Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 14/8/2012
Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Duanne Ribeiro

+ de 5300 Acessos

Christopher Nolan conclui sua trilogia. Se Batman Begins foi bom e Batman: O Cavaleiro das Trevas ótimo, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge fica entre os dois. É um filme diferente, com menos enfoque em cenas de ação e mais em desenvolvimento psicológico do protagonista. O filme se passa oito anos após o término do precedente, com Bruce Wayne "aposentado" da atuação como Batman, e seu alter-ego é visto como criminoso pela polícia local. A cidade, antes violentíssima, está praticamente pacificada, e um vingador não parece ser necessário. Surge no entanto uma nova ameaça - Bane, líder de uma espécie de exército-seita - e ele se sente impelido a voltar à ativa. A obra se inspira vagamente em duas séries clássicas das histórias em quadrinhos do herói: Queda do Morcego e Terra de Ninguém.

A obra tem qualidades. A preocupação de Nolan com o realismo é a maior delas: além do lado subjetivo do Batman, percorremos os problemas corporais que causam sua vida de vingador, e as exigências de exercício constante. Os outros personagens também têm caracterizações sempre próximas do plausível. Bane é forte como personagem pela união da falta de expressão facial (pela máscara) com um pensamento aparentemente calculista, planejado, e a presença física intimidadora. A Mulher Gato nunca se chama assim, e só delicadamente dá a impressão de orelhinhas de felina, por causa dos óculos especiais: não é mais uma "fantasiada", assim como outro personagem que surge pela primeira vez na nova série também não é. Há também problemas: lacunas de verossimilhança e ingenuidade do enredo (um exemplo está na batalha final Batman/Bane) e, principalmente, um teor ideológico intenso, que prejudicou sobremaneira meu envolvimento com a narrativa.

Essa ideologia será criticada abaixo - não por suas teses, mas pelo modo insidioso com que é introduzida: ela faz o filme funcionar como uma longa "falácia do espantalho", distorcendo a posição de seus oponentes até o ponto em que sejam simples de negar. É nela que quero me focar. Este artigo acaba sendo um texto mais direcionado para quem assistiu o filme - tudo que segue contém spoilers - portanto convido o leitor a retornar com a obra vista. No entanto, ele é legível como debate de ideias, para quem não pretende ver este Batman: o que trago, em suma, é uma leitura cultural-política de "terrorismo", "revolução" e "liberalismo".

Não pretendo justificar a necessidade dessa crítica à ideologia no corpo da coluna; se o leitor quiser impugnar a utilidade ou plausibilidade de um debate assim a respeito de uma história de um homem vestido de morcego, podemos discutir nos comentários.

Bane é os 99%
"Alguns homens só querem ver o mundo queimar". Comentei com um amigo essa frase do segundo filme da trilogia, fascinante pelo seu elogio à desordem (visível, por exemplo, nos posts que inspirou, como esse). Esse meu amigo retrucou com algo perspicaz: a tese, vinda da boca do mordomo inglês Alfred, é sintomática do pensamento do colonialismo britânico de tempos passados (no diálogo, o mordomo cita a incursão em Burma, atual Myanmar) e pinta o "terrorismo" como uma atitude destacada da razão; não há que compreendê-lo, basta combatê-lo (para um contraponto, leia a resenha de Virtude e Terror, antologia de Slavoj Zizek, por Vladimir Safatle). O Cavaleiro das Trevas Ressurge é construído sobre esse tipo de visão enviesada e/ou redutora de temas sociais, e é isso o que pretendemos demonstrar.

No país que assistiu em 2011 a expansão do movimento Occupy e do slogan "Nós somos os 99%" desde Wall Street para cerca de 600 comunidades norteamericanas e 95 cidades de 82 países, Nolan lança uma caricatura da crítica à riqueza e do status quo. A Mulher Gato diz: "Há uma tempestade chegando, senhor Wayne. Você e seus amigos vão se perguntar como puderam viver com tanto e deixar tão pouco para o resto de nós". É quase uma paráfrase do slogan mencionado, com o acréscimo da "tempestade", que remete a Bob Dylan em A Hard Rain's Gonna Fall, também de uma época de mudanças sociais. Há, assim, ao menos dois caminhos para que o público caracterize essa posição como típica de algo conhecido, e para ver tal posição derrogada: a chuva pesada que cairá será, enfim, o ataque de Bane que é descrito logo abaixo, e a Mulher Gato, como se pode prever, se arrependerá.

Há também o escárnio sobre a bolsa de valores: quando Bane a invade, alguém diz que não tem dinheiro ali; ele responde: "Sério? E o que vocês todos fazem aqui?". A ironia indica o despeito social possivelmente descrito por sim, é claro que há dinheiro, velhos vencedores e uma filiação tremenda com o poder. Bane por um instante é esse ressentimento. E também para que vejamos, de duas formas diferentes, que esse ressentimento é inapropriado.

Liberalista, Conservador, Apolítico
A primeira é a visão liberalista de mundo implicada. Em dado momento, Bruce Wayne - o Batman - pergunta ao funcionário que gere sua empresa porque pararam de financiar um orfanato. A resposta é que sem lucro essa ajuda não é possível. A melhora social se vincula aqui diretamente com o crescimento da iniciativa privada, sob a qual recai o financiamento destinado a menores carentes. Repare na ausência do Estado, que outrossim é sempre posto como poder corrupto ou ineficiente, seja Legislativo ou Executivo (um exemplo: o prefeito, diz-se, demitiria em breve o Comissário Gordon, ao fim do filme um herói) - é a indústria e seu modelo administrativo o ideal (a Corporação Wayne é quem desenvolve uma fonte de energia limpa superior a qualquer outra, além de um arsenal poderoso; mas com a sensatez de aguardar pelas "mãos certas" para entregar o material). O enredo comporta de certa forma até o mito do self-made man: Miranda Tate conta como nasceu pobre e se alegrava com uma fogueira, e agora é bilionária.

A segunda é a ideia conservadora de "revolução". Após explodir vários pontos de Gotham, dentro de um estádio arrasado, Bane discursa à massa: "Não viemos como conquistadores, mas como libertadores, para retornar o controle dessa cidade a seu povo". Na sequência, ele liberta prisioneiros de uma cadeia citada no início como destino de milhares de membros do crime organizado, chamando-os "oprimidos". O vilão se arroga uma revolução em nome da liberdade, do povo, dos oprimidos. São palavras, no filme, sem conteúdo, como se fossem só o negativo de qualquer coisa instituída antes. São ademais termos carregados e apontam para correntes ideológicas, em geral a esquerda, em específico o comunismo. Um exemplo dessa última ideia ocorre quando uma amiga da Mulher Gato lhe diz que tal residência é agora casa de todos - "de forma perfeitamente comunista", descreve o crítico Christian Toto. Ainda mais: o país de origem do cientista que altera um reator em arma nuclear para Bane é a Rússia - vilã típica em filmes hollywoodianos, por motivos simples de aferir.

A revolução de Bane é sobretudo vazia em forma e fato. Em primeiro lugar, o espectador não pode crer nela nem por um instante: sabemos que a bomba nuclear com que Bane ameaça a todos e impede que saiam da cidade explodirá de qualquer forma. Além disso, ele se mantém poderoso após a intervenção (o conquistador que negou ser). Por fim, não há, ecoando o Alfred colonialista, sentido ou objetivo: o que ele instaura é só barbárie. Assim como vê Hobbes, encerrado o Estado só há guerra de todos contra todos: o filme nos mostra os indivíduos sem capacidade de organização ou agência, entregues às gangues; a única instituição de pé é uma paródia do Judiciário. Apolítica, a revolução de Bane é um elogio ao status quo anterior, a opção mais sólida frente a mudanças que são irracionais ataques à democracia. Juntando as duas ideias apresentadas, temos uma proposta social clara, coroada pela defesa da coerção além da lei, para manter a lei: "Às vezes, as regras se tornam grilhões", diz Gordon...

Conforme diz Mark Fisher, no Guardian: "O Cavaleiro das Trevas Ressurge desenha linhas nítidas: comentários anticapitalistas são aceitáveis, mas qualquer ação direta contra os ricos ou lances revolucionários pela redistribuição da propriedade levam ao pesadelo distópico. (...) O filme pelo menos expôs a duplicidade e a violência necessárias para preservar as ficções em que os conservadores querem que acreditemos - mas demonizou a ação coletiva contra o capital, ao passo em que nos pede para ter esperança e fé em um rico purificado". Prefiro não me colocar, pelo menos nesta coluna, contra capitalistas ou conservadores, tampouco defender ou atacar o liberalismo ou o movimento Occupy. Meu foco é o esquema falacioso da produção de Nolan, e o empobrecimento de debate que pode causar, no que se refere a recobrir as ideias do adversário com distorções que impedem a sua compreensão.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 14/8/2012


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2012
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia - 4/9/2012
03. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge - 14/8/2012
04. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real - 3/4/2012
05. Cinco Sugestões a Autores de Ficção Científica - 7/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ÚNICA ESPERANÇA - ENCONTRE O REAL SENTIDO DA VIDA
ALEJANDRO BULLÓN
CPB
(2013)
R$ 10,00



CONTOS GAUCHESCOS E LENDAS DO SUL
SIMÕES LOPES NETO
L&PM
(2012)
R$ 11,00



A VAGA DE CALOR
URBANO TAVARES RODRIGUES
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1986)
R$ 15,63



O MUNDO DA CRIANCA
DIANE E. PAPALIA & SALLY WENDKOS OLDS
MCGRAW-HILL
(1981)
R$ 16,00



IPI - TEMAS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS
OSWALDO ORTHON DE PONTES E MARCOS AURÉLIO PEREIRA
FÓRUM
(2009)
R$ 9,99



QUÍMICA GERAL - COLEÇÃO SCHAUM
DANIEL SCHAUM; JEROME L. ROSENBERG
MCGRAW-HILL
(1975)
R$ 14,90



O BOM LADRÃO
FERNANDO SABINO
EDITORA ATICA
(1993)
R$ 8,00



MEDIDA CERTA - COMO CHEGAMOS LÁ!
RENATA CERIBELLI - ZECA CAMARGO
GLOBO
(2011)
R$ 8,90



PALAVRAS DE BOCAGE COL. PALAVRAS DE AUTORES PORTUGUESES
JOSÉ MANUEL FIGUEIREDO GRÁF. FRANC PEDRO LYON
LYON EDIÇÕES
(1997)
R$ 17,70



PELO SENHOR MARCHAMOS SIM
MARIA JOSÉ CORDEIRO DA SILVA
RABONI
(1994)
R$ 7,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês