Sexo Social | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
Mais Recentes
>>> Manual de Direito Penal Parte Geral (Arts. 1º ao 120) - Volume Único de Rogério Sanches Cunha pela JusPODIVM (2017)
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/4/2007
Sexo Social
Ram Rajagopal

+ de 7200 Acessos

O artigo a seguir é uma republicaçào do que já foi apresentado no blogue Cataplum. Você pode se perguntar porque faço isso... Ora, simples, porque adoro este texto. O que ele tem de novo? Nada. Exceto que, com muita sinceridade, desmistifica a "razão" porque temos tanto tesão...

Acho que nunca escrevi sobre sexo, assunto universal ao menos para uma parte dos crentes. Não é porque não penso em sexo, penso como todo homo sapiens que tem uma pitada de sapiens. É mais mesmo porque sexo é o assunto mais discutido, mais falado e, francamente, mais desgastado dos nossos dias. Com a internet então, não precisamos nem mais ter a vergonha de passar na banca de jornal e comprar uma Dicas de sexo ou, senão, a última IstoÉ sobre "Revolução sexual e as posições mais gostosas". O assunto sexo aparece a todo instante. Basta passar dez minutos, com amigos em um café, que o tema sexo surge de uma forma ou de outra. Seja para teorizar a razão da beleza de alguém, ou senão para discutir as vantagens e desvantagens de um relacionamento de longa distância num casamento. O tal sapiens é definitivamente um animal sexual.

Uma das coisas que sempre me surpreendeu sobre sexualidade é a influência dos hormônios na capacidade de uma pessoa pensar com coerência. Sob pressão hormonal, até a mais reflexiva das pessoas se torna intempestiva e é capaz de fazer ou dizer qualquer coisa só para ter um orgasmo. Muitas vezes, depois, se lamenta com amigos e amigas no barzinho de toda a dor de cabeça por alguns minutos de prazer. Ainda assim, essa memória da dor é bem curta. Afinal, já nos acostumamos a pensar, já fomos catequizados que sexo não é mais um prazer, é, sim, o único prazer. Então é aí que eu queria chegar.

A propalada sociedade moderna em que vivemos é uma grande contradição. Vejam só, dispendemos horas incontáveis de nossos dias acumulando fama e salário, especialmente este último, azeitando roupas, economizando para um carro, para ter um apartamento, tudo em função de bancar aquele único prazer. Afinal, todas as outras coisas empalidecem frente ao sexo. Até reconhecimento, segundo os sábios modernos, tem um fundo sexual, a dominação de alguém por muitos, o reconhecimento do seu valor é nada mais nada menos que uma alavanca de status social, e que em última instância é mais uma porta para uma oportunidade sexual mais ampliada. Pois é, construimos uma vida em função do sexo, mantemos uma grande estrutura social e hierárquica para procriar e dar a todos a oportunidade de experimentar o que se convencionou ser o maior prazer da vida.

No entanto, com sinceridade, quantas horas nos dedicamos ao sexo propriamente dito? Quantas horas gastamos nos preparando fisicamente para o maior prazer humano? Quanto tempo limpando os escombros mentais (porque a pior coisa do mundo é ficar pensando ou imaginando enquanto se transa)? Quase nada (é a resposta). É ou não uma contradição? Não só não gastamos tempo algum, como também, aos poucos, esquecemos de como explorar e conhecer nosso próprio organismo. Não só sexualmente, mas em todas as dimensões. Conheço muitas pessoas que, até hoje, não sabem por que seu organismo reage de determinada maneira a determinados alimentos ou emoções. Isso para mim já foi motivação o suficiente para fazer cursos, consultas médicas, e ler bastante, até ter uma compreensão mínima do meu corpo...

Mas, na sociedade moderna, o que se vende é que não há tempo para isso. O sexo perfeito, o amor perfeito, a fama e o reconhecimento podem ser gozados com perfeição, bastando para isso se dedicar feito uma máquina aos princípios da sociedade, da vida social. Basta obedecer, e imaginar metas e objetivos, traçar uma reta ascendente, que todo o resto se consolida. Dispender tempo com outras coisas é errado, é motivo para sentir culpa e frustração. Quando as pessoas descobrem que não é bem assim, que o sexo é frustrante porque não têm tempo o suficiente para se dedicar a ele - ao ato ou ao corpo -, então passamos a comprar ilusões. Entramos na época das imagens. Miramos no corpo de nosso amante, e vislumbramos as cenas de sexo do cinema, a boca de uma atriz, tudo com o objetivo de apaziguar nossa mente. Porque o prazer máximo do sexo é aquele minuto de silêncio mental do orgasmo, em que toda a nossa bagagem, todos pesos, culpas, "nóias", desejos infrutíferos, frustrações, desaparecem. Mas para chegar lá, a mente tem que comprar a idéia...

E aí, o ciclo se fecha. Compramos imagens. Vivemos uma vida caótica, sexualmente alienada. E na hora daquilo que se vende como sendo o único prazer, mal conseguimos curtir o momento, doidos por aqueles minutos em que a mente se apaga. Imagino que, para o homem moderno, os minutos que antecedem a morte devam ser ainda mais prazerosos que o orgasmo. Aqueles minutos de silêncio sem questionamento, em que os decibéis do desejo desaparecem. Talvez, para o homem moderno, a morte seja bem melhor que o sexo.

P.S. - Muitas vezes a crueldade com o momento é tão grande que imaginamos parceiros diferentes, ao invés daquele que está ali, que momentos após uma das mais profundas trocas humanas, pensamos em como aquela experiência deixou a desejar, comparada a algum desejo interno ou à memória imperfeita de alguma experiência anterior. Pior ainda: ao invés de brincar, explorar, esquecer o mundo, mergulhamos ainda mais no mundo, resgatando toda nossa coleção de expectativas, e impondo-a àquele momento de felicidade. Ah, sim, como um post script, vale a pena dizer que Rafael Lima, do Na Cara do Gol, comentou que, na França, o orgasmo se denomina "a pequena morte"... Bom, não à toa, a França anda bastante decadente...


Ram Rajagopal
Rio de Janeiro, 2/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Faça você mesmo: a história de um livro de Luís Fernando Amâncio
02. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. Literatura engajada de Marta Barcellos
05. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2007
01. Os dez mandamentos do leitor - 16/7/2007
02. Sexo Social - 2/4/2007
03. Sete tecnologias que marcaram meu 2006 - 8/1/2007
04. Vale a pena publicar de novo - 26/2/2007
05. O bit, o papel e você no meio - 28/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Exército Iluminado
David Toscana (2ª Edição)
Casa da Palavra
(2012)



Los Panamericanos En Rojo!
Luis Scheker Ortiz
Punto Mágico (república Domin
(2003)



A Saga do Planejamento Familiar no Brasil
Helio Aguinaga
Top Books (rj)
(1994)



A Arte de Michelangelo
Nathaniel Harris
Ao Livro Técnico
(1994)



Artigo & Crase
Maria Aparecida Baccega
Atica
(1989)



Tensões Mundiais: Revista do Observatório das Nacionalidades
Observatório das Nacionalidades Vol 3e Nº 4
Observatório das Nacionalidade
(2007)



Casais Inteligentes Enriquecem Juntos: Finanças para Casais
Gustavo Cerbasi
Gente
(2004)



Memórias de um Assoviador
Eduardo Alves da Costa
Schmukler
(1994)



Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim...
Paulo Sergio Valle
Litteris
(2008)



The Basic Writings of C. G. Jung
Violet Staub de Laszlo (edição de 1959)
The Modern Library
(1959)





busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês