FAVORITES: NEW AMERICAN SHORT STORIE
GLORIA NORRIS(EDITOR)
PLUME
(1987)
R$ 26,28



THE INTERNATIONAL ENCYCLOPEDIA OF FILM
EPHRAIM KATZ
PAPERMAC
(1982)
R$ 69,82



O ANALISTA DE BAGÉ
LUIS FERNANDO VERÍSSIMO
RECORD
R$ 7,00



CONHECENDO SOBRE O JUDAÍSMO CRISTIANISMO E ISLAMISMO
PAULO AUDEBERT DELAGE
NOSSA MISSÃO
(2018)
R$ 21,26



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY PETER LANDLESS
NOVO TEMPO
(2014)
R$ 5,00



O PAPEL DO TRABALHO NA TRANSFORMAÇÃO DO MACACO EM HOMEM
F. ENGELS
GLOBAL
(1986)
R$ 52,00



CAPITAL-TRABALHO - O DESAFIO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS
JEAN PIERRE MARRAS
SARAIVA
(2012)
R$ 40,00





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês