O ano de ouro de Nélida Piñon | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Mais Recentes
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
>>> 120 Minutos para Blindar Seu Casamento de Renato Cardoso; Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> 120 Músicas Favoritas para Piano 8 Edição, Livro Raro! de Mário Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1961)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro da Criança de 1 a 3 Anos de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro do Seu Bebê de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 13 Chaves para Compreender o Fim dos Tempos de Tim Lahaye; Ed Hindson pela Central Gospel
>>> 13 Mulheres e um Colar de Diamantes de Cheryl Jarvis pela Fontanar (2010)
>>> 1922 a Semana Que Não Terminou de Marcos Augusto Gonçalves pela Companhia das Letras (2012)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Nova Fronteira (1985)
>>> 1939: Contagem Regressiva para a Guerra de Richard Overy pela Record (2009)
>>> 1948 - o Início da Contagem Regressiva de Esqueias Gomes pela Semeando
>>> 1968 o Que Fizemos de Nós de Zuenir Ventura pela Planeta do Brasil (2008)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 4/1/2006
O ano de ouro de Nélida Piñon
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

2005 foi um ano de ouro para a língua espanhola. O mundo inteiro comemorou com grande pompa os quatrocentos anos do Dom Quixote, o que foi, na prática, uma espécie de decreto não-oficial de um "Ano da Espanha" em todo o Ocidente, com direito a festas nas embaixadas, discursos inflamados do primeiro-ministro Zapatero - que viu traços socialistas no ultra-individualista cavaleiro da Triste Figura - e matérias especiais em todos os grandes periódicos sobre a língua, a cultura, as artes e a literatura do país de Cervantes. O Oscar de melhor filme estrangeiro foi, novamente, para a Espanha, com a vitória de Mar Adentro, e o cinema da América Espanhola segue a conquistar espaço, incluindo aí Diários de Motocicleta, que, apesar do dedo do nosso Walter Salles, é para todos os efeitos um filme hispano-americano. E o futuro promete: o peruano Mario Vargas Llosa está a um passo de ganhar o Nobel, cada vez mais músicos de língua espanhola ganham mercado na Europa e nos EUA e até o presidente Bush fala um legítimo espanhol texano com os vizinhos do Sul.

Com tantos afagos vindos de fora, seria natural que os espanhóis fizessem o mesmo dentro de casa, isto é, dedicassem um prêmio importante a si mesmos. O prêmio, nesse caso, seria o Príncipe das Astúrias de Literatura, um dos mais cobiçados do mundo, já conferido a escritores do porte de Günter Grass, Camilo José Cela, Juan Rulfo e Arthur Miller e que, até então, nunca havia premiado um latino-americano. Seria uma ótima oportunidade para homenagear os herdeiros do idioma de Castela, até para confirmar a sua vitalidade como língua de cultura universal. Mas não foi bem isso o que aconteceu. A comissão julgadora resolveu, sim, atravessar o Atlântico, e dar aos hermanos do lado de baixo do Equador a honra de figurar pela primeira vez no concorrido quadro de premiados. O problema é que, se o plano era esse, faltou uma breve consulta ao almanaque mais próximo para descobrirem que no Brasil não se fala espanhol e que, portanto, Nélida Piñon, a premiada deste ano, não serve como propagandista do idioma. O plano, se existia, fracassou por completo.

Será mesmo? É claro que os distintos senhores da comissão não ignoram detalhes culturais como o idioma de um país, que, se passam desapercebidos por presidentes e chefes de Estado, não escapam da atenção de senhores tão cultos e zelosos. Sabem muito bem eles que Nélida Pinon, como o seu nome já indica, é de origem espanhola, que fala um castelhano perfeito, que tem uma boa aceitação da crítica latino-americana, tendo inclusive vencido um Prêmio Juan Rulfo e um Menendez Pelayo e que, por fim, trata de temas ligados à presença hispânica no Brasil através dos imigrantes daquele país. Escolher uma escritora com esses predicados, num momento desses, parece melhor ainda. Afinal, o Brasil é, desde sempre, uma barreira para o avanço da cultura de língua espanhola, e a obra de Nélida Piñon seria a comprovação definitiva de que, mesmo num ambiente adverso, o ethos hispânico pode desenvolver-se plenamente e gerar uma obra original e de qualidade, suportando estoicamente as influências do meio. Atitude que convém, aliás, a um típico espanhol.

O problema é que nem assim o plano funciona. Primeiro, porque Nélida não é a melhor representante da cultura em língua espanhola no Brasil. O que chamamos de espanhol é, na verdade, o idioma de Castela, e os pais de Nélida são da Galícia, onde a língua é, naturalmente, o galego, língua mais parecida com o português do que com o castelhano. Os dois idiomas foram um só na Idade Média, o galego-português, língua em que foram escritos alguns dos mais belos poemas de amor cortês daquele período, assim como as melhores aventuras do Rei Arthur e seus cavaleiros. Conta-se, inclusive, que Camões teria origem galega, e quem escutar a música melancólica das gaitas galegas logo percebe a semelhança com os gaiteiros do Minho e de Trás-os-Montes, e, de modo mais tênue, com os sanfoneiros e rabequistas do nosso Nordeste. Os galegos ainda partilham com os seus vizinhos algumas características, como a conhecida saudade - resultado da origem celta, segundo alguns -, o gosto pelo mar, a tendência imigratória e uma certa mansidão que fez o basco Miguel de Unamuno observar que, ao contrário dos seus belicosos conterrâneos, os galegos eram um povo poco inumano, isto é, pouco animalizado. Não lhes atraem os exageros de comportamento, a voz alta, as afirmações categóricas e apressadamente construídas e revoluções que começam de manhã e acabam à noite. Quase poderíamos dizer que são a antítese do espanhol típico, logo ao lado, para que o contraste fique bem claro.

E esse é o povo que aparece na obra de Nélida Piñon. Mais precisamente, os imigrantes galegos que para cá vieram no decorrer do século XX e fixaram-se principalmente em São Paulo, Rio e Salvador. São o material para seu romance mais conhecido, A República dos Sonhos, publicado em 1984. O livro conta a história familiar de Madruga, o imigrante galego que deixa a terra natal ao lado do companheiro Venâncio e, depois de muitas dificuldades, acaba se estabelecendo com sucesso no novo país. Seus êxitos e fracassos nos mais variados campos - familiares, emocionais, financeiros, culturais - chocam-se com as suas antigas concepções de felicidade e sucesso e levam-no a reflexões um tanto amargas sobre si mesmo e aqueles que o rodeiam. A neta Breta, encarregada de cuidar das tradições da família, retoma a história dos antepassados num momento em que a esposa de Madruga, Eulália, agoniza na cama. No meio de tudo isso, a sensação de estranhamento e alheamento dos imigrantes em meio ao novo país, sensação que não se apaga facilmente mesmo com o passar das gerações. Perdidos numa nova terra, os imigrantes e seus filhos equilibram-se com dificuldade entre as antigas tradições deixadas para trás e o mundo novo que se lhes abre, numa tensão que acaba por transformá-los em estranhos para os dois lados e, por fim, estranhos para si mesmos, como bem ilustra Lavoura Arcaica, de Raudan Nassar, um representante ilustre - talvez o maior - desse tema na literatura brasileira. No caso da obra de Nélida, os galego-brasileiros refugiam-se na pátria sonhada, a Galícia mítica, o país do amor cortês e da simplicidade dos trovadores, a melancólica terra onde, como diz o poema medieval, o ceo é sempre gris - a República dos Sonhos que todo imigrante, e não só ele, procura habitar.

Nélida Piñon declarou certa vez que considera A República dos Sonhos sua Suma Teológica. A decisão é da autora. Não discordamos porque a comparação cabe: a obra de Tomás de Aquino não se esgota na Suma - que, para muitos, não passa de um grande resumo para estudantes -, assim como a de Nélida, autora de outros livros importantes como A Casa da Paixão, Sala de armas e Tebas do meu coração, que muito devem ter contribuído para sua premiação (descontada que está, a essa altura, a tese da escolha política). Para uma literatura como a nossa, que raramente consegue algum destaque no exterior - e que, quando consegue, o troféu sempre cheira a condescendência - um prêmio desse quilate, nessas condições acima citadas, traz a marca de um acontecimento verdadeiramente histórico que merece ser lembrado neste fim de ano.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 4/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
03. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
04. Vinicius de Julio Daio Borges
05. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
02. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/1/2006
11h57min
Olá; estudei Letras e Jornalismo, escrevo e leio muito há muitos anos e jamais consegui ler Nélida Piñon. Não, ela não é um Paulo Coelho, autor medíocre e tampouco escritor no sentido de fazer uma literatura propriamente dita, mas Nélida simplesmente não é uma escritora cativante. Esses prêmios, o processo político em que estão envolvidos, ela pertencendo à Academia e sendo bem relacionada. Enfim, não quero julgar. Mas certamente ela não é, a meu ver, uma escritora que se aproxima de uma Lygia Fagundes Telles, de uma Clarice Lispector... Abraço!
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
6/1/2006
15h16min
Realmente, foi um grande ano para a Espanha (na Literatura, pois no futebol....=]). Apesar de não ser um fã das obras de Nélida, percebi a citação a Dom Quixote, um de meus livros favoritos.
[Leia outros Comentários de Afonso Henrique]
6/1/2006
23h05min
Nélida Piñon vai ter que esperar mais um pouco. Espanha me lembrou Juan Ramón Jiménez. "Platero e eu" foi das melhores leituras que já fiz. Me foi tão agradável que a sensação foi de deslizar os olhos e assistir a história. Já fui buscá-lo dentre os esquecidos (no quartinho do quintal). Vale ler outra vez. P.S. Já que é ano novo e o assunto é Espanha, deixo aqui a frase dos marinhos de lá, que adotei para 2006: "Que Dios me libre de las águas buenas porque de las bravas me libro yo!"
[Leia outros Comentários de Emilio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CASTRO ALVES/ A VIDA DOS GRANDES BRASILEIROS
FRANCISCO PEREIRA DA SILVA
TRES
(2001)
R$ 5,90



MULTINATIONALS AND ECONOMIC GROWTH IN EAST ASIA: FOREIGN DIRECT
SHUJIRO URATA, CHIA SIOW, FUKUNARI KIMURA
ROUTLEDGE
(2006)
R$ 69,28



FATORES DE RISCO CORONARIANO
JORGE MARTINS DE OLIVEIRA
GUANABARA KOOGAN
(1978)
R$ 18,28



WIZARD O GUIA DOS QUADRINHOS Nº 6
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1996)
R$ 10,00



MASCULINIDADES E FEMINILIDADES - UNIVERSO DO CORPO
ELAINE ROMERO, ERIK GIUSEPPE B. PEREIRA (ORG
SHAPE
(2008)
R$ 29,82



UM SEIXO SOLITÁRIO
JOHN HERSEY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1961)
R$ 12,00
+ frete grátis



MINIDICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA
ANTÔNIO SOARES AMORA
SARAIVA
(2009)
R$ 12,00



APONTAMENTOS DE CIÊNCIAS FÍSICAS
ANDERSON FERNANDES DIAS E ALBINO FONSECA
ATICA
(1969)
R$ 5,70



A FILOSOFIA DA VERDADE QUE GERA MILAGRES
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(2007)
R$ 7,50



O DÉCIMO PRIMEIRO MANDAMENTO - VERÃO NA ENSEADA - SOMBRA NA AREIA - TE
SELEÇÕES DE LIVRO DE READERS DIGEST
SELEÇÕES DE LIVRO DE READERS D
R$ 9,56





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês