Nouvelle Vague: os jovens turcos | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jornal que pensa ão?
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
Mais Recentes
>>> Os Países Subdesenvolvidos de Yves Lacoste pela Bertrand Brasil (1988)
>>> Livros do conto à crônica / cada história é um conto. de Leo Cunha - Machado de Assis - Marcelo Coelho.. pela Salamandra (2021)
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 30/1/2007
Nouvelle Vague: os jovens turcos
Marília Almeida

+ de 14000 Acessos

O termo Nouvelle Vague, "a nova onda", foi criado na década de 50 pela jornalista francesa Françoise Girot para caracterizar o comportamento dos jovens franceses da época. Apenas em 1958 a expressão é utilizada por uma revista de cinema para designar o movimento cinematográfico que enobreceu o cinema tanto como a literatura, recheando-o de referências intelectuais cerca de cinqüenta anos depois da criação do termo "sétima arte". Para se ter idéia da sua influência, sua linguagem de ruptura influenciou cineastas como o norte-americano Martin Scorsese, o franco-polonês Roman Polanski, o alemão Rainer Fassbinder, o italiano Pier Paolo Pasolini e até o cinema novo brasileiro.

Com o objetivo de apresentar um dos mais influentes cinemas da história, a Casa do Saber Jardins, localizada em São Paulo, realizou entre os dias 05 e 19 de dezembro de 2006 o curso A Nouvelle Vague, ministrado pelo jornalista Alcino Leite Neto, editor de moda da Folha de S. Paulo e da revista eletrônica de cultura Trópico. Nas cinco aulas, Alcino introduziu a Nouvelle Vague tanto em termos históricos como cinematográficos, enfatizando sua base teórica, expondo suas principais influências e influenciados e desvendando de modo apaixonado seus principais autores ajudado por trechos de seus filmes.

Jovens da nova onda
Em 1957, os jovens da Nouvelle Vague, também chamados de "jovens turcos" em referência ao movimento na Turquia que quis derrubar a monarquia, associam-se à revista francesa Cahiers du Cinema, considerada por Alcino a ponta de lança do movimento, aparecendo primeiro como críticos polêmicos prenunciando a Nouvelle antes mesmo de iniciarem suas produções. Finalmente, em 1959, acontecem suas primeiras estréias: Hiroshima, meu amor, de Alain Resnais; Os Incompreendidos, de François Truffaut; e Acossado, de Jean-Luc Godard, três filmes considerados por Alcino as pilastras do movimento.

No resumo feito pelo jornalista, a Nouvelle Vague concilia o neo-realismo italiano, a teoria baziniana e o cinema norte-americano; cria um sistema de estrelas modestas, valoriza o acaso filmando nas ruas por razões tanto estéticas e econômicas, produz o arquétipo da personagem errante sempre em movimento, dá muito valor ao diálogo e narração fazendo referência a literatura constantemente, valoriza o ponto de vista do autor, preocupa-se em retratar a nova sociedade francesa e a imagem do corpo com naturalidade. A base deste cinema, por fim, pode ser resumida na idéia da liberdade.

Contexto histórico
Após a Segunda Guerra Mundial, o enfraquecimento do nazismo e o crescimento do embate entre capitalismo e comunismo, Alcino nos explica que ocorre um processo de liberação da cultura francesa. A figura norteadora deste momento é o filósofo francês Jean-Paul Sartre, cujo existencialismo permeará todas as áreas da produção francesa, influenciando a adolescência dos cineastas da Nouvelle Vague. A partir daí, a juventude começa a se firmar no mundo como uma categoria social com vozes e representações que embasa o espírito dos filmes da Nouvelle. Estes jovens compram sete vezes mais LPs, são parte da revoltada geração rock'n'roll liderada por Elvis e querem romper com os mitos envelhecidos da vida francesa.

Além disso, durante a Guerra Fria, um acordo entre EUA e França com o objetivo de perdoar a dívida externa garante a abertura do cinema francês ao americano, uma grande arma de americanização e indústria altamente rentável. Mas o feitiço vira-se contra o feiticeiro e o acordo acaba por aumentar a popularidade do cinema francês e, como conseqüência, impulsiona as produções do país. Ajudado pela formação de cineclubes e cinematecas de esquerda e revistas de cinema, entre elas a Cahiers, o cinema torna-se a principal forma de comunicação e entretenimento da época.

Grandes influências
Há dois movimentos cinematográficos e um tipo de cinema que influenciaram a Nouvelle Vague: o cinema neo-realista italiano e os filmes B norte-americanos e o cinema noir.

No final da Segunda Guerra Mundial é inaugurado o movimento neo-realista do cinema italiano, considerado a fundação do cinema moderno, com a produção Roma, cidade aberta de Roberto Rosselini (1945). A novidade desta estética está na busca de um sentido de urgência histórica onde os cineastas preferiam a filmagem nas ruas ou locações à filmagem em estúdios que garantiam falsa perfeição técnica. Outro princípio era a preferência pela suspensão da ação para fazer a imagem levar à reflexão, criando um cinema com atividade cerebral mais intensa e não apenas perceptiva.

Por outro lado, no final dos anos 40, ao mesmo tempo em que a arte cinematográfica está no apogeu, a indústria hollywoodiana entra em crise, pois os produtores independentes quebram os oligopólios em 1948 e a TV começa a se difundir. Em resposta a essa crise, começa a exibição dos filmes B, de menor orçamento e duração, durante a mesma sessão dos filmes A. Estes filmes mostram que é possível fazer bom cinema com uma técnica precária, com liberdade. É com esta criatividade que deve agir o cinema da modernidade para os cineastas da Nouvelle Vague.

Além da importância para a Nouvelle de Orson Welles, o cineasta marginalizado norte-americano criador de Cidadão Kane (1941), há ainda Alfred Hitchcock, considerado por Alcino o "Deus" da Nouvelle Vague junto com Fritz Lang, demonstrando o gosto do movimento pelos filmes noir.

Teoria baziniana
André Bazin, crítico de cinema, co-fundador da Cahiers e militante dos cineclubes, será o guia dos jovens da Nouvelle Vague. Em seu artigo nomeado "O que é cinema?", o crítico analisa as mudanças da modernidade no cinema e questiona a possibilidade desta forma de expressão se constituir uma arte. De acordo com ele, até meados dos anos 50 o cinema era visto como uma matéria técnica e os cineastas como operadores. Portanto, ele se incumbe da tarefa de o legitimar intelectualmente chamando a atenção para sua linguagem própria e modo de escrita novo. Na sua tese, os cineastas passam a serem artistas, merecendo uma leitura séria como outros artistas. A Nouvelle Vague combina o paradoxo do realismo de Bazin e a montagem clássica hollywoodiana.

Bazin defende um cinema realista como a dinamização da essência fotográfica, mas que, além de captar a imagem, capta também a duração dos eventos. Para isso, enfatiza que, quanto menos montagem em uma obra cinematográfica, melhor, pois a manipulação de imagem diminui o impacto da obra. Assim, o cinema deve explorar a imagem em si e permitir ao espectador liberdade em relação ao que está vendo, produzindo a riqueza da ambigüidade. O crítico defende o plano seqüência e poucos enquadramentos, almejando a menor intervenção artística possível. A mise-en-scène, conceito militante do movimento, é a capacidade de dispor todos os recursos e elementos que o cinema oferece para transmitir a mensagem sem focar em seu discurso, mas na riqueza da apreensão natural da realidade.

Truffaut e Godard: os revolucionários
François Truffaut, na visão de Alcino, divide águas na história do cinema ao publicar um artigo na edição de janeiro de 1954 da Cahiers, intitulado "Uma certa tendência do cinema francês". Neste artigo, o cineasta faz uma distinção entre os filmes de qualidade e a política de autores definida pela Nouvelle Vague. Os primeiros são parte de um grupo restrito de roteiristas que, diferentemente do realismo, não davam liberdade à imagem e não deixavam o espectador julgá-la por meio de um diálogo exibicionista.

Jean-Luc Godard, por sua vez, produz uma revolução dentro do próprio movimento. Há até, de acordo com Alcino, uma "Nouvelle godardiana", caracterizada pela desconstrução de todos os tipos de cinema, seja ele musical, intelectual, de ensaio, comédia, político ou de amor, todos ao mesmo tempo em apenas um filme. Nesta ruptura a música, forma e linguagem são essenciais e buscam, por meio de um discurso cinéfilo e colagens, exibir o antiilusionismo do cinema.

O filho da Nouvelle
Em 1961, uma segunda leva de filmes da Nouvelle são produzidos, mas a maioria é um fracasso. Apesar da decadência do movimento, Alcino explica que há um sopro de liberdade no mundo todo decorrente do impacto de seus primeiros filmes que traça novas possibilidades para jovens que almejavam a arte do cinema.

Um exemplo concreto desta tese é o cinema novo brasileiro, liderado por Glauber Rocha, que influenciou enormemente os críticos do Cahiers du Cinema. Glauber, com seu cinema social e político, fez com que jovens críticos tivessem uma nova percepção da autoria e da mise-en-scène de tal modo que a revista foi se tornando cada vez mais política até se converter ao maoísmo. Mas Glauber tem, como a Nouvelle Vague, elementos do cinema neo-realista italiano e o cinema clássico americano, mas não é rosseliniano como os jovens franceses e, sim, eisensteiniano, uma vez que realiza filmes de mise-en-scène com grande ênfase no conteúdo.


Marília Almeida
São Paulo, 30/1/2007


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ciência Da Saúde E Boa Alimentação
D. Nicolici
Missionária
R$ 12,00



Romance de Amadis
Alonso Lopes Vieira
Ulmeiro
(1998)
R$ 30,15



We Mean Business - Students Book
Susan Norman
Longman
(1989)
R$ 9,90



Précis de Médecine Opératoire
P. Lecéne
J B Baillière
(1921)
R$ 68,50



Crochê Passo a Passo Especial 1 - Patinho, Elefante, Girassóis, Borboletas...
Editora Casa Dois
Casa Dois
R$ 14,90



Racismo recreativo (Feminismos Plurais)
Adilson Moreira
Pólen
(2019)
R$ 28,00



A Vida Em Família
Rodolfo Calligaris
Ide
(1980)
R$ 4,08



urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas
Mauricio Sousa
Mauricio Sousa
(2014)
R$ 5,00



Ritos de Passagem de Nossa Infância e Adolescência: Antologia
Fanny Abramovich Org.
Summus
(1985)
R$ 10,00



Infedelidad Conyugal
Frank S. Caprio
Editorial Constancia
(1958)
R$ 12,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês