Nos penhascos de mármore, de Ernst Jünger | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Princípio ativo
Mais Recentes
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
>>> Comunicação em Prosa Moderna de Othon Moacyr Garcia pela fundação Getúlio Vargas (1988)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/8/2009
Nos penhascos de mármore, de Ernst Jünger
Ricardo de Mattos

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Todos conheceis a profunda melancolia que nos cerca, ao recordarmos tempos felizes." (Ernst Jünger)

O escritor alemão Ernst Jünger viveu 102 anos: de 1895 a 1998. Assistiu a tudo no curto século de Hobsbawm: duas guerras mundiais, a Guerra Fria, os conflitos menores, a sucessão dos papas, movimentos libertários e artísticos, ascensão e queda do comunismo, construção e demolição do muro de Berlin, a chegada do homem à Lua, a evolução do telégrafo à internet. O Prêmio Nobel começou a ser entregue seis anos após seu nascimento. Fugiu de casa aos dezoito anos para integrar a Legião Estrangeira, no norte da África. Lutou na Primeira Guerra Mundial, onde foi ferido diversas vezes. Após frequentar as universidades de Leipzig e de Nápoles, gradua-se biólogo especializado em entomologia, isto é, estudioso dos insetos. Sua formação acadêmica inclui-o no seleto grupo de escritores entomólogos: Goethe, Maeterlinck e Nabokov. Escreveu obra numerosa abrangendo romances, política, biologia, cartas e diários. Destacam-se os romances Tempestade de Aço, de 1920, e Nos penhascos de mármore (CosacNaify, 2008, 200 págs.), de 1940, ora reeditada no Brasil.

Retornando da Guerra de 1914-1918, Jünger indignou-se com a submissão da Alemanha imposta pelo Tratado de Versalhes. Engaja-se em defesa do nacionalismo defendendo, em síntese, a guerra como único "impulso de transformação histórica"; a queda da democracia; e estabelecimento de uma ditadura liderada por um führer. Entretanto, quando o Partido Nacional-Socialista chegou ao poder pela urna, revoltou-se. Pelo que se entende, defendia uma ditadura esclarecida, que honrasse o nível cultural então alcançado, o que não foi bem o caso de Adolf Hitler. Com as devidas mudanças, pode ter sido o último platônico. Apesar dos contatos teóricos iniciais, nunca aderiu ao nazismo como seria de se esperar do seu ímpeto juvenil. Recusou qualquer vinculação ao regime, mesmo que oferecida de conjunto a um cargo financeiramente atraente. Muitos de seus posicionamentos foram alterados pelo contato com a realidade. Rascunhando textos de cunho antissemita, rejeitou-os ao apaixonar-se e casar-se com uma judia. Também não idealizou impunemente a guerra. Como cidadão alemão e ex-soldado, foi convocado a lutar pela Alemanha na Segunda Guerra Mundial. Não deve ter sido o melhor momento de sua vida lutar a favor do que criticava.

Nos penhascos de mármore, escrito entre fevereiro e julho de 1939, e publicado no começo de 1940, costuma ser apresentado como roman à clef. Duas podem ser as acepções da expressão. A primeira refere-se à obra que, sozinha, permite entender a totalidade do trabalho de um escritor. Seria aquela que encerra suas principais indagações, seu posicionamento moral, literário, filosófico, político etc. A segunda é aplicável a obras que possibilitam o aguçamento da visão quando dirigida a um evento ou fase da História. Este é o sentido próprio ao romance ora comentado. Jünger apreendeu a essência dos fatos, filtrando e destilando tudo que testemunhou, tudo que vivenciou. Escreveu assim excelente narrativa. O resultado não é uma beberagem que queima a garganta, mas um licor que acalenta o espírito.

A trama desenrola-se em Marina Grande, país imaginário que resume toda a Europa. Seria o local onde cada povo do passado e do presente, bem como de cada um dos pontos cardeais, deu a sua contribuição para o aprimoramento cultural e civilizatório. No curso da história, descobre-se que não só o cenário, porém animais, plantas, personagens históricos e raças caninas são fictícios ou deslocados de seu habitat original em prol da ficção. Haveria numa aldeia o Eremitério, onde o narrador-personagem teria se retirado para dedicar-se a estudos botânicos em companhia de Irmão Otho. Apesar de claramente inspirado no seu irmão, no livro não é irmão de sangue, mas um antigo companheiro de batalha retirado à vida monástica. Difícil o texto consultado que não tenha feito a confusão. O que Jünger quer passar ao leitor é a ideia de região amena, onde a cultura adquire corpo e sofisticação, afastada do burburinho citadino, mas não tanto que coíba celebrações regulares. A paz seria tão grande a ponto de uma criança poder brincar tranquila entre cobras e lagartos. Daí o assombro com livre curso da barbárie num seio que deveria rejeitá-la de início. "O império deles não passa de uma grande terrina onde se vai cozendo a guerra", como teria observado Saint-Exupéry.

Segue-se a inversão paulatina deste estado contemplativo. A caterva vitoriosa em importante batalha anterior atua cada vez mais atrevidamente na vida social, política e institucional de Marina Grande. Forma partido encarregado de disseminar o horror e a destruição, encontrando aquela receptividade que causou estranheza ao narrador. Segundo ele, seriam pessoas que, incapazes de conceber ou de compreender o Belo, tomam por missão destruí-lo. "O mal prevalece porque os bons são tímidos". A Malícia nunca é brusca. Ela não rouba, apropria-se. Para isso, sua aproximação é cautelosa, cordial. Abraça para estudar punhalada futura. Quando não há mais o que disfarçar e a ruína consuma-se, Jünger cria uma batalha impressionante, na qual até os cães são envolvidos ativamente na fúria, remetendo-nos aos tempos romanos. Outra não é a origem dos mastins napolitanos.

Nos penhascos de mármore foi publicado com a Guerra de 1939-1945 já iniciada. Fatos e pessoas são reconhecíveis, mas parece não ter havido um embasamento exclusivo na construção de certos personagens. A exceção evidente é o monteiro-mor, líder do extermínio inspirado em Hitler. "Monteiro" era o empregado responsável pela supervisão de área florestal destinada à caça. Lembre-se do amante de Lady Chartelley. "Monteiro-mor" era o oficial de casa real, encarregado de organizar as caçadas da realeza. Além de menos óbvio que general, almirante ou brigadeiro, monteiro-mor é um título oficial, mas não militar, o que sabe a certa ironia. Zomba de quem se julga grande comandante e sequer pertence às forças armadas, ou pretende-se águia tendo envergadura de pardal. No sétimo capítulo, vemos um dos melhores esboços do führer verdadeiro: "Como nos velhos beberrões, seus olhos se inflamavam num traço de vermelhidão, mas, ao mesmo tempo, havia neles uma inabalável expressão de astúcia e de poder ― por vezes, de soberania".

Jünger queria uma sociedade dominante pela ciência, pela tecnologia e alta cultura, mesmo que imposta pela força bélica. Os acontecimentos decorrentes do privilégio do embrutecimento extinguiram-lhas melhores expectativas. Seu propagandismo nacionalista foi profundamente revisto e sua indignação transparece no romance. Não deve errôneo afirmar que o escritor contou com ele para negar ou esclarecer os escritos anteriores, para diferenciar entre o defendido em tese e o ocorrido de fato. "Naquela época, agradava-nos a sua proximidade ― vivíamos em estado de grande excitação e sentávamos à mesa dos poderosos do mundo (...) Tão logo percebemos essa falha, tratamos de repará-la".

Nota do Autor
O mesmo colunista teve publicado recentemente um texto na Revista da ABRAME ― Associação Brasileira de Magistrados Espíritas ―, também disponível on-line.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 10/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
02. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
03. Glauco: culpado ou inocente? de Gian Danton
04. Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela de Marcelo Spalding
05. É Julio mesmo, sem acento de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/8/2009
16h43min
Obrigado, Ricardo de Mattos!, por resenhar esta obra-prima da literatura. Logo nas linhas iniciais do primeiro capítulo de "Nos penhascos de mármore", o referido texto nos empurra para uma leitura de perder o fôlego. Acrescento, aqui, a importância dos notáveis prefácio e posfácio contidos na bela edição da CosacNaify, redigidos, respectivamente, por Antonio Candido e Tercio Redondo (também tradutor desta magnífica obra). abs do Sílvio Medeiros. Campinas, é inverno de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Inquérito e a Ação Penal
Oswaldo Lim Rodrigue
La Cava (niterói)
(1980)



Magistratura do Trabalho: Sentenças de Concursos Resolvidas
Otavio Calvet (2ª Edição)
Elsevier
(2005)



Ingenium - um Curso Rápido e Eficaz Sobre Criatividade
Tina Seelig
Virgiliae
(2012)



Salvem os Monstros
Fernando Paiva
7 Letras
(2010)



Agropecuária Orgânica Em Dose Homeopáticas e Romantizadas
Santiago Dorremim
Do Ré Mi
(2007)



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



O Outro Lado da Memória
Beatriz Cortes
Novo Século
(2015)



Soldados de Papel - Cine-romance
Raul Paulo da Rocha e Miklós Palluch
Do Autor
(2003)



Na Alcova: Três Histórias Licenciosas
Guilleragues, Crébillon e Denon
Companhia das Letras
(2001)



Concise Oxford American Dictionary
Oxford
Oxford
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês