Oficina literária com Michel Laub | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Mais Recentes
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
>>> 120 Minutos para Blindar Seu Casamento de Renato Cardoso; Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> 120 Músicas Favoritas para Piano 8 Edição, Livro Raro! de Mário Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1961)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro da Criança de 1 a 3 Anos de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro do Seu Bebê de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 13 Chaves para Compreender o Fim dos Tempos de Tim Lahaye; Ed Hindson pela Central Gospel
>>> 13 Mulheres e um Colar de Diamantes de Cheryl Jarvis pela Fontanar (2010)
>>> 1922 a Semana Que Não Terminou de Marcos Augusto Gonçalves pela Companhia das Letras (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/11/2008
Oficina literária com Michel Laub
Débora Costa e Silva

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Foi por e-mail que começamos a ter aulas com Michel Laub. Uma semana antes de dar início à sua oficina de criação literária na Academia Internacional de Cinema, ele mandou uma mensagem para os alunos pedindo que escolhessem algum colega da sala e escrevessem um texto apresentando essa pessoa. Pareceu fácil, ainda mais para uma turma de 20 pessoas que se integrou rápido, freqüentava o bar depois da aula e trocava e-mails constantemente. O exercício foi tido por quase todos como uma brincadeira e uma forma de homenagear algum dos amigos ― mal sabíamos o que nos aguardava.

Imagine todas essas pessoas que gostam de escrever (seja conto, crônica, piada ou poesia), pós-oficina do Marcelino Freire (que, apesar de muito cortar os textos e alertar todos sobre vícios e clichês, acabou fazendo a maioria se desprender da timidez e de alguns pudores com exercícios divertidos, como o de produzir um conto erótico), já mais à vontade para ler textos uns na frente dos outros, prontas para soltar o verbo se deparando com um sujeito sério, de fala miúda e olhar intimidante.

Pois é, o impacto com a presença em sala de Michel Laub. "Não vim aqui elogiar texto de ninguém, deixo isso para os amigos e parentes", bombardeou de início. Alguns preferiram guardar a cartinha que escreveram sobre o colega para mais tarde, enquanto outros mais corajosos resolveram encarar de frente o leão que estava prestes a nos devorar a partir da primeira vírgula errada.

Foi uma aula difícil para todos nós. As críticas foram duras, cruéis de se ouvir. O leão não foi nada sorrateiro, atacou e tirou pedaço, sim, que eu sei de muita gente que voltou para casa aquele dia com pelo menos alguma lasquinha a menos. Mas acredito que uma das grandes funções de um curso de criação literária é essa: destruir, para depois reconstruir diferente, renovado, consciente. Mais do que aprender a escrever, ler e perder a vergonha de mostrar seus textinhos, estar exposto em uma oficina dessas serve principalmente para aprender (ou pelo menos tentar) a receber críticas e a digeri-las. E foi isso (e mais um tanto de outras coisas) que Michel Laub nos ensinou.

Exercícios
Ainda atordoados com o bombardeio, recebemos de Laub um texto de Rubem Fonseca, Os músicos. Por ser curto (e muito bom), o professor nos passou a "missão impossível": cortar o texto e reescreve-lo. Mas o que cortar naquele texto? Qualquer detalhe a menos tirava a riqueza da descrição do ambiente que o autor propunha e o conto parecia perder o sentido. Foi para percebermos a importância da ambientação de uma história que ele nos deu essa tarefa. Como lição de casa, escrever um conto, com o enredo que fosse, mas que trouxesse pelas palavras a descrição de um cenário, instaurando um clima e trazendo à tona as sensações que quiséssemos despertar no leitor.

Na aula seguinte, entre receosos e coléricos, os que se encorajaram a comparecer e a levar seus textos, tiveram uma nova impressão. A experiência ainda foi dolorosa, afinal, Laub não poupou suas críticas. Só que, diferente da primeira vez, a proposta foi levada mais a sério pelos alunos, que estavam com mais garra, pois foram armados para o combate de metáforas e crases. Ele analisava os contos sempre de duas óticas: linguagem e narrativa. Dessa forma detalhada e organizada de se avaliar os escritos ― que a primeira impressão nebulosa da primeira aula não nos deixou perceber de início ―, nós, alunos da oficina, pudemos ver que, quando era o caso, ele também sabia reconhecer um texto bem escrito ou uma história interessante.

Com um clima mais ameno, as aulas que se seguiram fluíram melhor e os exercícios começaram a se encaixar e se completar. Após escrevermos focando a ambientação, o segundo exercício chamava a atenção para o tempo narrativo de um conto. Com trechos de textos de Philip Roth (O teatro de Sabath) e Gabriel García Márquez (Cem anos de solidão), Laub deu eexemplos de quando um escritor quer retardar o tempo de uma narrativa. Este recurso pode transformar, por exemplo, uma ação que dura um minuto em 60 páginas. Com um trecho do livro Até o dia em que o cão morreu, de Daniel Galera, o professor mostrou o efeito inverso: passagem de tempo acelerada, quando se conta, por exemplo, em uma linha, algo que demorou anos para acontecer.

Nas outras aulas, Laub trabalhou com os alunos da oficina as diferentes possibilidades que temos ao utilizar o narrador em primeira ou terceira pessoa. "Em primeira pessoa, podemos trabalhar com a ambigüidade e deixar que o leitor descubra o que realmente acontece na história", disse. Ele dividiu os tipos de narração em primeira pessoa em quatro: culto, inculto, literária e oral. A primeira pessoa culta é aquela cuja presença no texto, por meio das ações e da linguagem, revela um conhecimento geral da narrativa (Bentinho em Dom Casmurro, de Machado de Assis, por exemplo). Já a inculta vai descobrindo o que se passa e o que está por vir ao longo do desenvolvimento do texto (um exemplo é Nick Carraway em O grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald). A primeira pessoa oral é aquela cuja presença na narrativa é objetiva, com ações diretas e não-reflexivas e com uma linguagem mais simples, seca e precisa (como Frederic Henry, de Adeus às armas, de Ernest Hemingway). Por fim, a literária é aquela que, pelo uso de metáforas, metonímias e construção de imagens, torna-se auto-reflexiva (como o médico, de Os cus de Judas, de António Lobo Antunes).

Quando apresentou as variações de uma narrativa em terceira pessoa, Laub também dividiu em algumas categorias as possibilidades que o escritor tem neste caso. Algumas são mais próximas do cinema (narrador-câmera), por descreverem sobre uma cena ou história como uma câmera que passa pelo lugar e apenas expõe o que existe lá. Esse tipo de narrativa está no extremo da classificação feita por ele, em que mede o grau de intromissão que o narrador tem na história. No outro extremo, Laub coloca o narrador intruso, que praticamente conversa com o leitor de tanto que chama sua atenção para o que está narrando. Existe também o narrador onisciente, que expõe todos os "lados" de uma mesma história: ele sabe de tudo, sob a ótica de todos os personagens e conta tudo ao leitor. Há ainda o narrador onisciente seletivo, que escolhe para narrar apenas um ponto de vista de uma história. Por fim, existe o narrador neutro, que faz algo próximo ao do narrador-câmera, mas ainda consegue imprimir um pouco de ação e descrição, que é totalmente inexistente no outro.

Leitura
Já mais habituados e lidando melhor com a crítica, nos deparamos com outro problema, muito comum e recorrente, inclusive, ao longo da oficina: os alunos quase não liam os textos dos colegas. Assim como nas outras aulas com Márcia Tiburi, Rodrigo Petrônio e Marcelino Freire, na oficina de Laub o procedimento era o mesmo: ele pedia que enviássemos o texto do exercício por e-mail com certa antecedência para todos; assim, no dia da aula, todos os alunos poderiam opinar sobre os textos dos outros. Para Michel Laub, o exercício da escrita é tão importante quanto o da leitura, e sem exercemos o hábito de ler com um olhar mais crítico, a evolução do nosso próprio texto fica defasada. Mas essa era uma situação rara, quase ninguém estava conseguindo se organizar para ler toda a produção da oficina e opinar junto com o Laub.

Então, ele propôs que, para a última aula, nos organizássemos para que cada um lesse pelo menos um conto de algum colega e seguíssemos um guia preparado por ele para dissecar o texto. Divididas em dois tópicos (linguagem e narrativa), as perguntas e observações que deveriam ser feitas ao ler o conto eram sobre a clareza da história, além de notar se havia ambigüidades (e se eram ou não propositais), clichês e frases enfeitadas que poderiam ser reduzidas. O guia também nos dizia para prestar a atenção se o tom da narrativa (sério, irônico, formal) condizia com a história, se a escolha do ponto de vista (primeira ou terceira pessoa), dos diálogos, descrições etc. eram adequadas, se havia verossimilhança nos personagens, entre outras coisas.

Na oficina de Michel Laub, cavamos fundo nos textos, discutimos palavra por palavra sua função e importância no contexto. Destruímos para poder reconstruir. Foi graças à sua forma metódica e detalhista de analisar os trabalhos que pudemos pensar com mais cautela no que escrevemos e nos questionar sempre: o que quero dizer com este conto? O susto que nos deu no começo foi essencial para podermos levar mais a sério nossa produção e encarar a crítica como meta e desafio a superar. No final da oficina, Laub extrapolou o óbvio e nos fez exercitar também nosso lado crítico. Colocamos em prática e vimos a eficácia da velha idéia de que, para se escrever bem, é preciso ler bem. Às vezes só é possível olhar diferente para o que fazemos depois de sermos orientados a olhar diferente para o que vem de fora.

Para ir além
Academia Internacional de Cinema


Débora Costa e Silva
São Paulo, 6/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que te move? de Fabio Gomes
02. Dreadlocks de Guilherme Pontes Coelho
03. O novo frisson da Copa de Jardel Dias Cavalcanti
04. Projeto Itália ― Parte I de Eduardo Mineo
05. Propostas para o nosso milênio (I) de Marcelo Spalding


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva em 2008
01. Depois do sexo... - 11/9/2008
02. A crítica musical - 10/4/2008
03. Diário de uma desempregada - 1/5/2008
04. A preparação de um romance - 22/5/2008
05. Sex and the City - 19/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/11/2008
14h21min
Venho acompanhando seus textos sobre as oficinas. São ótimos, além de serem de grande valia. Compilei os links desses artigos num post em meu blog. Dicas de mestres são sempre válidas, e nada melhor do que fazê-las circular, para que sejam devidamente praticadas. Parabéns por dividir conosco essas experiências.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
10/12/2008
12h02min
Eu quero participar de oficinas assim... pena não ter nenhuma em minha cidade...
[Leia outros Comentários de Bruna Célia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZÉLIA, UMA PAIXÃO - 4ª EDIÇÃO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1991)
R$ 8,00



A GENALOGIA DA MORAL
FRIEDRICH NIETZCHE
ESCALA
(2009)
R$ 8,00



QUANDO DEITEI O COLCHÃO JÁ ESTAVA PEGANDO FOGO
ROBERT FULGHUM
BEST SELLER
R$ 5,00



RIO BRANCO: SUA VIDA SUA OBRA
AFFONSO DE CARVALHO
BIBLIEX
(1995)
R$ 25,82



NELSON RODRIGUES: DRAMATURGIA E ENCENAÇÕES
SÁBATO MAGALDI
PERSPECTIVA
(1987)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO E IDEOLOGIA DA ENFERMAGEM NO BRASIL. 1955 - 1980
RAIMUNDA MEDEIROS GERMANO
YENDIS
(2011)
R$ 45,00



MÍSSEIS AR-AR E ANTITANQUE
BILL GUNSTON
NOVA CULTURAL
(1980)
R$ 12,00



AS MELHORES PIADAS DO PLANETA... E DA CASSETA TAMBÉM! 2
BETO SILVA; BUSSUNDA; CLÁUDIO MANOEL; HÉLIO DE LA PEÑA, HUBERT, MARCELO MADUREIRA E REINALDO
OBJETIVA
(1987)
R$ 15,00



A CAMINHO DA FELICIDADE - 30° EDIÇÃO
APÓSTOLO ESTEVAM HERNANDES FILHO
PUBLICAÇÕES GAMALIEL
(2001)
R$ 5,00



O RETRATO DA DAMA
ADRIANO MACEDO
AUTÊNTICA
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês