Nouvelle Vague: os jovens turcos | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
>>> O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia de Vladimir Lênin pela Abril Cultural (1982)
>>> O Hitler na História de John Lukacs pela Zahar Editores (1998)
>>> A Riqueza das Nações Volumes 1 e 2 de Adam Smith pela Abril Cultural (1983)
>>> Notas para a História do Centro Dom Vital (presença de Alceu) de Alceu Amoroso Lima; Riolando Azzi pela Paulinas (2001)
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 30/1/2007
Nouvelle Vague: os jovens turcos
Marília Almeida

+ de 16000 Acessos

O termo Nouvelle Vague, "a nova onda", foi criado na década de 50 pela jornalista francesa Françoise Girot para caracterizar o comportamento dos jovens franceses da época. Apenas em 1958 a expressão é utilizada por uma revista de cinema para designar o movimento cinematográfico que enobreceu o cinema tanto como a literatura, recheando-o de referências intelectuais cerca de cinqüenta anos depois da criação do termo "sétima arte". Para se ter idéia da sua influência, sua linguagem de ruptura influenciou cineastas como o norte-americano Martin Scorsese, o franco-polonês Roman Polanski, o alemão Rainer Fassbinder, o italiano Pier Paolo Pasolini e até o cinema novo brasileiro.

Com o objetivo de apresentar um dos mais influentes cinemas da história, a Casa do Saber Jardins, localizada em São Paulo, realizou entre os dias 05 e 19 de dezembro de 2006 o curso A Nouvelle Vague, ministrado pelo jornalista Alcino Leite Neto, editor de moda da Folha de S. Paulo e da revista eletrônica de cultura Trópico. Nas cinco aulas, Alcino introduziu a Nouvelle Vague tanto em termos históricos como cinematográficos, enfatizando sua base teórica, expondo suas principais influências e influenciados e desvendando de modo apaixonado seus principais autores ajudado por trechos de seus filmes.

Jovens da nova onda
Em 1957, os jovens da Nouvelle Vague, também chamados de "jovens turcos" em referência ao movimento na Turquia que quis derrubar a monarquia, associam-se à revista francesa Cahiers du Cinema, considerada por Alcino a ponta de lança do movimento, aparecendo primeiro como críticos polêmicos prenunciando a Nouvelle antes mesmo de iniciarem suas produções. Finalmente, em 1959, acontecem suas primeiras estréias: Hiroshima, meu amor, de Alain Resnais; Os Incompreendidos, de François Truffaut; e Acossado, de Jean-Luc Godard, três filmes considerados por Alcino as pilastras do movimento.

No resumo feito pelo jornalista, a Nouvelle Vague concilia o neo-realismo italiano, a teoria baziniana e o cinema norte-americano; cria um sistema de estrelas modestas, valoriza o acaso filmando nas ruas por razões tanto estéticas e econômicas, produz o arquétipo da personagem errante sempre em movimento, dá muito valor ao diálogo e narração fazendo referência a literatura constantemente, valoriza o ponto de vista do autor, preocupa-se em retratar a nova sociedade francesa e a imagem do corpo com naturalidade. A base deste cinema, por fim, pode ser resumida na idéia da liberdade.

Contexto histórico
Após a Segunda Guerra Mundial, o enfraquecimento do nazismo e o crescimento do embate entre capitalismo e comunismo, Alcino nos explica que ocorre um processo de liberação da cultura francesa. A figura norteadora deste momento é o filósofo francês Jean-Paul Sartre, cujo existencialismo permeará todas as áreas da produção francesa, influenciando a adolescência dos cineastas da Nouvelle Vague. A partir daí, a juventude começa a se firmar no mundo como uma categoria social com vozes e representações que embasa o espírito dos filmes da Nouvelle. Estes jovens compram sete vezes mais LPs, são parte da revoltada geração rock'n'roll liderada por Elvis e querem romper com os mitos envelhecidos da vida francesa.

Além disso, durante a Guerra Fria, um acordo entre EUA e França com o objetivo de perdoar a dívida externa garante a abertura do cinema francês ao americano, uma grande arma de americanização e indústria altamente rentável. Mas o feitiço vira-se contra o feiticeiro e o acordo acaba por aumentar a popularidade do cinema francês e, como conseqüência, impulsiona as produções do país. Ajudado pela formação de cineclubes e cinematecas de esquerda e revistas de cinema, entre elas a Cahiers, o cinema torna-se a principal forma de comunicação e entretenimento da época.

Grandes influências
Há dois movimentos cinematográficos e um tipo de cinema que influenciaram a Nouvelle Vague: o cinema neo-realista italiano e os filmes B norte-americanos e o cinema noir.

No final da Segunda Guerra Mundial é inaugurado o movimento neo-realista do cinema italiano, considerado a fundação do cinema moderno, com a produção Roma, cidade aberta de Roberto Rosselini (1945). A novidade desta estética está na busca de um sentido de urgência histórica onde os cineastas preferiam a filmagem nas ruas ou locações à filmagem em estúdios que garantiam falsa perfeição técnica. Outro princípio era a preferência pela suspensão da ação para fazer a imagem levar à reflexão, criando um cinema com atividade cerebral mais intensa e não apenas perceptiva.

Por outro lado, no final dos anos 40, ao mesmo tempo em que a arte cinematográfica está no apogeu, a indústria hollywoodiana entra em crise, pois os produtores independentes quebram os oligopólios em 1948 e a TV começa a se difundir. Em resposta a essa crise, começa a exibição dos filmes B, de menor orçamento e duração, durante a mesma sessão dos filmes A. Estes filmes mostram que é possível fazer bom cinema com uma técnica precária, com liberdade. É com esta criatividade que deve agir o cinema da modernidade para os cineastas da Nouvelle Vague.

Além da importância para a Nouvelle de Orson Welles, o cineasta marginalizado norte-americano criador de Cidadão Kane (1941), há ainda Alfred Hitchcock, considerado por Alcino o "Deus" da Nouvelle Vague junto com Fritz Lang, demonstrando o gosto do movimento pelos filmes noir.

Teoria baziniana
André Bazin, crítico de cinema, co-fundador da Cahiers e militante dos cineclubes, será o guia dos jovens da Nouvelle Vague. Em seu artigo nomeado "O que é cinema?", o crítico analisa as mudanças da modernidade no cinema e questiona a possibilidade desta forma de expressão se constituir uma arte. De acordo com ele, até meados dos anos 50 o cinema era visto como uma matéria técnica e os cineastas como operadores. Portanto, ele se incumbe da tarefa de o legitimar intelectualmente chamando a atenção para sua linguagem própria e modo de escrita novo. Na sua tese, os cineastas passam a serem artistas, merecendo uma leitura séria como outros artistas. A Nouvelle Vague combina o paradoxo do realismo de Bazin e a montagem clássica hollywoodiana.

Bazin defende um cinema realista como a dinamização da essência fotográfica, mas que, além de captar a imagem, capta também a duração dos eventos. Para isso, enfatiza que, quanto menos montagem em uma obra cinematográfica, melhor, pois a manipulação de imagem diminui o impacto da obra. Assim, o cinema deve explorar a imagem em si e permitir ao espectador liberdade em relação ao que está vendo, produzindo a riqueza da ambigüidade. O crítico defende o plano seqüência e poucos enquadramentos, almejando a menor intervenção artística possível. A mise-en-scène, conceito militante do movimento, é a capacidade de dispor todos os recursos e elementos que o cinema oferece para transmitir a mensagem sem focar em seu discurso, mas na riqueza da apreensão natural da realidade.

Truffaut e Godard: os revolucionários
François Truffaut, na visão de Alcino, divide águas na história do cinema ao publicar um artigo na edição de janeiro de 1954 da Cahiers, intitulado "Uma certa tendência do cinema francês". Neste artigo, o cineasta faz uma distinção entre os filmes de qualidade e a política de autores definida pela Nouvelle Vague. Os primeiros são parte de um grupo restrito de roteiristas que, diferentemente do realismo, não davam liberdade à imagem e não deixavam o espectador julgá-la por meio de um diálogo exibicionista.

Jean-Luc Godard, por sua vez, produz uma revolução dentro do próprio movimento. Há até, de acordo com Alcino, uma "Nouvelle godardiana", caracterizada pela desconstrução de todos os tipos de cinema, seja ele musical, intelectual, de ensaio, comédia, político ou de amor, todos ao mesmo tempo em apenas um filme. Nesta ruptura a música, forma e linguagem são essenciais e buscam, por meio de um discurso cinéfilo e colagens, exibir o antiilusionismo do cinema.

O filho da Nouvelle
Em 1961, uma segunda leva de filmes da Nouvelle são produzidos, mas a maioria é um fracasso. Apesar da decadência do movimento, Alcino explica que há um sopro de liberdade no mundo todo decorrente do impacto de seus primeiros filmes que traça novas possibilidades para jovens que almejavam a arte do cinema.

Um exemplo concreto desta tese é o cinema novo brasileiro, liderado por Glauber Rocha, que influenciou enormemente os críticos do Cahiers du Cinema. Glauber, com seu cinema social e político, fez com que jovens críticos tivessem uma nova percepção da autoria e da mise-en-scène de tal modo que a revista foi se tornando cada vez mais política até se converter ao maoísmo. Mas Glauber tem, como a Nouvelle Vague, elementos do cinema neo-realista italiano e o cinema clássico americano, mas não é rosseliniano como os jovens franceses e, sim, eisensteiniano, uma vez que realiza filmes de mise-en-scène com grande ênfase no conteúdo.


Marília Almeida
São Paulo, 30/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Marguerite Yourcenar: a última aristocrata de Helena Vasconcelos


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Matematica Financeira Facil 14°
Antônio Arnot Crespo
Saraiva
(2009)



Histórias dos Mares do Sul
W. Somerset Maugham
Globo



Empresas Familiares Brasileiras
Renato Bernhoeft e Outros
Negocio
(1999)



O Pagador de Promessas
Dias Gomes
Bertrand Brasil
(2010)



Minha primeira paixão
Pedro Bandeira e Elenice Machado de Almeida
Moderna
(2010)



Mulherzinhas - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)



Comentários à Convenção Americana Sobre Direitos Humanos - (Vol 4)
Vários Autores
Revista dos Tribunais
(2010)



For the Tough Times: Reaching Toward Heaven For Hope
Max Lucado
Thomas Nelson Publishers
(2008)



As Lutas, A Glória e o Martírio de Santos Dumont
Fernando Jorge
Nova Época
(1973)



Pequena História das Invenções
Abril
Abril
(1974)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês