Nos penhascos de mármore, de Ernst Jünger | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
COLUNAS

Segunda-feira, 10/8/2009
Nos penhascos de mármore, de Ernst Jünger
Ricardo de Mattos

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Todos conheceis a profunda melancolia que nos cerca, ao recordarmos tempos felizes." (Ernst Jünger)

O escritor alemão Ernst Jünger viveu 102 anos: de 1895 a 1998. Assistiu a tudo no curto século de Hobsbawm: duas guerras mundiais, a Guerra Fria, os conflitos menores, a sucessão dos papas, movimentos libertários e artísticos, ascensão e queda do comunismo, construção e demolição do muro de Berlin, a chegada do homem à Lua, a evolução do telégrafo à internet. O Prêmio Nobel começou a ser entregue seis anos após seu nascimento. Fugiu de casa aos dezoito anos para integrar a Legião Estrangeira, no norte da África. Lutou na Primeira Guerra Mundial, onde foi ferido diversas vezes. Após frequentar as universidades de Leipzig e de Nápoles, gradua-se biólogo especializado em entomologia, isto é, estudioso dos insetos. Sua formação acadêmica inclui-o no seleto grupo de escritores entomólogos: Goethe, Maeterlinck e Nabokov. Escreveu obra numerosa abrangendo romances, política, biologia, cartas e diários. Destacam-se os romances Tempestade de Aço, de 1920, e Nos penhascos de mármore (CosacNaify, 2008, 200 págs.), de 1940, ora reeditada no Brasil.

Retornando da Guerra de 1914-1918, Jünger indignou-se com a submissão da Alemanha imposta pelo Tratado de Versalhes. Engaja-se em defesa do nacionalismo defendendo, em síntese, a guerra como único "impulso de transformação histórica"; a queda da democracia; e estabelecimento de uma ditadura liderada por um führer. Entretanto, quando o Partido Nacional-Socialista chegou ao poder pela urna, revoltou-se. Pelo que se entende, defendia uma ditadura esclarecida, que honrasse o nível cultural então alcançado, o que não foi bem o caso de Adolf Hitler. Com as devidas mudanças, pode ter sido o último platônico. Apesar dos contatos teóricos iniciais, nunca aderiu ao nazismo como seria de se esperar do seu ímpeto juvenil. Recusou qualquer vinculação ao regime, mesmo que oferecida de conjunto a um cargo financeiramente atraente. Muitos de seus posicionamentos foram alterados pelo contato com a realidade. Rascunhando textos de cunho antissemita, rejeitou-os ao apaixonar-se e casar-se com uma judia. Também não idealizou impunemente a guerra. Como cidadão alemão e ex-soldado, foi convocado a lutar pela Alemanha na Segunda Guerra Mundial. Não deve ter sido o melhor momento de sua vida lutar a favor do que criticava.

Nos penhascos de mármore, escrito entre fevereiro e julho de 1939, e publicado no começo de 1940, costuma ser apresentado como roman à clef. Duas podem ser as acepções da expressão. A primeira refere-se à obra que, sozinha, permite entender a totalidade do trabalho de um escritor. Seria aquela que encerra suas principais indagações, seu posicionamento moral, literário, filosófico, político etc. A segunda é aplicável a obras que possibilitam o aguçamento da visão quando dirigida a um evento ou fase da História. Este é o sentido próprio ao romance ora comentado. Jünger apreendeu a essência dos fatos, filtrando e destilando tudo que testemunhou, tudo que vivenciou. Escreveu assim excelente narrativa. O resultado não é uma beberagem que queima a garganta, mas um licor que acalenta o espírito.

A trama desenrola-se em Marina Grande, país imaginário que resume toda a Europa. Seria o local onde cada povo do passado e do presente, bem como de cada um dos pontos cardeais, deu a sua contribuição para o aprimoramento cultural e civilizatório. No curso da história, descobre-se que não só o cenário, porém animais, plantas, personagens históricos e raças caninas são fictícios ou deslocados de seu habitat original em prol da ficção. Haveria numa aldeia o Eremitério, onde o narrador-personagem teria se retirado para dedicar-se a estudos botânicos em companhia de Irmão Otho. Apesar de claramente inspirado no seu irmão, no livro não é irmão de sangue, mas um antigo companheiro de batalha retirado à vida monástica. Difícil o texto consultado que não tenha feito a confusão. O que Jünger quer passar ao leitor é a ideia de região amena, onde a cultura adquire corpo e sofisticação, afastada do burburinho citadino, mas não tanto que coíba celebrações regulares. A paz seria tão grande a ponto de uma criança poder brincar tranquila entre cobras e lagartos. Daí o assombro com livre curso da barbárie num seio que deveria rejeitá-la de início. "O império deles não passa de uma grande terrina onde se vai cozendo a guerra", como teria observado Saint-Exupéry.

Segue-se a inversão paulatina deste estado contemplativo. A caterva vitoriosa em importante batalha anterior atua cada vez mais atrevidamente na vida social, política e institucional de Marina Grande. Forma partido encarregado de disseminar o horror e a destruição, encontrando aquela receptividade que causou estranheza ao narrador. Segundo ele, seriam pessoas que, incapazes de conceber ou de compreender o Belo, tomam por missão destruí-lo. "O mal prevalece porque os bons são tímidos". A Malícia nunca é brusca. Ela não rouba, apropria-se. Para isso, sua aproximação é cautelosa, cordial. Abraça para estudar punhalada futura. Quando não há mais o que disfarçar e a ruína consuma-se, Jünger cria uma batalha impressionante, na qual até os cães são envolvidos ativamente na fúria, remetendo-nos aos tempos romanos. Outra não é a origem dos mastins napolitanos.

Nos penhascos de mármore foi publicado com a Guerra de 1939-1945 já iniciada. Fatos e pessoas são reconhecíveis, mas parece não ter havido um embasamento exclusivo na construção de certos personagens. A exceção evidente é o monteiro-mor, líder do extermínio inspirado em Hitler. "Monteiro" era o empregado responsável pela supervisão de área florestal destinada à caça. Lembre-se do amante de Lady Chartelley. "Monteiro-mor" era o oficial de casa real, encarregado de organizar as caçadas da realeza. Além de menos óbvio que general, almirante ou brigadeiro, monteiro-mor é um título oficial, mas não militar, o que sabe a certa ironia. Zomba de quem se julga grande comandante e sequer pertence às forças armadas, ou pretende-se águia tendo envergadura de pardal. No sétimo capítulo, vemos um dos melhores esboços do führer verdadeiro: "Como nos velhos beberrões, seus olhos se inflamavam num traço de vermelhidão, mas, ao mesmo tempo, havia neles uma inabalável expressão de astúcia e de poder ― por vezes, de soberania".

Jünger queria uma sociedade dominante pela ciência, pela tecnologia e alta cultura, mesmo que imposta pela força bélica. Os acontecimentos decorrentes do privilégio do embrutecimento extinguiram-lhas melhores expectativas. Seu propagandismo nacionalista foi profundamente revisto e sua indignação transparece no romance. Não deve errôneo afirmar que o escritor contou com ele para negar ou esclarecer os escritos anteriores, para diferenciar entre o defendido em tese e o ocorrido de fato. "Naquela época, agradava-nos a sua proximidade ― vivíamos em estado de grande excitação e sentávamos à mesa dos poderosos do mundo (...) Tão logo percebemos essa falha, tratamos de repará-la".

Nota do Autor
O mesmo colunista teve publicado recentemente um texto na Revista da ABRAME ― Associação Brasileira de Magistrados Espíritas ―, também disponível on-line.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 10/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal
04. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
05. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
03. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/8/2009
16h43min
Obrigado, Ricardo de Mattos!, por resenhar esta obra-prima da literatura. Logo nas linhas iniciais do primeiro capítulo de "Nos penhascos de mármore", o referido texto nos empurra para uma leitura de perder o fôlego. Acrescento, aqui, a importância dos notáveis prefácio e posfácio contidos na bela edição da CosacNaify, redigidos, respectivamente, por Antonio Candido e Tercio Redondo (também tradutor desta magnífica obra). abs do Sílvio Medeiros. Campinas, é inverno de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês