O leitor que escreve | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Segunda-feira, 29/6/2009
O leitor que escreve
Ricardo de Mattos

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Escrever é uma maneira de falar sem ser interrompido."
(Jules Renard)

Escrevemos por trabalho, escrevemos para aprender, escrevemos por prazer. Em nosso meio, até não muito tempo, a quem manifestasse o gosto pela escrita era aconselhado trabalhar em cartório ou cursar a faculdade de Direito. Mentalidade provinciana, ocasionalmente acompanhada de boa disposição em ajudar e ainda vigente. A opção pelo jornalismo era distante, vagamente inacessível. Quem afirmasse querer ser escritor, além de não ser levado a sério, ouviria a pergunta automática: e vai viver do quê? Concluímos, sim, o curso jurídico, mas fugindo completamente deste enfoque. Não deixamos de percebê-lo à espreita, seja por falta de assunto, seja por falta de imaginação das pessoas. A escolha da profissão calhou bem com o gosto pessoal, mas hoje representa-lhe uma face. Longe vai a época em que o bacharel direcionava para o processo sua pretensão literária mal resolvida. Houve um grande pasmo no âmbito forense quando se constatou que uma reta representa o caminho mais curto entre dois pontos. Privilegia-se menos palavras, menos volteios, mais argumentos e mais fatos comprováveis. O bacharelismo estrebucha esperando quem lhe dê o tiro fatal. Buscamos o constante aperfeiçoamento da escrita técnica, mas ela, por si, ser-nos-ia insuficiente.

Seremos o que se pode dizer "um escritor"? Receamos uma roupa que nos fique grande demais e nos torne ridículos. Nossa sensibilidade poética é quase nula. Este ano lemos uma coletânea do sueco Karlfeldt após um jejum de vários lustros, e mesmo assim encantamo-nos mais com o que percebemos de filosófico. Participamos sem sucesso de dois concursos de contos. Não nos declaramos inaptos à ficção por causa disso, mas reconhecemos que o fôlego ainda é insuficiente. Há um volumezinho sendo burilado sem pretensão imediata. Amantes da Cultura, diante da necessidade social de classificação preferimos o título de "compartilhadores". Aplaudimos o Engenho e queremos de alguma forma trabalhar para divulgar o que encontramos de bom. Rasos num assunto e esforçados em outro, pode resultar disso que escrevamos para poucas pessoas, porém confiantes na transmissão a contento de nossa sinceridade. Enquanto escrevemos, preferimos mesmo imaginar um serão ao pé do lume, ouvindo música entre livros e cães.

Não exigimos condições especiais de temperatura e pressão para escrever. Os hábitos do homem respeitam-lhe à personalidade, não a uma encenação calculada. Maquiavel trocava de roupa para adentrar ao seu gabinete de estudos. Parece que nobres excêntricos da Europa setecentista preparavam-se a caráter para a "convivência com os antigos". Alberto Manguel e Kipling coincidem na mania de manter quinquilharias sobre a mesa de trabalho. Consultada a história da literatura, depara-se com bizarrices diversas no tocante a patuás, cenas e até estados de consciência. Para nós, são exterioridades, distrações sem força atrativa. Além disso, parece-nos um meio tão fácil de criar um personagem e mergulhar na ilusão... Tivemos, sim, um hábito vinculado à escrita, mas abandonamo-lo. Fossem palpáveis estas colunas, muitas tresandariam a tabaco. Si hoje pedimos algo, é um pouco de tranquilidade, visto ser impraticável o silêncio. A música é sempre presente e variada, no geral ornando com o estado de espírito. Não a ouvimos como condição para escrever.

Neste exato instante, encontramo-nos numa sala de casa. Extraídas as amígdalas (com "g" pois nascemos antes do Acordo Ortográfico), ficaremos de molho conforme a recuperação. Preferimos o escritório profissional, onde esparramamos o material necessário. A coluna sobre o livro de Nicholas Saunders levou-nos à consulta de alguns mapas a fim de que nos situássemos melhor em relação aos continentes estudados. Viva a National Geographic! Lá podíamos deixar a bagunça intata o tempo necessário, sabendo que a faxineira não mexeria e nem a labradora Carmela cismaria de examinar de perto o que encontrasse de novidade. Clientes podem ser atendidos em sala separada e o que de urgente surja é cuidado sem misturar. A despeito, temos papel e lápis ou caneta em lugares estratégicos. Nunca sabemos quando elaboraremos um raciocínio pertinente, ou quando ouviremos expressões ou palavras curiosas.

As manhãs têm uma tranquilidade ainda pouco explorada. Referimo-nos ao período entre cinco e meia e sete horas, quando a vida está quieta e planejamos serenamente o dia enquanto esperamos ferver a água do café. Podemos recolher o jornal e lê-lo com calma durante o desjejum. Só não agredimos a leveza do instante colocando a cachorrada na cozinha: "desça da pia"; "não mexe no lixo"; "não ronca pra ela"! De barriga reconfortada e informados sobre o principal, deitamo-nos um instante e averiguamos o saldo. O andamento de um caso se manifesta com maior encadeamento. A abordagem de um livro delineia-se mais claramente. Pegamos um bloco deixado à mão e anotamos tudo. Breve compulsão alcança-nos e queremos registrar o máximo, ao menos as palavras chaves. Poderíamos reservar as manhãs para toda e qualquer escrita. Além de ser raro amanhecer assim, as melhores providências laborais e rotineiras são tomadas cedo, o que garante o resto do dia para qualquer emergência. Logo chega o almoço, de forma que a tarde acaba destinada aos serviços internos. Em compensação, o começo da noite acalenta-nos a conclusão de qualquer trabalho.

Por compreendermos a intuição e a inspiração de forma contrária ao materialismo ― e consequente individualismo ― reinante, iniciamos a disciplina do espírito na intenção de atentar cada vez mais aos pensamentos que se nos apresentam como que repentinamente. Não somos médiuns, mas não podemos negar o que vivemos. É comum recebermos insigths no trânsito, no momento das refeições, ou em conversas desligadas do assunto do qual nos ocupávamos. "Ah, mas isso é o seu subconsciente que continua preso à questão". Correto. Consideremos também os relatos daqueles que, cansados de matutar, adormecem e acordam com resposta pronta, experiência que não nos é estranha. A explicação usual limita-se ao descanso dado ao cérebro. Exato, outra vez. Nada descartamos daquilo que a Ciência descobre acerca de nossas funções e tudo acompanhamos interessados. Nem afirmamos a vivência do "Sobrenatural". Posicionamo-nos, sim, a respeito da face da Natureza cujo estudo é rejeitado por ceticismo, preconceito e confusão com esoterismos. Aprendemos a perceber que não estamos solitários em nossas divagações, sejam elas quais forem. Por conseguinte, adotamos o uso da primeira pessoa do plural visando expressar reconhecimento e agradecimento ao apoio generosamente concedido.

Seja qual for o tipo de escrita a que alguém se dedique, sempre será válida a opinião de Samuel Johnson, ainda que não isoladamente. Para o grande estudioso, "a maior parte do tempo de um escritor é passada na leitura, para depois escrever; uma pessoa revira metade de uma biblioteca para fazer um só livro". De acordo. Um texto pode ter várias interpretações, um fato pode ser apreciado de diversas maneiras. O tempo passa, os partidos se aquietam e podemos estudar com calma si o que nos ocorre possui realmente alguma originalidade e fundamento. Queremos acrescentar que mesmos os livros podem atrapalhar, então é chegada a hora do indivíduo ir à padaria tomar seu café, conversar, escutar a conversa alheia, andar sem pressa cumprimentando alguém aqui e ali. Eis quando o mundo reclama atenção que não deve ser negada. O esforço do atleta para levantar peso e sustentá-lo no ar difere do esforço daquele que disciplina seu passo e sua respiração para uma caminhada rentável. Johnson ainda assegura ser lido sem prazer o que é escrito sem trabalho. O segredo, cremos, está no trabalho crível, mas que não transparece, conforme lição colhida outrora em alguma doutrina oriental. Com o tempo o leitor aprende a identificar o autor laborioso. Lembramos aqui de Duque de Caxias ― O Homem por trás do monumento, de Adriana Barreto de Souza, e de A raiz das coisas ― Rui Barbosa: O Brasil no mundo, de Carlos Henrique Cardim. Ambos maciços e documentados, porém fluentes. Quando possível, deve-se realizar pesquisa tão extensa quanto possível e nem sempre a Internet proporciona os melhores resultados seja pela inexatidão, seja pelas lacunas.

A administração do tempo é atitude grata pelas oportunidades que acaba gerando. Havendo controle, estuda-se melhor um ponto, relê-se algo para apreender melhor a página tratada superficialmente, não se exige demais do corpo e sobretudo evita-se a pressão. Não gostamos de trabalhar pressionados ― embora saibamos o que é isso ― e privilegiamos a pontualidade. Perfeição não há, claro, pois o sistema automático do Digestivo ameaça-nos com o exílio caso uma coluna não seja cadastrada até determinado dia.

Por fim, algo que nos tem chamado a atenção é a questão da responsabilidade do escritor, e pelo jeito nossos estudos e observações começarão a pender por este caminho. Não a responsabilidade legal, flutuante conforme a suscetibilidade ferida. Também não é a responsabilidade social, pois se aplaudimos quem defende com substância uma causa, aborrecemo-nos quando a defesa transforma-se em panfletismo. A resposta delineia-se na investigação da proposta, do que leva o indivíduo a escrever e publicar. Nossa proposta atual, porém não definitiva, foi indicada no segundo parágrafo da presente coluna: compartilhar o que encontramos de bom. Foi-nos facultado o meio ― este site ― e o material ― os livros ― o que nos faz crer que nos desincumbimos a contento. Por que escrever ou por que um texto veio à luz é pergunta que precisamos aprender a fazer, pois farejamos um retorno surpreendente.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. Como se vive uma vida vazia? de Roberta Resende
03. 2009: intolerância e arte de Gian Danton
04. Murilo Rubião e o chocolate de Wellington Machado
05. Quanto vale blogar? de Rafael Fernandes


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/6/2009
10h14min
Vale a pena ser escritor? Não, não vale. A não ser que você tenha um "pistolão" ou um sobrenome famoso. Do contrário, terá 99% de ter que pagar pra ser publicado.
[Leia outros Comentários de João Batista]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês