A trilogia da vingança de Park Chan-Wook | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
>>> Seu Mauro
>>> Mamãe
Mais Recentes
>>> 9788522443987 de Michael Porter ( pela Campus (1999)
>>> Renunciando por Amor de Izoldino Rezende pela Cristo Consolador (2012)
>>> Linguagem de Sinais de Vários Autores pela Soc. Torre de Vigilia (1992)
>>> O Golpe de 64 e a Ditadura Militar (colecao Polemica) 5ª de Júlio José Chiavenato pela Moderna (1994)
>>> Guia Ilustrado de Peixes da Bacia do Rio Grande de Org Monica Maria Vaz pela Cetec (2000)
>>> Almas Que Voltam de Fernando do ó pela Feb (1988)
>>> Inculta e Bela V. 2 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2001)
>>> Licitações e Contratos Lei Nº 8666/93 de Varios pela Forum
>>> Livro House Of Night -Coleção Completa V.2 (7 ao 12) Ver Desc. Literatura de P.C. Cast e Kristin Cast pela Novo Seculo (2010)
>>> Luz na Penumbra de Aureliano Alves Neto e Outros pela Do Lar (1986)
>>> Quando Setembro Chegar de Fatima Arnolde pela Lumen (2013)
>>> Educação Pre-escolar de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1988)
>>> Dinamica de Grupo: Jogo da Vida e Didatica do Futuro de Balduino a Andreola pela Vozes (1985)
>>> Pronto Socorro de Plantas-bolso de Yone Fukusima pela Nobel (1989)
>>> O Avesso de Saulo Marden pela Do Autor (2005)
>>> Revista 58-ano I Numero 01-da União Brasileira de Escritores de Vários pela Cepe (1991)
>>> Lei de Licitações e Contratos Administrativos de Renato Geraldo Mendes pela Zenite (2006)
>>> Por Que Não o Melhor? de Jimmy Carter pela José Olympio (1976)
>>> O Branco da Maçã e Outros Lapsos de Luiz Ayrton Santos Junior pela Avant Garde (2015)
>>> Mulheres Em Terapia de Harriet Lerner pela Artes Médicas (1990)
>>> Be-a-bá da Cozinha- o Livro Que Ensina a Cozinhar de Vovó Sinhá pela Nagycolor
>>> Pregão Presencial e Eletronico de Joel de Menezes Niebuhr pela Zenite (2005)
>>> Recordações do Escrivão Isaias Caminha de Lima Barreto pela Folha (1997)
>>> Pensamentos e Emoçoes-bolso de Ana Maria Braga pela Nova Cultural (1998)
>>> Reliquias da Casa Velha de Machado de Assis pela Globo
COLUNAS

Terça-feira, 22/5/2007
A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
Marília Almeida

+ de 18100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Após ter dirigido Zona de risco (2000) e Oldboy (2003), o sul-coreano Park Chan-Wook foi reconhecido pelo público, que tornou seus filmes os mais lucrativos de todos os tempos em seu país, alcançando a marca de 5,8 milhões de ingressos, e também pela crítica, ao ganhar o Grande Prêmio do Festival de Cannes em 2004. Porém, o cineasta também ficou conhecido por seus filmes serem apreciados por outro sul coreano: Cho Seung-Hui, que recentemente matou 32 pessoas na universidade de Virginia Tech, nos Estados Unidos. A motivação do crime? Vingança, sentimento que Wook mostra belamente e de forma superior no último filme de sua trilogia dedicada ao sentimento, Lady Vingança (Sympathy for Lady Vengeance, 2005), em cartaz nos cinemas desde 11 de maio.

Mas é preciso retirar o sensacionalismo da discussão e tratar a sua produção cultural como uma das formas mais criativas de se fazer cinema da atualidade, que utiliza estilo e recursos únicos, como grandes closes e cores fortes para misturar as mais pesadas formas de violência com toques de drama e até bom humor de forma balanceada, utilizando-se de pequenos efeitos especiais inesperados que complementam suas histórias de forma onírica e imaginativa. Mas, não deixa de ser verdade que, se a honra tão caracteristicamente oriental retratada em seus filmes realmente inspirassem o mundo, todos estariam perdidos.

Muito da qualidade de seu novo filme se deve à manutenção de uma equipe que já se mostrou bem-sucedida em produções anteriores. Um desses núcleos é o de atores. Ao contrário dos dois primeiros, Sympathy for Mr. Vengeance (2002) e Oldboy, agora a protagonista é uma personagem feminina. Geun-ja é uma bela jovem que sempre chamou atenção por sua sensualidade natural misturada com inocência e agora é acusada pelo assassinato de um garoto. Nos 13 anos na prisão, ela se esconde sob pele de cordeiro para conquistar todas as amizades possíveis enquanto rumina uma vingança contra o causador de seu intenso e misterioso sofrimento: seu ex-professor, Sr. Baek, interpretado por Choi Min-sik. Mas a história dará uma grande reviravolta e tornará sua vingança muito mais complexa e, digamos, requintada, a ponto de sentirmos uma simpatia real por ela.

Geun-ja é interpretada perfeitamente por Lee Young-ae, atriz popular na Ásia por atuar em séries de TV e que já tinha atuado com Wook em Zona de risco. Ao contrário de Choi Min-sik, o protagonista que foi alvo da vingança de Oldboy e que agora faz o papel de um vilão incrivelmente sereno em Lady Vingança, e Song Kan-ho, de Sympathy for Mr. Vengeance, cujas agressividades eram expressas de forma crua nos outros filmes, Young-ae opta por mostrar um tormento interno que transparece em seu rosto delicado como uma perturbação permanente, que alterna momentos de dor e arrependimento com uma força brutal que, afinal, toda mulher teria, mesmo a mais sedenta por vingança.

De cara, é a trilha-sonora, de autoria de Cho Young-wuk, compositor de música clássica a canções populares que já havia trabalhado com Wook em Oldboy e Zona de risco, que se sobressai. Clássica, imponente e, ao mesmo tempo, suave, possui jogo de cintura para uma história grave que contém, ao mesmo tempo, cenas de profunda delicadeza. A fotografia é de Chung Chung Hoon, de Oldboy, que, juntamente com o design de produção do filme, priorizou a naturalidade de cores e ambientes. Assim como em Oldboy, o que se sobressai nos filmes de Wook é a perfeição de cores e iluminação, sempre medidas minuciosamente.

Duas relações vêm à cabeça quando assistimos ao filme. A primeira é Kill Bill vols. 1 e 2 (2003/2004), do diretor norte-americano Quentin Tarantino que, não por acaso, se inspirou nos filmes de artes marciais asiáticos da década de 70 para criar o seu dueto. Assim como em Lady Vingança, a protagonista de Tarantino também é feminina e usa de todos os artifícios, obtendo a ajuda de muitas pessoas, para alcançar um único objetivo: matar a fonte de todos os seus males. Mas tudo seria fácil se não houvesse a mais poderosa marca que uma mulher poderia carregar no caminho de ambas. A diferença é que Tarantino usa e abusa da violência estilizada e do cinema como entretenimento, repleto de ação. Wook opta por um caminho mais sombrio e profundo, com uma violência, apesar de subentendida, muito mais arrepiante e dolorosa.

A segunda é o enigma do nome do primeiro e o último filme da trilogia, que lembra um clássico do rock´n´roll mundial, "Sympathy for the Devil", música dos Rolling Stones de autoria de Mick Jagger e Keith Richards. Isso equivaleria relacionar os personagens de Wook com o próprio diabo, que, na letra, se apresenta como o responsável e observador das maiores tragédias ao longo da história, aquele que "roubou a alma e o destino de muitos homens". Além disso, também afirma que quem matou os Kennedys foi ele e você, além de que, e essa parece ser a chave para entender as motivações do personagem de Wook, principalmente Geun-ja, cuja vingança pode ser encarada como uma redenção, "todos os pecadores são santos".

Lady Vingança já foi premiado no Festival de Veneza de 2005, agraciado com o Pequeno Leão de Ouro e ganhou o CinemAwenire de melhor filme.


Marília Almeida
São Paulo, 22/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anjos Caídos, de Tracy Chevalier de Ricardo de Mattos


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/5/2007
10h17min
Notável o texto, Marília. Dá uma exata dimensão do filme em questão e relaciona as coisas que realmente importam em torno dele. Tenho acompanhado, meio de longe, a ascensão dos mangás, quadrinhos e derivados, e dá pra perceber que a vingança é uma das deusas do oriente, uma deusa oculta, não muito clara, mas onipresente. Cultuar essa deusa é um conflito, pra nós, ocidentais. Ela não é totalmente destituída de atrativos, mas intuimos que sua presença constante pode se tornar um pesadelo, sem saída. E há quem goste de pesadelos. Mas tô falando demais. O que eu queria dizer é que seu texto está claro e bem construído (como soe acontecer...). Beleza.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
22/5/2007
15h30min
Adorei sua análise e a comparação com os filmes do Tarantino. Aliás, acho que você definiu muito bem o estilo oriental: estética impecável e obscuridade. Ví o Old Boy e deu vontade de ver o resto. Amei!
[Leia outros Comentários de Taís Laporta]
9/12/2007
17h16min
Assisti aos três filmes em seqüência, Mr. Vingança, Oldboy e Lady Vingança. Achei impressionante a construção das tramas. No primeiro filme a vingança se materializa junto à cadeia de eventos. Em Oldboy, só no final é revelado o verdadeiro motivo da vingança. Já em Lady Vingança, mais ou menos no meio do filme temos uma noção dos motivos da moça. Perfeita a sua análise, de fato é possível relacionar os filmes de Chan-Wook aos de Tarantino, guardada a superioridade artística de Park Chan-Wook.
[Leia outros Comentários de Alex Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



A Última Conversão
Art Ayris - Danny Buladani e Outros
100%cristão
(2012)



Gente Catarina Origens e Raízes
Werner Zotz
Letras Brasileiras
(2002)



Bichinho de Estimação - Coleção Eu Gosto Mais Leitura
Alina Perlman
Ibep Geral
(2012)



Le Dernier Jour Dun Condamné
Victor Hugo; Lecture Accompagnée Par Alain T
Gallimard
(2000)



A Lenda do Centauro
Antonio Santos
Record
(1999)



Transformando Suor Em Ouro
Bernardo Rocha de Rezende
Sextante
(2006)



Língua e Estilo Ironia e Humor Nas Crônicas de Veríssimo
Roberto Carlos Borges
Velocípide
(2002)



Und Jetzt Ihr! Basisgrammatik Fur Jugendliche
Christine Schmidte * Marion Kerner
Hueber
(2002)



Nada Melhor Que um Beijo
Carmen Martins
Difusão Cultural do Livro
(2006)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês