Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 10/7/2012
Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
Duanne Ribeiro

+ de 4200 Acessos

Ambientado na 2ª Guerra Sinojaponesa (1937-1945), Flores do Oriente, filme do diretor chinês Zhang Yimou, retrata os movimentos finais da conquista da então capital chinesa Nanquim - e as brutalidades que a sucederam. Neste cenário, se refugiam em uma igreja alunas do internato local e seu bedel, prostitutas que não conseguiram alcançar uma das "áreas seguras" e um agente funerário americano que, indolente e irresponsável, acaba lá pelo dinheiro do culto. Desmantelam-se identidades que antes pareciam fixas, e a opressão da barbárie se torna o espaço para o crescimento ético.

Essa obra de Yimou foi lançada em 2011 no exterior e chegou ao Brasil há pouco. O diretor produziu, entre outros, A Maldição da Flor Dourada (2006), O Clã das Adagas Voadoras (2004) e Herói (2002). O aspecto plástico das suas produções é marcante, pelo uso das cores e apuro quanto a figurino e cenário. Embora pese a mão no melodrama em alguns trechos, o filme em geral lida bem com seu ritmo, variando entre tenso, contemplativo e brusco - as múltiplas dimensões do que seja a vivência de guerra, de uma maneira semelhante a que lemos, por exemplo, no livro Inverno da Guerra, de Joel Silveira. Esse é o filme mais caro da história do cinema chinês e traz Christian Bale (de Batman) como o agente funerário.

O título em português, meramente decorativo, não capta bem como o americano o caráter do filme: Flowers of War, flores da guerra, indicando não só as mulheres (sendo flor uma metáfora clichê para o feminino), mas também a ideia de que em meio ao horror e ao absurdo pode surgir a beleza. Por sua vez, o nome na língua original aponta para o dilema trágico da obra: 13 Mulheres de Nanquim ressalta a fatalidade deste número, destas mulheres e desta cidade arrasada. Um ponto em meio à crueldade ampla, um ponto-arquétipo. É através delas que sentiremos de forma concreta a arbitrariedade, como ela dilui os sujeitos, como permite seu próprio negativo - nas figuras do heroísmo e do sacrifício.

É interessante que possamos observar esse deslocamento de sentido apenas pela análise dos títulos: é algo similar ao que ocorre com os personagens. O bedel tem de cuidar das alunas após a morte do padre que geria a igreja; é só um menino, e as condições o forçaram a cumprir um papel maior do que ele. O americano, que se importa somente com seu conforto, se veste de padre por estar bêbado. Dessa piada surge inesperada uma tentativa digna: ele passa a atuar como verdadeiro clérigo, assim procurando impedir o ataque dos soldados, famintos por sexo, não importando a idade (registra-se que se estupraram mulheres de 7 a 90 anos). As meninas, entre prostitutas e internas, entram em conflito pelos diferentes estilos de vida e acabam se identificando. Por fim, têm de trocar de imagem e de função (a função macabra que se lhes atribui) da forma mais trágica.

No exemplo anterior, cada título iluminava um aspecto distinto do filme. De uma maneira ainda mais específica, podemos ver que o brasileiro enfoca o local, tenta vender o exótico. O em inglês delimita o gênero, bem de acordo com os esquemas hollywoodianos. O chinês traz além da concisão citada, delicadeza: o ideograma usado para "mulher" é o mesmo dos pauzinhos de cabelo, o que, entre as opções possíveis no alfabeto japonês, foge do termo neutro e de complicações sexistas, se decidindo por um signo visual, até poético, e que insinua um trecho essencial do enredo. No caso dos personagens, analogamente os papéis sociais exigem certos tipos de atitude; as identidades se sobrepõem aos indivíduos.

Como se cada um fosse o que precisasse ser, agindo nos limites que cada situação lhe abre. Assim, vemos o pai de uma das internas diferentemente, segundo o jeito com que o encaramos: um traidor, de acordo com a identidade nacional ofendida, ou herói, como pai que se sacrifica. Assim, vemos o exército japonês: primeiro, os de baixa patente, espoliando e estuprando; depois, os comandantes, que cantam em uníssono uma canção de saudade de casa, e então são só homens alijados da vida, por causa da guerra, como todos ali.

Peça Político-Cultural
Tenho sido abstrato em relação a que "brutalidade" ou "barbárie" ambienta esse filme de Yimou. Falamos de algo apelidado de "prelúdio do Holocausto", em que mais de 200 mil pessoas foram mortas: o Massacre (ou Estupro) de Nanquim. As cenas de Flores do Oriente ecoam atrocidades reais. Ruas repletas de cadáveres e as mulheres de conforto do exército (na prática, todas as que estivessem vivas, algumas atadas a cadeiras, de pernas abertas, à disposição, permanentemente) são, em um documentário como The Rape of Nanking, relatos confirmados.

No cenário atual, essa ainda é uma ferida não cicatrizada na relação China-Japão. Embora seja a posição oficial japonesa reconhecer o Massacre, há uma corrente revisionista que procura negá-lo, tal como outros episódios negativos. Essa linha reacionária impôs uma reforma nos livros-texto da educação infantojuvenil do país, amenizando ou excluindo citações à atuação militar criminosa, em polêmica que perdura já duas décadas. Outro exemplo de seu alcance é a declaração de um prefeito japonês, em fevereiro deste ano, negando o genocídio - o que causou a quebra de relações entre a cidade japonesa de Nagoya e Nanquim. Flores do Oriente parece ganhar nesse contexto uma dimensão política, notavelmente afirmativa.

Essa interpretação se reforça quando observamos os envolvidos na produção do filme - digamos, os stakeholders. Temos, em primeiro lugar, o governo da China, engajado em influenciar a cultura segundo seu programa, com base em censura e filmes históricos. Em segundo lugar, Yimou, cujos roteiros recentes, diferente das suas primeiras obras, são aprovados pelos censores (e que está suficientemente alinhado com o Partido Comunista para ter sido convidado a dirigir a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim). Em terceiro lugar, Geling Yan, que escreveu o livro em que se baseou Flores do Oriente: 13 Mulheres de Nanquim. Ela, também roteirista da obra em foco, serviu ao Exército de Libertação Popular, no período da Revolução Cultural maoísta.

Yimou afirmou, à época de Herói: "O objetivo de qualquer forma artística não é política. Eu não tenho intenções políticas. Eu não estou interessado em política". Independente disso, não é possível desvincular Flores do Oriente do arranjo em que está.

Por que um americano?
O crítico Robert Ebert vê uma artimanha da indústria no uso de um "personagem branco para contar a história de não-brancos" (uma espécie de adequação como aquela de indicar o gênero "guerra" no título). Ele pergunta: "Você pode imaginar qualquer motivo para o personagem John Miller ser necessário para contar essa história? Foi considerada a possibilidade de um padre chinês?". Yimou teria Bale em mente desde o início, e essa teria sido "a maior colaboração entre um artista de Hollywood e a indústria chinesa em 100 anos".

Como o próprio Ebert percebe, há, sim, motivo - é uma forma de vender o filme para uma plateia mais extensa, ocidental, o que se afina com o que o governo da China quer de sua cultura. O fato de ser um personagem americano no ambiente preliminar à II Guerra Mundial e com destaque ao fascismo japonês tem também outra consequência ideológica. Não é complicado conceber que Flores do Oriente pode se tornar uma justificação psicológica retroativa para os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, como se fossem uma resposta inexorável à selvageria do Japão. É um pensamento possível - porém, segundo a essência do filme, inadequado.

E não porque a selvageria americana foi idêntica - os Estados Unidos assassinaram de 150 a 246 mil pessoas com suas bombas - mas porque há de se notar aqui o mesmo deslocamento de sentido. A barbárie não é privilégio de um pedaço de terra. Nem de uma época - se soldados japoneses espetavam bebês em baionetas e riam, hoje se tiram fotos alegres ao lado de civis afegãos mortos. Segundo nota Adorno, a barbárie é resultado das condições intelectuais de um lugar, e é aí que precisamos procurar culpados. De modo simpático a Flores do Oriente, achar na civilização seus desvios, como encontramos, no filme, beleza em meio à dor.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 10/7/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dalton Trevisan revisitado de Luiz Rebinski Junior
02. O lado louco de Proust de Andréa Trompczynski
03. Conto de Natal de Gian Danton
04. Lembranças e embalagens duelam no novo Mel Gibson de Arcano9


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUCHO ÉXITO VOLUME 1 COM CD
ADDA NARI M ALVES E ANGELICA MELLO
SANTILLANA ESPAÑOL
(2015)
R$ 60,31



A SOLIDÃO SEGUNDO SOLANO LÓPEZ
CARLOS DE OLIVEIRA GOMES
CÍRCULO DO LIVRO
(1984)
R$ 7,90



UM CAVALEIRO DA SEGUNDA DECADÊNCIA
HERMILO BORBA FILHO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 25,00



DE BERLIM A JERUSALÉM (DEBATES)
GERSHOM SCHOLEM
PERSPECTIVA
(1991)
R$ 35,00



ISAÍAS MELSOHN - A PSICANÁLISE E A VIDA
BELA M. SISTER - MARILSA TAFFAREL - AUTOGRAFADO
ESCUTA
(1996)
R$ 30,00



PROFISSÃO DESEMPREGADO - 7ª EDIÇÃO
JAIRO DE PAULA
DO AUTOR
(2000)
R$ 6,00



THE 100 GREATEST ADVERTISEMENTS 1852-1958: WHO WROTE THEM AND WHAT ...
JULIAN WATKINS
DOVER PUBLICATIONS INC.
(2003)
R$ 59,00



A HORA DA HISTORIA
THRITY UMRIGAR; AMANDA ORLANDO
GLOBO LIVROS
(2015)
R$ 10,00



FENG SHUI - DECORAÇÃO DE INTERIORES
SARAH ROSSBACH
EDIOURO
(1998)
R$ 50,00



COLEÇÃO FILOSOFINHOS VOL. 3 - SÓCRATES
MARIA DE NAZARETH AGRA HASSEN, FRANCISCO JUSKA FILHO
TOMO EDITORIAL
(2011)
R$ 17,00





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês