Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Segunda-feira, 23/3/2009
Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita
Ricardo de Mattos

+ de 9800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"... à imprensa deve tocar o encargo de se corrigir a si própria ..." (Willian Pitt, citado por Rui Barbosa em A imprensa e o dever da verdade)

Parece regular no ser humano certa ânsia pela extinção de coisas. Si a frágil película de civilidade impede-o de voltar-se contra seu semelhante; si não pode custear um safári; se não encontra uma causa sobre a qual derrame suas energias, ele mata "em tese". No mundo jurídico, o abolicionismo defende a morte do Direito Penal. Há meses próximos renovaram fogo contra o livro impresso e anteciparam-lho epitáfio. Na história da música, mal surgido o rock, atestaram-lha vida breve. Criada a internet, desenvolvido seu aspecto informativo e alguns jornalistas arregaçando as mangas em seus blogs, há quem trate a imprensa escrita qual cadáver iminente. Estes prognósticos exagerados revelam certo gosto por mudanças bruscas e leve teatralidade. Com o advento do CD, o disco de vinil não desapareceu, mas ficou restrito a fornecedores e consumidores específicos. Apesar do MP3 e das músicas que se baixam gratuitamente pela internet, o CD mantém seu mercado. Dedicando-se a girafa à copa das acácias, o okapi continuou a ruminar tranquilo as folhas dos arbustos.

A imprensa escrita não acabará. Não acabará e alcançará um público cada vez maior através da especialização das publicações. As empresas que precisarão adequar-se, inclusive no porte, à nova realidade.

Os primeiros pontos fixos de venda chamavam-se "banca de jornais". Logo foram renomeados "banca de jornais e revistas". Ou se para aqui, ou o preciosismo levará a nova classificação: "banca de jornais, revistas, livros, CD, DVD & outros". Quando criança, "ir à banca" significava parar diante de uma caixa de metal com um homem dentro e comprar o último número de alguma revista definida ― Lulu e Bolinha. Em duas décadas as bancas tornaram-se imensas, logo a comportar berçário e área interna de fumantes. Limitando-nos ao impresso, nunca existiu tanta variedade. Jornais publicados em âmbito nacional, regional e municipal, além dos estrangeiros, técnicos e étnicos, a exemplo dos escritos em japonês. Se a memória não estiver de pirraça, no Sul do país há jornais locais publicados em alemão e italiano. Há revistas voltadas a grupos, étnicos, profissionais, faixas etárias e de assuntos diversos dentro da mesma vertente ― beleza e cultura negras. O campo de periódicos de divulgação foi ampliado e especificado de tal forma que se pode enumerar dois ou três títulos voltados à História, à Filosofia, à Psicologia, à Lingua Portuguesa, além de Ciências, Biografias e até uma de Sociologia. O paradoxo da grande oferta num país de leitores negligentes parece resolvido pela variedade de títulos, pelo aumento de edições especiais e pela baixa tiragem de exemplares.

Empresas editoras de jornais e revistas obtêm seus principais recursos financeiros através da venda e da publicidade veiculada. A venda ocorre individualmente, em bancas ou pela internet, ou por assinatura. É variável, pois o leitor não comprará si estiver sem dinheiro ou não se interessar pelos assuntos da vez. Assinaturas estão sujeitas à inadimplência e ao cancelamento. O sustento mais seguro, infelizmente, aponta para a publicidade. Si o interessado não paga, seu anúncio não aparece, ou é retirado e seu lugar negociado com outro.

A revista Veja de 11 de março corrente ― capa sobre a espionagem pelo Protógenes ― tem 144 páginas, número que inclui as capas (!). Excluído o encarte da Contigo, tivemos a pachorra de contar 81 páginas com publicidade. Entre estas, 65 são exclusivamente de publicidade, muitas em irritante sequência. O excesso publicitário atinge a todos, como prova o primeiro caderno do Estadão. O número da propaganda imobiliária é tão grande que o encarte de imóveis pode ser dispensado. Os dados, apesar de isolados, indicam que não se pode contar apenas com a vendagem, sendo necessário compensar com anúncios. Nos dois casos, entretanto, deve-se cogitar a especial escolha dos periódicos para o marketing de certo produto, escolha baseada em critérios como renome e seriedade. De qualquer modo, a informação fica vinculada à variação do mercado. Si o produto não vende, a propaganda sai e o editor precisa encontrar oura fonte.

Caso o terreno movimente-se, ou a casa acomoda-se à nova situação geológica, ou rui. O jornalismo impresso foi erigido, gerações atrás, sobre um público leitor fiel e, digamos, suficiente. Advinda a internet, imperativa a revisão dos alicerces, pois as fissuras apareceram. Ontem devia-se convencer o leitor a adquirir este jornal e não aquele; agora o primeiro objetivo é convencê-lo a comprar, na hipótese de ele estar disposto a ler. Quem não possui acesso doméstico à Web, acessa-a de uma lan house. Sentado ao computador, o usuário acessa ao mesmo tempo o site do provedor de e-mail, o Orkut, o MSN, um chat, um site de música para ouvir durante a navegação de outro de "nús artísticos". Quem não se habituou a manter-se informado não desenvolverá o costume lendo as chamadas enquanto a página do provedor carrega. Quem utiliza computadores públicos ― e o número não é tão pequeno assim ―, não usará seu tempo lendo notícias. O que esta pessoa vier a saber sobre o país e o mundo será através do noticiário televisivo ou, pasme-se, do rádio. Talvez quem acesse de casa ou do trabalho tenha sua fonte preferida de notícias, ainda que não consulte diariamente. Todavia, a rotina não deve ser muito diferente da descrita, visto a frustração de muitos funcionários quando os sites de relacionamento são bloqueados. Todava, as possibilidades são tão pulverizadas, variáveis conforme a idade, a formação e o emprego ou desemprego, que o retrato preciso é inviável. Reservar, enfim, uma quantia diária para compra do jornal é hábito que não mais acreditamos difundido. Aliás, tão anacrônico quanto um advogado, por mais sério que seja, cobrar por hora de consulta num contexto em que tantos suplicantes oferecem consultas gratuitas para atrair um cliente que seja. Notícias superficiais e consultas questionáveis não parecem assustar quem se contenta com elas. Jornalistas e advogados devem então relaxar e entregar qualquer porcaria? Não, mas os éticos sempre enfrentarão o dilema de proceder corretamente junto a pessoas despreocupadas com a correção.

O jornal foi o primeiro meio de comunicação de longo alcance social. Lembremos que as novidades do exemplar eram muitas vezes lidas e ouvidas, repassado pela voz o sabido por escrito. Precisou conviver com o rádio e com a televisão. No Brasil, onde vivemos, a internet ganhou muito espaço e ganhará mais, porém sem invadir a seara alheia. O cerne é educacional e econômico. Faixas etárias inteiras (?) que não leem jornal, não o fazem porque não aprenderam ou porque escolheram outra fonte. Jornal diário e revista semanal representam um gasto que muitos preferem dispensar ou transferir para outras necessidades. Somente os setores de assinaturas e de distribuição podem fornecer dados para estatísticas, sendo o mais especulação. Interessados pelo impresso sempre haverão, mas o número será menor. Mesmo que mantido, será problemático si não acompanhar o crescimento populacional. O que se mostra correto é inexistir para as empresas a opção "tudo ou nada". Cada uma conhece a medida de seus encargos trabalhistas, tributários, previdenciários e comerciais. Cada uma conhece suas metas e, mormente, sua razão de existir.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
05. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
03. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2009
21h55min
Penso que a imprensa está evoluindo, mas continua sabendo que o seu papel principal é o de informar.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
6/4/2009
23h11min
Quem não inveja o infeliz/ Feliz, no seu mundo de cetim/ Assim debochando/ Da dor do passado/ Do tempo perdido/ Do jogo acabado// Ele desatinou/ Viu chegar os blogueiros/ Sem ter os banqueiros/ Por trás dos jornais brasileiros/ Só se virando/ Sem Editor mandando// Ele desatinou/ Viu perder fantasias/ Sem seus "passarinhos" nos dias/ Sem matutinos/ E ele ainda está se achando// Ele não vê/ Que outra gente já/ Está blogando normalmente/ Toda moçada está esquecida/ Da falsa vida, jornalista onde/ Ele desatinou/ Viu chegar internet/ Poupando os papéis das florestas/ Em certa forma/ Muito mais ecológica...
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E A COROA DA MADONA
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 99,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
OBELISCO
R$ 6,77



SUPERINTERESSANTE A VERDADE SOBRE CHE Nº 261
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 6,99



AFRODIÁSPORA 1 - 3º ONGRESSO DE CULTURA NEGRA DAS AMÉRICAS
VÁRIOS
IPEAFRO
(1983)
R$ 30,00



A HISTÓRIA DE EDGAR SAWTELLE
DAVID WROBLEWSKI; JOSÉ RUBENS SIQUEIRA
INTRINSECA
(2009)
R$ 7,00



TEORIA E POLÍTICA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
CELSO FURTADO
ABRIL
(1983)
R$ 20,00



REFORMA ESPIRITUAL
MIGUEL THOMAZ
DO AUTOR
(2004)
R$ 10,00



AMANTE RENASCIDO
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANSIEDADE E GRAVIDEZ
NADIR FARAH (DEDICATÓRIA)
FACULDADE DE MEDICINA
(1964)
R$ 18,82



ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - 2012
FREI EDRIAN JOSUÉ PASINI (ORG.)
VOZES
(2012)
R$ 8,81





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server