Esquecendo de mim | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69983 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Volto já!
>>> Errando por Nomadland
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
Mais Recentes
>>> Construtivismo: uma ajuda ao professor de Ângela Franco, Ângela Christina Souza Alves, Rosamaria Calaes de Andrade. pela (1997)
>>> Paraíso Azul - A Caverna de Cristal - O Espectador – Loteria de Readers Digest pela Readers Digest (2009)
>>> Lições Zen – A Arte da Liderança de Thomas Cleary pela Madras (2009)
>>> Invasão Secreta completa - 8 volumes de Panini Comics pela Panini (2009)
>>> João das Fábulas em 4 volumes completa de Bill Willinghan; Matthewc Sturges, Andrew Pepoy pela Panini (2011)
>>> O Reino da Caixa-tonta de Eraldo Miranda pela Napoleão (2013)
>>> Quem Tem Medo de Cachorro? de Ruth Rocha pela Global (2012)
>>> A Garota Alemã de Armando Lucas Correa pela Jangada (2017)
>>> A Aids e Alguns Fantasmas no Diario de Rodrigo de Jonas Ribeiro Andre Neves (Autor) pela Elementar (2001)
>>> As memórias de Cleópatra - A Filha de Isís e Sob o Signo de Afrodite - II volumes de Margaret George pela Geração Editorial (2000)
>>> O Cerco em 4 edições completas + O Cerco Prólogo + O Cerco Especial de Panini pela Panini (2011)
>>> Quem Tem Medo De Dizer Nao? de Ruth Rocha Mariana Massarani pela Global (2003)
>>> E a Terra Escreveu uma Carta... de Jonas Ribeiro (Autor), Cris Eich (Ilustrador) pela Melhoramentos (2020)
>>> O Pequeno Livro dos Santos de Priya Hemenway pela Pensamento (2006)
>>> Sweet Tooth - depois do apocalipse - saindo da mata de Jeff Lemire pela Panini (2010)
>>> Pic-Pic de Eloisa Ponzio e Outro pela Do Brasil (1991)
>>> Movimento para a Auto Cura de Meir Schneider pela Cultrix (2005)
>>> A Filha Esquecida de Armando Lucas Correa pela Jangada (2019)
>>> 365 Histórias para Ninar de Claire Bertholet / outros pela Girassol (2012)
>>> A Borboleta e a Minhoca de May Christina Cunha de Paiva; Gaiola pela Do Brasil (2011)
>>> Alquimia Interior de Zulma Reyo pela Ground Edit (1989)
>>> Alice No Pais Das Maravilhas Coleção Reecontro Infantil de Nilson José Machado pela Scipione (2002)
>>> Snoopy - A Peanuts Collection tiras dominicais 1973 Edição de colecionador de Schulz pela Planeta deAgostini (2020)
>>> O Jardim de Abayomi de Regiane Rossi Hilkner pela Adonis (2017)
>>> Orientação Infantil de Darla Ferris Miller pela Cengage (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/5/2012
Esquecendo de mim
Marta Barcellos

+ de 5000 Acessos

A memória é o que há. Quem já conheceu uma pessoa que teve perda de massa encefálica, com danos na memória, sabe do que estou falando. Ou mesmo quem convive com um idoso com demência. Pois é. Sentimentos à parte, é impossível ignorar a sensação de que o que sobra, sem a memória, é uma semipessoa - uma prova viva da inconsistência da alma, do espírito ou do que quer que seja a nossa construção da essência do verdadeiramente humano.

Há, claro, a possibilidade de essa essência humana sem memória ser reconstruída, mesmo que precariamente, e desta forma voltar a fazer sentido, quando tudo o que se quer é crer. Nada mais poderoso e incontestável do que a crença. Então, para esta mãe que cuida do filho sobrevivente do desastre de carro, ou para esse filho que se dedica a captar os lapsos de lucidez da mãe com Alzheimer, existe o humano sem memória. E apenas para eles.

Isso tudo me vem à mente - sempre ela - quando me pergunto por que andamos tão preocupados com a memória. Talvez, nestes tempos sem deuses nem ideologias, ela seja mesmo o que nos resta.

Queremos escrever a nossa biografia na linha do Tempo e deixar o álbum de fotografias da nossa vida na posteridade da internet. Sentimos a urgência de lembrar e ser lembrados. E que desespero quando perdemos a memória - do computador. A ironia é que, como a memória também é feita de esquecimento e fabulações, temos tanto controle sobre ela quanto sobre a nuvem que abriga o nosso back-up.

A memória física parece ser o que nos restou, o que ainda nos faz humanos - "ainda" porque já se fala por aí no pós-humano. Esquecer é como morrer sem deixar vestígios. Por isso haja fosfosol, café com coca zero, alertas no smartphone, listinhas de papel na bolsa - e que desespero não saber onde estão as chaves de casa...

Cultuamos a memória como nunca, a nossa e a dos outros. Biografias e casos reais nos ensinam a viver quando não há mais de onde tirar motivos ou esperanças: alma, deus, natureza, o novo iPhone... tudo parece tão provisório!

Precisamos desse grande arquivo da vida para nos basear, um arquivo no qual se possa acessar informações e histórias de outras vidas aos borbotões. Uma dose diária de Google e outra de Facebook para nos alimentar e também nos inserir no mundo, deixando o nosso rastro de imagem cool e conectada.

Só que existe um problema: um belo dia, acordamos querendo esquecer. Há algo de insuportável em colecionar memórias. Principalmente nossas próprias memórias. Por mais que tenhamos inventado cuidadosamente a nossa autobiografia e recebido treinamentos intensivos nos últimos anos para deixar a modéstia e a discrição de lado, ser nós mesmos, com tanta intensidade, cansa.

Mesmo quem lapidou um bom personagem para esta encenação narcísica atual um dia para de se divertir. Talvez porque até os borrões da autoficção são criados por nós mesmos - este "eu" que nos persegue - a partir de experiências e expectativas que tentamos corresponder.

É nessa hora de cansaço que dá vontade de usar aquele aparelho do filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças, que simplesmente apaga recordações. Ou de sair para comprar cigarros na esquina e nunca mais voltar. Ou de tornar-se o personagem anônimo na multidão dos livros de João Gilberto Noll.

Muita calma. Contra a saturação da memória de nós mesmos, não é preciso radicalizar tanto. Recomendam-se coisas menos irreversíveis do que caminhar a esmo na ponte Rio-Niterói à noite.

Pode-se, por exemplo, viajar temporariamente para um lugar estrangeiro - de verdade ou por meio de um bom livro. Mas, atenção: um romance. Nunca recorra a um livro de auto-ajuda ou a qualquer produto e serviço que envolva os prefixos "auto" ou "personal". O tiro sairá pela culatra. Outra recomendação é ajudar alguém, com a expressa condição de não contar a ninguém. Tem inspiração religiosa, mas funciona.

É bastante indicado também expor-se ao máximo a obras de arte, de preferência aquelas absolutamente resistentes a "interpretações pessoais". As melhores são as que "apenas" arrepiam a gente.

Há quem relate bons resultados com a meditação. No entanto, pela quantidade de celebridades (celebridade = pessoa que vive do próprio narcisismo) adeptas, tenho minhas dúvidas. Nunca tentei de verdade.

De qualquer forma, penso que, na falta de drogas eficientes, deveríamos nos prescrever estas doses diárias de esquecimento de nós mesmos entre amigos e familiares. Quando minha filha era pequena, lembro de meu esforço para representar, em casa, uma propaganda de frutas tão eficiente quanto à do McDonald's: "Hummm... Nossa... Que delícia de abacaxi! Tão doce e ainda por cima é cheio de vitamina C, que ajuda a dar cambalhotas!"

Talvez, para contrabalançar tanta pressão de sermos garotos-propaganda de nós mesmos, aumentando nosso capital de convencimento na internet ou nas relações de trabalho, deveríamos trocar dicas e experiências sobre práticas de auto-esquecimento. Algo como: "Hummm... Que máximo... Foi como entrar num filme ou ser personagem de um livro. Melhor que spa! Fiquei três dias longe do Facebook e do Twitter enquanto caminhava como um estrangeiro nas ruas do centro do Rio. E sem tirar nem uma foto! Você tem que experimentar!"

Para finalizar, e antes que eu me esqueça (ops), há outra prática bem boa que descobri recentemente: escrever ficção. O único efeito colateral é a possibilidade de ser assombrado pela memória de um personagem....



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 25/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura de Renato Alessandro dos Santos
02. Epitáfio do que não partiu de Luís Fernando Amâncio
03. O canteiro de poesia de Adriano Menezes de Jardel Dias Cavalcanti
04. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff
05. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. Esquecendo de mim - 25/5/2012
04. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Poética do Distrito Federal
Ronaldo Alves Mousinho
Thesaurus
(2007)



Jean Christophe
Romain Rolland
Globo
(2006)



Banya - o Mensageiro - Vol. 5
Kim Young-oh
Conrad



Livro - Amigos Ouvintes
Arnaldo Jabor
Globo
(2009)



Livro - Manuscrito Encontrado Em Accra
Paulo Coelho
Sextante
(2012)



Decodificando da Vinci
Amy Welborn
cultrix
(2004)



Livro - Cartas Entre Amigos Sobre Medos Contemporâneos
Fábio de Melo e Gabriel Chalita
Ediouro
(2009)



Momentos de Ouro
Francisco Cândido Xavier
geem
(1977)



Talmudic Ethics: Finding Your Way to Good Decisions (inglês)-2008
Jewish Learning Institute
Jli
(2008)



Inferno
Dan Brown
Arqueiro
(2013)





busca | avançada
69983 visitas/dia
2,0 milhão/mês