Nouvelle Vague: os jovens turcos | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
Mais Recentes
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 30/1/2007
Nouvelle Vague: os jovens turcos
Marília Almeida
+ de 18700 Acessos

O termo Nouvelle Vague, "a nova onda", foi criado na década de 50 pela jornalista francesa Françoise Girot para caracterizar o comportamento dos jovens franceses da época. Apenas em 1958 a expressão é utilizada por uma revista de cinema para designar o movimento cinematográfico que enobreceu o cinema tanto como a literatura, recheando-o de referências intelectuais cerca de cinqüenta anos depois da criação do termo "sétima arte". Para se ter idéia da sua influência, sua linguagem de ruptura influenciou cineastas como o norte-americano Martin Scorsese, o franco-polonês Roman Polanski, o alemão Rainer Fassbinder, o italiano Pier Paolo Pasolini e até o cinema novo brasileiro.

Com o objetivo de apresentar um dos mais influentes cinemas da história, a Casa do Saber Jardins, localizada em São Paulo, realizou entre os dias 05 e 19 de dezembro de 2006 o curso A Nouvelle Vague, ministrado pelo jornalista Alcino Leite Neto, editor de moda da Folha de S. Paulo e da revista eletrônica de cultura Trópico. Nas cinco aulas, Alcino introduziu a Nouvelle Vague tanto em termos históricos como cinematográficos, enfatizando sua base teórica, expondo suas principais influências e influenciados e desvendando de modo apaixonado seus principais autores ajudado por trechos de seus filmes.

Jovens da nova onda
Em 1957, os jovens da Nouvelle Vague, também chamados de "jovens turcos" em referência ao movimento na Turquia que quis derrubar a monarquia, associam-se à revista francesa Cahiers du Cinema, considerada por Alcino a ponta de lança do movimento, aparecendo primeiro como críticos polêmicos prenunciando a Nouvelle antes mesmo de iniciarem suas produções. Finalmente, em 1959, acontecem suas primeiras estréias: Hiroshima, meu amor, de Alain Resnais; Os Incompreendidos, de François Truffaut; e Acossado, de Jean-Luc Godard, três filmes considerados por Alcino as pilastras do movimento.

No resumo feito pelo jornalista, a Nouvelle Vague concilia o neo-realismo italiano, a teoria baziniana e o cinema norte-americano; cria um sistema de estrelas modestas, valoriza o acaso filmando nas ruas por razões tanto estéticas e econômicas, produz o arquétipo da personagem errante sempre em movimento, dá muito valor ao diálogo e narração fazendo referência a literatura constantemente, valoriza o ponto de vista do autor, preocupa-se em retratar a nova sociedade francesa e a imagem do corpo com naturalidade. A base deste cinema, por fim, pode ser resumida na idéia da liberdade.

Contexto histórico
Após a Segunda Guerra Mundial, o enfraquecimento do nazismo e o crescimento do embate entre capitalismo e comunismo, Alcino nos explica que ocorre um processo de liberação da cultura francesa. A figura norteadora deste momento é o filósofo francês Jean-Paul Sartre, cujo existencialismo permeará todas as áreas da produção francesa, influenciando a adolescência dos cineastas da Nouvelle Vague. A partir daí, a juventude começa a se firmar no mundo como uma categoria social com vozes e representações que embasa o espírito dos filmes da Nouvelle. Estes jovens compram sete vezes mais LPs, são parte da revoltada geração rock'n'roll liderada por Elvis e querem romper com os mitos envelhecidos da vida francesa.

Além disso, durante a Guerra Fria, um acordo entre EUA e França com o objetivo de perdoar a dívida externa garante a abertura do cinema francês ao americano, uma grande arma de americanização e indústria altamente rentável. Mas o feitiço vira-se contra o feiticeiro e o acordo acaba por aumentar a popularidade do cinema francês e, como conseqüência, impulsiona as produções do país. Ajudado pela formação de cineclubes e cinematecas de esquerda e revistas de cinema, entre elas a Cahiers, o cinema torna-se a principal forma de comunicação e entretenimento da época.

Grandes influências
Há dois movimentos cinematográficos e um tipo de cinema que influenciaram a Nouvelle Vague: o cinema neo-realista italiano e os filmes B norte-americanos e o cinema noir.

No final da Segunda Guerra Mundial é inaugurado o movimento neo-realista do cinema italiano, considerado a fundação do cinema moderno, com a produção Roma, cidade aberta de Roberto Rosselini (1945). A novidade desta estética está na busca de um sentido de urgência histórica onde os cineastas preferiam a filmagem nas ruas ou locações à filmagem em estúdios que garantiam falsa perfeição técnica. Outro princípio era a preferência pela suspensão da ação para fazer a imagem levar à reflexão, criando um cinema com atividade cerebral mais intensa e não apenas perceptiva.

Por outro lado, no final dos anos 40, ao mesmo tempo em que a arte cinematográfica está no apogeu, a indústria hollywoodiana entra em crise, pois os produtores independentes quebram os oligopólios em 1948 e a TV começa a se difundir. Em resposta a essa crise, começa a exibição dos filmes B, de menor orçamento e duração, durante a mesma sessão dos filmes A. Estes filmes mostram que é possível fazer bom cinema com uma técnica precária, com liberdade. É com esta criatividade que deve agir o cinema da modernidade para os cineastas da Nouvelle Vague.

Além da importância para a Nouvelle de Orson Welles, o cineasta marginalizado norte-americano criador de Cidadão Kane (1941), há ainda Alfred Hitchcock, considerado por Alcino o "Deus" da Nouvelle Vague junto com Fritz Lang, demonstrando o gosto do movimento pelos filmes noir.

Teoria baziniana
André Bazin, crítico de cinema, co-fundador da Cahiers e militante dos cineclubes, será o guia dos jovens da Nouvelle Vague. Em seu artigo nomeado "O que é cinema?", o crítico analisa as mudanças da modernidade no cinema e questiona a possibilidade desta forma de expressão se constituir uma arte. De acordo com ele, até meados dos anos 50 o cinema era visto como uma matéria técnica e os cineastas como operadores. Portanto, ele se incumbe da tarefa de o legitimar intelectualmente chamando a atenção para sua linguagem própria e modo de escrita novo. Na sua tese, os cineastas passam a serem artistas, merecendo uma leitura séria como outros artistas. A Nouvelle Vague combina o paradoxo do realismo de Bazin e a montagem clássica hollywoodiana.

Bazin defende um cinema realista como a dinamização da essência fotográfica, mas que, além de captar a imagem, capta também a duração dos eventos. Para isso, enfatiza que, quanto menos montagem em uma obra cinematográfica, melhor, pois a manipulação de imagem diminui o impacto da obra. Assim, o cinema deve explorar a imagem em si e permitir ao espectador liberdade em relação ao que está vendo, produzindo a riqueza da ambigüidade. O crítico defende o plano seqüência e poucos enquadramentos, almejando a menor intervenção artística possível. A mise-en-scène, conceito militante do movimento, é a capacidade de dispor todos os recursos e elementos que o cinema oferece para transmitir a mensagem sem focar em seu discurso, mas na riqueza da apreensão natural da realidade.

Truffaut e Godard: os revolucionários
François Truffaut, na visão de Alcino, divide águas na história do cinema ao publicar um artigo na edição de janeiro de 1954 da Cahiers, intitulado "Uma certa tendência do cinema francês". Neste artigo, o cineasta faz uma distinção entre os filmes de qualidade e a política de autores definida pela Nouvelle Vague. Os primeiros são parte de um grupo restrito de roteiristas que, diferentemente do realismo, não davam liberdade à imagem e não deixavam o espectador julgá-la por meio de um diálogo exibicionista.

Jean-Luc Godard, por sua vez, produz uma revolução dentro do próprio movimento. Há até, de acordo com Alcino, uma "Nouvelle godardiana", caracterizada pela desconstrução de todos os tipos de cinema, seja ele musical, intelectual, de ensaio, comédia, político ou de amor, todos ao mesmo tempo em apenas um filme. Nesta ruptura a música, forma e linguagem são essenciais e buscam, por meio de um discurso cinéfilo e colagens, exibir o antiilusionismo do cinema.

O filho da Nouvelle
Em 1961, uma segunda leva de filmes da Nouvelle são produzidos, mas a maioria é um fracasso. Apesar da decadência do movimento, Alcino explica que há um sopro de liberdade no mundo todo decorrente do impacto de seus primeiros filmes que traça novas possibilidades para jovens que almejavam a arte do cinema.

Um exemplo concreto desta tese é o cinema novo brasileiro, liderado por Glauber Rocha, que influenciou enormemente os críticos do Cahiers du Cinema. Glauber, com seu cinema social e político, fez com que jovens críticos tivessem uma nova percepção da autoria e da mise-en-scène de tal modo que a revista foi se tornando cada vez mais política até se converter ao maoísmo. Mas Glauber tem, como a Nouvelle Vague, elementos do cinema neo-realista italiano e o cinema clássico americano, mas não é rosseliniano como os jovens franceses e, sim, eisensteiniano, uma vez que realiza filmes de mise-en-scène com grande ênfase no conteúdo.


Marília Almeida
São Paulo, 30/1/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Histórias de gatos de Carla Ceres
02. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem de Eugenia Zerbini
03. O Free, de Chris Anderson de Julio Daio Borges
04. Deus 3.0 de Guilherme Pontes Coelho
05. Cidade limpinha de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maçons Livres e Aceitos - Pensando e Trabalhando por um Mundo Melhor
Síntese Maçônica
Desconhecido



Coleção Sapeca 3 Livros O Manto Mágico + O Servo Fiel + Os Brinquedos Animados
Darly Nicolanna Sconaienchi
Oesp



Bandeira do Brasil: Educação e Civismo
Antonio Calandriello
São Jose



Caminhos de libertação
Valentim Lorenzetti
Aliança



Manual de Pronto-Atendimento - Pediatra 24 Horas
Emanuel Sávio Sarinho
Lemos
(2002)



Compêndio de Lectio Divina 2022 - A Responsabilidade - Ninguem me tira a vida, eu a dou livremente
Georges Henri Bonneval
Sementes do verbo
(2022)



Filósofo em 5 Minutos
Gerald Benedict
Best Seller
(2014)



Mente corpo e destino
Katsumi Tokuhisa
Seicho NO IE
(1994)



Qualidade Em Redes de Suprimentos
João Gilberto Mendes dos Reis, Mário Mollo Neto
Atlas
(2015)



Marco Altberg: Muitos Cinemas
Roberta Canuto
Imprensa Oficial do Estado ...
(2010)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês