Um século de paixão pela arte | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 1/2/2005
Um século de paixão pela arte
Luis Eduardo Matta

+ de 4800 Acessos

Falecido em 2003, Roberto Marinho não foi somente um proeminente jornalista e bem-sucedido magnata das telecomunicações, proprietário do mais influente canal de televisão do Brasil. Ele, que teria completado cem anos em dezembro de 2004, cultivou ao longo da vida um grande amor pelas artes plásticas, em especial, a pintura brasileira. Isso o levou a reunir durante quase seis décadas, uma portentosa coleção que conta, hoje, com mais de mil e trezentos itens entre pinturas, esculturas, gravuras e objetos. Desde 3 de dezembro passado, parte deste valioso acervo se encontra em exibição na linda e imperdível mostra O século de um brasileiro: coleção Roberto Marinho, no Paço Imperial, no Centro do Rio de Janeiro. São, ao todo, duzentas e quarenta obras, selecionadas pelo curador e diretor do Paço, Lauro Cavalcanti e distribuídas por doze núcleos montados nos três andares da instituição.

A exposição foi dividida de acordo com elementos representativos das predileções de Marinho: a água, que reproduz o seu notório amor pelo mar; a terra, que representa o seu patriotismo e a sua visão otimista e entusiasmada do Brasil; e o ar, simbolizando as transmissões dos meios de comunicação audiovisuais, que o consagraram como grande empreendedor da mídia moderna. O belíssimo "Núcleo da Água", por exemplo, é um achado, um verdadeiro oásis de apaziguamento em meio à já bastante serena e agradável mostra; nele, quadros retratando peixes, assinados por artistas como Aldemir Martins, Arcângelo Ianelli e até o francês Jean Cocteau enfeitam as paredes pintadas de azul ultramar que envolvem um recinto parcialmente iluminado por discretos feixes de luz azulados projetados do teto, dando ao ambiente um repousante aspecto marinho. Permaneci alguns minutos além do necessário neste núcleo e ao sair, senti-me de tal maneira relaxado, que parecia que eu havia acabado de imergir numa dimensão à parte, inteiramente desconectada da realidade. Sensação semelhante a que devem ter os mergulhadores mais contumazes.

Do mesmo modo, já no segundo núcleo da mostra, nos deparamos com a admiração de Roberto Marinho pelo trabalho do pintor paulista José Pancetti, de quem foi amigo pessoal e incentivador. São vinte e oito obras do artista expostas, incluindo a singela tela Boneco (1939), pela qual o jornalista declarava nutrir uma secreta paixão: "toda vez que olho esse pequeno quadro de Pancetti, tenho a comovida sensação de estar olhando para dentro de mim mesmo", declarou ele, certa vez. A mostra prossegue com trabalhos de Portinari, Di Cavalcanti, Brecheret, Guignard - que comparece com quinze obras, com destaque para a belíssima Flores com Fundo Azul (1950) - Maria Martins, Frans Krajcberg, entre outros. Ismael Nery, como sempre, rouba um pouco a cena, com trabalhos como Nós (1926), uma instigante pintura em tonalidades pretas, cinzentas e azuladas, na qual fragmentos de três ou quatro figuras de sexo indefinido se amalgamam formando um mosaico de rostos frios, estéreis, enigmáticos, quase apavorantes. No penúltimo núcleo, após atravessar uma exposição dominada pela arte brasileira, encontramos, enfim, alguns trabalhos de artistas estrangeiros pescados da coleção, dentre os quais, três obras de Chagall, um óleo de Léger e uma aquarela de Paul Signac, um dos expoentes do pontilhismo.

Merece, igualmente, atenção, a sala onde, ao som de "Moon River" e "O Trenzinho do Caipira", de Villa-Lobos, um telão narra, por meio de imagens e depoimentos, a trajetória de Roberto Marinho e das Organizações Globo e o contato do jornalista com personalidades ao longo das décadas. Essa sala, cujo acesso se dá a partir do sétimo núcleo (onde estão expostas as obras de Guignard, Ismael Nery e Maria Martins), conta, ainda com uma escultura dourada de bronze, de autoria do próprio Marinho, que se inspirou em imagens visualizadas no fundo do mar para compô-la. Um painel na parede com um arrebatado texto homenageando o jornalista, assinado pela escritora Nélida Piñon, completa o ambiente.

O detalhe curioso da mostra fica por conta de uma confusão histórica envolvendo dois trabalhos de José Pancetti, que teria sido descoberta logo que o evento começou a ser preparado, cerca de um ano atrás. Em 1955, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro abrigou uma mostra individual de Pancetti, da qual participaram os quadros O Chão, da coleção de Roberto Marinho e A Rua do Subúrbio, pertencente ao Museu Nacional de Belas-Artes, no Rio, ambos pintados no mesmo ano, 1941. Por serem muito parecidas, as obras acabaram trocadas no encerramento da mostra e o engano só pôde ser detectado graças a uma anotação a lápis descoberta ao acaso no verso do quadro que integrava o acervo do jornalista. Agora, na exposição do Paço, as telas estão sendo exibidas ao público, lado a lado, com seus nomes verdadeiros pela primeira vez em cinqüenta anos e, com o término do evento, espera-se que cada uma retorne à sua morada original.

A mostra O século de um brasileiro: coleção Roberto Marinho permanece até o dia 13 de fevereiro no Paço Imperial, no Rio de Janeiro e segue, depois, para o Museu de Arte Moderna de São Paulo, onde ficará em exibição de 24 de março a 15 de maio. O Paço Imperial fica na Praça XV de Novembro, 48 - Centro - Rio de Janeiro. Tel: (21) 2533.4491 / 7762 - De terça a domingo, das 12h às 18h.

Pequenas imperfeições, uma comédia absurda

No último dia 6 de janeiro, estive na estréia da peça Pequenas Imperfeições, um verdadeiro achado dramatúrgico em meio à modorra em que se transformou o panorama teatral brasileiro, em geral, e carioca, em particular, repleto de monólogos soporíferos e comédias vazias, pretensamente moderninhas. O espetáculo, estrelado e dirigido pelas jovens atrizes Luciana Fontenelle e Letícia Pantoja, da Companhia Umbigo de Édipo, narra os conflitos de dois psicopatas, Banzo (Luciana) e Lundu (Letícia) que após assassinarem seus vizinhos - inclusive, escondendo os corpos no seu apartamento - desligam-se da sua sórdida, doentia, melancólica e solitária realidade para imergir no sonho dourado de se tornar atores de teatro.

O argumento de Pequenas Imperfeições nasceu de uma adaptação que Luciana Fontenelle fez de um texto do espanhol Fernando Arrabal, Cerimônia para um negro assassinado, no qual dois psicopatas acreditam ser grandes atores. Há, igualmente, referências a Esperando Godot de Samuel Beckett. Por meio de um bem bolado figurino, as atrizes se transfiguram em horrendas figuras masculinas para interpretar as duas personagens que vagueiam pelo próprio delírio e recriam a realidade à sua maneira, imaginando-se numa ribalta onde, dali em diante, reinarão absolutas com seu inigualável talento. A peça, em cartaz na Casa da Matriz, uma badalada casa noturna carioca não tem palco fixo; o público é convidado a acompanhar Banzo e Lundu por várias das dependências da casa, onde se desenrolam as cenas, inclusive com direito a subir um lance de escada.

Vale a pena ir lá conferir o talento dessas duas talentosas atrizes e a força do texto, que reveza momentos de graça e perplexidade, passando pelo absurdo. Quem quiser aproveitar, pode emendar e permanecer na casa para aproveitar uma das concorridas festas que varam as madrugadas reunindo jovens antenados nas suas duas pistas de dança e no lounge.

Pequenas Imperfeições fica em cartaz até o dia 25 de fevereiro, toda quinta e sexta, às 20 horas, na Casa da Matriz - Rua Henrique de Novais, 107 - Botafogo - Rio de Janeiro. Tel.: (21) 2266-1014


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 1/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
03. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
04. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
05. O gosto da cidade em minha boca de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PIANISTA NO BORDEL
JUAN LUIS CEBRIÁN
OBJETIVA
(2009)
R$ 20,00



OS ECONOMISTAS
LEONARD SIK
ZAHAR
(1976)
R$ 10,00



MRTYUKÃLA: HORA DA MORTE
MARIA HELENA DE BASTOS FREIRE
CCJ
(2004)
R$ 81,85



NEW YORK FLOW SYSTEMS CAN AUTOMATE YOUR CUTTING OPERATIONS
REVISTA GRAPHIC ARTS MONTHLY, Nº 7, VOL 50
TECHNICAL PUBLISHING
(1978)
R$ 31,28



TECNICAS CONSTRUTIVAS DE ARGUMENTACAO E DEBATE
GEORGE L HINDIS E RUPERT L CORTRIGHT
IBRASA
(1968)
R$ 12,00



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - ANA MAE T. B. BARBOSA
ANA MAE T. B. BARBOSA
PERSPECTIVA
(1978)
R$ 18,00



TAMBORES E VIOLINOS - 1ª ED.
MARIA TERESA HELLMEISTER FORNACIARI
WRITERS
(2000)
R$ 5,74



THE FUTUTRE OF BRANDS
RITA CLIFTON - ESTHER MAUGHAN
NEW YORK UNIVERSITY
(2000)
R$ 90,00



ERA UMA VEZ UM PIRATA HOLANDÊS
JOSÉ MAVIAEL MONTEIRO
ÁTICA
(1995)
R$ 6,90



ATOS IMPUROS
HENRY A. GIROUX
ARTMED
(2003)
R$ 63,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês