Cinema é filosofia | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2007
Cinema é filosofia
Marília Almeida

+ de 10200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ainda de luto pela morte de Ingmar Bergman e Michelangelo Antonioni, que impulsionaram lembranças de duas carreiras consistentes, parece um despropósito que alguém ainda ouse falar que o cinema é uma arte menor, dedicada apenas a entreter. Ainda mais para o doutor em filosofia Julio Cabrera, argentino que se naturalizou brasileiro e hoje é professor da Universidade de Brasília, autor do livro O cinema pensa (Rocco, 2006, 399 págs.). Para ele, diretores como Bergman e Antonioni, além de Alain Resnais e Stanley Kubrick, são verdadeiros filósofos.

O professor acredita que filmes são conceitos-imagens que podem discutir grandes polêmicas da humanidade. E vai além: para ele, a sétima arte pode ser maior do que a filosofia, composta pelos conceitos-idéias dos pensadores tradicionais, na medida em que suas imagens permitem que se problematize a história exposta, pois, ao contrário da palavra, permitem diversas interpretações. E é aí que se difere da literatura: o cinema causa maior impacto emocional, em comparação a um livro, que somente induz imagens. Mas o professor faz justiça e lembra que a literatura possui algo que o cinema nunca poderá alcançar: a psicologia interior de seus personagens.

Também concorda com os neo-realistas que cinema é tudo, menos um puro registro do real, e afirma que a arte deixa soluções abertas e duvidosas em temas constantes, como o inverossímil, o fantástico, a injustiça e a falta de comunicação. "O cinema (...) é como um olho seletivo que vai sendo surpreendido a cada instante. (...) O mal, a catástrofe, a agonia e o descontrole chamam a atenção do olho, o seduzem, arrastam-no, inundam-no até a cegueira. (...) é o surpreendente, o extraordinário o que interessa ao cinema, inclusive quando o extraordinário é o absolutamente cotidiano, como nos filmes de Wenders e Antonioni", conforme um trecho do livro.

Cabrera não fala apenas do cinema arte. Vai além: destrói preconceitos e também vê filosofia em diretores populares como Steven Spielberg e no mestre moderno, Quentin Tarantino. Ou alguém duvida que Tubarão e Parque dos Dinossauros não falem sobre a natureza controlada pela ciência, e, conseqüentemente, se relacionem com as idéias dos pensadores gregos Tales, Anaxímenes e Heráclito (que escreveram tratados sobre a origem das coisas) e os textos científicos do inglês Francis Bacon, que apresenta uma visão moderna da natureza? E que Pulp Fiction - Tempo de Violência, com sua estrutura não-linear, é, apesar dela, uma cadeia de fatos perfeitamente entendida pela mente, como o quis demonstrar o pensador escocês David Hume, mostrando acasos da vida?

Portanto, um filme que tenha um bom conceito filosófico não é, necessariamente, uma obra prima do cinema, mas é fato que muitas delas o possuem. É o caso de Blow up - Depois daquele beijo, de Antonioni. O percurso do fotógrafo que entra em um parque, tira espontaneamente fotos de um casal e pensa que, após revelá-las, pode ter retratado uma morte, demonstra que, em um momento, tudo pode passar de uma ilusão, se relacionando com a idéia do francês René Descartes. Para o filósofo, que utilizou a imagem do sonho para ilustrar suas teses, pelo menos uma vez durante a vida devemos utilizar a dúvida metódica, ou seja, colocar tudo à prova.

Por outro lado, o professor acredita que haja filósofos que podem ser considerados cinematográficos e sofreram a influência da sétima arte antes de seu surgimento no século XX. Eles tentam problematizar a racionalidade humana ao incluir um elemento afetivo como acesso essencial ao mundo. São eles: Heidegger, Kierkegaard, Schopenhauer e Nietzsche. Em oposição, o professor coloca filósofos como Aristóteles, Bacon e Wittgenstein, os pensadores lógicos. Para exemplificar, Heidegger distingue ciência e filosofia e defende a necessidade do ser falar por si mesmo. Ora, não existe conceito melhor para se basear um filme como A Noite, novamente dirigido por Antonioni, no qual o personagem se angustia apenas por ser, sem idéias profundas. Aliás, Cabrera considera o cineasta italiano um dos maiores filósofos do cinema.

A estrutura do livro de Cabrera é guiada por uma abertura didática, que visa apresentar resumidamente as idéias de um filósofo tradicional e, logo depois, quatro filmes que se relacionam com elas e embasam a tese do autor. Cada capítulo termina com uma breve biografia do pensador, complementada por trechos de seus principais tratados. O que é mais interessante é que, além de ótima fonte de consulta e introdução à filosofia (assim como o best seller O mundo de Sofia é), é também, de certa forma, do cinema. O autor se mostra profundo conhecedor da arte, relacionando cineastas, filmes e até tecendo breves comentários, sem perder o foco de sua tese, sobre o making off, estilos e atuação de atores, mostrando paixão pelo tema que retrata. Também reproduz sinopses eficientes, essenciais para se captar o espírito do filme que ainda não se viu.

Um dos pontos altos da obra é o capítulo que trata de Kant, Thomas More e a Sociedade dos Poetas Mortos, discutindo a moral e a ética diante de determinações sensíveis. Ao analisar o filme inglês da década de 60, O Homem que não vendeu sua alma, um retrato da vida de Thomas More e sua recusa em seguir um caminho oposto a seus preceitos éticos, questiona se não existiria em uma conduta supostamente condizente com uma moral elevada uma pitada de orgulho e vaidade, conflito que é colocado mais fortemente à mostra, na sua visão, pelo apelo sensível do cinema.

Cabrera desmembra essa tese e chega a seu ápice na análise de Sociedade dos Poetas Mortos, quando julga se os ensinamentos libertários do professor Keating podem ter culpa no suicídio de seu aluno Neil, que ousou lutar contra o conservadorismo da instituição escolar e de sua família e foi duramente reprimido. Ele demonstra que, tanto o conflito provocado pelo professor como a instituição poderiam matá-lo e não o fazê-lo ao mesmo tempo, mas que o ato do professor, assim como o de More e seu aluno,é compreendido e considerado ético pelo filósofo alemão Immanuel Kant, pois nasce imbuído de uma virtude que supera interesses menores.

O professor e filósofo costuma dizer a seus alunos que é necessário vivenciar os problemas filosóficos para se apropriar deles, não apenas entendê-los. Acredita também que a filosofia pode ter sido modificada pelo cinema. Porém, quando parece concluir e embasar cada vez mais sua tese, nos lembra da nossa ignorância acerca dos dois temas, lembrando que a complexidade da sétima arte já foi muito bem exposta pelo escritor francês Jean Claude Carriére, no livro A linguagem secreta do cinema. E, sem polemizar, afirma que, conseqüentemente, suas próprias definições não são eternas ou intocáveis, como, afinal, um bom filósofo diria.

Para ir além






Marília Almeida
São Paulo, 28/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amor, sublime Amor de Isabella Ypiranga Monteiro
02. Independência de André Julião
03. Aprender poesia de Marília Almeida
04. Aprender ficção de Marília Almeida
05. Temporada de Gripe de Rennata Airoldi


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2007
19h48min
Cara Marília, Publiquei em maio deste ano (Nankin editorial), outro livro do Julio Cabrera intitulado De Hitchcock a Greenaway pela História da Filsofia onde ele desenvolve as mesmas intrigantes idéias presentes neste "O cinema pensa". Se tiver interesse em maiores informações, entre em contato. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Antônio do Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês