O delfim, de José Cardoso Pires | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
>>> Jovens blogueiros, envelheçam (extras)
Mais Recentes
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
>>> An Introduction To The Physics Of Semiconductor Devices (the Oxford Series In Electrical And Computer Engineering) de David J. Roulston pela Oxford University Press (1998)
>>> Manual De Mães E Pais Separado de Marcos Wettreich pela Ediouro (2006)
>>> Manual Para Não Morrer De Amor de Walter riso pela Academia (2017)
>>> Mães De Milhares De Milhares de Márcia Silva pela Vinha (2023)
>>> Patologia Geral - Bogliolo - 3ª Ed. de Brasileiro Filho Geraldo pela Guanabara (2004)
>>> Como Ensinar Seu Bebê A Ler: A Suave Revolução de Glenn e Janet Doman pela Madras (2018)
>>> A Face Cinza da Fé de Jader Guterres Hoffmeister pela Feic (2014)
>>> Introducao A Ciencia Da Computacao de Enrico Giulio Franco Polloni pela Cengage (2003)
>>> Para Tão Longo Amor Tão Curta a Vida de Luís de Camões pela Ftd
>>> Fundamentos de um ministério frutífero de Aluizio A Silva pela Vinha (2018)
>>> Como Passar Em Provas E Concursos de William Douglas pela Impetus (2024)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/10/2009
O delfim, de José Cardoso Pires
Ricardo de Mattos
+ de 17000 Acessos

"Falarei obrigatoriamente de ruínas, misturarei ditos e provérbios, pondo-os na boca do filho quando pertenciam ao pai ou ao tetravô, numa baralhada de espectros em rebelião." (José Cardoso Pires)

É uma responsabilidade escrever sobre o escritor português José Cardoso Pires. Nasceu no interior de Portugal em 1925 e mudou-se ainda criança com a família para Lisboa. Descobriu sua vocação literária quando, afastado da Marinha Mercante, aproximou-se do jornalismo e da redação publicitária. Colaborou em diversas publicações portuguesas como Diário de Lisboa, Gazeta Musical e de Todas as Artes e Afinidades. Lançando a revista Almanaque, esta tinha como programa "ridicularizar os provincianismos, cosmopolitizados ou não, sacudir os bonzos contentinhos e demonstrar que a austeridade é a capa do medo e da falta de imaginação". Refugiou-se do salazarismo no Brasil em 1960, onde foi colaborador do jornal Última Hora e da revista Senhor. Voltando para seu país, revolucionou a literatura e consolidou seu nome no Panteão Lusitano ― para usar uma figura antiga. Além de romancista, entrosou-se o escritor com o teatro, o ensaio, a crônica, o conto e o ensaio. Escreveu dezoito livros em cinquenta anos de carreira, o primeiro em 1947 e o último em 1987. Além de O delfim (Bertrand Brasil, 2008, 320 págs.), são publicados aqui De Profundis, Valsa Lenta e Balada da praia dos cães. Outros de seus títulos são Os Caminheiros e outros contos; O Hóspede de Job; Dinossauro Excelentíssimo; E agora, José?; Alexandra Alpha; Lisboa, Livro de Bordo. Recebeu prêmios literários na Itália ― Roma e Pisa ―, Brasil e Portugal. As fontes consultadas afirmam que ele não se filou a nenhuma corrente literária específica, e do total de sua obra poderia ser percebido certo alinhamento com o neo-realismo português, passando até pelo surrealismo. Entre 1969 e 1971 dá aulas sobre Literatura Portuguesa e Brasileira no King's College da Universidade de Londres e nos anos de 1978/79 volta à mesma cidade e à mesma instituição como resident writer.

O delfim data do tempestuoso ano de 1968 e é apontado como o melhor trabalho de Cardoso Pires. Talvez tenha sido a primeira obra da literatura portuguesa a romper com a cronologia, variando o tempo dos fatos de capítulo a capítulo e dentro de cada capítulo, mas sem criar um imbróglio incompreensível. Lembranças, reflexões e investigações sucedem-se na tela mental do narrador-personagem. Ocorre-nos aproximá-la do Sargento Getúlio, de João Ubaldo Ribeiro, mas sem o esforço de registro da coloquialidade. Não é romance policial, embora tal assertiva tenha pipocado algures. Dada a menção a diversos autores policiais no capítulo XXII, não fica afastada de uma leve mistura, tal como os criadores de cães permitem-se visando fortalecer o sangue do próprio plantel. Nos romances policiais, com perdão de nossas incursões em quantidade inferior à desejada, seguem-se pistas e desvenda-se na conclusão a autoria do crime. N'O delfim, o autor dará pistas que depois deixará de acompanhar e si o leitor não presta atenção, termina a leitura "no ar". Em 2001 a história foi levada ao cinema por Fernando Lopes.

"Delfim" era designativo exclusivo do herdeiro do trono francês. Ainda que outro fosse coroado, somente o filho mais velho do rei tinha o direito de ser assim designado. Originou-se no século XIV com a cessão da província do Delfinado (Dauphiné) à Coroa. O Delfim, na França, equivalia ao Príncipe da Beira em Portugal, ao Príncipe do Grão Pará no Brasil, ou ainda, ao Príncipe de Gales da Inglaterra. Cardoso Pires queria referir-se ao indivíduo altivo, destinatário das terras, vícios e virtudes de seus ancestrais, mantenedor das tradições avoengas, mas desprovido de brasão e de título. Não poderia etiquetar seu personagem recorrendo à nobiliarquia lusitana, dada a ausência de termo equiparado. "Infante" é no todo inapropriado, por ser dado aos filhos de reis que não os herdeiros principais. Segundo a origem latina, infante é aquele que não fala, e por extensão, aquele sem voz ativa nos negócios do Estado. Outra opção seria "fidalgo". Segundo Antenor Nascentes, no vetusto Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, a palavra origina-se da locução "filho-de-algo", sendo "algo" o designativo de riqueza. Até hoje são familiares expressões como: "Fulano conseguiu juntar alguma coisa na vida". No dicionário de Nascentes deparamo-nos com uma distinção saborosa. Segundo ele, o termo opõe-se ao povo, ao "nascido das ervas". Todo nobre é um fidalgo, mas nem todo fidalgo é um nobre e temos para nós que esta opção já resolveria a questão. Cardoso Pires, porém, quis dar destaque ao seu personagem e não se contentou com o oferecido pela língua materna. Nas primeiras linhas da obra o narrador-personagem revela a alternativa escolhida e fecha a questão.

Ou a conturba. Na História Francesa, há delfins que não atingiram a coroação. Louis XIV transmitiu a coroa ao seu bisneto, Louis XV, que por sua vez entregou-a ao seu neto, o triste Louis XVI, decapitado sem que Louis "quase" XVII pudesse pretendê-la. De permeio, quatro delfins que se contentaram com a mera expectativa do trono. Si o peso de um reino for considerado uma graça, a História Portuguesa mostra-nos dois infantes agraciados: D. João VI (1767-1826) e D. Manuel II (1889-1932). Sobrevivessem os primogênitos D. José e D. Luis Filipe, respectivamente, e a relevância daqueles seria genealógica. Outro príncipe secundário na sucessão mas importante por seus feitos foi D. Henrique, dito O Navegador, fundador da Escola de Sagres, cuja valia dispensa comentário. Temos delfins destinados ao governo mas que não cumpriram seus destinos. Temos infantes destinados à obscuridade que foram chamados ao meio da cena ― D. Manuel II foi o último monarca de Portugal. Com a leitura do romance, o leitor poderá avaliar a justeza vocabulária do autor.

Quem puder que se detenha na biografia de D. Manuel II. O regicídio de 1908 levou-o inesperadamente ao governo de Portugal. Lembremos que Carlos I, o soberano abatido, foi retratado com extrema simpatia por Miguel Sousa Tavares, no já comentado romance Equador. Manuel II reinou timidamente por 29 meses, e foi destronado em 1910. Partiu para o exílio na Inglaterra e neste país despontou-lha verdadeira vocação, a bibliografia. Trata-se da investigação, estudo e descrição de livros antigos, o que lhe valeu a alcunha de "bibliófilo de raça". Elaborou, mas não completou em vida, uma obra em três volumes nomeada Livros Antigos Portugueses, 1489-1600, da Biblioteca de Sua Majestade Fidelíssima. Seu perfil humanista permitiu-lhe acompanhar a transição pacífica de regime.

A Gafeira do romance é aldeia portuguesa inexistente, mas que seria síntese das existentes. Sua única atração é a temporada anual de caça. Fora isso, é um lugar próprio para ser abandonado por quem deseje dar um destino útil à vida. Lamenta-se que sua sombra estenda-se aquém e além mar. É o típico lugarejo onde as estagnadas superstições proíbem, por exemplo, que as mulheres lidem com uva ou trigo enquanto menstruadas para que não se desrespeite o pão e o vinho bíblicos. Não é de se estranhar que tal costume exista ou tenha existido. Si a criação é de Cardoso Pires, com ela foram abreviadas longas descrições de atraso espiritual e social. Todavia, a modernidade ronda e deixa aqui e ali a sensação de sua aproximação, fazendo seus habitantes pressentirem que cedo ou tarde será inevitável recebê-la, quer gostem quer não. A leitura remeteu-nos àquela cena do filme O Leopardo, de Visconti, em que a família do príncipe Salina assiste sua primeira missa ao chegar a Donnafugatta. Todos cobertos do pó da estrada, a câmera passa devagar do pai aos filhos, mostrando-os como fugitivos de época passada, como representantes de tempos que se despedem. Cardoso Pires também não foi muito piedoso com a fidalguia local, conforme o trecho citado ao pé desta coluna.

O personagem principal é Tomás Manuel, dito O Engenheiro, utilizando o título universitário como definição de fidalguia. Nunca deve ter elaborado ou acompanhado um projeto. Cardoso Pires desenha-lhe com poucos traços: "... muita estroinice, mas portas adentro cuidadinho. Ah, sim. Portas adentro não admitia falta de respeito, fosse a quem fosse". É daqueles que recebem a Modernidade com festejos, desde que ela não demonstre querer entrar em casa. Estava sempre pronto a ser cúmplice de adultério, mas que se não levantasse a hipótese de ser ele a vítima. Não bastasse ser leviano, inconsequente e abrutalhado no trato com as pessoas, era também atormentado pela ausência de filhos, mormente por não conseguir identificar a esterilidade em si ou na mulher. A certa altura, irrita-se ao comentar sobre o processo de inseminação artificial ― pares de cornos devidamente esterilizados ― porque lembra que a chave do mistério pode estar com ele. Fica-lhe bem a observação de La Bruyère expressada trezentos anos antes: "É sempre difícil a um homem orgulhoso perdoar a que o surpreendeu em erro e que se queixa dele com razão: seu orgulho só fica satisfeito quando consegue readquirir sua superioridade e jogar a culpa no outro". Por mais que se julgasse superior às pessoas ao seu redor, o Engenheiro reflete-lhes a desconfiança ante o assédio das novidades.

O romance inteiro é o pasmar do narrador-personagem, autodenominado Autor, com o sucedido na aldeia que visitara um ano antes, na mesma estação de caça, período em que privou com o Engenheiro e esposa. Na primeira estadia, viu o barril de pólvora, mas não percebeu o rastilho aceso. No ano seguinte, soube da explosão. Foi informado da existência do inquérito oficial, mas de acesso proibido. Restou-lhe tentar reconstituir a trama a partir da versão oral, muito mais contraditória, invasiva e não conclusiva. Tais incertezas repercutem na estrutura do livro, levando o capítulo XXVI a ter duas surpreendentes versões. Testemunhado o destempero do Engenheiro e destruída a família, o que ficou foi o maldizer da canalha, que si mais levanta o fogo da curiosidade, menos explica e transforma um fato sério em chacota. Todas as épocas mostram-nos o chamado "zé-povinho" encantado com as mazelas dos ocupantes da "prateleira de cima, no dizer de jornalista local.

A leitura d'O delfim foi um prazer linguístico ― caso exista esta categoria ― ampliado pela audição dos álbuns Antology e Rogamar de Cesaria Evora. Tais obras fazem com que nós, brasileiros médios, ampliemos nossa percepção do idioma. Nos últimos dias, resolvemos ler algo breve enquanto a televisão da sala estava ocupada. Tomamos meio que ao acaso o volume de contos portugueses de antiga coleção em dez livros. A última narrativa das Maravilhas do conto português ― seleção de Edgard Cavalheiro, 1958 ― era justamente de Cardoso Pires, intitulada Estrada 43 e extraído d'Os caminheiros. Lido o romance e preparada a coluna, entendemos o encontrar desta história como um "até logo" do escritor. "Até logo", respondemos.

Trecho
"Até que, sem dizer porque sim nem porque não, ordenou que o içassem para cima de um carro de bois e foi passar revista às propriedades. Parecia um pregador em viagem, sentado num trono de seda. A cadeira, furada no tampo, estava envolvida por uma colcha que ocultava o bacio. Ele e os seus dejectos arrastavam-se a passo de procissão por entre lenços vermelhos, tantos como não seria capaz de imaginar. 'O que aí vai, magano. O que aí vai...'

"De pé, ao meio da carroça, um moço da casa amparava-o pelas costas. E o Gago foi-se tornando pensativo, mais inteiriçado ainda, avançando aos solavancos como uma imagem de madeira."

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/10/2009

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Contos 308
Machado de Assis
Objetivo
(2000)



Por uma Liturgia Libertadora
Sjaak de Boer
Paulinas
(1998)



Livro Economia Como Fazer os Juros Serem Mais Baixos no Brasil Uma proposta dos bancos ao governo, congresso, judiciário e à sociedade
Febrabam São Paulo
Febrabam
(2018)



Multiculturalismo - Diferenças Culturais e Práticas Pedagógicas
Org Antonio Flávio Moreira, Org Vera Maria Candau
Vozes
(2012)



Deutsch Als Fremdspache I a Grundkurs
Neuberbeitung
Epu
(1978)



Livro de Bolso Filosofia Confissões
Santo Agostinho; A. Ambrosio
Vozes de Bolso
(2015)



Retalhos Faciais Fasciocutâneos e Osteomiofasciocutâneos
Robert Jan Bloch
Revinter
(2002)



So Depende De Mim
M. Leighton
Record
(2014)



Otelo
William Shakespeare
Civilização Brasileira
(1968)



Como Passar Concursos Cespe 2012: 6. 800 Questoes Comentadas
Wander Garcia
Foco
(2012)





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês