Entre o sertão e a biblioteca | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Mais Recentes
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
>>> Pássaros Feridos
>>> Geografia do Brasil - Espaço Natural, Territorial e Sócioeconômico brasileiro
>>> Contratos Internacionais do Comércio
>>> Marketing Social: Novos Paradigmas
>>> Gestão Financeira das Empresas: um Modelo Dinâmico
>>> Fundamentos de Economia
>>> Economia Brasileira Contemporânea: Para Cursos de Economia e Administração
>>> À Margem da Linha
>>> Conecte História - 3º Ano - Ensino Médio
>>> Biologia 3 - 3ª edição
>>> Culinária para Bem Estar
>>> A Ilíada e a Odisseia - Coleção Clássicos Em Quadrinhos
>>> Asas do Brasil - Uma História que Voa Pelo Mundo - Em Ótimo Estado
>>> Esquecer o natal
>>> O Mistério dos Sete Candelabros de Ouro
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
>>> Jogo Duplo
>>> Bat Pat - O Monstro do Esgoto
>>> ABCdário da Revolução Pernambucana de 1817
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Quinta-feira, 27/4/2006
Entre o sertão e a biblioteca
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Talvez nenhum autor brasileiro tenha trabalhado tanto para escrever uma obra atemporal como Guimarães Rosa. Não que outros grandes nomes da nossa literatura trabalhassem a fundo perdido, sem quererem que sua obra se perpetuasse. Ao contrário: pretensão nunca faltou entre eles. A diferença entre eles e Guimarães Rosa é a intenção. É como se escrevessem apenas para o momento, para as discussões do dia-a-dia, resposta para chamados como a hipocrisia das elites, a necessidade de fundar uma nacionalidade ou a beleza singela do amor singelo, quase sempre expressa com o máximo de singeleza. Transcender os apelos ligeiros é um expediente ao qual nossos literatos não são muito afeitos, mesmo quando pretensiosos. Deixam essas coisas para os filósofos, e estes para os filósofos estrangeiros. Essas coisas de eternidade estão lá longe e não nos interessam tanto assim.

Mas elas interessam muito a Guimarães Rosa e, por isso, no momento em que escrevia, — e, sobretudo, no momento em que escrevia Grande Sertão: Veredas — estava muito ciente do impacto de sua obra na literatura brasileira. Sabia que trabalhava com assuntos que, se haviam sido tratados antes, o foram de modo superficial, embrionário, olhadelas de soslaio durante viagens que não raro levavam ao nada, e ainda assim de modo completamente diferente. Sabia-se único, em suma. Pôde talvez antever que se falasse, trinta anos depois de publicada a sua obra maior, de nada menos do que uma cosmologia de Grande Sertão: Veredas, com direito a criação do mundo, bem e mal, ascensão e queda e tudo o que uma cosmologia que se preze tem direito.

Sem querer tirar daqui a metafísica — até porque, por definição, é ela que nos abarca, e não nós a ela —, devemos voltar nossos olhos para o enfoque escolhido, que é o da linguagem, algo um tanto óbvio quando se fala de Guimarães Rosa. É o que logo de cara chama a atenção de qualquer um. Palavras que nunca vimos antes surgem a todo instante, e Grande Sertão começa, algo solenemente, com uma delas, Nonada, uma contração de "não, nada" ou "não é nada", falada pelos jagunços do sertão. Temos que aprender a sintaxe própria do autor, que não é a mesma do português que vemos no dia-a-dia. Os personagens têm nomes estranhos, união de vocábulos que são também união de significados e dão ao personagem suas principais características pessoas, à maneira das antigas narrativas míticas. Cada palavra e cada frase são pequenas "obras abertas", na acepção de Umberto Eco. São desafios à nossa lógica, e não poderia ser diferente: Guimarães Rosa é pré-lógico, puramente intuitivo, sem a regulação daquela estruturação da linguagem exibida nas gramáticas e nos manuais de retórica. E o é conscientemente, como ele mesmo confessou:

"(...) Como eu, os meus livros, em essência, são anti-intelectuais — defendem o altíssimo primado da intuição, da revelação, da inspiração, sobre o bruxulear presunçoso da inteligência reflexiva, da razão, da megera cartesiana. Quer captar a experiência direta com o ser, e por isso prefere 'ficar com o Tao, com os Vedas e Upanixades, com os Evangelistas e São Paulo, com Platão, com Plotino, com Bergson, com Berdiaeff — com Cristo principalmente".

Rosa quer, portanto, a intuição. Segundo a bela definição de Benedetto Croce, intuição é a "forma auroral do conhecimento", anterior à lógica e à petrificação que os conceitos sempre trazem. Qual é a saída para um escritor assim? É a poesia. Segundo Croce, ela é a intuição pura, única linguagem capaz de "captar o palpitar da vida em sua realidade". Por isso o Grande Sertão, malgrado a sua forma romanesca — é aquela em que ele mais facilmente se encaixa —, é essecialmente poético, e por isso nos parece primitivo, como a Ilíada e as sagas islandesas nos parecem primitivas no enredo e na linguagem.

Em um ensaio intitulado "o Iapa de Guimarães Rosa", o filósofo tcheco naturalizado brasileiro Villém Flusser dá uma missão a Guimarães Rosa. Segundo ele, nosso idioma sofreu dois grandes purgatórios: o primeiro deu-se quando, após a purificação da língua latina, a migração dos povos bárbaros vulgarizou o idioma. Após um breve florescimento durante o Renascimento, começou o segundo purgatório, marcado pelo preciosismo lingüístico, o excessivo apego à forma e o sufocar da imaginação, que redundou na gramatiquice muito nossa conhecida. Para Flusser, Guimarães Rosa será o responsável pelo renascimento do português como língua de cultura, ao unir o que ele chama de língua do sertão e língua das bibliotecas — isto é, a língua em estado bruto, do dia-a-dia do homem, do homem rural, sobretudo, e a língua cristalizada em estruturas que resistem às mudanças. É a língua do vaqueiro e a do empoladíssimo professor de língua, de Lampião e de Napoleão Mendes de Almeida. Eis o que faz Rosa, segundo Flusser:

"Viaja com os vaqueiros em busca de palavras e formas. Dorme com os bezerros para captar os ruídos e as imagens brutais que tendem a realizar-se na linguagem sertaneja. Sorve a plenitude das vogais e mastiga a dureza das consoantes para apalpar a matéria prima da língua". Logo depois, "mergulha nos compêndios, anota e compara formas de gramática latina, húngara, sânscrita ou japonesa para penetrar o tecido da língua e desvendar-lhe a estrutura".

A empolgação de Flusser ao antever um futuro glorioso para a criação rosiana é análoga à empolgação da época — o ensaio data dos anos 60— com o futuro do Brasil e, particularmente, com o da nossa cultura. Não podemos dizer que ele tenha se equivocado, apesar de tudo. Ainda que a obra de Guimarães Rosa não tenha sido, até hoje, bem digerida pelos frágeis estômagos dos literatos brasileiros — que costumam engolir finas iguarias como se fossem pipoca de cinema, e por isso raramente ultrapassam o nível da imitação barata — resta-nos a esperança de que a vista contemplada por Guimarães Rosa seja tão ampla quanto parece. Como bem observou Ferreira Gullar, ele estava plantando ipês, árvores para florescerem séculos depois de germinadas. E, quando isso começar, os séculos que geraram metáforas desgastadas como "túmulo do pensamento" e "inculta e bela" ficarão definitivamente para trás.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 27/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2006
01. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
02. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
03. Entre o sertão e a biblioteca - 27/4/2006
04. O ano de ouro de Nélida Piñon - 4/1/2006
05. Mordaça virtual: o Google na China - 23/3/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/4/2006
00h07min
Um texto bom e interessante. Se é que isso importa...
[Leia outros Comentários de Jose Alfredo]
28/3/2008
11h05min
Excelente texto. Consciente e seguro, o autor sintetiza com rara maestria o grande significado para a literatura brasileira da cultura popular nordestina (sertões).
[Leia outros Comentários de joao monteiro neto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS BRASILEIROS DE FICÇÃO CIENTÍFICA
ROBERTO DE SOUSA CAUSO
DEVIR
(2010)
R$ 22,90



O QUE HÁ NA BOLSA DA MULHER INTELIGENTE?
CRISTIANE LAZOTTI
MATRIX
(2009)
R$ 6,90



HISTOIRE DE RUSSIE - ÉTUDE COMPARÉE ENTRE LORIENT ET LOCCIDENT
MARC SEMENOFF
LA RENAISSANCE DU LIVRE
(1924)
R$ 60,00



VARIÉTÉ
PAUL VALERY
GALLIMARD
(1924)
R$ 63,63



OS MISTÉRIOS DO AQUÉM
CARLOS EDUARDO NOVAES
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 8,83



REVISTA DO ATENEU ANGRENSE DE LETRAS E ARTES ANO XVI Nº 34
ATENEU ANGRENSE DE LETRAS / ARTES
ATENEU ANGRENSE
(2015)
R$ 7,00



CÓDIGO PENAL PARA CONCURSOS
ROGÉRIO SANCHES CUNHA
PODIVM
(2011)
R$ 50,00



NÍSIA FLORESTA: O CARAPUCEIRO E OUTROS ENSAIOS DE TRADUÇÃO CULTURAL - MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE (JORNALISMO/COMUNICAÇÃO)
MARIA LÚCIA GARCIA PALLARES-BURKE
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



REFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMA, SOCIEDADE DE DIVULGAÇÃO ESPÍRITA AUTA DE SOUZA
AUTA DE SOUZA
(2006)
R$ 17,00



CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E LEGISLAÇÃO PROCESSUAL EM VIGOR
THEOTONIO NEGRÃO
SARAIVA
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês