O ano de ouro de Nélida Piñon | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 4/1/2006
O ano de ouro de Nélida Piñon
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

2005 foi um ano de ouro para a língua espanhola. O mundo inteiro comemorou com grande pompa os quatrocentos anos do Dom Quixote, o que foi, na prática, uma espécie de decreto não-oficial de um "Ano da Espanha" em todo o Ocidente, com direito a festas nas embaixadas, discursos inflamados do primeiro-ministro Zapatero - que viu traços socialistas no ultra-individualista cavaleiro da Triste Figura - e matérias especiais em todos os grandes periódicos sobre a língua, a cultura, as artes e a literatura do país de Cervantes. O Oscar de melhor filme estrangeiro foi, novamente, para a Espanha, com a vitória de Mar Adentro, e o cinema da América Espanhola segue a conquistar espaço, incluindo aí Diários de Motocicleta, que, apesar do dedo do nosso Walter Salles, é para todos os efeitos um filme hispano-americano. E o futuro promete: o peruano Mario Vargas Llosa está a um passo de ganhar o Nobel, cada vez mais músicos de língua espanhola ganham mercado na Europa e nos EUA e até o presidente Bush fala um legítimo espanhol texano com os vizinhos do Sul.

Com tantos afagos vindos de fora, seria natural que os espanhóis fizessem o mesmo dentro de casa, isto é, dedicassem um prêmio importante a si mesmos. O prêmio, nesse caso, seria o Príncipe das Astúrias de Literatura, um dos mais cobiçados do mundo, já conferido a escritores do porte de Günter Grass, Camilo José Cela, Juan Rulfo e Arthur Miller e que, até então, nunca havia premiado um latino-americano. Seria uma ótima oportunidade para homenagear os herdeiros do idioma de Castela, até para confirmar a sua vitalidade como língua de cultura universal. Mas não foi bem isso o que aconteceu. A comissão julgadora resolveu, sim, atravessar o Atlântico, e dar aos hermanos do lado de baixo do Equador a honra de figurar pela primeira vez no concorrido quadro de premiados. O problema é que, se o plano era esse, faltou uma breve consulta ao almanaque mais próximo para descobrirem que no Brasil não se fala espanhol e que, portanto, Nélida Piñon, a premiada deste ano, não serve como propagandista do idioma. O plano, se existia, fracassou por completo.

Será mesmo? É claro que os distintos senhores da comissão não ignoram detalhes culturais como o idioma de um país, que, se passam desapercebidos por presidentes e chefes de Estado, não escapam da atenção de senhores tão cultos e zelosos. Sabem muito bem eles que Nélida Pinon, como o seu nome já indica, é de origem espanhola, que fala um castelhano perfeito, que tem uma boa aceitação da crítica latino-americana, tendo inclusive vencido um Prêmio Juan Rulfo e um Menendez Pelayo e que, por fim, trata de temas ligados à presença hispânica no Brasil através dos imigrantes daquele país. Escolher uma escritora com esses predicados, num momento desses, parece melhor ainda. Afinal, o Brasil é, desde sempre, uma barreira para o avanço da cultura de língua espanhola, e a obra de Nélida Piñon seria a comprovação definitiva de que, mesmo num ambiente adverso, o ethos hispânico pode desenvolver-se plenamente e gerar uma obra original e de qualidade, suportando estoicamente as influências do meio. Atitude que convém, aliás, a um típico espanhol.

O problema é que nem assim o plano funciona. Primeiro, porque Nélida não é a melhor representante da cultura em língua espanhola no Brasil. O que chamamos de espanhol é, na verdade, o idioma de Castela, e os pais de Nélida são da Galícia, onde a língua é, naturalmente, o galego, língua mais parecida com o português do que com o castelhano. Os dois idiomas foram um só na Idade Média, o galego-português, língua em que foram escritos alguns dos mais belos poemas de amor cortês daquele período, assim como as melhores aventuras do Rei Arthur e seus cavaleiros. Conta-se, inclusive, que Camões teria origem galega, e quem escutar a música melancólica das gaitas galegas logo percebe a semelhança com os gaiteiros do Minho e de Trás-os-Montes, e, de modo mais tênue, com os sanfoneiros e rabequistas do nosso Nordeste. Os galegos ainda partilham com os seus vizinhos algumas características, como a conhecida saudade - resultado da origem celta, segundo alguns -, o gosto pelo mar, a tendência imigratória e uma certa mansidão que fez o basco Miguel de Unamuno observar que, ao contrário dos seus belicosos conterrâneos, os galegos eram um povo poco inumano, isto é, pouco animalizado. Não lhes atraem os exageros de comportamento, a voz alta, as afirmações categóricas e apressadamente construídas e revoluções que começam de manhã e acabam à noite. Quase poderíamos dizer que são a antítese do espanhol típico, logo ao lado, para que o contraste fique bem claro.

E esse é o povo que aparece na obra de Nélida Piñon. Mais precisamente, os imigrantes galegos que para cá vieram no decorrer do século XX e fixaram-se principalmente em São Paulo, Rio e Salvador. São o material para seu romance mais conhecido, A República dos Sonhos, publicado em 1984. O livro conta a história familiar de Madruga, o imigrante galego que deixa a terra natal ao lado do companheiro Venâncio e, depois de muitas dificuldades, acaba se estabelecendo com sucesso no novo país. Seus êxitos e fracassos nos mais variados campos - familiares, emocionais, financeiros, culturais - chocam-se com as suas antigas concepções de felicidade e sucesso e levam-no a reflexões um tanto amargas sobre si mesmo e aqueles que o rodeiam. A neta Breta, encarregada de cuidar das tradições da família, retoma a história dos antepassados num momento em que a esposa de Madruga, Eulália, agoniza na cama. No meio de tudo isso, a sensação de estranhamento e alheamento dos imigrantes em meio ao novo país, sensação que não se apaga facilmente mesmo com o passar das gerações. Perdidos numa nova terra, os imigrantes e seus filhos equilibram-se com dificuldade entre as antigas tradições deixadas para trás e o mundo novo que se lhes abre, numa tensão que acaba por transformá-los em estranhos para os dois lados e, por fim, estranhos para si mesmos, como bem ilustra Lavoura Arcaica, de Raudan Nassar, um representante ilustre - talvez o maior - desse tema na literatura brasileira. No caso da obra de Nélida, os galego-brasileiros refugiam-se na pátria sonhada, a Galícia mítica, o país do amor cortês e da simplicidade dos trovadores, a melancólica terra onde, como diz o poema medieval, o ceo é sempre gris - a República dos Sonhos que todo imigrante, e não só ele, procura habitar.

Nélida Piñon declarou certa vez que considera A República dos Sonhos sua Suma Teológica. A decisão é da autora. Não discordamos porque a comparação cabe: a obra de Tomás de Aquino não se esgota na Suma - que, para muitos, não passa de um grande resumo para estudantes -, assim como a de Nélida, autora de outros livros importantes como A Casa da Paixão, Sala de armas e Tebas do meu coração, que muito devem ter contribuído para sua premiação (descontada que está, a essa altura, a tese da escolha política). Para uma literatura como a nossa, que raramente consegue algum destaque no exterior - e que, quando consegue, o troféu sempre cheira a condescendência - um prêmio desse quilate, nessas condições acima citadas, traz a marca de um acontecimento verdadeiramente histórico que merece ser lembrado neste fim de ano.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 4/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
02. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/1/2006
11h57min
Olá; estudei Letras e Jornalismo, escrevo e leio muito há muitos anos e jamais consegui ler Nélida Piñon. Não, ela não é um Paulo Coelho, autor medíocre e tampouco escritor no sentido de fazer uma literatura propriamente dita, mas Nélida simplesmente não é uma escritora cativante. Esses prêmios, o processo político em que estão envolvidos, ela pertencendo à Academia e sendo bem relacionada. Enfim, não quero julgar. Mas certamente ela não é, a meu ver, uma escritora que se aproxima de uma Lygia Fagundes Telles, de uma Clarice Lispector... Abraço!
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
6/1/2006
15h16min
Realmente, foi um grande ano para a Espanha (na Literatura, pois no futebol....=]). Apesar de não ser um fã das obras de Nélida, percebi a citação a Dom Quixote, um de meus livros favoritos.
[Leia outros Comentários de Afonso Henrique]
6/1/2006
23h05min
Nélida Piñon vai ter que esperar mais um pouco. Espanha me lembrou Juan Ramón Jiménez. "Platero e eu" foi das melhores leituras que já fiz. Me foi tão agradável que a sensação foi de deslizar os olhos e assistir a história. Já fui buscá-lo dentre os esquecidos (no quartinho do quintal). Vale ler outra vez. P.S. Já que é ano novo e o assunto é Espanha, deixo aqui a frase dos marinhos de lá, que adotei para 2006: "Que Dios me libre de las águas buenas porque de las bravas me libro yo!"
[Leia outros Comentários de Emilio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês