Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Segunda-feira, 23/3/2009
Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita
Ricardo de Mattos

+ de 11100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"... à imprensa deve tocar o encargo de se corrigir a si própria ..." (Willian Pitt, citado por Rui Barbosa em A imprensa e o dever da verdade)

Parece regular no ser humano certa ânsia pela extinção de coisas. Si a frágil película de civilidade impede-o de voltar-se contra seu semelhante; si não pode custear um safári; se não encontra uma causa sobre a qual derrame suas energias, ele mata "em tese". No mundo jurídico, o abolicionismo defende a morte do Direito Penal. Há meses próximos renovaram fogo contra o livro impresso e anteciparam-lho epitáfio. Na história da música, mal surgido o rock, atestaram-lha vida breve. Criada a internet, desenvolvido seu aspecto informativo e alguns jornalistas arregaçando as mangas em seus blogs, há quem trate a imprensa escrita qual cadáver iminente. Estes prognósticos exagerados revelam certo gosto por mudanças bruscas e leve teatralidade. Com o advento do CD, o disco de vinil não desapareceu, mas ficou restrito a fornecedores e consumidores específicos. Apesar do MP3 e das músicas que se baixam gratuitamente pela internet, o CD mantém seu mercado. Dedicando-se a girafa à copa das acácias, o okapi continuou a ruminar tranquilo as folhas dos arbustos.

A imprensa escrita não acabará. Não acabará e alcançará um público cada vez maior através da especialização das publicações. As empresas que precisarão adequar-se, inclusive no porte, à nova realidade.

Os primeiros pontos fixos de venda chamavam-se "banca de jornais". Logo foram renomeados "banca de jornais e revistas". Ou se para aqui, ou o preciosismo levará a nova classificação: "banca de jornais, revistas, livros, CD, DVD & outros". Quando criança, "ir à banca" significava parar diante de uma caixa de metal com um homem dentro e comprar o último número de alguma revista definida ― Lulu e Bolinha. Em duas décadas as bancas tornaram-se imensas, logo a comportar berçário e área interna de fumantes. Limitando-nos ao impresso, nunca existiu tanta variedade. Jornais publicados em âmbito nacional, regional e municipal, além dos estrangeiros, técnicos e étnicos, a exemplo dos escritos em japonês. Se a memória não estiver de pirraça, no Sul do país há jornais locais publicados em alemão e italiano. Há revistas voltadas a grupos, étnicos, profissionais, faixas etárias e de assuntos diversos dentro da mesma vertente ― beleza e cultura negras. O campo de periódicos de divulgação foi ampliado e especificado de tal forma que se pode enumerar dois ou três títulos voltados à História, à Filosofia, à Psicologia, à Lingua Portuguesa, além de Ciências, Biografias e até uma de Sociologia. O paradoxo da grande oferta num país de leitores negligentes parece resolvido pela variedade de títulos, pelo aumento de edições especiais e pela baixa tiragem de exemplares.

Empresas editoras de jornais e revistas obtêm seus principais recursos financeiros através da venda e da publicidade veiculada. A venda ocorre individualmente, em bancas ou pela internet, ou por assinatura. É variável, pois o leitor não comprará si estiver sem dinheiro ou não se interessar pelos assuntos da vez. Assinaturas estão sujeitas à inadimplência e ao cancelamento. O sustento mais seguro, infelizmente, aponta para a publicidade. Si o interessado não paga, seu anúncio não aparece, ou é retirado e seu lugar negociado com outro.

A revista Veja de 11 de março corrente ― capa sobre a espionagem pelo Protógenes ― tem 144 páginas, número que inclui as capas (!). Excluído o encarte da Contigo, tivemos a pachorra de contar 81 páginas com publicidade. Entre estas, 65 são exclusivamente de publicidade, muitas em irritante sequência. O excesso publicitário atinge a todos, como prova o primeiro caderno do Estadão. O número da propaganda imobiliária é tão grande que o encarte de imóveis pode ser dispensado. Os dados, apesar de isolados, indicam que não se pode contar apenas com a vendagem, sendo necessário compensar com anúncios. Nos dois casos, entretanto, deve-se cogitar a especial escolha dos periódicos para o marketing de certo produto, escolha baseada em critérios como renome e seriedade. De qualquer modo, a informação fica vinculada à variação do mercado. Si o produto não vende, a propaganda sai e o editor precisa encontrar oura fonte.

Caso o terreno movimente-se, ou a casa acomoda-se à nova situação geológica, ou rui. O jornalismo impresso foi erigido, gerações atrás, sobre um público leitor fiel e, digamos, suficiente. Advinda a internet, imperativa a revisão dos alicerces, pois as fissuras apareceram. Ontem devia-se convencer o leitor a adquirir este jornal e não aquele; agora o primeiro objetivo é convencê-lo a comprar, na hipótese de ele estar disposto a ler. Quem não possui acesso doméstico à Web, acessa-a de uma lan house. Sentado ao computador, o usuário acessa ao mesmo tempo o site do provedor de e-mail, o Orkut, o MSN, um chat, um site de música para ouvir durante a navegação de outro de "nús artísticos". Quem não se habituou a manter-se informado não desenvolverá o costume lendo as chamadas enquanto a página do provedor carrega. Quem utiliza computadores públicos ― e o número não é tão pequeno assim ―, não usará seu tempo lendo notícias. O que esta pessoa vier a saber sobre o país e o mundo será através do noticiário televisivo ou, pasme-se, do rádio. Talvez quem acesse de casa ou do trabalho tenha sua fonte preferida de notícias, ainda que não consulte diariamente. Todavia, a rotina não deve ser muito diferente da descrita, visto a frustração de muitos funcionários quando os sites de relacionamento são bloqueados. Todava, as possibilidades são tão pulverizadas, variáveis conforme a idade, a formação e o emprego ou desemprego, que o retrato preciso é inviável. Reservar, enfim, uma quantia diária para compra do jornal é hábito que não mais acreditamos difundido. Aliás, tão anacrônico quanto um advogado, por mais sério que seja, cobrar por hora de consulta num contexto em que tantos suplicantes oferecem consultas gratuitas para atrair um cliente que seja. Notícias superficiais e consultas questionáveis não parecem assustar quem se contenta com elas. Jornalistas e advogados devem então relaxar e entregar qualquer porcaria? Não, mas os éticos sempre enfrentarão o dilema de proceder corretamente junto a pessoas despreocupadas com a correção.

O jornal foi o primeiro meio de comunicação de longo alcance social. Lembremos que as novidades do exemplar eram muitas vezes lidas e ouvidas, repassado pela voz o sabido por escrito. Precisou conviver com o rádio e com a televisão. No Brasil, onde vivemos, a internet ganhou muito espaço e ganhará mais, porém sem invadir a seara alheia. O cerne é educacional e econômico. Faixas etárias inteiras (?) que não leem jornal, não o fazem porque não aprenderam ou porque escolheram outra fonte. Jornal diário e revista semanal representam um gasto que muitos preferem dispensar ou transferir para outras necessidades. Somente os setores de assinaturas e de distribuição podem fornecer dados para estatísticas, sendo o mais especulação. Interessados pelo impresso sempre haverão, mas o número será menor. Mesmo que mantido, será problemático si não acompanhar o crescimento populacional. O que se mostra correto é inexistir para as empresas a opção "tudo ou nada". Cada uma conhece a medida de seus encargos trabalhistas, tributários, previdenciários e comerciais. Cada uma conhece suas metas e, mormente, sua razão de existir.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 23/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Errando por Nomadland de Elisa Andrade Buzzo
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
05. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2009
21h55min
Penso que a imprensa está evoluindo, mas continua sabendo que o seu papel principal é o de informar.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
6/4/2009
23h11min
Quem não inveja o infeliz/ Feliz, no seu mundo de cetim/ Assim debochando/ Da dor do passado/ Do tempo perdido/ Do jogo acabado// Ele desatinou/ Viu chegar os blogueiros/ Sem ter os banqueiros/ Por trás dos jornais brasileiros/ Só se virando/ Sem Editor mandando// Ele desatinou/ Viu perder fantasias/ Sem seus "passarinhos" nos dias/ Sem matutinos/ E ele ainda está se achando// Ele não vê/ Que outra gente já/ Está blogando normalmente/ Toda moçada está esquecida/ Da falsa vida, jornalista onde/ Ele desatinou/ Viu chegar internet/ Poupando os papéis das florestas/ Em certa forma/ Muito mais ecológica...
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manual Prático para Elaboração de Monografias
Ana Cristina da Faria
Usjt
(2005)



A Força do Um
André Trigueiro
Infinda
(2019)



Ansiedade Sob Controle
Lourdes Possatto
Lúmen
(2006)



Problemas Agrário-camponeses do Brasil
M. Vinhas
Civilização Brasileira
(1968)



O Peido que a nêga deu
José Costa Leite
Não informado



Guia Sesc Brasil 2004
Sesc
Sesc
(2004)



Conecte História - Volume 2 - Caderno de Estudos
Ronaldo Vainfas e Outros.
Saraiva
(2018)



Migrações: da Perda da Terra à Exclusão Social
Ana Valim
Atual
(1996)



Movimentos Culturais de Juventude
Antonio Carlos Brandão
Moderna
(1991)



Produção Científica, Técnica e Artística
Puc
Puc
(1998)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês