Os narradores de Eliane Caffé | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/2/2004
Os narradores de Eliane Caffé
Lucas Rodrigues Pires
+ de 31000 Acessos

Certamente o leitor já ouviu as célebres frases "Quem conta um conto aumenta um ponto", "Existem três verdades: a minha, a sua e a que de fato é", "O povo aumenta, mas não inventa". Enfim, são verdades populares que estão na boca do povo e que é o elemento-chave do segundo filme da paulista Eliane Caffé, Narradores de Javé.

Noite num bar à beira do S. Francisco. Moradores da região e um rapaz que perdera a balsa se encontram sentados esperando o tempo passar. Eis que um deles, Zaqueu (Nelson Xavier), começa a contar uma história em que ele próprio foi protagonista, uma história que vale a pena ser contada. Ele inicia seu relato da história de Javé, um povoado então ameaçado de ser inundado pelas águas de uma represa recém-construída. Quando seu povo descobre que iriam afundar Javé, decide fazer algo para impedir. E qual a solução encontrada? Escrever a grande história de Javé para que, com isso, a cidade seja considerada patrimônio histórico e receba o rótulo de tombamento, o que evitaria a submersão de suas terras.

E como fazer para solucionar a solução (sic) se todos no povoado eram analfabetos? A resposta está em Antônio Biá (José Dumont, a alma maior do filme), um ex-funcionário dos Correios expulso da cidade após fazer futricas e caluniar moradores em cartas enviadas a conhecidos para salvar seu emprego. Pois bem, eis o impasse para o início da grande história de Javé - para sua "escritura", o elemento marginalizado recebe status de herói e salvador da pátria javélica. Agora só falta a ele ouvir os moradores e escrever a história de Javé baseada nesses relatos orais. Mas aí que ele vai ver que toda história tem diversas versões...

História

O mais interessante em discussão nesse filme é a oposição que ele traz entre história, memória e verdade - todas ligadas à cultura oral. Esses três conceitos norteiam os discursos dos personagens, as falas bem humoradas e sarcásticas de Biá - uma espécie de malandro irônico e anárquico descrente de pudores - e, principalmente, os relatos em tom de fábula dos moradores, que não conseguem se entender entre suas versões. Enquanto vamos ouvindo e nos divertindo com os casos contados - a verdadeira fundação de Javé, o papel e a forma da morte de Indalécio, seu fundador, e da participação de Mariadina; a eterna briga entre os irmãos, conhecidos um como "Gêmeo" e o outro como "O Outro", para saber quem é o pai de cada um e a legitimidade da herança - um discurso vai se formando por trás do humor: afinal de contas, o que é História e o que é invenção? Num primeiro momento, parece que o filme prova a tese de que a história oral é deficitária para revelar com destreza os fatos históricos. Como ela é baseada na memória - e esta, como todos sabem, é falível -, decorre que a história dela apreendida também pode ser falível, portanto, passível de discussão. Mas, ao mesmo tempo, e aqui reside toda a riqueza dessa pequena obra-prima, Biá vai montando em suas reflexões (um tanto desconexas de início) o desmonte do discurso histórico escrito. Se, para as autoridades (e a sociedade em geral), um documento escrito vale mais que um relato oral, Biá trata de derrubar qualquer forma de superioridade quando sugere a um morador "florear" tal passagem da história do fundador Indalécio, "criando" maior grandiosidade ao fato histórico. Biá, em sua sabedoria malandra e debochada, é o único que sabe escrever, o que o torna o único dono da versão final - verdadeira ou não, pouco importa. Biá faz história desconstruindo o discurso histórico.

Assim, a História como ciência vai sendo "desforjada" com tamanha facilidade e destreza. Nas palavras de Biá estão a ciência e a invenção (em todo momento ele fala em nome de um saber científico), e em seu texto histórico, como propõe ao morador, certamente elas irão se confundir. No final, saber o que é verdade ou não perde a razão de ser, e o produto - dito histórico - recebe status de verdade. A pergunta que fica disso é, na verdade, um questionamento sobre o quanto há de verdade em livros de História que nos reproduzem lutas, guerras e vidas com diversos detalhes impossíveis de serem verificados em razão da distância temporal. Será que a carta de Caminha não pode ter sido "floreada" como Biá pregava na fundação de Javé para que a tal terra descoberta parecesse mais interessante do que realmente era? Será que Caminha não tomou nenhuma licença poética em seu texto? Não seria Caminha o primeiro Biá em nosso território? (Um dos moradores diz em determinado momento: "Uma coisa é o fato acontecido, outra é o fato escrito".) Hoje não temos como provar as descrições de Caminha em sua famosa carta. Temos um documento histórico de valor que nos afirma tais considerações e só nos resta crer.

Não se quer aqui desacreditar o ofício do historiador (até porque estão lendo um texto de um deles), mas indicar como o fazer história é uma tarefa impossível de ser realizada plenamente. Alguém que escreve num determinado tempo sofre as influências de seu próprio tempo - o que inclui toda a gama de leituras, ideologia, crenças, valores e até humor - e é compreensível que haja erro, omissão ou equívoco. A História, portanto, não deixa de ser uma ciência, só que inexata porque simplesmente impossível de totais certezas. E é assim porque ela lida com mentes, idéias, com o que é imprevisível no ser humano - o próprio fato de ser humano. A natureza tem um ritmo previsível e racional, mas o homem, esse ser pensante e cheio de vaidades, é capaz de todas as coisas e, por isso, ser a História uma matéria instigadora e enigmática. Se as aparências enganam, a História também pode nos enganar porque é fruto do humano, dos nossos desejos, sonhos, anseios.

Memória

Voltando a Narradores de Javé, nota-se que na verdade o filme não se leva a sério nessa discussão porque ele próprio se coloca num tom fantástico, que é fruto do próprio relato de um dos moradores de Javé (não se esqueçam que a história de Javé está sendo contada depois que tudo aconteceu)!! Isso quer dizer que o filme que vemos na tela é o relato de um ex-morador de Javé dos relatos que outros moradores fizeram a Biá!! O filtro pela qual a história passa é muito maior e as chances de algo se perder e algo se acrescentar é muito grande. Tal qual a brincadeira do telefone sem fio, que chega ao final uma história muito diferente da original.

E essa idéia da "história da história", essa idéia metalingüística, está muito bem clara na montagem do filme com a presença de três tempos distintos - o presente, tempo de narração do filme; o passado - tempo de narração dos relatos de moradores a Biá e da história do afundamento de Javé; e o tempo mitificado, que é o tempo da fábula, da imaginação e da memória dos moradores. Os três casos aparecem em imagens, e a diretora evitou a clássica idéia de diferenciar uma da outra pela fotografia. Em Narradores de Javé, a fotografia é a mesma porque, mesmo sendo tempos distintos, são todos frutos da oralidade, dos relatos de pessoas. Apenas o tempo presente - o do filme em si - se diferencia pela ausência de vida, de cores. Ele é todo filmado durante a noite, sem abertura para que vejamos alguma paisagem que não os personagens. Isso nos prende àqueles homens, às suas histórias. Valoriza o tempo do mito, da fábula, da imaginação dos narradores.

Verdade

Javé é um filme mais inteligente do que parece, mais profundo do que se pode crer num primeiro momento. Ele tem vida, tem carisma, tem um frescor que poucos filmes ambientados no sertão têm. E diante da extinção de Javé, só se pode lamentar, mas também comemorar, pois se o livro da grande história de Javé não foi escrito (ainda), há um filme fabuloso pra provar seu valor.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/2/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noites azuis de Elisa Andrade Buzzo
02. Charge, Cartum e Caricatura de Rafael Lima


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autistas do Alem
Nelson Moraes
Petit



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



Educação Infantil Ii
Maria de Lourdes Trüyillo de Mello
Paulus
(1997)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 1 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Switzerland - Lonely Planet
Nicola Williams, Damien Simonis, Kerry Walker
Lonely Planet
(2009)



Consultoria Empresarial - Métodos e Cases dos Campeões - Confira !!!
Mauricio Sita; Dino Carlos Mocsanyi
Ser Mais
(2013)



Meninas Super Poderosas: os Monstros de Giz
E. S. Mooney
Nbl
(2002)



Flores da Ruína - 1ªed
Patrick Modiano
Record
(2015)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês