Cursiva | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/8/2011
Cursiva
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3500 Acessos

Ele mede algo próximo a vinte centímetros. É cilíndrico, reto e rígido. É satisfatoriamente duro para o seu diâmetro. Quebrá-lo ao meio, a julgar pelo seu aspecto simplório, linear e mesmo insosso, exige mais força do que se espera. (Fiz um teste.) Um objeto de aparência trivial. Sobretudo este entre meus dedos polegar, indicador e médio - a profana trindade das letras cursivas.

Este lápis que seguro, que, antes de você ler estas palavras em pixels intangíveis, me ajuda a traçar todas estas linhas sobre o papel, este lápis é todo preto: a casca, o corpo e a borracha. Um objeto simples. Uma varinha. Que faz jus ao dito popular. Porque o que importa, mesmo, é a mágica que ela faz.


Alguns itens: parafernália cursiva.


Antes de falar dos poderes mágicos do lápis 2B, preciso dizer que o lápis que ora uso para escrever este preâmbulo é um entre vários. A quantidade exata destes vários lápis seria 36, contando com os lápis de cor que inexplicavelmente guardo no meu estojo e cuja presença percebi apenas nesta contagem. Os lápis de cor nunca foram usados, ainda conservam o tamanho original. A maioria dos outros, porém, já foi podada. Porque eu raramente vejo um lápis meu chegar à metade do seu tamanho original. Não me pergunte por quê. Tão logo percebo um decréscimo do seu comprimento, já o troco por outro, de preferência um que ainda não tenha sido nem apontado (e o que ficou pela metade simplesmente some). Os 36 lápis de que disponho se dividem em 16 usados, 4 intactos, 2 de carpinteiro, 2 Staedtler 8B e 12 coloridos. O lápis preto de grafita que estou usando era virgem quando escrevi a primeira sentença deste texto.

Quando a digressão do parágrafo acima for reescrita, à frente do computador, usarei o teclado do notebook. Esta outra ferramenta altera tudo o que se refere à atividade psicomotora de escrever. Enquanto escrevo à mão, com um lápis 2B, é como se usasse apenas um dedo. Eu me reduzo à minha condição inata de homem destro para escrever com apenas um dedo - o grafite na ponta do lápis. É muito diferente de escrever com o teclado, tanto o da jurássica máquina de escrever quanto o de computadores, porque ele transformou todos os seres humanos em ambidestros.

Usamos as duas mãos ao teclado. Dos nossos dez dedos, oito são para caracteres, e, para quem fez o extinto curso de datilografia (como eu), cada um destes dedos, do auricular ao indicador (Aa Ss Dd Ff Gg), é responsável, em média, por quatro caracteres, entre números, letras, acentos e sinais de pontuação; sem contar com a tecla Shift e demais atalhos para caracteres especiais. Tento imaginar como Joyce lidaria com um notebook. Não sei como ele escrevia, que métodos usava. (Edmund Wilson, uma portento da produção escrita, só escrevia à mão.) Como Joyce escreveria a cena de Stephen Dedalus na praia, capítulo três de Ulysses, ou mesmo o monólogo interior de Molly Bloom, ao teclado de um notebook?

A velocidade da digitação (uma coisa, digitar; outra, datilografar) pode ser inebriante a ponto de embotar o pensamento, suponho. Sem a barreira da materialidade do papel, que é espancado enquanto se escreve, a imaterialidade da página virtual aceita cada golpe (caractere) a uma velocidade muito maior e de forma irrefreável. Então, como conjugar a atividade motora de escrever ao teclado, leve, rápida, avassaladora, com a intenção criadora de descrever o pensamento de um personagem fictício, que vive na imaginação do agente digitador e, por isso, está sujeito à mente do criador, tão caótica quanto qualquer outra - quanto à do próprio personagem que tenta animar! - ou mesmo mais caótica, visto que se trata de um artista genial?

O lápis 2B me força a me concentrar, a não me perder com a possível profusão de palavras, inteligíveis ou não, que escrever com oito dedos (mais digitando do que datilografando) podem proporcionar. Embora já tenha em mente, quando me sento à mesa e abro o caderno de notas, um - perdoe a redundância - esboço etéreo do que quero escrever, tenho de me concentrar para evitar que as explosões de imagens, ideias e sensações em minha mente destruam minha concentração. Só tenho um dedo para transcrevê-las. Um dedo primitivo.

O lápis 2B de hoje é descendente direto, não, irmão; não, o lápis 2B é ele mesmo o pedaço de pau que algum ancestral nosso usou pela primeira vez para produzir um signo numa superfície qualquer. É o mesmo pedaço de pau, mas melhorado, tunado, que usamos para executar a maior conquista do gênero humano, o signo vocabular. Curiosamente, o teclado, sobretudo o do computador, este símbolo da tecnologia ao alcance de todos, o teclado amputou o polegar opositor, justo ele, o que difere os primatas humanos de todos os outros animais. Ao teclado, o polegar é a barra de espaços, que não produz caractere visível. O uso do polegar ao teclado equivale à suspensão do lápis sobre o papel entre uma palavra e outra, à quebra do atrito entre o grafite e a celulose. Ao nada.

Só agora, quando acabo o preâmbulo e me preparo para falar das mágicas de que o lápis 2B é capaz, eu percebo que você, leitor, está no futuro. O presente sou eu, aqui, sob o abajur, no frio peculiar de Brasília, escrevendo o que mais tarde, quando eu digitar este registro e o publicar virtualmente para sua leitura, será para mim meu passado simples e para você terá sido um passado mais que perfeito. Boa leitura.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 3/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
02. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
03. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
04. No futebol, como na vida de Marcelo Spalding
05. Questão de gosto ou de educação? de Débora Carvalho


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
04. Cisne Negro - 16/2/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA VIVÊNCIA DE AMOR FALANDO DE SEXO 6 A 9 ANOS
DR. GILBERT TORDJMAN CLAUDE MORAND
SCIPIONE
(1997)
R$ 4,25



A MITOLOGIA TEMPLÁRIA - OS CONCEITOS ESOTÉRICOS DA ORDEM DO TEMPL
JESUS AVILA GRANADOS
MADRAS
(2015)
R$ 49,90



REVISTA CULT HITLER A FACE DO MAL
CULT
17
(2003)
R$ 4,99



CRIANÇAS COM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM
LESTER TARNOPOL
EDART
(1980)
R$ 15,00



DIAGNOSIS AND CORRECTION OF POTASSIUM DEFICIENCY IN MAJOR TROPICA
ASIA PROGRAM OF THE POTASH INSTITUTES (2 ED.)
ASIA PROGRAM
(1977)
R$ 17,28



BOM RETIRO, BAIRRO CENTRAL DE SÃO PAULO
LIZIANE PERES MANGILI
ALAMEDA
(2011)
R$ 54,00



ESTUDO DE CASO: UMA ESTRATÉGIA DE PESQUISA
GILBERTO DE ANDRADE MARTINS
ATLAS
(2006)
R$ 50,00



UMA JORNADA DE ORAÇÃO NA VIDA DE ABRAÃO
RONALDO PERINI
REFLEXÃO
(2009)
R$ 37,50



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
ATELIÊ
(2005)
R$ 25,00



DICIONÁRIO DE DIREITO DO TRABALHO
C. P. TOSTES MALTA E ADEÍZA DA S. REZENDE
RIO
(1975)
R$ 19,28





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês