O delfim, de José Cardoso Pires | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
>>> Serie Literária I Conto Frederico Paciência de Mário de Andrade pela Companhia editoria nacional (1978)
>>> Viagem ao Rio Grande do Sul de Auguste de Saint-Hilaire pela Ariel (1935)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 1 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Do Parapeito Vital de Vania Clares pela Autor (1996)
>>> Ensaios Céticos - Prêmios Nobel de Literatura de Bertrand Russell pela Opera (1970)
>>> Enciclopédia do Homem - No tempo dos primeiros automóveis (1900) de Pierre Miquel pela Lutécia (1977)
>>> Teatro - Coleção dos Prêmios Nobel de Literatura de William Butler Yeats pela Delta (1963)
>>> A História da Filosofia de James Garvey, Jeremy Stangroom pela Octavio (2013)
>>> La Argentina y Europa (1950 - 1970) de Vários autores pela Universidad Nacional del Sur (1999)
>>> A Luz Que Se Apagou de Rudyard Kipling pela Delta (1962)
>>> La Batalla en el frente social de Israel en los años 1970 de Vários autores pela Oficina para investigaciones economicas y sociales (1970)
>>> Prêmio Nobel de Literatura - Adeus ás Armas de Ernest Hemingway pela Delta (1969)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado e Alcy pela Ática (2016)
>>> O Sapo que Virou Príncipe: Continuação de Jon Scieszka ( pela Companhia das Letrinhas (2010)
>>> Português : linguagens, 6ª. Série : língua portuguesa de William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2006)
>>> Em busca do eu interior. Histórias e parábolas para aquecer seu coração de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Quero um Gato de Tony Ross pela Martins Fontes (1998)
>>> Gente da França de Alcantara Silveira pela Grd (1991)
>>> Amanhã É Outro Dia de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas / Francisco Messejana (Adaptação ) pela Abril Cultural (1973)
>>> A Cura Através da Terapia de Vidas Passadas de Brian L. Weiss pela Sextante (2001)
>>> Obazine de Pierre Bergounioux pela Le Lieu de l (2021)
>>> A Estratégia do Olho de Tigre de Renato Grinberg pela Gente (2011)
>>> A Casa Sonolenta - 16ª Edição - 29ª reimpressão de Audrey Wood e Don Wood pela Ática (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/10/2009
O delfim, de José Cardoso Pires
Ricardo de Mattos

+ de 14700 Acessos

"Falarei obrigatoriamente de ruínas, misturarei ditos e provérbios, pondo-os na boca do filho quando pertenciam ao pai ou ao tetravô, numa baralhada de espectros em rebelião." (José Cardoso Pires)

É uma responsabilidade escrever sobre o escritor português José Cardoso Pires. Nasceu no interior de Portugal em 1925 e mudou-se ainda criança com a família para Lisboa. Descobriu sua vocação literária quando, afastado da Marinha Mercante, aproximou-se do jornalismo e da redação publicitária. Colaborou em diversas publicações portuguesas como Diário de Lisboa, Gazeta Musical e de Todas as Artes e Afinidades. Lançando a revista Almanaque, esta tinha como programa "ridicularizar os provincianismos, cosmopolitizados ou não, sacudir os bonzos contentinhos e demonstrar que a austeridade é a capa do medo e da falta de imaginação". Refugiou-se do salazarismo no Brasil em 1960, onde foi colaborador do jornal Última Hora e da revista Senhor. Voltando para seu país, revolucionou a literatura e consolidou seu nome no Panteão Lusitano ― para usar uma figura antiga. Além de romancista, entrosou-se o escritor com o teatro, o ensaio, a crônica, o conto e o ensaio. Escreveu dezoito livros em cinquenta anos de carreira, o primeiro em 1947 e o último em 1987. Além de O delfim (Bertrand Brasil, 2008, 320 págs.), são publicados aqui De Profundis, Valsa Lenta e Balada da praia dos cães. Outros de seus títulos são Os Caminheiros e outros contos; O Hóspede de Job; Dinossauro Excelentíssimo; E agora, José?; Alexandra Alpha; Lisboa, Livro de Bordo. Recebeu prêmios literários na Itália ― Roma e Pisa ―, Brasil e Portugal. As fontes consultadas afirmam que ele não se filou a nenhuma corrente literária específica, e do total de sua obra poderia ser percebido certo alinhamento com o neo-realismo português, passando até pelo surrealismo. Entre 1969 e 1971 dá aulas sobre Literatura Portuguesa e Brasileira no King's College da Universidade de Londres e nos anos de 1978/79 volta à mesma cidade e à mesma instituição como resident writer.

O delfim data do tempestuoso ano de 1968 e é apontado como o melhor trabalho de Cardoso Pires. Talvez tenha sido a primeira obra da literatura portuguesa a romper com a cronologia, variando o tempo dos fatos de capítulo a capítulo e dentro de cada capítulo, mas sem criar um imbróglio incompreensível. Lembranças, reflexões e investigações sucedem-se na tela mental do narrador-personagem. Ocorre-nos aproximá-la do Sargento Getúlio, de João Ubaldo Ribeiro, mas sem o esforço de registro da coloquialidade. Não é romance policial, embora tal assertiva tenha pipocado algures. Dada a menção a diversos autores policiais no capítulo XXII, não fica afastada de uma leve mistura, tal como os criadores de cães permitem-se visando fortalecer o sangue do próprio plantel. Nos romances policiais, com perdão de nossas incursões em quantidade inferior à desejada, seguem-se pistas e desvenda-se na conclusão a autoria do crime. N'O delfim, o autor dará pistas que depois deixará de acompanhar e si o leitor não presta atenção, termina a leitura "no ar". Em 2001 a história foi levada ao cinema por Fernando Lopes.

"Delfim" era designativo exclusivo do herdeiro do trono francês. Ainda que outro fosse coroado, somente o filho mais velho do rei tinha o direito de ser assim designado. Originou-se no século XIV com a cessão da província do Delfinado (Dauphiné) à Coroa. O Delfim, na França, equivalia ao Príncipe da Beira em Portugal, ao Príncipe do Grão Pará no Brasil, ou ainda, ao Príncipe de Gales da Inglaterra. Cardoso Pires queria referir-se ao indivíduo altivo, destinatário das terras, vícios e virtudes de seus ancestrais, mantenedor das tradições avoengas, mas desprovido de brasão e de título. Não poderia etiquetar seu personagem recorrendo à nobiliarquia lusitana, dada a ausência de termo equiparado. "Infante" é no todo inapropriado, por ser dado aos filhos de reis que não os herdeiros principais. Segundo a origem latina, infante é aquele que não fala, e por extensão, aquele sem voz ativa nos negócios do Estado. Outra opção seria "fidalgo". Segundo Antenor Nascentes, no vetusto Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, a palavra origina-se da locução "filho-de-algo", sendo "algo" o designativo de riqueza. Até hoje são familiares expressões como: "Fulano conseguiu juntar alguma coisa na vida". No dicionário de Nascentes deparamo-nos com uma distinção saborosa. Segundo ele, o termo opõe-se ao povo, ao "nascido das ervas". Todo nobre é um fidalgo, mas nem todo fidalgo é um nobre e temos para nós que esta opção já resolveria a questão. Cardoso Pires, porém, quis dar destaque ao seu personagem e não se contentou com o oferecido pela língua materna. Nas primeiras linhas da obra o narrador-personagem revela a alternativa escolhida e fecha a questão.

Ou a conturba. Na História Francesa, há delfins que não atingiram a coroação. Louis XIV transmitiu a coroa ao seu bisneto, Louis XV, que por sua vez entregou-a ao seu neto, o triste Louis XVI, decapitado sem que Louis "quase" XVII pudesse pretendê-la. De permeio, quatro delfins que se contentaram com a mera expectativa do trono. Si o peso de um reino for considerado uma graça, a História Portuguesa mostra-nos dois infantes agraciados: D. João VI (1767-1826) e D. Manuel II (1889-1932). Sobrevivessem os primogênitos D. José e D. Luis Filipe, respectivamente, e a relevância daqueles seria genealógica. Outro príncipe secundário na sucessão mas importante por seus feitos foi D. Henrique, dito O Navegador, fundador da Escola de Sagres, cuja valia dispensa comentário. Temos delfins destinados ao governo mas que não cumpriram seus destinos. Temos infantes destinados à obscuridade que foram chamados ao meio da cena ― D. Manuel II foi o último monarca de Portugal. Com a leitura do romance, o leitor poderá avaliar a justeza vocabulária do autor.

Quem puder que se detenha na biografia de D. Manuel II. O regicídio de 1908 levou-o inesperadamente ao governo de Portugal. Lembremos que Carlos I, o soberano abatido, foi retratado com extrema simpatia por Miguel Sousa Tavares, no já comentado romance Equador. Manuel II reinou timidamente por 29 meses, e foi destronado em 1910. Partiu para o exílio na Inglaterra e neste país despontou-lha verdadeira vocação, a bibliografia. Trata-se da investigação, estudo e descrição de livros antigos, o que lhe valeu a alcunha de "bibliófilo de raça". Elaborou, mas não completou em vida, uma obra em três volumes nomeada Livros Antigos Portugueses, 1489-1600, da Biblioteca de Sua Majestade Fidelíssima. Seu perfil humanista permitiu-lhe acompanhar a transição pacífica de regime.

A Gafeira do romance é aldeia portuguesa inexistente, mas que seria síntese das existentes. Sua única atração é a temporada anual de caça. Fora isso, é um lugar próprio para ser abandonado por quem deseje dar um destino útil à vida. Lamenta-se que sua sombra estenda-se aquém e além mar. É o típico lugarejo onde as estagnadas superstições proíbem, por exemplo, que as mulheres lidem com uva ou trigo enquanto menstruadas para que não se desrespeite o pão e o vinho bíblicos. Não é de se estranhar que tal costume exista ou tenha existido. Si a criação é de Cardoso Pires, com ela foram abreviadas longas descrições de atraso espiritual e social. Todavia, a modernidade ronda e deixa aqui e ali a sensação de sua aproximação, fazendo seus habitantes pressentirem que cedo ou tarde será inevitável recebê-la, quer gostem quer não. A leitura remeteu-nos àquela cena do filme O Leopardo, de Visconti, em que a família do príncipe Salina assiste sua primeira missa ao chegar a Donnafugatta. Todos cobertos do pó da estrada, a câmera passa devagar do pai aos filhos, mostrando-os como fugitivos de época passada, como representantes de tempos que se despedem. Cardoso Pires também não foi muito piedoso com a fidalguia local, conforme o trecho citado ao pé desta coluna.

O personagem principal é Tomás Manuel, dito O Engenheiro, utilizando o título universitário como definição de fidalguia. Nunca deve ter elaborado ou acompanhado um projeto. Cardoso Pires desenha-lhe com poucos traços: "... muita estroinice, mas portas adentro cuidadinho. Ah, sim. Portas adentro não admitia falta de respeito, fosse a quem fosse". É daqueles que recebem a Modernidade com festejos, desde que ela não demonstre querer entrar em casa. Estava sempre pronto a ser cúmplice de adultério, mas que se não levantasse a hipótese de ser ele a vítima. Não bastasse ser leviano, inconsequente e abrutalhado no trato com as pessoas, era também atormentado pela ausência de filhos, mormente por não conseguir identificar a esterilidade em si ou na mulher. A certa altura, irrita-se ao comentar sobre o processo de inseminação artificial ― pares de cornos devidamente esterilizados ― porque lembra que a chave do mistério pode estar com ele. Fica-lhe bem a observação de La Bruyère expressada trezentos anos antes: "É sempre difícil a um homem orgulhoso perdoar a que o surpreendeu em erro e que se queixa dele com razão: seu orgulho só fica satisfeito quando consegue readquirir sua superioridade e jogar a culpa no outro". Por mais que se julgasse superior às pessoas ao seu redor, o Engenheiro reflete-lhes a desconfiança ante o assédio das novidades.

O romance inteiro é o pasmar do narrador-personagem, autodenominado Autor, com o sucedido na aldeia que visitara um ano antes, na mesma estação de caça, período em que privou com o Engenheiro e esposa. Na primeira estadia, viu o barril de pólvora, mas não percebeu o rastilho aceso. No ano seguinte, soube da explosão. Foi informado da existência do inquérito oficial, mas de acesso proibido. Restou-lhe tentar reconstituir a trama a partir da versão oral, muito mais contraditória, invasiva e não conclusiva. Tais incertezas repercutem na estrutura do livro, levando o capítulo XXVI a ter duas surpreendentes versões. Testemunhado o destempero do Engenheiro e destruída a família, o que ficou foi o maldizer da canalha, que si mais levanta o fogo da curiosidade, menos explica e transforma um fato sério em chacota. Todas as épocas mostram-nos o chamado "zé-povinho" encantado com as mazelas dos ocupantes da "prateleira de cima, no dizer de jornalista local.

A leitura d'O delfim foi um prazer linguístico ― caso exista esta categoria ― ampliado pela audição dos álbuns Antology e Rogamar de Cesaria Evora. Tais obras fazem com que nós, brasileiros médios, ampliemos nossa percepção do idioma. Nos últimos dias, resolvemos ler algo breve enquanto a televisão da sala estava ocupada. Tomamos meio que ao acaso o volume de contos portugueses de antiga coleção em dez livros. A última narrativa das Maravilhas do conto português ― seleção de Edgard Cavalheiro, 1958 ― era justamente de Cardoso Pires, intitulada Estrada 43 e extraído d'Os caminheiros. Lido o romance e preparada a coluna, entendemos o encontrar desta história como um "até logo" do escritor. "Até logo", respondemos.

Trecho
"Até que, sem dizer porque sim nem porque não, ordenou que o içassem para cima de um carro de bois e foi passar revista às propriedades. Parecia um pregador em viagem, sentado num trono de seda. A cadeira, furada no tampo, estava envolvida por uma colcha que ocultava o bacio. Ele e os seus dejectos arrastavam-se a passo de procissão por entre lenços vermelhos, tantos como não seria capaz de imaginar. 'O que aí vai, magano. O que aí vai...'

"De pé, ao meio da carroça, um moço da casa amparava-o pelas costas. E o Gago foi-se tornando pensativo, mais inteiriçado ainda, avançando aos solavancos como uma imagem de madeira."

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 19/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
03. Literatura engajada de Marta Barcellos
04. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
05. A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin de Ricardo de Mattos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diccionario Ideológico Político de La Transición 60 Años En las P
Emilio Attard (tomos 1, 2 e 3)
Federico Domenech (valência)
(1995)



Dictionnaire des Religions
E. Royston Pike (capa Dura)
Pressesuniversitaires
(1954)



Pobreza, Desigualdad Social y Ciudadanía: los Límites
Alicia Ziccardi (compiladora)
Clacso
(2002)



Era uma Vez no Instituto de Educação
Zilá Simas Enéas
Autora (rj)
(1998)



Salário Mínimo / Instrumento de Combate à Desigualdade
Dieese
Ford Foundation
(2010)



Bandolim
Leny Werneck
Melhoramentos
(1986)



Estatica de las Estructuras - 4 Tomos
Schreyer/ramm/wagner
Editorial Blume
(1969)



Os Jovens Deixam Sangrar Com Caetano Veloso
Manchete Nº 983 de 20 de Fevereiro 1971
Bloch
(1971)



Questions Sur La Chine Après La Mort de Mao Tsé-toung
Charles Bettelheim (capa Dura)
François Maspero (paris)
(1979)



Nássara Desenhista
Cássio Loredano (dedicatória)
Mec/secretaria da Cultura
(1985)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês