O elogio da narrativa | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Mapa da sala de aula
>>> Gostar de homem
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
Mais Recentes
>>> Senhores de engenho. Judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela Ed 20-20 comunicação (2002)
>>> Trovão inverso de Eugene H. Peterson pela Habacuc (2005)
>>> Meninas de Calça - O terceiro Verão da Irmandade de Ann Brashares pela Rocco (2005)
>>> O Negócio do Livro de Jason Epstein pela Record (2002)
>>> Fundamentos da biologia celular de Alberts e outros pela Artmed (2008)
>>> Pedagogia da autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (1996)
>>> Elogio da Mentira de Patrícia Melo pela Rocco (2010)
>>> Demian e Sidarta de Hermann Hesse pela Best Bolso (2012)
>>> Quincas Borba de Machado de Assin pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O fim do Verão e Um encontro inesperado de Rosamunde Pilcher pela Best Bolso (2012)
>>> Criando Prosperidade e as leis espirituais do sucesso de Deepak Chopra pela Best Bolso (2012)
>>> Diários do vampiro Reunião Sombria de L.J. Smith pela Galera (2011)
>>> Diários do vampiro A fúria de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Diários do vampiro O confronto de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Biologia celular e molecular de Luiz C. Junqueira, José Carneiro pela Guanabara, Gen (2005)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2017)
>>> Diários do vampiro O despertar de L.J. Smith pela Galera (2010)
>>> Os Crimes da Luz de Dante Alighieri pela Planeta (2005)
>>> A Cidade Dorme de Luiz Ruffato pela Companhia das Letras (2018)
>>> Introdução á Climatologia para os Trópicos de J.O. Ayoade pela Bertrand Brasil (1996)
>>> O pastor que Deus usa de Eugene H. Peterson pela Textus (2003)
>>> As Idéias da Álgebra de Arthur F. Coxford, Albert P. Shulte pela Atual (1995)
>>> Buso Renkin volume 2 de Nobuhiro Watsuki pela Jbc Mangás (2003)
>>> Caminhos da Justiça de John Grisham pela Rocco (2010)
>>> Fullmetal Alchemist volume 28 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 27 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 5 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2002)
>>> Da reforma protestante á pentecostalidade da igreja de Bernardo Campos pela Sinodal (2002)
>>> Vampire Kisses Laços de sangue de Ellen Schreiber e Rem pela Tokyo Pop (2008)
>>> De Repente nas Profundezas do Bosque de Amóz Oz pela Seguinte (2007)
>>> Onegai Twins volume 2 de Please1 e Akikan pela Jbc Mangás (2008)
>>> Nana volume 2 de Ai Yazawa pela Jbc Mangás (2008)
>>> Regras de Cortesia de Amor Towles pela Rocco (2012)
>>> Paradise kiss volume 2 de Ai Yazawa pela Conrad (2007)
>>> Comentário de Romanos versículos por versículo de C. E. B Granfield pela Vida Nova (2005)
>>> Omega complex volume 3 de Shonen Izu pela Astral comics (2014)
>>> Tenho Tenge volume 1 de Oh Great pela Jbc Mangás (2009)
>>> Ainda Sou Eu de Jojo Moyes pela Intrínseca (2018)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Estruturas de Dados e Algoritmo em Java de Michael T. Goodrich e Roberto Tamassia pela Bookman (2001)
>>> Pablo Escobar: Meu Pai - As Histórias que Não Deveríamos Saber de Juan Pablo Escobar pela Planeta do Brasil (2015)
>>> Dom Hélder Câmara: Entre o Poder e a Profecia de Nelson Piletti; Walter Praxedes pela Ática (1997)
>>> O Andarilho das Estrelas de Jack London pela do Conhecimento (2004)
>>> Kill la Kill volume 3 de Ryo Akizuki e Trigger/ Kazuki Nakashima pela Jbc Mangás (2015)
>>> O Homem que Comeu de tudo de Jeffrey Steingarten pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela Agir (2015)
>>> Doos Of Chaos volume 1 de Ryoko Mitsuki pela Tokyo Pop (2008)
>>> Kanpai volume 1 de Maki Murakami pela New pop (2008)
>>> Aprender Depois dos 50 de Ivonne Assunta Cortelletti; Miriam Bonho Casara; Isabel Aurora Marrachinho Toni pela Educs (2007)
>>> Bleach volume 7 de Tite Kubo pela Panini comics (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/8/2010
O elogio da narrativa
Luis Eduardo Matta

+ de 6100 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Em 2003, publiquei o primeiro de uma série de artigos defendendo a consolidação de uma literatura de entretenimento feita por escritores brasileiros, que causou certo rebuliço e me tornou, ainda que por alguns poucos dias, alvo de toda sorte de impropérios. Na época, eu apelidei essa literatura de "LPB ― Literatura Popular Brasileira", numa analogia, feita ao acaso ao longo do texto, com a música. Minha tese era ― e continua sendo ― a de que é escassa no Brasil uma literatura menos preocupada com os rigores estéticos, com a experimentação e com a abordagem aprofundada de temas existenciais ou sociológicos e mais voltada para a narrativa despretensiosa. Isto é: uma literatura sem ambições intelectuais, cujo principal objetivo seja o de contar uma história interessante e bem construída de começo, meio e fim, em linguagem direta e acessível, capaz de emocionar leitores de diversos estratos sociais e culturais. Muita gente pensou erroneamente que a LPB era um manifesto ou, mais ainda, um movimento literário com adeptos, signatários e metas estabelecidas. O fato é que meus artigos sobre a LPB se prestavam apenas à exposição de uma percepção muito particular a respeito da trajetória da literatura brasileira, forjada durante anos de aprendizado como leitor e como pessoa sobre a nossa cultura e o nosso país.

Felizmente, o tema também conquistou simpatizantes ― pessoas com inquietações semelhantes, mas que, por uma razão ou outra, não haviam tido, ainda, a oportunidade de se manifestar, ou encontrado a maneira certa de fazê-lo. O tema, afinal, soa polêmico, sobretudo para os que não admitem mudanças ou vivem enclausurados nas suas certezas, recusando-se a ouvir ou dialogar. Na verdade, uma análise mais detida e objetiva mostra que não se trata de uma proposta tão polêmica. Ainda porque a ideia de uma literatura de entretenimento brasileira ― pelo menos da forma como expus nos artigos ― não passa por uma denúncia da tradição literária brasileira. Tampouco pela literatura que se produz atualmente no Brasil. Sempre defendi o princípio da convivência. A literatura de entretenimento, desta maneira, abriria um caminho a mais dentro das nossas letras, sem sequer cogitar a extinção dos já consolidados ou condenar o surgimento de outros.

A ficção brasileira vive, hoje, um extraordinário momento criativo. Nunca se escreveu tanto e de tantas maneiras por aqui como agora e, do mesmo modo, nunca foi tão simples publicar e ser lido. Autores de várias vertentes estão emergindo com trabalhos originais, muitos dos quais bem feitos, de nítida voz própria e com uma assumida influência pop ― uma característica comum entre aqueles que cresceram a partir da década de 1980. Nossa ficção de terror, por exemplo, já é uma realidade. Com amplo público leitor cativo e protagonizando uma infinidade de eventos alternativos, ela possui, hoje, um reconhecimento que seria improvável, digamos, há vinte ou trinta anos. O mesmo ocorre com a ficção científica e o romance policial, durante décadas desprezados no meio literário, e hoje em curva ascendente. Esses e outros gêneros, historicamente marginalizados, vêm ganhando força, muito graças à internet, que conectou escritores e leitores de todo o país, revelando a existência de pontos em comum entre pessoas que viviam isoladas e que não imaginavam haver milhões de outras com anseios e opiniões convergentes sobre literatura. A comunicação propiciada pela internet e seu caráter interativo e agregador têm sido fundamentais para essa aparente distensão do cânone literário. Aos poucos, vamos percebendo que há um amplo espaço no Brasil para todo tipo de ficção e que para figurar no panteão da literatura brasileira, uma obra não precisa, necessariamente, estar em absoluta conformidade com os critérios do meio acadêmico e nem a ele prestar contas, já que não depende do seu reconhecimento para ser legitimada.

Foi nesse clima que na Bienal do Livro de 2009, alguns profissionais do meio literário ― escritores, editores e jornalistas ― se conheceram e, unidos por pontos de vista e objetivos similares em relação à causa da literatura de entretenimento, decidiram abrir um canal de comunicação com a sociedade para divulgar suas ideias. Nascia, então, o Manifesto Silvestre, este, sim, um movimento, ao contrário da LPB. A meta fundamental do manifesto é estimular os escritores brasileiros de entretenimento a assumir, sem receio de ser desautorizados, que, sim, o que eles fazem é literatura. É acabar com a noção de que entretenimento não passa de um passatempo vazio e superficial, de algo "menor", e propor aos autores uma espécie de retorno à narrativa, à arte de contar histórias, sempre observando a qualidade e tendo em conta que a criação de uma obra de entretenimento exige o mesmo rigor e apuro de qualquer obra literária que almeje ser levada a sério. Eu, pessoalmente, não me preocupo muito com os humores da crítica acadêmica, mas é chegada a hora de a universidade flexibilizar seus conceitos e se abrir, como, ao que parece, já está acontecendo. A literatura brasileira, afinal, está mudando de fisionomia, ampliando seus horizontes, agregando novas tendências e todos que a estudam e se preocupam com ela precisam acompanhar esse processo, sob pena de ficarem alijados da realidade e cada vez mais distantes do já rarefeito diálogo com o conjunto da sociedade.

A própria palavra "entretenimento", vista com desprezo, deveria ser repensada e tratada com mais respeito. Pois a literatura que trilha esse caminho com responsabilidade é muito difícil de ser concebida. Exige planejamento, pesquisa, precisão linguística (até para ser inteligível) e um olhar atento sobre a multiplicidade da realidade, já que o seu propósito, em geral, é recriar na ficção não o umbigo do escritor, mas situações que não estão necessariamente presentes no seu cotidiano. A crença de que um texto para ter valor precisa ser complicado e prolixo é equivocada. Toda literatura é capaz de transmitir ideias e levar pessoas a refletir. Quantas histórias interessantes não se perderam nas mãos de autores atrapalhados que, no afã de serem levados a sério, se forçaram a adotar uma verborragia rebuscada e cansativa, e, com isso, acabaram não conseguindo passar adequadamente o seu recado?

Do mesmo modo que a culinária de uma família não pode ser composta apenas de lagosta, caviar, trufas e açafrão, a cultura de um país não se faz somente com gênios. Se na língua inglesa a literatura conta com o talento de nomes como Ian McEwan e Ken Follett (no Reino Unido) e Philip Roth e Dan Brown (nos Estados Unidos) ― cada qual brilhando à sua maneira e sem competir entre si ― nada impede que criemos um ambiente parecido por aqui. Como declarou o célebre crítico José Paulo Paes, um dos primeiros intelectuais que, até onde sei, se debruçou com seriedade sobre a questão da literatura entretenimento no Brasil: "(...) Numa cultura de literatos como a nossa, todos sonham ser Gustave Flaubert ou James Joyce, ninguém se contentaria em ser Alexandre Dumas ou Agatha Christie. Trata-se obviamente de um erro de perspectiva: da massa de leitores destes últimos autores é que surge a elite dos leitores daqueles, e nenhuma cultura realmente integrada pode se dispensar de ter, ao lado de uma vigorosa literatura de proposta, uma não menos vigorosa literatura de entretenimento (...)". O trecho foi extraído do ensaio "Por uma literatura brasileira de entretenimento (ou: o mordomo não é o único culpado)", que integra a coletânea A aventura literária (Companhia das Letras) cuja leitura recomendo com vigor.

Nota do autor
Texto originalmente publicado na revista Machado, em agosto de 2010. Leia também "Literatura de entretenimento e leitura no Brasil".


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 23/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
02. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
03. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
04. Beijo surdo de Ana Elisa Ribeiro
05. Festival de Mantiqueira, Oprah Winfrey e Ronaldo de Daniel Bushatsky


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
03. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
04. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
05. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIOLOGIA DO HOMEM
JORGE REIS SÁ
ESCRITURAS
(2005)
R$ 9,10



A ÁGUIA POUSOU
JACK HIGGINS
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 8,80



EDUCACION PSICOMOTRIZ Y RETRASO MENTAL
LOUIS PICQ PIERRE VAYER
CIENTIFICO-MEDICA
(1969)
R$ 12,00



VIDA E APOSTOLADO DA SERVA DE DEUS VIRGINIA CENTURIONE BRACELLI
VIRGINIA
S A
(1960)
R$ 11,90



AOS PÉS DOS MESTRES NOS HIMALAIAS
PROF. MARIA JOSÉ MARINHO
DO AUTOR
(2011)
R$ 8,00



GRANDES SUCESSOS DA PEQUENA EMPRESA HISTORIAS REAI
FRANCISCO GRACIOSO
ESPM
(1995)
R$ 7,00



TECNICA DE LABORATORIO 2ª EDIÇÃO PARA A PRATICA DIARIA
DIONISIO M. GONZALEZ TORRES
ND
(1942)
R$ 50,24



A BOLSA AMARELA
LYGIA BOJUNGA
CASA LYGIA BOJUNGA
(2011)
R$ 15,00



CIÚME O MEDO DA PERDA
EDUARDO FERREIRA-SANTOS
CLARIDADE
(2003)
R$ 17,00



MINIMANUAL COMPACTO DE FÍSICA: TEORIA E PRÁTICA
MÁRCIO PELEGRINI
RIDEEL
(1999)
R$ 7,87





busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês