Cinema é filosofia | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2007
Cinema é filosofia
Marília Almeida

+ de 10400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ainda de luto pela morte de Ingmar Bergman e Michelangelo Antonioni, que impulsionaram lembranças de duas carreiras consistentes, parece um despropósito que alguém ainda ouse falar que o cinema é uma arte menor, dedicada apenas a entreter. Ainda mais para o doutor em filosofia Julio Cabrera, argentino que se naturalizou brasileiro e hoje é professor da Universidade de Brasília, autor do livro O cinema pensa (Rocco, 2006, 399 págs.). Para ele, diretores como Bergman e Antonioni, além de Alain Resnais e Stanley Kubrick, são verdadeiros filósofos.

O professor acredita que filmes são conceitos-imagens que podem discutir grandes polêmicas da humanidade. E vai além: para ele, a sétima arte pode ser maior do que a filosofia, composta pelos conceitos-idéias dos pensadores tradicionais, na medida em que suas imagens permitem que se problematize a história exposta, pois, ao contrário da palavra, permitem diversas interpretações. E é aí que se difere da literatura: o cinema causa maior impacto emocional, em comparação a um livro, que somente induz imagens. Mas o professor faz justiça e lembra que a literatura possui algo que o cinema nunca poderá alcançar: a psicologia interior de seus personagens.

Também concorda com os neo-realistas que cinema é tudo, menos um puro registro do real, e afirma que a arte deixa soluções abertas e duvidosas em temas constantes, como o inverossímil, o fantástico, a injustiça e a falta de comunicação. "O cinema (...) é como um olho seletivo que vai sendo surpreendido a cada instante. (...) O mal, a catástrofe, a agonia e o descontrole chamam a atenção do olho, o seduzem, arrastam-no, inundam-no até a cegueira. (...) é o surpreendente, o extraordinário o que interessa ao cinema, inclusive quando o extraordinário é o absolutamente cotidiano, como nos filmes de Wenders e Antonioni", conforme um trecho do livro.

Cabrera não fala apenas do cinema arte. Vai além: destrói preconceitos e também vê filosofia em diretores populares como Steven Spielberg e no mestre moderno, Quentin Tarantino. Ou alguém duvida que Tubarão e Parque dos Dinossauros não falem sobre a natureza controlada pela ciência, e, conseqüentemente, se relacionem com as idéias dos pensadores gregos Tales, Anaxímenes e Heráclito (que escreveram tratados sobre a origem das coisas) e os textos científicos do inglês Francis Bacon, que apresenta uma visão moderna da natureza? E que Pulp Fiction - Tempo de Violência, com sua estrutura não-linear, é, apesar dela, uma cadeia de fatos perfeitamente entendida pela mente, como o quis demonstrar o pensador escocês David Hume, mostrando acasos da vida?

Portanto, um filme que tenha um bom conceito filosófico não é, necessariamente, uma obra prima do cinema, mas é fato que muitas delas o possuem. É o caso de Blow up - Depois daquele beijo, de Antonioni. O percurso do fotógrafo que entra em um parque, tira espontaneamente fotos de um casal e pensa que, após revelá-las, pode ter retratado uma morte, demonstra que, em um momento, tudo pode passar de uma ilusão, se relacionando com a idéia do francês René Descartes. Para o filósofo, que utilizou a imagem do sonho para ilustrar suas teses, pelo menos uma vez durante a vida devemos utilizar a dúvida metódica, ou seja, colocar tudo à prova.

Por outro lado, o professor acredita que haja filósofos que podem ser considerados cinematográficos e sofreram a influência da sétima arte antes de seu surgimento no século XX. Eles tentam problematizar a racionalidade humana ao incluir um elemento afetivo como acesso essencial ao mundo. São eles: Heidegger, Kierkegaard, Schopenhauer e Nietzsche. Em oposição, o professor coloca filósofos como Aristóteles, Bacon e Wittgenstein, os pensadores lógicos. Para exemplificar, Heidegger distingue ciência e filosofia e defende a necessidade do ser falar por si mesmo. Ora, não existe conceito melhor para se basear um filme como A Noite, novamente dirigido por Antonioni, no qual o personagem se angustia apenas por ser, sem idéias profundas. Aliás, Cabrera considera o cineasta italiano um dos maiores filósofos do cinema.

A estrutura do livro de Cabrera é guiada por uma abertura didática, que visa apresentar resumidamente as idéias de um filósofo tradicional e, logo depois, quatro filmes que se relacionam com elas e embasam a tese do autor. Cada capítulo termina com uma breve biografia do pensador, complementada por trechos de seus principais tratados. O que é mais interessante é que, além de ótima fonte de consulta e introdução à filosofia (assim como o best seller O mundo de Sofia é), é também, de certa forma, do cinema. O autor se mostra profundo conhecedor da arte, relacionando cineastas, filmes e até tecendo breves comentários, sem perder o foco de sua tese, sobre o making off, estilos e atuação de atores, mostrando paixão pelo tema que retrata. Também reproduz sinopses eficientes, essenciais para se captar o espírito do filme que ainda não se viu.

Um dos pontos altos da obra é o capítulo que trata de Kant, Thomas More e a Sociedade dos Poetas Mortos, discutindo a moral e a ética diante de determinações sensíveis. Ao analisar o filme inglês da década de 60, O Homem que não vendeu sua alma, um retrato da vida de Thomas More e sua recusa em seguir um caminho oposto a seus preceitos éticos, questiona se não existiria em uma conduta supostamente condizente com uma moral elevada uma pitada de orgulho e vaidade, conflito que é colocado mais fortemente à mostra, na sua visão, pelo apelo sensível do cinema.

Cabrera desmembra essa tese e chega a seu ápice na análise de Sociedade dos Poetas Mortos, quando julga se os ensinamentos libertários do professor Keating podem ter culpa no suicídio de seu aluno Neil, que ousou lutar contra o conservadorismo da instituição escolar e de sua família e foi duramente reprimido. Ele demonstra que, tanto o conflito provocado pelo professor como a instituição poderiam matá-lo e não o fazê-lo ao mesmo tempo, mas que o ato do professor, assim como o de More e seu aluno,é compreendido e considerado ético pelo filósofo alemão Immanuel Kant, pois nasce imbuído de uma virtude que supera interesses menores.

O professor e filósofo costuma dizer a seus alunos que é necessário vivenciar os problemas filosóficos para se apropriar deles, não apenas entendê-los. Acredita também que a filosofia pode ter sido modificada pelo cinema. Porém, quando parece concluir e embasar cada vez mais sua tese, nos lembra da nossa ignorância acerca dos dois temas, lembrando que a complexidade da sétima arte já foi muito bem exposta pelo escritor francês Jean Claude Carriére, no livro A linguagem secreta do cinema. E, sem polemizar, afirma que, conseqüentemente, suas próprias definições não são eternas ou intocáveis, como, afinal, um bom filósofo diria.

Para ir além






Marília Almeida
São Paulo, 28/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
04. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
05. Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2007
19h48min
Cara Marília, Publiquei em maio deste ano (Nankin editorial), outro livro do Julio Cabrera intitulado De Hitchcock a Greenaway pela História da Filsofia onde ele desenvolve as mesmas intrigantes idéias presentes neste "O cinema pensa". Se tiver interesse em maiores informações, entre em contato. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Antônio do Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DAS SOCIEDADES- DAS SOCIEDADES MODERNAS ÁS SOCIEDADES ATUAIS
AQUINO- JACQUES- DENIZE- OSCAR
LIVRO TÉCNICO
(1983)
R$ 39,90
+ frete grátis



NÃO MATEM AS FLORES
J. M. SIMMEL
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 6,90



YUKI VINGANÇA NA NEVE Nº 1
KAZUO KOIKE / KAZUO KAMIMURA
CONRAD
(2004)
R$ 15,50



THE HERBAL DRUGSTORE
JAMES A. DUKE
RODALE
(2000)
R$ 40,00



MANUAL DE FRASCATI
OCDE
F. INICIATIVAS
(2002)
R$ 30,00



GUIA PRÁTICO DA NOVA ORTOGRAFIA - 1ª EDIÇÃO - 5ª REIMPRESSÃO
MAURÍCIO SILVA & ELENICE ALVES DA COSTA
CONTEXTO
(2013)
R$ 12,95



FILOSOFIA DE ERASMO DE ROTERDÃ, A
JOHN PATRICK DOLLAN
MADRAS
(2014)
R$ 23,90



MANUAL PRÁTICO DE ASTROLOGIA
BEL-ADAR ORG
PENSAMENTO
R$ 33,00
+ frete grátis



TUDO O QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE SEXO MAS TINHA MEDO DE PERGUNTAR
DAVID REUBEN
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 20,00



ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA EUCLIDIANA
ALEXANDRE AUGUSTO MARTINS RODRIGUES
NOBEL
R$ 13,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês