Autoimagem, representação e idealização | Pati Rabelo | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
Mais Recentes
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 7 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Literaturas Brasileira e Portuguesa – Volume Único de Samira Yousself Campedelli pela Saraiva (2010)
>>> Fazendo meu filme - 1 A estreia de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2012)
>>> Sabedoria para Viver Bem de Louise L. Hay pela Sextante (2009)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 6 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 5 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> A Rainha Herege de Michelle Moran pela Suma de Letras (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/1/2014
Autoimagem, representação e idealização
Pati Rabelo

+ de 9100 Acessos


"Na verdade, não é só a Cindy Crawford que não se parece com ela mesma. Até carro é assim... Nenhum carro que compramos ou vemos na rua é como o da foto [da propaganda]", observou Domênico Massareto, publicitário e roteirista, ao comentar a coluna anterior, que falava da idealização que envolve as modelos plus size. E é verdade. Do sanduíche do McDonald's a um chocolate qualquer, tudo é meio anticlímax ao vivo, se comparado à sua "versão representada" no anúncio.

Nessa ponderação, Domênico dizia ainda que, assim como a publicidade e a mídia representam as coisas de uma forma positivamente idealizada, cada um de nós também faz isso em relação a si. Sim, as representações que fazemos de nós mesmos (e daquilo que nos diz respeito) e oferecemos ao mundo também estão carregadas de idealizações.

É consenso a ideia de que, nas redes sociais, damos preferência a mostrar os atributos dos quais nos orgulhamos. Mas é sensato lembrar que, antes da internet, as pessoas já exibiam o seu melhor na cena social, deixando as coisas nem tão legais assim pros bastidores. Afinal, quem nunca conheceu aqueles dois que brigavam a ponto de quebrar tudo em casa, mas publicamente posavam como o casal perfeito? A web se torna um palco privilegiado por desprezar as barreiras físicas relativas ao espaço, então há uma amplificação do alcance daquilo que é registrado. No Facebook, é como se cada um tivesse sua Caras personalizada, mas, em vez de lermos sobre as celebridades tradicionais, lemos sobre as pessoas de nossa rede e produzimos informação a respeito de nós mesmos. Microcelebs viramos todos.

Assim, se antes precisávamos de eventos limitados a um tempo e espaço específicos para encontrar amigos e familiares e contar as boas-novas, agora desprezamos esses pré-requisitos. E, no ambiente virtual, a pessoa, seus amigos, filhos, namoro, trabalho, casamento, festas, tudo é exposto em sua versão mais luminosa e superlativa. Em tempos de internet, portanto, a frase de Machado de Assis que diz que "não há alegria pública que valha uma boa alegria particular" perdeu por completo o sentido. Afinal, pouco ou nada adianta ir pra festa bacana, se não der pra publicar a foto no Instagram. Aliás, se a festa nem estiver tão boa, de qualquer forma vale o clique: se você publica que está no melhor bar da cidade, as pessoas acreditam, e é o que importa afinal. Sob esse aspecto, Alexander de Almeida, que há pouco tempo foi queimado em praça pública após a matéria da Veja São Paulo que o intitulava "O Rei do Camarote", é só uma caricatura da maioria de nós. A diferença é basicamente quanto ao preço das coisas ostentadas por Alexander e daquelas mostradas pelos demais mortais, uma vez que, parecemos acreditar todos, a vida que não pode ser "publicizada" não vale a pena ser vivida, provavelmente diria hoje Sócrates um tanto decepcionado.

E o Domênico observou por fim: "Quer ver uma diferença interessante? Observe no Facebook as nossas fotos que postamos e as nossas fotos que as outras pessoas postam de nós. Tudo muda: da nossa expressão ao cenário. E olha que louco: a gente gosta mais da 'nossa versão' de nós mesmos. A gente não se reconhece - ou nega que vê a si mesmo - nas fotos publicadas pelos outros. Como se tivéssemos autoridade para falar de nós mesmos". Não é exatamente assim? Em relação às nossas fotos que publicamos, funcionamos como uma espécie de diretor e/ou editor: se, na pior das hipóteses, não tiver sido possível definir a melhor expressão facial, pose, ângulo e iluminação na hora do clique, no mínimo, antes de publicar, teremos o poder de fazer alguns retoques digitais e de escolher, entre as várias imagens produzidas, aquela que acreditamos melhor nos representar. Já em relação às fotos dos amigos, o nosso poder de direção e edição é menor: perdemos, em grande parte ou completamente, o condão de definir o resultado final. E como nem sempre a foto em que o amigo ficou ótimo necessariamente coincide com aquela em que saímos bem, normalmente acontece um descompasso traduzido em frases do tipo "Fulano me marcou numa foto em que ele ficou lindo, e eu horrorosa". Desse modo, é compreensível por que gostamos mais da versão que publicamos de nós mesmos e por que rejeitamos aquelas publicadas por terceiros. É como se as fotos que escolhemos tivessem mais autenticidade, fossem mais fidedignas. E não deixam de ser, pelo menos se estivermos falando de fidedignidade em relação à imagem que queremos projetar de nós mesmos.


No ótimo ensaio Open Secrets: Literature as Gossip in the Digital Age, Helena Fitzgerald reflete a respeito desse assunto: "Numa época de avatares e fotos de perfil interminavelmente falsificadas e alteradas digitalmente, e, dessa maneira, de personas editáveis online, todos nós somos convidados a nos construir mais perto do que sonhamos ser do que daquilo que realmente somos. A autenticidade se torna uma promessa evasiva e escorregadia, e nós também estamos nos tornando construções artificiais, seres que não são realmente nós mesmos". A autora observa que nos tornamos editáveis online, mas eu diria que essa edição ocorre na vida offline também. A definição do verbo editar, segundo o Aulete, é "preparar (texto, imagem etc) para publicação, verificando conteúdo, erros, aprimorando a linguagem". E não é exatamente isso, afinal, que fazemos o tempo todo com nós mesmos? O Photoshop se transformou no símbolo arquetípico quando falamos de edição de imagem, mas o que são luzes, tatuagens e maquiagem, senão edições que fazemos em nossos avatares físicos? E roupas, cirurgias e cortes de cabelo? Ao escolhermos o melhor ângulo e a melhor luz pra produzir uma foto, isso já não se trata em si de uma espécie de edição, uma vez que, dessa forma, corrigimos falhas e aprimoramos a imagem que queremos transmitir ao mundo? Um outro ponto a ser ressaltado é quando Helena fala que "estamos nos tornando construções artificiais, seres que não são realmente nós mesmos". Me pergunto até que ponto se pode dizer isso, e então me ocorre a visão de Robert Ezra Park, em Race and Culture, quando ele escreve: "Em certo sentido, e na medida em que esta máscara representa a concepção que formamos de nós mesmos - o papel que nos esforçamos por chegar a viver -, esta máscara é o nosso mais verdadeiro eu, aquilo que gostaríamos de ser. Ao final, a concepção que temos de nosso papel torna-se uma segunda natureza e parte integral de nossa personalidade".

Especificamente sobre a questão do corpo e da imagem no ambiente digital, o estudo Impactos da internet sobre pacientes: a visão dos psicoterapeutas faz algumas ponderações interessantes. Nele, as psicólogas Carla Faria Leitão e Ana Maria Nicolaci-da-Costa afirmam que os usuários da internet "desvinculam-se da imagem corporal adquirida no mundo real e criam um corpo virtual com características muito distintas daquelas percebidas no contato face a face". Em outras palavras, no ambiente online, as pessoas simulam um corpo mais alinhado com seus desejos e fantasias. "Com o corpo camuflado, você pode revelar a imagem idealizada que quiser", diz a psicanalista Daniela Marques. Para alguns especialistas, "a internet parece ter expandido os corpos reais de seus usuários com novas habilidades. Já para outros, a rede propicia uma descontinuidade entre o corpo real e uma imagem corporal idealizada". Parece, portanto, que o que alguns psicólogos chamam de "corpo expandido" ou "corpo idealizado" é aquilo que Helena Fitzgerald nomeia como "corpo artificial" ou "falsificado".

Essa possibilidade de construção de um corpo e de uma imagem lapidados conforme as nossas aspirações - assim como "a comunicação em tempo real e à distância, o anonimato, o acesso fácil à informação, a realização simultânea de diferentes atividades" - é um dos motivos da atratividade exercida pelo ambiente online. Todos esses elementos dão aos usuários da web o que Carla e Ana Maria chamam em seu artigo de superpoder pessoal. "Meus pacientes não fazem da internet uma ferramenta. Eles fazem dela um espaço de conversação, um espaço de recreação. É um facilitador de relacionamentos. Às vezes se transforma num espaço construtivo, um espaço de elaboração de sentimentos e ações. Um espaço para sentir prazeres e emoções", diz a gestalt-terapeuta Elza Barroso. A psicanalista Dora Cerqueira, ao falar de uma das suas pacientes, conta: "Ela se sente o máximo. Lá, ela sente que pode tudo. Tem força. Livre das limitações de seu mundinho real, ela se sente outra pessoa, mais forte, mais querida, mais tudo. Ela diz que a internet massageia seu ego". É mais ou menos como se, na vida offline, essa moça se visse como o Clark Kent, enquanto, na internet, ela se enxergasse como o Super-Homem.

Diante disso, torna-se mais fácil entender por que, atualmente, durante os contatos presenciais com as pessoas, insistimos em manter os olhos colados na tela do celular: na vida online, tudo - nós, os outros, os objetos, os lugares - parece mais colorido, divertido e especial do que o seu equivalente na vida offline. Se aquelas mesmas pessoas que estão numa mesa de bar conosco em vez disso estivessem sendo contactadas via Instagram ou Twitter, provavelmente estaríamos mais interessados nelas. Talvez esse seja um dos motivos pelos quais alguém já disse que o nosso maior desafio hoje é ser mais interessante para os nossos amigos do que os seus smartphones. Da mesma forma que os produtos são bem mais fascinantes em suas versões representadas nos anúncios, as pessoas também são assim em relação às suas representações online. Nossos avatares no Facebook, ávidos por likes, gritam isso a todo instante.

Aparentemente, as versões representadas, seja nos anúncios ou nas redes sociais, possuem atributos dos quais tanto as coisas quanto nós somos faltantes na vida ao vivo ou offline, e aí talvez resida grande parte do encanto dessas representações.


* Meus agradecimentos ao Domênico Massareto, pela reflexão que gerou esta coluna, e ao Wilson Bentos, que me apresentou o fragmento do ensaio da Helena Fitzgerald citado no texto.


Pati Rabelo
Fortaleza, 8/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Velhice de Marilia Mota Silva
02. É hora de estudar fora de Carla Ceres
03. Chico Buarque e o Leite derramado de Jardel Dias Cavalcanti
04. Amilcar de Castro, o (também) artista gráfico de Adriana Baggio


Mais Pati Rabelo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nostradamus E O Inquietante Futuro
Ettore Cheynet
Círculo Do Livro
(1989)
R$ 8,00



Deadpool Extra Jogo Mortal! Volume 9
Panini Comics
Panini Comics
(2017)
R$ 18,50



O Bndes Em um Brasil Em Transição
Ana Cláudia Duarte de Além, Fabio Giambiagi
Bndes
(2010)
R$ 24,82



Wolverine Max Vegas
Starr e Outros Autores
Panini Comics
R$ 16,50



Between Two Worlds
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1998)
R$ 20,00



Pediatria Prática Vol 20 Fasc. 1
Gomez de Mattos e Pedro Refinetti
Não Informado
(1949)
R$ 22,66



Jezabel, La Reina Pintada
Olga Hesky
Novela
(1976)
R$ 15,00



Confissões de um Turista Profissional
Kiko Nogueira
Novo Conceito
(2011)
R$ 5,89



Jane Eyre
Charlotte Brontë
Lafonte
(2019)
R$ 23,00



Sete Faces do Humor
Marcia Kupstas
Moderna
(1992)
R$ 12,00





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês