A figura do malandro | Blog do Carvalhal

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo I
>>> Violões do Brasil
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Jackson Pollock - drawing into painting de Bernice Rose pela The Museum of Modern Art (1980)
>>> O Manto das Trevas de Helen MacInnes pela Record (1982)
>>> Machado de Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts; Janaina Senna pela Arqueiro (2013)
>>> A Mágica do 1-2-3 de Thomas W. Phelan; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2009)
>>> Os Eleitos de Tom Wolfe pela Rocco
>>> Visões do Golpe de Vários Autores pela Nova Fronteira (2014)
>>> Désirée, Wife of Marshal Bernadotte de Annemarie Selinko pela Longman (1975)
>>> Arsene Lupin Contra Herlock Sholmes de Maurice Leblanc pela L&pm (2021)
>>> Tribulações de um Chinês na China de Julio Verne pela Edico
>>> O Caso dos Exploradores de Cavernas de Lon L. Fuller pela Edipro de Bolso (2015)
>>> Balanced Yoga: the Twelve Week Programme de Svami Purna pela Element Books (1992)
>>> Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas pela Abril (1971)
>>> Hora do Apocalipse de Edgard Armond pela Aliança (1992)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Hemus (1985)
>>> Guia Completo de Inglês para Viagem de Ana Cuder pela Fluentics
>>> Inspirações - Pintura em seda livro I de Denise Meneghello pela Maio (1995)
>>> Eu Acredito no Amor! de Aldirene Maximo pela Scortecci (2017)
>>> Técnicas para Entrevistas - Conquiste Seu Emprego de Aggie White pela Cengage Learning (2008)
>>> Marley & Eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Clínica Odontológica Brasileira 2004 de Marco Antonio Bottino pela Artes Medicas (2004)
>>> Die Blutschule de Max Rhode pela Roman
>>> As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Nova Cultural
>>> Surrealismo de Marilda de Vasconcellos Rebouças pela Ática (1986)
>>> E Após o Sinal Sensível de Prof Luiz Meloni pela Leia Sempre
BLOGS >>> Posts

Domingo, 9/8/2015
A figura do malandro
Guilherme Carvalhal

+ de 3900 Acessos

O malandro é uma das mais corriqueiras alegorias referentes ao povo brasileiro. É a representação carnal do conceito de malandragem, um fruto das complexas redes de poder no Brasil, como a forte hierarquia e o afastamento dos indivíduos do poder público, gerando uma zona cinzenta entre o lícito e o ilícito. Mesmo estando nos limiares da marginalidade, é uma figura romântica e simpática.

Enquanto um conceito de entendimento sociológico e uma prática corriqueira no dia a dia, alterada conforme as novas necessidades dos tempos (usar o wi-fi do vizinho sem sua autorização não seria uma malandragem pós-moderna?), a malandragem foi tema de obras artísticas e de grande mídia, cada uma dando sua contribuição na interpretação e na formação do conceito dessa figura.

Apesar da malandragem ser um conceito que ocorra dentro de todo território brasileiro, sua presença é mais referenciada ao Rio de Janeiro e, em alguma escala, à Bahia. Na Bahia, Jorge Amado foi um dos principais a colocá-los como personagens de suas obras, sendo o caso mais conhecido o do Vadinho, de Dona Flor e Seus Dois Maridos, homem que não gostava de trabalho e levava a vida entre golpes e ludibrio. Fora desse eixo, dentro da literatura e do folclore há inúmeras outras abordagens, como João Grilo e Pedro Malasartes.

No Rio de Janeiro é que achamos a principal fonte de referências ao malandro, até mesmo pela sua imagem clássica refletir a essa cidade na primeira metade do século XX, através da figura de terno e chapéu-panamá envolvida com samba e capoeira. Uma obra que aborda essa imagem é A Ópera do Malandro, peça teatral de Chico Buarque transformada em filme por Ruy Guerra.

Essa história é interessante enquanto retrato histórico, por mostrar uma ampla realidade carioca na década de 1940 e a vida do malandro: jogo de sinuca, capoeira, bebida, golpes, teatro de revista. O problema dessa narrativa é sua necessidade de se colocar como expressão histórica, o que torna a história menos um desenrolar natural de fatos e mais uma colagem de momentos diversos, precisando encaixar um pouco de tudo para recriar a atmosfera da época.

No Brasil para exportação existe a clássica figura do Zé Carioca, criação de Walt Disney que mostrava o Rio de Janeiro ao Pato Donald. Nos tempos de sua criação ele era apresentado de terno e chapéu-panamá, além do guarda-chuva e o charuto na boca (em tempos em que se podia colocar fumo em uma publicação destinada a crianças). Com a modernidade ele mudou de visual, passou a usar boné e roupa esportiva, além de deixar o barraco na favela e ir morar em uma casa melhor estruturada.

A figura do Zé Carioca nasce de um período de trocas culturais entre Brasil e Estados Unidos. Nele é referido não apenas o esteriótipo do malandro, mas muitos dos lugares comuns do brasileiro estão presentes ali, como o gosto por futebol, por feijoada, as dificuldades financeiras. Sua figura soa não como um personagem feito pela Disney para homenagear o Brasil, mas para estereotipar o Brasil para o restante do mundo.

A música foi um extenso espaço para se referenciar a malandragem, principalmente o samba. De Conversa de Botequim, composta por Noel Rosa em 1935, até o disco Os 3 Malandros in Concert, gravado por Moreira da Silva, Bezerra da Silva e Dicró em 1995 em sátira aos Três Tenores (Placido Domingo, José Carreras, Luciano Pavarotti ), esse tema sempre foi explorado pelas composições. Jorge Aragão, João Nogueira e muitos outros fizeram do malandro inspiração para músicas.

Um dos principais artistas a retratar o malandro foi o ator e diretor Hugo Carvana. Em filmes como Vai trabalhar, vagabundo e Se segura, malandro, ele captou não uma figura pronta do imaginário, mas a ideia da malandragem. Tanto que esses filmes foram realizados na década de 1970, já sem a moda dos ternos e dos chapéus.

O universo criado por Carvana é mais moderno, sem saudosismos ou romantismos. O que ele apresenta é uma comédia com muito escracho envolvendo personagens que são avessos ao trabalho e levam a vida na conversa mole. Vai trabalhar, vagabundo começa apresentando essa relação entre lícito e ilícito, quando o personagem principal sai da cadeia.

Uma obra recente de Carvana, Casa da Mãe Joana, trouxe uma perspectiva diferente dessa figura, que é o malandro já com mais idade. É a filha fruta de um relacionamento casual que aparece, o amante profissional de meia idade, o jornalista intelectual bêbado e suas imagens de mulheres do passado. Uma das melhores comédias brasileiras dos últimos tempos.

Assim como o malandro faz parte do ideário nacional, sua presença se deu na literatura, na música, no teatro e no cinema. Do visual clássico que se estampou na memória coletiva até a aplicação do conceito de malandragem em histórias modernas, ele participou ao longo dos anos das narrativas da nação. Sua visão se transformou ao longo dos anos, sempre expressando um conjunto de valores frutos da complexidade da sociedade brasileira.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 9/8/2015 às 13h56


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Imigração árabe 100 Anos de Reflexão
Claude Fahd Hajjar
Ícone
(1985)



Memórias de um Caçador
Ivan Turguêniev / Irineu Franco Perpétuo (trad.)
34
(2013)



O Desafio da Vida
Abílio Oliveira
Coisas de Ler
(2011)



Estrutura das Organizações
Eduardo Vasconcelos e james R Hemsley
Pioneira
(1989)



X-Men Extra Nº 90
Marvel
Panini Comics
(2009)



O Terceiro Homem
E. H. Cookridge
Nova Fronterira
(1968)



Céu: enigma das fronteiras - Volume 1
Ana Eduarda Chiarato Nicolozzi
Vivilendo
(2011)



Ler é Aprender: Contos Novos - Nº 4
Mário de Andrade
Klick



Os Novos Prazeres do Sexo
Alex Comfort
Ediouro
(1994)



Chatô, o Rei do Brasil
Fernando Morais
Companhia das Letras
(1994)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês