Um romance de terror e de sombras | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 1/3/2005
Um romance de terror e de sombras
Luis Eduardo Matta

+ de 13400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Certa vez, afirmei - não me recordo exatamente em que circunstâncias - que a leitura era um exercício permeado de sombras; que estas nos acompanhavam durante toda a jornada através das páginas e permaneciam presentes mesmo depois que a leitura acabava, por um tempo que variava de acordo com o impacto causado pelo livro e as suas reverberações pelo interior da alma, que poderiam durar a vida inteira. As sombras da leitura não são, necessariamente, maléficas ou assustadoras, embora tenham o dom de trazer à tona aquilo que, muitas vezes, preferiríamos manter esquecido. Elas vão nos envolvendo à nossa revelia, sem que percebamos e influenciando a maneira com a qual sentimos as nossas pulsações interiores e enxergamos o mundo em movimento à nossa volta. Por vezes, nos escancaram os olhos para o óbvio até então imperceptível; nos mostram a crueza do cotidiano, nos fazem mergulhar no lado escuro do ser humano, tentam nos convencer de que a vida é desprovida de sentido, de que ela é mesquinha, cruel, ilógica, que nada do que acreditamos intimamente tem valor diante do peso implacável da realidade. As sombras da leitura nos provocam, acima de tudo, perplexidade, ao revelar, por meio da ficção, os dilemas de uma realidade que, em geral, contraria o mundo que estamos sempre buscando idealizar de acordo com os nossos anseios e expectativas.

Ao iniciar a leitura do romance Com Quem Está Falando Marie Louise?, de M. L. Wilson (Komedi; 470 páginas; 2004), eu não podia prever, em absoluto que, com apenas algumas páginas viradas, essas sombras começariam a se insinuar sutilmente até um ponto em que envolveriam a leitura por completo. Ora, eu estava diante de um thriller de mistério e terror, com pitadas de paranormalidade e drama familiar. Imaginava que me depararia, basicamente, com cenas de suspense e tensão - algo que, de fato, ocorre. Mas não esperava, em absoluto, que além do suspense, presente em todo o livro e que prende a atenção do leitor de forma intensa, o romance apresentasse uma rica galeria de personagens sombrios e abjetos que têm sua vida, sua conduta e seus desejos mais recônditos e infames trazidos à tona, pondo a nu, sem piedade, o lado mais podre e mesquinho do caráter humano. É raro num thriller identificarmos essa combinação entre suspense e aprofundamento psicológico; quando ela existe, muitas vezes, o autor erra a mão, resvala para a pieguice ou para a reprodução exagerada das suas próprias culpas e obsessões. M. L. Wilson soube dosar os elementos muito bem e o resultado é um livro competente e envolvente, além de primar por uma escrita elegante, rica e, o que é melhor, clara.

Ambientado no cantão de Zurique, na Suíça alemã, Com Quem Está Falando Marie Louise? tem início com a morte trágica do casal de biliardários Stephen e Yvonne Eichenberger, vítimas de um acidente de carro. Stephen e Yvonne tinham uma filha pequena, Marie Louise, de cinco anos, que se torna a órfã mais rica da Suíça e passa a ter a sua fortuna cobiçada pelo meio-irmão de Yvonne, Martin Hutter, seu parente mais próximo, que decide requerer a tutela da menina. Hutter e seus parentes logo se instalam na suntuosa mansão dos Eichenberger, em Itschnach, perto de Zurique. Hutter, sua mulher Eleonore e os filhos constituem uma família gananciosa, de péssimo caráter, devotada aos prazeres hedonistas e que nutrem, acima de tudo, um desejo doentio de recuperar a riqueza e o prestígio que usufruíam no passado, antes de Hutter torrar todo o seu dinheiro. No momento em que eles tomam posse da mansão em Itschnach, porém, coisas estranhas começam a acontecer. A propriedade, antes acolhedora, se transforma num lugar hostil e sombrio. Fenômenos sobrenaturais, assustadores e inexplicáveis vão se sucedendo e, pouco a pouco, conduzem os Hutter ao pânico e ao desespero extremo.

A trama conta, ainda com um núcleo policial, protagonizado pelo simpático Comissário René Honegger, do Departamento de Homicídios, encarregado da investigação da morte dos Eichenberger, uma morte que ele considera suspeita. Embora todos os indícios apontem para uma fatalidade, Honegger desconfia que o casal pode ter sido vítima ou de um atentado político, devido à sua estreita amizade com um proeminente homem público, futuro conselheiro do Cantão de Zurique, ou de um crime perpetrado pelo próprio Martin Hutter, o único potencial beneficiado com o desaparecimento da meia-irmã e do cunhado. O comissário começa a investigar o passado de Hutter e, ao descobrir de quem se trata, passa a temer pela vida da pequena Marie Louise, com quem simpatizara desde a primeira vez em que a encontrou, logo no princípio da história.

Nascida em Minas Gerais e, há anos radicada na Suíça, M. L. Wilson soube captar bem a atmosfera do país que escolheu para viver. Ela nos explica, por exemplo, que, apesar dos imensos avanços econômicos e sociais, de toda a sua notória riqueza e de estar localizada no coração da Europa, a Suíça conserva um discreto, porém enraizado espírito machista nas relações pessoais e de trabalho, fato que eu, por exemplo, desconhecia. O belo Cantão de Zurique, um dos enclaves mais ricos e aprazíveis do mundo, é descrito com perfeição: o comércio rutilante e abastado da Rua da Estação (Bahnhofstrasse), o outono mesclando dias de neve com a exuberância do intenso colorido das folhas enchendo as árvores, a paz eterna nas montanhas onde nada nunca acontece.

Wilson consegue em Com Quem está Falando Marie Louise?, enveredar por uma seara ficcional até então escassa - para não dizer inexistente - na Literatura brasileira. Ainda assim, contudo, não há como enquadrar este livro dentro de um único gênero, já que a complexidade da trama e completude da sua narrativa o colocam além do romance policial, de terror sobrenatural ou de conflitos familiares e de interesses. Mesmo estes três itens reunidos não serviriam para definir a obra e acabariam por reduzir o seu valor literário. Wilson produziu um livro onde podem ser identificadas inúmeras vertentes da tradição romanesca; tentar enquadrá-lo numa categoria de maneira a defini-lo mais facilmente, portanto, é tarefa altamente desaconselhável.

Ainda assim, caso o livro alcance alguma repercussão, a autora deve esperar reprimendas por parte de uma ala de críticos e leitores, sobretudo, com relação à ambientação da história e à escolha de personagens suíço-alemães, algo imperdoável dentro dos círculos culturais nacionais. O brasileiro tem uma tradição de deslumbramento em relação ao continente europeu e, como reação a isso, procura afirmar de forma atrapalhada a própria identidade, renegando neuroticamente as influências externas, como se elas representassem uma ameaça pungente à auto-estima nacional, uma convocação sedutora e permanente a se abandonar a sujeira e o primitivismo dos trópicos e se entregar, de uma vez, à paixão arrebatada e reprimida pelos ares faustosos da Europa civilizada. Logo, um escritor brasileiro que, no lugar de voltar o olhar para dentro das nossas fronteiras no sentido de desvendar o próprio país e magnificar o orgulho nacional, optar por retratar uma terra estrangeira sem enxergá-la através de uma ótica brasileira, será sumariamente acusado de produzir uma obra sem identidade, sem nenhum vínculo com a nossa tradição e, portanto, sem qualquer valor. A Suíça de M. L. Wilson é uma Suíça inteiramente alemã, em todos os sentidos. Wilson encontrou uma maneira alemã de falar sobre uma terra - por que não? - alemã. Nada mais adequado. Seria espantoso e, até mesmo assustador, se ela se valesse de um ponto de vista brasileiro para construir um romance passado numa terra tão diferente da nossa. O que algumas pessoas poderão enxergar como demérito, eu vejo como uma grande qualidade. M. L. Wilson soube se apropriar da tradição e da atmosfera de um povo que não é o seu para escrever um romance que reproduz com fidelidade os costumes, o espírito e a linguagem desse povo e da sua terra. Isso denota um talento inegável. Quantos escritores brasileiros serão capazes de tal façanha?

De qualquer forma, agora, que terminei a leitura de Com Quem está Falando Marie Louise?, pressinto que as sombras dessa história sombria e perturbadora me acompanharão por algum tempo. Não é uma perspectiva propriamente agradável, mas é um sinal de que o livro, pelo menos comigo, cumpriu o seu anunciado objetivo.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 1/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema futuro: projeções de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/3/2005
14h39min
Talvez o demerito nao seja da autora, mas sim de quem critica um romance nao pela trama ou pela qualidade da escrita, mas pelas referencias utilizadas... Afinal e ficcao, nao e? Mas acho que no caso, os ardilosos criticos nacionalistas vao gostar do livro. Afinal, e um livro de terror, e com personagens sordidos e mesquinhos, bem diferente do que somos aqui no Brasil...
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU VIM NU/ DEPOIS DA TEMPESTADE/ MOZART PARTE AS 9/ QUANDO LEÃO FOME
AUTORES DIVERSOS
YPIRANGA
(1965)
R$ 10,00



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR (TOMO II)
JÚLIO DINIZ
MINHA
R$ 4,35



MEMÓRIAS DE VIAGEM DOS PROFESSORES DO RECIFE
VÁRIOS
PCR
(2003)
R$ 20,00



COLEÇÃO ANALYTICA EM 5 VOLUMES
DIREÇÃO; JAYME SALOMÃO
IMAGO
(1981)
R$ 150,00



PS BEIJEI
ADRIANA FALCÃO E MARIANA VERÍSSIMO
SALAMANDRA
(2004)
R$ 9,80



PARA GOSTAR DE LER VOL 15 A CADEIRA DO DENTISTA
CARLOS EDUARDO NOVAES
ATICA
(2008)
R$ 9,90



BECKY BLOOM - DELÍRIOS DE CONSUMO NA 5º AVENIDA
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2003)
R$ 10,00



PETITE CHIRURGIE
J. MAISONNET
OCTAVE DOIN
(1928)
R$ 39,20



SER SOCIAL 8: DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS SOCIAIS
REVISTA SER SOCIAL
UNB
(2001)
R$ 8,00



PENSAMENTOS QUOTIDIANOS, VOL 10
OMRAAM MIKHAEL AIVANHOV
PROSVETA
(1997)
R$ 27,70





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês