O fim do livro, não do mundo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
>>> Linéia no Jardim de Monet de Christina Bjork; Llena Anderson pela Salamandra (1992)
>>> Fausto de Goethe pela Itatiaia (1997)
>>> O Diário de Anne de Anne Frank pela Record (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/4/2012
O fim do livro, não do mundo
Marta Barcellos

+ de 5000 Acessos

As notícias nos dão conta: já vivemos a nostalgia do livro. Observe que, quando escrevo aqui a palavra livro, antecedida da palavra nostalgia, uma imagem robusta apossa-se da mente dos leitores digitais que me acompanham: um tomo considerável, talvez clássico da literatura de ficção, um romance daqueles que espelhava, provocava e civilizava o mundo nos bons tempos, graças ao dom de um autor genial e infelizmente sem antecessores na contemporaneidade.

Pois é, o mundo não é mais assim. O tal autor partiu-se em muitos, vozes se espalham por toda parte, em todo tipo de mídia e de linguagem, e o livro de papel - com a experiência de profundidade e fabulação que ele representa - de fato está em perigo. Como leitora que teve a emoção e o conhecimento forjados por volumes assim, também me lamento. E fico feliz por minha filha de 12 anos ainda ter conhecido esta era, mesmo que atracada aos Jogos Vorazes de sua geração. Não, ela não está lendo Dostoievski aos 12 anos, como muitos literatos experimentaram, mas pelos seus relatos entusiasmados tento imaginar que o best seller do momento é uma espécie de 1984, com uma crítica extra aos reality shows. A seu jeito, quem sabe, um dos últimos clássicos do papel.

Terei a oportunidade de acompanhar de perto como será a evolução (?) de sua leitura nos próximos anos, a transformação de uma geração em transição: observar quando passará aos leitores digitais, se fará isso em relação a todas as suas leituras, de que forma se dividirá entre os dois suportes, se a lembrança da pré-adolescência acompanhada por coleções como Harry Potter e Jogos Vorazes também fará dela uma nostálgica, quem sabe garantindo uma sobrevida ao papel além da nossa geração.

Mas a ideia aqui não é engrossar o coro de futurólogos com seus palpites certeiros sobre a dimensão e as características da migração da nossa leitura para formatos digitais. Particularmente, tenho pensado que o sentido de permanência, próprio das letras impressas em papel, lhe garantirão ao menos um nicho de mercado, nem que seja a la vinil. Não faço apostas, no entanto. Vai que a valorização do permanente está mais para característica individual do que humana ou geracional...

Meu intento é mostrar que o fim do livro, como o conhecemos naquela imagem lá em cima deste texto digital (texto que pode ser alterado por mim a qualquer momento), não será o fim do mundo nem da humanidade. Será (ou melhor, já está sendo) sucedido por outras formas de transmissão de conhecimento e de valores. Como acontece quando uma geração julga a anterior, não temos o distanciamento necessário para avaliar o que se perde e o que se ganha - e talvez o exercício de contabilizar perdas, como se tem feito insistentemente, tenha pouca serventia neste momento.

Estas reflexões me vieram ao ler um ensaio do professor João Cezar de Castro, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), questionando a propalada crise da crítica literária, e, por tabela, da própria literatura. Em um passeio pela história, Castro mostra os temores, entre intelectuais e filósofos de certa época, gerados pela difusão de uma nova tecnologia: a do livro.

Não por acaso, ele encontra um primeiro vestígio do problema em um romance de Victor Hugo ambientado em 1482, Notre-Dame de Paris. O personagem Dom Claude compara a novidade do livro impresso com a Catedral: "Infelizmente! - disse -, isto matará aquilo". Ou seja, o livro destruiria o edifício; a imprensa superaria a arquitetura. Antes havia a cátedra e o manuscrito, agora a palavra falada e a palavra escrita se alarmavam com a palavra impressa.

Mas foi quando o livro se tornou objeto cotidiano que a tradição na transmissão de conhecimento e de valores se viu de fato ameaçada: "Receio que a abundância e o baixo preço [do livro] terminem por fazer com que fiquemos mais negligentes", proferiu em 1708 o filósofo italiano Giambattista Vico, em discurso inaugural da Universidade de Nápoles. A preocupação era de que difusão de textos impressos tornasse negligente o corpo discente das universidades.

"Os alunos preguiçosos prevalecerão, pois, tanto tendem a descuidar da aprendizagem oral, quanto da formação letrada. De um lado, faltam às aulas, já que o conteúdo das mesmas se encontra nos livros. De outro, negligenciam a leitura, porque podem aprender de oitiva". Se trocarmos a palavra "livros" por "internet", observa Castro, teremos uma reclamação bem atual dos professores, e no entanto a afirmação acima foi feita pelo filósofo alemão Johann Gottlieb Fichte em 1807.

Antes de concluirmos nossa viagem ao passado, é importante ressaltar aonde não se quer chegar: não se trata de igualar as novas tecnologias para mostrar que todas encontraram resistências por parte dos conservadores. Para além desta banalidade está o fato de que grandes inovações - como o livro e o fim de seu formato original - não devem ser reduzidas a uma análise de retrocessos e avanços imediatos.

Por exemplo: no caso da universidade ameaçada pelo livro ("A verdadeira universidade de nossos dias é uma biblioteca", afirmou em 1840 o historiador escocês Thomas Carlyle), foi necessário desenvolver um novo sistema universitário, e chegou-se desta forma à associação entre ensino e pesquisa, na qual se produz um conhecimento novo. "Ou seja, que ainda não se encontra em livro algum!", diz Castro. Foi assim que se construiu o modelo da universidade moderna.

Obviamente, hoje, transformações já estão em curso. A perda da centralidade da literatura no mundo atual (no Brasil semialfabetizado, chegou a ter papel central?) ocorre no momento em que surge a internet. O mundo não cairá na barbárie, caso a literatura como a entendemos atualmente perca de vez a importância na formação humana. E o que será da literatura, seus autores e leitores apaixonados? "O caráter marginal da literatura assegura a criadores, críticos e teóricos uma liberdade inédita, cujo aproveitamento exige a recusa de posições nostálgicas ou ressentidas", diz Castro. Festejemos a marginalidade.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/4/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
04. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
05. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sujeitos Eclesiais: Sal da Terra e Luz do Mundo
Comissão Episcopal de Pastoral Cnbb
Paulinas
(2017)



A Fácil Arte de Motivar e Liderar Equipes
Ruy Telles
Ciência Moderna
(2003)



Mega 4 Workbook Four
Olivia Johnston
Macmillan
(2008)



Confissões de uma Banda: Alto, Rápido e Fora de Controle
Nina Malkin
Galera Record
(2008)



A Responsabilidade Civil nos Acidentes de Automóvel - 2ª Edição
Arnaldo Marmitt
Aide (rj)
(1986)



Retalhos do Mundo: Crônicas de Viagem: Ìndia, Chile, Nepal, Brasi
Luís Giffoni
Autor
(2005)



Avaliação Em Cuidados Críticos
Laura Talbot e Outra
Reichmann & Affonso
(2002)



Ilustracion de Moda Poses
H Kliczkowski
Mao Mao Publications
(2007)



O Misterioso Sumiço de Caramelo
Bete Rigoni
All Print
(2013)



La Cite de La Joie
Dominique Lapierre
Pocket
(2000)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês