Oficina literária com Michel Laub | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/11/2008
Oficina literária com Michel Laub
Débora Costa e Silva

+ de 4900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Foi por e-mail que começamos a ter aulas com Michel Laub. Uma semana antes de dar início à sua oficina de criação literária na Academia Internacional de Cinema, ele mandou uma mensagem para os alunos pedindo que escolhessem algum colega da sala e escrevessem um texto apresentando essa pessoa. Pareceu fácil, ainda mais para uma turma de 20 pessoas que se integrou rápido, freqüentava o bar depois da aula e trocava e-mails constantemente. O exercício foi tido por quase todos como uma brincadeira e uma forma de homenagear algum dos amigos ― mal sabíamos o que nos aguardava.

Imagine todas essas pessoas que gostam de escrever (seja conto, crônica, piada ou poesia), pós-oficina do Marcelino Freire (que, apesar de muito cortar os textos e alertar todos sobre vícios e clichês, acabou fazendo a maioria se desprender da timidez e de alguns pudores com exercícios divertidos, como o de produzir um conto erótico), já mais à vontade para ler textos uns na frente dos outros, prontas para soltar o verbo se deparando com um sujeito sério, de fala miúda e olhar intimidante.

Pois é, o impacto com a presença em sala de Michel Laub. "Não vim aqui elogiar texto de ninguém, deixo isso para os amigos e parentes", bombardeou de início. Alguns preferiram guardar a cartinha que escreveram sobre o colega para mais tarde, enquanto outros mais corajosos resolveram encarar de frente o leão que estava prestes a nos devorar a partir da primeira vírgula errada.

Foi uma aula difícil para todos nós. As críticas foram duras, cruéis de se ouvir. O leão não foi nada sorrateiro, atacou e tirou pedaço, sim, que eu sei de muita gente que voltou para casa aquele dia com pelo menos alguma lasquinha a menos. Mas acredito que uma das grandes funções de um curso de criação literária é essa: destruir, para depois reconstruir diferente, renovado, consciente. Mais do que aprender a escrever, ler e perder a vergonha de mostrar seus textinhos, estar exposto em uma oficina dessas serve principalmente para aprender (ou pelo menos tentar) a receber críticas e a digeri-las. E foi isso (e mais um tanto de outras coisas) que Michel Laub nos ensinou.

Exercícios
Ainda atordoados com o bombardeio, recebemos de Laub um texto de Rubem Fonseca, Os músicos. Por ser curto (e muito bom), o professor nos passou a "missão impossível": cortar o texto e reescreve-lo. Mas o que cortar naquele texto? Qualquer detalhe a menos tirava a riqueza da descrição do ambiente que o autor propunha e o conto parecia perder o sentido. Foi para percebermos a importância da ambientação de uma história que ele nos deu essa tarefa. Como lição de casa, escrever um conto, com o enredo que fosse, mas que trouxesse pelas palavras a descrição de um cenário, instaurando um clima e trazendo à tona as sensações que quiséssemos despertar no leitor.

Na aula seguinte, entre receosos e coléricos, os que se encorajaram a comparecer e a levar seus textos, tiveram uma nova impressão. A experiência ainda foi dolorosa, afinal, Laub não poupou suas críticas. Só que, diferente da primeira vez, a proposta foi levada mais a sério pelos alunos, que estavam com mais garra, pois foram armados para o combate de metáforas e crases. Ele analisava os contos sempre de duas óticas: linguagem e narrativa. Dessa forma detalhada e organizada de se avaliar os escritos ― que a primeira impressão nebulosa da primeira aula não nos deixou perceber de início ―, nós, alunos da oficina, pudemos ver que, quando era o caso, ele também sabia reconhecer um texto bem escrito ou uma história interessante.

Com um clima mais ameno, as aulas que se seguiram fluíram melhor e os exercícios começaram a se encaixar e se completar. Após escrevermos focando a ambientação, o segundo exercício chamava a atenção para o tempo narrativo de um conto. Com trechos de textos de Philip Roth (O teatro de Sabath) e Gabriel García Márquez (Cem anos de solidão), Laub deu eexemplos de quando um escritor quer retardar o tempo de uma narrativa. Este recurso pode transformar, por exemplo, uma ação que dura um minuto em 60 páginas. Com um trecho do livro Até o dia em que o cão morreu, de Daniel Galera, o professor mostrou o efeito inverso: passagem de tempo acelerada, quando se conta, por exemplo, em uma linha, algo que demorou anos para acontecer.

Nas outras aulas, Laub trabalhou com os alunos da oficina as diferentes possibilidades que temos ao utilizar o narrador em primeira ou terceira pessoa. "Em primeira pessoa, podemos trabalhar com a ambigüidade e deixar que o leitor descubra o que realmente acontece na história", disse. Ele dividiu os tipos de narração em primeira pessoa em quatro: culto, inculto, literária e oral. A primeira pessoa culta é aquela cuja presença no texto, por meio das ações e da linguagem, revela um conhecimento geral da narrativa (Bentinho em Dom Casmurro, de Machado de Assis, por exemplo). Já a inculta vai descobrindo o que se passa e o que está por vir ao longo do desenvolvimento do texto (um exemplo é Nick Carraway em O grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald). A primeira pessoa oral é aquela cuja presença na narrativa é objetiva, com ações diretas e não-reflexivas e com uma linguagem mais simples, seca e precisa (como Frederic Henry, de Adeus às armas, de Ernest Hemingway). Por fim, a literária é aquela que, pelo uso de metáforas, metonímias e construção de imagens, torna-se auto-reflexiva (como o médico, de Os cus de Judas, de António Lobo Antunes).

Quando apresentou as variações de uma narrativa em terceira pessoa, Laub também dividiu em algumas categorias as possibilidades que o escritor tem neste caso. Algumas são mais próximas do cinema (narrador-câmera), por descreverem sobre uma cena ou história como uma câmera que passa pelo lugar e apenas expõe o que existe lá. Esse tipo de narrativa está no extremo da classificação feita por ele, em que mede o grau de intromissão que o narrador tem na história. No outro extremo, Laub coloca o narrador intruso, que praticamente conversa com o leitor de tanto que chama sua atenção para o que está narrando. Existe também o narrador onisciente, que expõe todos os "lados" de uma mesma história: ele sabe de tudo, sob a ótica de todos os personagens e conta tudo ao leitor. Há ainda o narrador onisciente seletivo, que escolhe para narrar apenas um ponto de vista de uma história. Por fim, existe o narrador neutro, que faz algo próximo ao do narrador-câmera, mas ainda consegue imprimir um pouco de ação e descrição, que é totalmente inexistente no outro.

Leitura
Já mais habituados e lidando melhor com a crítica, nos deparamos com outro problema, muito comum e recorrente, inclusive, ao longo da oficina: os alunos quase não liam os textos dos colegas. Assim como nas outras aulas com Márcia Tiburi, Rodrigo Petrônio e Marcelino Freire, na oficina de Laub o procedimento era o mesmo: ele pedia que enviássemos o texto do exercício por e-mail com certa antecedência para todos; assim, no dia da aula, todos os alunos poderiam opinar sobre os textos dos outros. Para Michel Laub, o exercício da escrita é tão importante quanto o da leitura, e sem exercemos o hábito de ler com um olhar mais crítico, a evolução do nosso próprio texto fica defasada. Mas essa era uma situação rara, quase ninguém estava conseguindo se organizar para ler toda a produção da oficina e opinar junto com o Laub.

Então, ele propôs que, para a última aula, nos organizássemos para que cada um lesse pelo menos um conto de algum colega e seguíssemos um guia preparado por ele para dissecar o texto. Divididas em dois tópicos (linguagem e narrativa), as perguntas e observações que deveriam ser feitas ao ler o conto eram sobre a clareza da história, além de notar se havia ambigüidades (e se eram ou não propositais), clichês e frases enfeitadas que poderiam ser reduzidas. O guia também nos dizia para prestar a atenção se o tom da narrativa (sério, irônico, formal) condizia com a história, se a escolha do ponto de vista (primeira ou terceira pessoa), dos diálogos, descrições etc. eram adequadas, se havia verossimilhança nos personagens, entre outras coisas.

Na oficina de Michel Laub, cavamos fundo nos textos, discutimos palavra por palavra sua função e importância no contexto. Destruímos para poder reconstruir. Foi graças à sua forma metódica e detalhista de analisar os trabalhos que pudemos pensar com mais cautela no que escrevemos e nos questionar sempre: o que quero dizer com este conto? O susto que nos deu no começo foi essencial para podermos levar mais a sério nossa produção e encarar a crítica como meta e desafio a superar. No final da oficina, Laub extrapolou o óbvio e nos fez exercitar também nosso lado crítico. Colocamos em prática e vimos a eficácia da velha idéia de que, para se escrever bem, é preciso ler bem. Às vezes só é possível olhar diferente para o que fazemos depois de sermos orientados a olhar diferente para o que vem de fora.

Para ir além
Academia Internacional de Cinema


Débora Costa e Silva
São Paulo, 6/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
02. Projeto Itália ― Parte I de Eduardo Mineo
03. A Literatura na poltrona de Luiz Rebinski Junior
04. Road-book em alta velocidade de Marília Almeida
05. Paulo Francis não morreu de Tais Laporta


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva em 2008
01. Depois do sexo... - 11/9/2008
02. A crítica musical - 10/4/2008
03. Diário de uma desempregada - 1/5/2008
04. A preparação de um romance - 22/5/2008
05. Sex and the City - 19/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/11/2008
14h21min
Venho acompanhando seus textos sobre as oficinas. São ótimos, além de serem de grande valia. Compilei os links desses artigos num post em meu blog. Dicas de mestres são sempre válidas, e nada melhor do que fazê-las circular, para que sejam devidamente praticadas. Parabéns por dividir conosco essas experiências.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
10/12/2008
12h02min
Eu quero participar de oficinas assim... pena não ter nenhuma em minha cidade...
[Leia outros Comentários de Bruna Célia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS CINCO PESSOAS QUE VOCÊ ENCONTRA NO CÉU
MITCH ALBOM
ARQUEIRO
(2004)
R$ 8,01



A CARÍCIA ESSENCIAL - UMA PSICOLOGIA DE AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1988)
R$ 10,00



TALES OF HORROR
BRAM STOKER
HEINEMANN
(1992)
R$ 26,00



DISCURSOS CONFERÊNCIAS E ENTREVISTAS
VASCO GONÇALVES
SEARA NOVA
(1977)
R$ 10,00



CRÔNICAS DA ALDEIA
LIRA NETO
ARMAZÉM DA CULTURA
(2014)
R$ 45,00



SOCIOLOGIAS: VIOLÊNCIA, MEDO E PREVENÇÃO
IFCH/UFRGS
IFCH/UFRGS
(2008)
R$ 20,00



UI ! - AUTOGRAFADO
ROSA PENA
ALL PRINT
(2007)
R$ 9,80



A GAROTA AMERICANA
MEG CABOT
RECORD
(2004)
R$ 8,00



AMANTES INFIEIS
NORAH LOFTS
RECORD
(1970)
R$ 7,00



A PARTE GERAL DO NOVO CÓDIGO CIVIL
COORDENADOR: GUSTAVO TEPEDINO
RENOVAR
(2003)
R$ 99,00





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês