Os narradores de Eliane Caffé | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
>>> O gênesis na argila
>>> Desejo de Status
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
Mais Recentes
>>> O Método Viscott: Um Famoso Médico...Ensina como Voce Pode Ser oSeu Próprio Psicanalista de Dr. David Viscott pela Record
>>> Obras Completas ( Vol. Xxx IX - 1912 - Tomo 2): Trabalhos Jurídicos de Rui Barbosa pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ (1963)
>>> Para Abrir o Coração: Treinamento para a Paz de Chagdud Tulku (compilado Por: Lama Shenpen Drolma) pela Makara (2007)
>>> Astrologia, o Cosmo e Voce: o Elo de Ligação Entre o Homem e Univerno de Alan Oken pela Nova Fronteira/ Rj. (1988)
>>> Astrologia, o Cosmo e Voce: o Elo de Ligação Entre o Homem e Univerno de Alan Oken pela Nova Fronteira/ Rj. (1988)
>>> Fábulas de La Fontaine (02 Volumes/ Encaderndos) de Jean de La Fontaine (Ilustrações de): Gustave Doré/ Trad. M. Amado pela Itatiaia/Belo Horizonte (1989)
>>> Profiles Students Book (3) + Workbook de Nick Beare/ Jeanette Greenwell/ Terry Phillips pela Macmillan Education (2003)
>>> Profiles Students Book (3) + Workbook +... de Nick Beare/ Jeanette Greenwell/ Terry Phillips pela Macmillan Education (2003)
>>> Inteligência emocional de Sophie Martineaud e dominique Engelhart pela Ediouro (1997)
>>> O grande Gatsby - série grandes sucessos de F. Scott Fitzgerald pela Rio gráfica (1980)
>>> O dia do Chacal de Frederick Forsyth pela Rio gráfica (1980)
>>> O colecionador de John Fowles pela Rio gráfica (1980)
>>> Horizonte perdido de James Hilton pela Abril cultural (1980)
>>> A sangue frio de Truman Capote pela Nova Frnteira (1980)
>>> A mulher só de Harold Robbins pela Abril cultural (1985)
>>> Os insaciáveis de Harold Robbins pela Rio gráfica (1985)
>>> O Inconsciente, a Magia e o Diabo no Século Xx (Encadernado de Alberto Lyra pela Record/ RJ.
>>> A filha de mistral de Judith Krantz pela Rio gráfica (1985)
>>> A mulher do viajante do tempo de Audrey Niffenegger pela Objetiva (2009)
>>> Perdida de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> A farsa de Cristopher Reich pela Sextante (2008)
>>> O trono de diamante - Trilogia Elenium - Livro 1 de David Eddings pela Aleph (2015)
>>> Leave Your Language Alone! (encadernado) de Robert A. Hall- Jr. pela Ithaca/ N. Y. (1950)
>>> Água para elefantes de Sara Gruen pela Arqueiro (2007)
>>> Louco para Amar de Sam Shepard pela L&pm, Porto Alegre (1985)
>>> Gossip Girl - É você que eu quero- vol 6 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - Ninguém faz melhor - vol 7 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - do jeito que eu gosto - vol 5 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - Nunca mais - vol 8 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Épico de conor Kostick pela Galera (2007)
>>> Na décima nuvem de Hugo rodrigues pela Record (2019)
>>> Vida! Reflexões sobre sua jornada de Louise \L. Hay pela Madras2012 (2019)
>>> Adobe Photoshop de MarceloGino Pereira pela Viena (2005)
>>> Preparações Ocultas para uma Nova Era de Dane Rudhyar pela Pensamento (1995)
>>> Memórias dos Profetas (Incritos no Lixo) de Pedro Figueiredo pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> Poços de Caldas Preparada para o Futuro - Dicas -nº 7 de Victor de Carvalho pela Sulminas (1996)
>>> Memorial da Companhia Geral de Minas - Subsid. da Alcoa Alumínio S/a de Alex Prado - Texto Central pela Alcoa (2001)
>>> Um É o Outro: Relações Entre Homens e Mulheres de Elizabeth Badinter pela Nova Fronteira/ Rj. (2019)
>>> Explorador - insetos de Jonh Woodward pela Ciranda cultural (2012)
>>> História Meio Ao Contrário de Ana Maria Machado pela Ática (1977)
>>> Le Grand Voyage - Roman de Jorge Semprun pela Éd. Gallimard/ Paris: France (1963)
>>> Physiological Psichology de Morgan (clifford T) pela McGraw- hill: Usa/ Kógakusha Co./ Tokio (1965)
>>> Quadribol através dos séculos de Kennilworthy Whisp pela Rocco (2001)
>>> Amor além da vida de Richard Matheson pela Buttefly (2016)
>>> O Congado Em Oliveira - Tributo a Leonídio João dos Santos de Hugo Pontes Autografado pela Sulminas (2003)
>>> Tudo que eu queria te dizer de Martha Medeiros pela Objetiva (2007)
>>> Invocações da Virgem Maria no Brasil de Nilza Botelho Megale Autografado pela Vozes (1998)
>>> Depois daquela viagem de Valéria Piassa Polizzi pela Ática (2015)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ramsés Sob a Acácia do Ocidente de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/2/2004
Os narradores de Eliane Caffé
Lucas Rodrigues Pires

+ de 28200 Acessos

Certamente o leitor já ouviu as célebres frases "Quem conta um conto aumenta um ponto", "Existem três verdades: a minha, a sua e a que de fato é", "O povo aumenta, mas não inventa". Enfim, são verdades populares que estão na boca do povo e que é o elemento-chave do segundo filme da paulista Eliane Caffé, Narradores de Javé.

Noite num bar à beira do S. Francisco. Moradores da região e um rapaz que perdera a balsa se encontram sentados esperando o tempo passar. Eis que um deles, Zaqueu (Nelson Xavier), começa a contar uma história em que ele próprio foi protagonista, uma história que vale a pena ser contada. Ele inicia seu relato da história de Javé, um povoado então ameaçado de ser inundado pelas águas de uma represa recém-construída. Quando seu povo descobre que iriam afundar Javé, decide fazer algo para impedir. E qual a solução encontrada? Escrever a grande história de Javé para que, com isso, a cidade seja considerada patrimônio histórico e receba o rótulo de tombamento, o que evitaria a submersão de suas terras.

E como fazer para solucionar a solução (sic) se todos no povoado eram analfabetos? A resposta está em Antônio Biá (José Dumont, a alma maior do filme), um ex-funcionário dos Correios expulso da cidade após fazer futricas e caluniar moradores em cartas enviadas a conhecidos para salvar seu emprego. Pois bem, eis o impasse para o início da grande história de Javé - para sua "escritura", o elemento marginalizado recebe status de herói e salvador da pátria javélica. Agora só falta a ele ouvir os moradores e escrever a história de Javé baseada nesses relatos orais. Mas aí que ele vai ver que toda história tem diversas versões...

História

O mais interessante em discussão nesse filme é a oposição que ele traz entre história, memória e verdade - todas ligadas à cultura oral. Esses três conceitos norteiam os discursos dos personagens, as falas bem humoradas e sarcásticas de Biá - uma espécie de malandro irônico e anárquico descrente de pudores - e, principalmente, os relatos em tom de fábula dos moradores, que não conseguem se entender entre suas versões. Enquanto vamos ouvindo e nos divertindo com os casos contados - a verdadeira fundação de Javé, o papel e a forma da morte de Indalécio, seu fundador, e da participação de Mariadina; a eterna briga entre os irmãos, conhecidos um como "Gêmeo" e o outro como "O Outro", para saber quem é o pai de cada um e a legitimidade da herança - um discurso vai se formando por trás do humor: afinal de contas, o que é História e o que é invenção? Num primeiro momento, parece que o filme prova a tese de que a história oral é deficitária para revelar com destreza os fatos históricos. Como ela é baseada na memória - e esta, como todos sabem, é falível -, decorre que a história dela apreendida também pode ser falível, portanto, passível de discussão. Mas, ao mesmo tempo, e aqui reside toda a riqueza dessa pequena obra-prima, Biá vai montando em suas reflexões (um tanto desconexas de início) o desmonte do discurso histórico escrito. Se, para as autoridades (e a sociedade em geral), um documento escrito vale mais que um relato oral, Biá trata de derrubar qualquer forma de superioridade quando sugere a um morador "florear" tal passagem da história do fundador Indalécio, "criando" maior grandiosidade ao fato histórico. Biá, em sua sabedoria malandra e debochada, é o único que sabe escrever, o que o torna o único dono da versão final - verdadeira ou não, pouco importa. Biá faz história desconstruindo o discurso histórico.

Assim, a História como ciência vai sendo "desforjada" com tamanha facilidade e destreza. Nas palavras de Biá estão a ciência e a invenção (em todo momento ele fala em nome de um saber científico), e em seu texto histórico, como propõe ao morador, certamente elas irão se confundir. No final, saber o que é verdade ou não perde a razão de ser, e o produto - dito histórico - recebe status de verdade. A pergunta que fica disso é, na verdade, um questionamento sobre o quanto há de verdade em livros de História que nos reproduzem lutas, guerras e vidas com diversos detalhes impossíveis de serem verificados em razão da distância temporal. Será que a carta de Caminha não pode ter sido "floreada" como Biá pregava na fundação de Javé para que a tal terra descoberta parecesse mais interessante do que realmente era? Será que Caminha não tomou nenhuma licença poética em seu texto? Não seria Caminha o primeiro Biá em nosso território? (Um dos moradores diz em determinado momento: "Uma coisa é o fato acontecido, outra é o fato escrito".) Hoje não temos como provar as descrições de Caminha em sua famosa carta. Temos um documento histórico de valor que nos afirma tais considerações e só nos resta crer.

Não se quer aqui desacreditar o ofício do historiador (até porque estão lendo um texto de um deles), mas indicar como o fazer história é uma tarefa impossível de ser realizada plenamente. Alguém que escreve num determinado tempo sofre as influências de seu próprio tempo - o que inclui toda a gama de leituras, ideologia, crenças, valores e até humor - e é compreensível que haja erro, omissão ou equívoco. A História, portanto, não deixa de ser uma ciência, só que inexata porque simplesmente impossível de totais certezas. E é assim porque ela lida com mentes, idéias, com o que é imprevisível no ser humano - o próprio fato de ser humano. A natureza tem um ritmo previsível e racional, mas o homem, esse ser pensante e cheio de vaidades, é capaz de todas as coisas e, por isso, ser a História uma matéria instigadora e enigmática. Se as aparências enganam, a História também pode nos enganar porque é fruto do humano, dos nossos desejos, sonhos, anseios.

Memória

Voltando a Narradores de Javé, nota-se que na verdade o filme não se leva a sério nessa discussão porque ele próprio se coloca num tom fantástico, que é fruto do próprio relato de um dos moradores de Javé (não se esqueçam que a história de Javé está sendo contada depois que tudo aconteceu)!! Isso quer dizer que o filme que vemos na tela é o relato de um ex-morador de Javé dos relatos que outros moradores fizeram a Biá!! O filtro pela qual a história passa é muito maior e as chances de algo se perder e algo se acrescentar é muito grande. Tal qual a brincadeira do telefone sem fio, que chega ao final uma história muito diferente da original.

E essa idéia da "história da história", essa idéia metalingüística, está muito bem clara na montagem do filme com a presença de três tempos distintos - o presente, tempo de narração do filme; o passado - tempo de narração dos relatos de moradores a Biá e da história do afundamento de Javé; e o tempo mitificado, que é o tempo da fábula, da imaginação e da memória dos moradores. Os três casos aparecem em imagens, e a diretora evitou a clássica idéia de diferenciar uma da outra pela fotografia. Em Narradores de Javé, a fotografia é a mesma porque, mesmo sendo tempos distintos, são todos frutos da oralidade, dos relatos de pessoas. Apenas o tempo presente - o do filme em si - se diferencia pela ausência de vida, de cores. Ele é todo filmado durante a noite, sem abertura para que vejamos alguma paisagem que não os personagens. Isso nos prende àqueles homens, às suas histórias. Valoriza o tempo do mito, da fábula, da imaginação dos narradores.

Verdade

Javé é um filme mais inteligente do que parece, mais profundo do que se pode crer num primeiro momento. Ele tem vida, tem carisma, tem um frescor que poucos filmes ambientados no sertão têm. E diante da extinção de Javé, só se pode lamentar, mas também comemorar, pois se o livro da grande história de Javé não foi escrito (ainda), há um filme fabuloso pra provar seu valor.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do abraço genital ao abraço virtual de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA QUESTÃO DE EQUILÍBRIO
RAFAEL KOFF ACORDI
AGE
(2002)
R$ 4,50



NA DÚVIDA, ULTRAPASSE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL
BEATRIZ MONTEIRO DA CUNHA
DO AUTOR
(1997)
R$ 4,50



DIÁRIO DE UM CUCARACHA
HENFIL
RECORD
(1984)
R$ 15,00



JORNADA DE HIRO A CAMINHO DO FOGO
TRACEY WEST
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 16,70



ALFRED HITCHCOCKS MYSTERY MAGAZINE JULY 1968
ALFRED HITCHCOCKS E OUTROS
RICHARD DECKER
(1968)
R$ 31,28



PSICOLOGIA DA CRINAÇA 4 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO I
P. H. MUSSEN
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
(1975)
R$ 7,50



MANUAL DE LOGOPEDIA
PIALOUX VALTAT Y OTROS
TORAY-MASSON
(1978)
R$ 18,00



MARIO BOTTA
EMILIO PIZZI
MARTINS FONTES
(1994)
R$ 15,00



ESCOLHER A PROFISSÃO
ELIANE ARBEX RODRIGUES
SCIPIONE
(1995)
R$ 16,50



APROVEITAMENTO ENERGÉTICO A PARTIR DO BIOGÁS GERADO DE DEJETOS SUÍNOS
GABRIEL SANTOS BOLACELL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês