Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
>>> Quando Meu Pai Perdeu o Emprego de Wagner Costa pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Fernão Lopes: Suas Crónicas Perdidas e a Crônica Geral do Reino... de A. de Magalhães Basto pela Livr. Progredir/ Lisboa (1943)
>>> Decifrar pessoas de Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella pela Alegro (2000)
>>> Como fazer sabões e artigos de toucador de Ribeiro de mello pela Icone (1987)
>>> Pokémon extreme Batalha épica no mundo de dentro de Venom Extreme pela Sextante (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 10/7/2012
Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
Duanne Ribeiro

+ de 4200 Acessos

Ambientado na 2ª Guerra Sinojaponesa (1937-1945), Flores do Oriente, filme do diretor chinês Zhang Yimou, retrata os movimentos finais da conquista da então capital chinesa Nanquim - e as brutalidades que a sucederam. Neste cenário, se refugiam em uma igreja alunas do internato local e seu bedel, prostitutas que não conseguiram alcançar uma das "áreas seguras" e um agente funerário americano que, indolente e irresponsável, acaba lá pelo dinheiro do culto. Desmantelam-se identidades que antes pareciam fixas, e a opressão da barbárie se torna o espaço para o crescimento ético.

Essa obra de Yimou foi lançada em 2011 no exterior e chegou ao Brasil há pouco. O diretor produziu, entre outros, A Maldição da Flor Dourada (2006), O Clã das Adagas Voadoras (2004) e Herói (2002). O aspecto plástico das suas produções é marcante, pelo uso das cores e apuro quanto a figurino e cenário. Embora pese a mão no melodrama em alguns trechos, o filme em geral lida bem com seu ritmo, variando entre tenso, contemplativo e brusco - as múltiplas dimensões do que seja a vivência de guerra, de uma maneira semelhante a que lemos, por exemplo, no livro Inverno da Guerra, de Joel Silveira. Esse é o filme mais caro da história do cinema chinês e traz Christian Bale (de Batman) como o agente funerário.

O título em português, meramente decorativo, não capta bem como o americano o caráter do filme: Flowers of War, flores da guerra, indicando não só as mulheres (sendo flor uma metáfora clichê para o feminino), mas também a ideia de que em meio ao horror e ao absurdo pode surgir a beleza. Por sua vez, o nome na língua original aponta para o dilema trágico da obra: 13 Mulheres de Nanquim ressalta a fatalidade deste número, destas mulheres e desta cidade arrasada. Um ponto em meio à crueldade ampla, um ponto-arquétipo. É através delas que sentiremos de forma concreta a arbitrariedade, como ela dilui os sujeitos, como permite seu próprio negativo - nas figuras do heroísmo e do sacrifício.

É interessante que possamos observar esse deslocamento de sentido apenas pela análise dos títulos: é algo similar ao que ocorre com os personagens. O bedel tem de cuidar das alunas após a morte do padre que geria a igreja; é só um menino, e as condições o forçaram a cumprir um papel maior do que ele. O americano, que se importa somente com seu conforto, se veste de padre por estar bêbado. Dessa piada surge inesperada uma tentativa digna: ele passa a atuar como verdadeiro clérigo, assim procurando impedir o ataque dos soldados, famintos por sexo, não importando a idade (registra-se que se estupraram mulheres de 7 a 90 anos). As meninas, entre prostitutas e internas, entram em conflito pelos diferentes estilos de vida e acabam se identificando. Por fim, têm de trocar de imagem e de função (a função macabra que se lhes atribui) da forma mais trágica.

No exemplo anterior, cada título iluminava um aspecto distinto do filme. De uma maneira ainda mais específica, podemos ver que o brasileiro enfoca o local, tenta vender o exótico. O em inglês delimita o gênero, bem de acordo com os esquemas hollywoodianos. O chinês traz além da concisão citada, delicadeza: o ideograma usado para "mulher" é o mesmo dos pauzinhos de cabelo, o que, entre as opções possíveis no alfabeto japonês, foge do termo neutro e de complicações sexistas, se decidindo por um signo visual, até poético, e que insinua um trecho essencial do enredo. No caso dos personagens, analogamente os papéis sociais exigem certos tipos de atitude; as identidades se sobrepõem aos indivíduos.

Como se cada um fosse o que precisasse ser, agindo nos limites que cada situação lhe abre. Assim, vemos o pai de uma das internas diferentemente, segundo o jeito com que o encaramos: um traidor, de acordo com a identidade nacional ofendida, ou herói, como pai que se sacrifica. Assim, vemos o exército japonês: primeiro, os de baixa patente, espoliando e estuprando; depois, os comandantes, que cantam em uníssono uma canção de saudade de casa, e então são só homens alijados da vida, por causa da guerra, como todos ali.

Peça Político-Cultural
Tenho sido abstrato em relação a que "brutalidade" ou "barbárie" ambienta esse filme de Yimou. Falamos de algo apelidado de "prelúdio do Holocausto", em que mais de 200 mil pessoas foram mortas: o Massacre (ou Estupro) de Nanquim. As cenas de Flores do Oriente ecoam atrocidades reais. Ruas repletas de cadáveres e as mulheres de conforto do exército (na prática, todas as que estivessem vivas, algumas atadas a cadeiras, de pernas abertas, à disposição, permanentemente) são, em um documentário como The Rape of Nanking, relatos confirmados.

No cenário atual, essa ainda é uma ferida não cicatrizada na relação China-Japão. Embora seja a posição oficial japonesa reconhecer o Massacre, há uma corrente revisionista que procura negá-lo, tal como outros episódios negativos. Essa linha reacionária impôs uma reforma nos livros-texto da educação infantojuvenil do país, amenizando ou excluindo citações à atuação militar criminosa, em polêmica que perdura já duas décadas. Outro exemplo de seu alcance é a declaração de um prefeito japonês, em fevereiro deste ano, negando o genocídio - o que causou a quebra de relações entre a cidade japonesa de Nagoya e Nanquim. Flores do Oriente parece ganhar nesse contexto uma dimensão política, notavelmente afirmativa.

Essa interpretação se reforça quando observamos os envolvidos na produção do filme - digamos, os stakeholders. Temos, em primeiro lugar, o governo da China, engajado em influenciar a cultura segundo seu programa, com base em censura e filmes históricos. Em segundo lugar, Yimou, cujos roteiros recentes, diferente das suas primeiras obras, são aprovados pelos censores (e que está suficientemente alinhado com o Partido Comunista para ter sido convidado a dirigir a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim). Em terceiro lugar, Geling Yan, que escreveu o livro em que se baseou Flores do Oriente: 13 Mulheres de Nanquim. Ela, também roteirista da obra em foco, serviu ao Exército de Libertação Popular, no período da Revolução Cultural maoísta.

Yimou afirmou, à época de Herói: "O objetivo de qualquer forma artística não é política. Eu não tenho intenções políticas. Eu não estou interessado em política". Independente disso, não é possível desvincular Flores do Oriente do arranjo em que está.

Por que um americano?
O crítico Robert Ebert vê uma artimanha da indústria no uso de um "personagem branco para contar a história de não-brancos" (uma espécie de adequação como aquela de indicar o gênero "guerra" no título). Ele pergunta: "Você pode imaginar qualquer motivo para o personagem John Miller ser necessário para contar essa história? Foi considerada a possibilidade de um padre chinês?". Yimou teria Bale em mente desde o início, e essa teria sido "a maior colaboração entre um artista de Hollywood e a indústria chinesa em 100 anos".

Como o próprio Ebert percebe, há, sim, motivo - é uma forma de vender o filme para uma plateia mais extensa, ocidental, o que se afina com o que o governo da China quer de sua cultura. O fato de ser um personagem americano no ambiente preliminar à II Guerra Mundial e com destaque ao fascismo japonês tem também outra consequência ideológica. Não é complicado conceber que Flores do Oriente pode se tornar uma justificação psicológica retroativa para os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, como se fossem uma resposta inexorável à selvageria do Japão. É um pensamento possível - porém, segundo a essência do filme, inadequado.

E não porque a selvageria americana foi idêntica - os Estados Unidos assassinaram de 150 a 246 mil pessoas com suas bombas - mas porque há de se notar aqui o mesmo deslocamento de sentido. A barbárie não é privilégio de um pedaço de terra. Nem de uma época - se soldados japoneses espetavam bebês em baionetas e riam, hoje se tiram fotos alegres ao lado de civis afegãos mortos. Segundo nota Adorno, a barbárie é resultado das condições intelectuais de um lugar, e é aí que precisamos procurar culpados. De modo simpático a Flores do Oriente, achar na civilização seus desvios, como encontramos, no filme, beleza em meio à dor.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 10/7/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pantanal de Marilia Mota Silva
02. As redes sociais e a política de Wellington Machado
03. Minhas 10 melhores digestões de Marcelo Spalding
04. Escrever para não morrer de Andréa Trompczynski
05. Concurso de popstars mostra novo caminho na TV de Arcano9


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MESTRES DA INTERCOIFFURE MODA, ESSA ESPECIE DE VIRUS, MUTANTE FUGAZ
FERNANDO NATIVIDADE
ORANGE STAR
(2005)
R$ 30,00



REDES MÓVEIS - TECNOLOGIAS E ESPECTRO DE FREQÜENCIAS
VINÍCIUS OLIVEIRA CARAM GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A DAMA E O UNICÓRNIO
TRACY CHEVALIER
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 15,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO 8 - NÃO É MINHA CULPA SE EU SEI DE TUDO
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 34,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



BIBLIOTECA DA MATEMÁTICA MODERNA - VOLUME 5
ANTÔNIO MARMO DE OLIVEIRA E AGOSTINHO SILVA
LISA
(1976)
R$ 15,00



UM CERTO SUICÍDIO
PATRICIA HIGHSMITH
BEST SELLER
R$ 15,00



POLUIÇÃO DO AR: SAMUEL MURGEL BRANCO, EDUARDO MURGEL
SAMUEL MURGEL BRANCO; EDUARDO MURGEL
MODERNA
(1995)
R$ 8,00



MEMÓRIAS DE ADRIANO
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 4,90



OBSTETRÍCIA VOLUME 1 - DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ
EQUIPE MEDCURSO
MEDCURSO
(2012)
R$ 4,99





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês