O que você comeu no café da manhã? | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
30221 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Paulo Coelho para o Nobel
>>> 2008, o ano de Chigurh
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Onde fica o interruptor?
>>> Era uma vez
>>> The Ultimate Ozzy 1986
>>> Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Arcanjos e Mestres Ascensos
>>> Mentiras no divã
>>> Never, more forever: a poesia na modernidade, ou Shelley versus Peacock ...
>>> Mistérios Desvelados - Ensinamentos do Mestre Saint Germain
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 25 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 18 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 17 (RARIDADE) - Guerra do Vietnã
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 16 (RARIDADE) - Igraja e Marxismo
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 14 (RARIDADE) - Mulheres, a revolução mais longa
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 13: China - Uma revolução dentro da Revolução - (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 9-10 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 7 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 5-6 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 3 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 1 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Caderno Especial 1: A Revolução Russa - Cinquenta Anos de História
>>> O Homem e o Universo
>>> O Judaísmo- do Exílio ao Tempo de Jesus
>>> Direito Penal - Parte Geral ( V. 7)
>>> O Exército de Cavalaria
>>> The Golden Treasury
>>> Surdez e linguagem- Aspectos e implicações neurolinguísticas (Nova Ortografia)
>>> El Libro Supremo de Todas las Magias - Magia Blanca - Negra - Roja
>>> Rituais e Egrégoras para a Era de Aquário
>>> O Despertar da Consciência
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Código Civil - 7ª Edição Atualizada
>>> Fonética e Ortografia - Coleção Linguagem Jurídica vol. 1
>>> Dicionário Jurídico
>>> Introdução Ao Direito
>>> Debate Sobre a Constituição de 1988
>>> Noções de Prevenção e Controle de Perdas Em Segurança do Trabalho 7ª edição revista e atualizada
>>> Vire a Página - Estratégias para Resolver Conflitos 6ª edição
>>> Tópicos de Administração Aplicada à Segurança do Trabalho 9ª edição
>>> Doenças Profissionais Ou do Trabalho 10ª edição
>>> Epidemiologia
>>> Cipa - Comissao Interna de Prevençao de Acidentes uma Nova Abordagem 14ª edição
>>> Prevenção e Controle de Risco Em Máquinas, Equipamentos e Instalações 3ª edição
>>> Os 10 Mandamentos: Princípios Divinos para Melhorar seus Relacionamentos
>>> Mini Código Saraiva Civi
>>> Mini Aurélio da Língua Portuguesa 7ª Edição
>>> Guia da Sexualidade - Reedição Ampliada e Ilustrada
>>> A Rosa do Povo
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta
>>> Cura das Emoções Em Cristo
>>> A Terapia das Histórias Porque Todos Têm Direito a um Final Feliz
>>> Administrar a Própria Vida - o Negócio Mais Urgente
>>> A Luta Contra a Depressão
>>> Os Anjos e Eu
COLUNAS

Sexta-feira, 20/7/2012
O que você comeu no café da manhã?
Marta Barcellos

+ de 3300 Acessos

Numa das histórias mais bizarras do filme Para Roma com amor (só perde para a estrelada pelo diretor Woody Allen), o personagem vivido por Roberto Benigni fica famoso do dia para a noite. Típico cidadão de classe média, que reclama de novidades ameaçadoras à sua rotina, como a tecnologia que tira empregos e o avanço chinês, Leopoldo Pisanello subitamente é perseguido por paparazzi e jornalistas interessados em saber o que comeu no café da manhã, se prefere dormir de bruços ou de frente, com que mão escova os dentes.

Como ele prefere suas torradas?, pergunta a jornalista, séria, no estúdio de TV onde o pacato funcionário vai parar. O filme está no começo e por vício ainda aguardamos alguma espécie de explicação para a intempestiva celebrização do personagem. Ele teria sido confundido com alguém? Mas logo lembramos: epa, nada de esclarecimentos realistas, é um filme de Woody Allen. Melhor assim. Podemos nos deleitar com as piadas e embarcar nas situações inusitadas.

Mas, na saída do cinema, o papo é inevitável. Interpretar. Quais foram as vítimas da ironia do diretor, em cada um dos quatro episódios que correm paralelos? Consta que os italianos vestiram a carapuça como um todo, e ficaram até indignados com a forma como foram tratados no filme. Pode ser. No caso da história de Benigni parece haver um consenso da crítica especializada de que a zombaria de Allen tem como endereço a indústria da celebridade, com certa origem italiana - daí inclusive a denominação "paparazzi".

Já eu associei a ironia a outra questão. Talvez por andar desatenta a revistas de celebridades ou canais de fofocas, as situações do filme me lembraram mais as fotos de pratos e os comentários banais sobre rotina postados nas redes sociais. Depois do impacto inicial da cena do estúdio de TV, não é mais a aleatoriedade da fama que causa estranhamento no filme (pessoas são famosas porque são famosas, ora), e sim a exposição do íntimo e privado no espaço público.

Estranhamento à parte, o episódio não nos parece familiar porque sabemos da existência de uma indústria que persegue artistas ou jogadores de futebol. Não foi por meio dela que você soube qual prato alguém - um tanto distante - comeu no almoço de domingo, ou que esta pessoa acordou cheia de preguiça para trabalhar. Você não tinha interesse, mas acabou sabendo, se sentiu próximo a alguém que não era próximo, e afinal a sensação não é ruim. Você começou a se acostumar com essa "evasão de privacidade", tão simpática, humana, camarada. Algo natural e espontâneo - não fosse o fato de ser estimulado pela indústria da tecnologia, tão eficaz para mudar nossos comportamentos. Você era alguém discreto, gostava de ser assim. Mas parecia rabugento com essa mania de freqüentar o espaço público da internet de forma tão compenetrada. Um dia, rendeu-se a algum estímulo novo, um botão, uma solicitação, colocou a foto da festa, você na viagem. Ou, sucesso retumbante, compartilhou bichinhos e crianças.

É um nivelamento por baixo, claro. Quem não tem muito a dizer, porque é famoso apenas porque é famoso, pode compartilhar sem problemas o que comeu no café da manhã ou a sua forma de escovar os dentes. Parece mesmo democrático - talvez daí a simpatia que tudo isso gera. Mas imagine se todo o espaço público, que em sua origem era um espaço político e intelectual, for tomado pelo privado desta forma. Imagine o tempo que perdemos se somarmos os segundos de atenção dados a intimidades dos novos famosos que todos nós somos agora.

Se o espaço público esperar de mim apenas que eu conte o que comi no café da manhã, porque cargas d'água vou me dar ao trabalho de construir um texto com 5 mil caracteres para expressar minha opinião sobre o novo filme de Woody Allen e a questão do público e do privado?

É verdade que acabei escrevendo, porque ainda tenho o estímulo do espaço (público) do Digestivo para textos longos. Escrevi, e juro que minha próxima coluna não será sobre meus hábitos alimentares. A não ser que gerem uma crônica não sobre mim, mas sobre todos nós, a humanidade, nossos afetos e nossas idiossincrasias.

Veja bem: sou uma entusiasta do uso da primeira pessoa, pela honestidade que este caminho impõe, pelo posicionamento que ele acarreta. Por isso, depois de tantos anos condicionada à total impessoalidade do jornalismo, no qual a primeira pessoa era terminantemente proibida (não é mais), aderi à onda dos blogs. Não para confidenciar que tinha ido ao dentista de manhã, mas para me posicionar sobre aquilo que eu achava importante, ou mesmo contar alguma história pessoal curiosa, que remetia ao outro, ao público, ao debate público.

Mas os tempos dos blogs diletantes acabaram. Agora a coisa é para profissional. No lugar da caixa de comentários; Facebook, Twitter e sucessores a caminho. Outros estímulos, outras configurações. Outros interesses que fizeram da internet, afinal, um lugar lucrativo. O risco é que estejamos nos acostumando a gerar e consumir apenas o conteúdo banal de nossas próprias vidas. E sem perceber o quão comum já é conhecer a intimidade de anônimos-celebridades. Como no filme de Allen.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/7/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos de Julio Daio Borges
04. Sobre caramujos e Omolu de Ricardo de Mattos
05. Serge Daney: o cinema como espelho de Humberto Pereira da Silva


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012
05. Esquecendo de mim - 25/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CLÍNICA PEDIÁTRICA - 10 LIÇÕES (RARIDADE)
PROF. JOSÉ MARTINHO DA ROCHA
GUANABARA
(1947)
R$ 42,00



TRADIÇÃO, CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS VINHOS
DANIO BRAGA / CELIO ALZER
JOSÉ OLYMPIO
(2004)
R$ 8,90



DIRETRIZES ESPIRITUALISTAS DA LBV MUNDIAL - VOL 1
JOSÉ DE PAIVE NETTO
LBV
(1988)
R$ 8,00



NOSSO HOMEM EM HAVANA
GRAHAM GREENE
ABRIL
(1972)
R$ 20,00



A SEGUNDA PÁTRIA
MIGUEL SANCHES NETO
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 22,90



VIAGEM AO CENTRO DA TERRA
JÚLIO VERNE
CÍRCULO DO LIVRO
(1994)
R$ 65,00



MONITORAMENTO DE REDES - REVISTA LINUX MAGAZINE Nº 71
LINUX MAGAZINE
LINUX MAGAZINE
(2010)
R$ 9,00



TROVAS E TRAVOS
AGENOR SANTOS
JORNAL DE SÁBADO
(2006)
R$ 8,00



MIL DIAS DE SOLIDÃO - COLLOR BATEU E LEVOU
CLÁUDIO HUMBERTO ROSA / SILVA
GERAÇÃO EDITORIAL
(1993)
R$ 7,00



A EPÍSTOLA AOS EFÉSIOS
H.E.ALEXANDER
CASA DA BÍBLIA
(1961)
R$ 42,80
+ frete grátis





busca | avançada
30221 visitas/dia
773 mil/mês